“Forças Armadas são protagonistas, sob autoridade do presidente”, adverte o ministro Braga Netto

Em discurso para militares, Braga Netto fala em assegurar harmonia entre PoderesCorreio Braziliense
Agência Estado

Em mais um sinal de alinhamento com o presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Defesa, Braga Netto, disse que as Forças Armadas são “protagonistas dos principais momentos da história do País” e estão “sob autoridade suprema do presidente da República”.

O ministro fez o discurso em uma cerimônia militar em Rezende (RJ), ao lado do presidente Jair Bolsonaro, no mesmo dia em que Bolsonaro anunciou, nas redes sociais, que apresentará ao Senado pedido de impeachment dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes e Luis Roberto Barroso. No Twitter, Bolsonaro disse que os ministros “extrapolam com atos os limites constitucionais”, mas não se pronunciou no evento.

CADEIA DE COMANDO – Sem citar o nome do presidente, Braga Netto disse ainda aos formandos militares que confiem na cadeia de comando das Forças Armadas – subordinadas a Bolsonaro, seguindo ele – e que os “líderes e superiores” representam a palavra oficial da instituição.

 “Confiem na cadeia de comando e na lealdade de seus líderes e superiores, eles representam a palavra oficial da força”, afirmou, na cerimônia de entrega do Espadim 2021 aos cadetes do 1º ano da Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), em Resende (RJ).

A nova ameaça de Bolsonaro e o discurso de Braga Netto vêm após o Estadão revelar que o vice-presidente Hamilton Mourão e Barroso, também presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), tiveram uma reunião reservada na última terça-feira, dia em que veículos blindados fizeram um desfile na Praça dos Três Poderes.

BARROSO E MOURÃO – Preocupado com o risco de ruptura institucional, Barroso queria saber se as Forças Armadas embarcariam em uma aventura golpista promovida pelo presidente Jair Bolsonaro. Mourão disse mais de uma vez ao presidente do TSE que quem comandava as tropas não avalizaria qualquer golpe. Afirmou que a chance de isso ocorrer era “zero” porque as Forças Armadas se pautavam pela legalidade. Barroso se mostrou aliviado.

No discurso na Aman, Braga Netto repetiu ainda um trecho da Constituição que diz respeito às Forças Armadas, o Artigo 142, mas com alterações na parte final do texto constitucional. “Reafirmo que forças armadas continuarão com fé em suas missões constitucionais, como instituições nacionais e permanentes, com base na hierarquia e disciplina, sob autoridade suprema do presidente da República, para assegurar a defesa da pátria, da soberania, da independência e harmonia entre poderes, manutenção da democracia e liberdade do povo brasileiro”, afirmou.

ADULTERAÇÃO – A Constituição, no entanto, não diz exatamente o que o ministro afirmou. Braga Netto substituiu a parte final do Artigo 142 por outras palavras. “As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do presidente da República, e destinam-se à defesa da pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem”, diz o texto.

A interpretação de Braga Netto reforça o discurso de Bolsonaro do último dia 12, para quem as Forças Armadas funcionariam como poder moderador. “Nas mãos das Forças Armadas, o poder moderador. Nas mãos das Forças Armadas, a certeza da garantia da nossa liberdade, da nossa democracia e o apoio total às decisões do presidente para o bem da sua nação”, disse Bolsonaro, na última quinta-feira.

Na postagem de hoje no Twitter, o presidente disse que o povo “não aceitará que direitos e garantias fundamentais (art. 5º da CF), como o da liberdade de expressão, continuem a ser violados e punidos com prisões arbitrárias, justamente por quem deveria defendê-los”.

PODER MODERADOR – A pretensa função de “poder moderador” das Forças Armadas é rejeitada pela Advocacia-Geral da União (AGU) e pelo STF. Em ação direta de inconstitucionalidade impetrada pelo PDT, o ministro Luiz Fux disse que não cabe ao Exército, Marinha e Aeronáutica interferir nos poderes.

Braga Netto disse ainda aos cadetes que eles são “herdeiros de história de glória e heroísmo”. “O braço forte e mão amiga acompanhou a evolução social, política e militar do Brasil”, afirmou. Segundo ele, o País “deposita nos militares confiança em trabalho profissional e patriótico”.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGA coisa está ficando mais feia. O ministro Braga Netto está fechado com Bolsonaro na aventura do golpe. Ele faz questão de deixar isso bem claro. A meu ver, Braga Netto sabe que os militares também estão decepcionados com Bolsonaro. Ou seja, se houver um golpe, tiram Bolsonaro e põem Braga Netto no poder. Todo cuidado é pouco, amigos. (C.N.) 

15 thoughts on ““Forças Armadas são protagonistas, sob autoridade do presidente”, adverte o ministro Braga Netto

  1. Não dá para mudar esse disco? Dada a importância das Forças Armadas, penso que qualquer sujeito deveria ter mais respeito ao sugerir papéis e responsabilidades que não sejam as previstas na Constituição. A não ser que esse sujeito banque todas as despesas. Em realidade, nós povo é que provemos para a sua pança.

  2. A premissa de C.N. é um tanto aleatória, mas com um raciocínio lógico dentro de uma realidade incontestável, o oportunismo, a ambição e falta de ética atual de alguns generais.
    Embora nunca tenha saído um Prémio Nobel da caserna, eles não são tão toscos para ignorar o caráter recalcado e vingativo do capitão que, provido de poderes absolutos não deixaria de vingar sua humilhação de 88 com a humilhação dos atuais estrelados.

    • Mesmo entendendo que um golpe de estado no atual estágio geopolítico é bastante imponderável e que o Bozo não tem envergadura pessoal para deflagrá-lo, sinto-me pessimista pelo fato de a extrema direta mundial, embora muito reduzida tem-se mantido ativa e o embaixador Bananinha tem feito constantes viagens aos principais centros, EEUU, Hungria e Polónia, e feito contatos com partidos ultras, mesmo que pequenos, como o VOX espanhol.
      A nossa sociedade continua anestesiada e leniente, esperando e esperando, esperando atingir o milhão de mortes, esperando fechar o STF, esperando fechar o Congresso, esperando o Mito arrotar, esperando…
      Passou da hora de divulgar maciçamente o plano em andamento e encaminhar denúncias à imprensa internacional à ONU, à OEA e pedir auxílio externo para evitar uma guerra civil e um massacre de brasileiros.
      Se tiver que chamar os americanos, chamem, se tiver que chamar os chineses, chamem, quem sabe se assim nossos militares vão se ocupar de assuntos bélicos e deixar a política para os políticos.

  3. Quando milicos (generalecos) se tornam criminosos Milicianos:

    braga neto é o generaleco-interventor que no passado recentíssimo assumiu a tarefa de combater o crime no Rio de Janeiro – por mais de um ano! -, e findo o prazo, as NARCOmilícias se fortaleceram ainda mais.

    NOTA:

    Emblemático dessa atualização criminosa da ocupação militar foi a execução com mais de 80 tiros disparados pelo exército contra o músico Evaldo Rosa.

    Obs. Infelizmente tem uma “penca” de generalecos que já entraram no bonde narcomiliciano de BROXAnaro.

  4. Será que essa cambada pensa(?) que um golpe militar seria bem sucedido e de fácil execução?

    Será que esses milicos de merda que se apoderaram de Brasília tem coragem de deixar o Genocida e seus funestos filhos criarem uma dinastia de ditadores?

    Até quando eles vão continuar brincando com isso?

    Ou não estão brincando?

    Ficam estas questões em aberto…

    JL

  5. Enquanto o gado bolsonarista muge “mensalão chinês”, o BTG Pactual, patrocinador oficial do governo (e oficioso da oposição ) opera como intermediador de uma gestora de ativos dos EUA para investir em empresas chinesas .

    Leonel Brizola chamava esse tipo de coisa, bem mais aperfeiçoado hoje do que na época dele, de “perdas internacionais”. Em vez do capital brasileiro ser aplicado no Brasil para gerar empregos, renda e tecnologia aqui dentro, é desviado para os EUA e a China via BTG. O BTG ganha, os EUA ganham, a China ganha, e quem perde é o Brasil.

    Aí em vez de se discutir uma reestruturação profunda do sistema financeiro para impedir esse tipo de transação funesta e manter o capital brasileiro dentro do Brasil, o gado acha que vai resolver o problema se descabelando em palavras de ordem babacas e prédicas moralistas contra a China, requentando todo um rosário de preconceitos anacrônicos da Guerra Fria que não faziam sentido nem contra a URSS e muito menos hoje contra a China. Ao mesmo tempo, desfila na rua com as bandeiras dos EUA e de Israel atochadas no traseiro e aplica seu dinheiro do FGTS no BTG esperando ficar rico sem trabalhar e sem merecer mas só se empobrecendo para enriquecer a mesma China que ele diz ser malvadona.

    E nem falo da oposição, cuja maior parte está completamente alheia a esse tipo de questão, achando que está “resistindo ao fascismo” e “lutando pela democracia” publicando foto tomando injeção, tendo ainda uma parte minoritária que acredita piamente na China altruísta e boazinha que, com a sua capa vermelha de super-herói, vai libertar os frascos e comprimidos do 3º Mundo da opressão imperialista.

    https://www.moneytimes.com.br/btg-ira-distribuir-produto-da-gestora-invesco/?fbclid=IwAR0Q82IEzARUZi9rIPX9bDUKUW7j-YsokaqBeEl2nnRwIgUvi-lYijCJu14

  6. A HISTÓRIA do Brasil não pode continuar congelada em 1964, urge virarmos essa página, antes que seja tarde demais, não há mais tempo a perdermos com isso. HÁ MAIS DE 60 ANOS, o Brasil está pedindo, pelo amor de Deus, um megaprojeto novo e alternativo de política e de nação. E há quase 40 anos, TEOTÔNIO VILELA, pai, em 1982, em estado de desprendimento, quiçá tocado por Deus, ou pelo Dr. Sobrenatural de Almeida, via programa “canal livre”, da TV Bandeirantes, constatou e profetizou a necessidade do Projeto Novo e Alternativo de Política e de Nação, ainda que sem saber como concebê-lo, capaz de resolver o Brasil e colocar o país e o povo brasileiro na rota da redenção, da política, do país e da população. Todavia, tudo aquilo que o saudoso Teotônio Vilela profetizou, como nunca antes feito neste país, entrou por um ouvido e saiu pelo outro, na seara partidária, até porque, não obstante passados quase 40 anos, partido nenhum se deu ao trabalho de elaborar ou se associar ao megaprojeto Novo e Alternativo de Política e de Nação elaborado por um ilustre desconhecido, do lado de fora do cercado partidário, há mais de 20 anos, com começo, meio e fim, sob a sigla RPL-PNBC-DD-ME, alternativa única face aos 131 anos de domínio do militarismo e partidarismo, politiqueiro$, e seus tentáculos, velhaco$, portanto a Terceira Via de Verdade, a nova política de verdade, o novo caminho para o novo Brasil de verdade, porque evoluir é preciso, capaz de fazer do Brasil uma grande nação, uma Nova Europa Brasileira. Todavia, os partidos, todos os partidos, infelizmente, assim como a mídia dos me$mo$, fecharam e mantém fechadas todas as portas para a RPL-PNBC-DD-ME, impedindo assim o advento do novo de verdade, via urnas, face à ditadura partidária, detentora do monopólio sobre as eleições. https://www.youtube.com/watch?v=scuw1o5d2so

  7. Só os bolsonaristas fora da realidade como seu chefe acham que caso aconteça um impossível golpe de estado do Exército o generalato manterá no poder alguém com o histórico militar de Bolsonaro. E acho mais improvável ainda caso tal fato aconteça, que Braga Netto assuma, o Exército está fechado com Mourão. Braga Netto não passa de um pelego de Bolsonaro.

Deixe um comentário para Solange Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *