Futurologia à parte, conservadores têm grandes chances em 2018

Resultado de imagem para ESQUERDA E DIREITA charges

Charge do Bessinha, reproduzida do Conversa Afiada

Igor Gielow
Folha

É um exercício infeliz, o da futurologia. Necromantes gregos e romanos sujavam a mão com imundícies cadavéricas atrás de augúrios para seus senhores, chineses da dinastia Shang faziam o mesmo tostando cascos de tartarugas. Não se espera tanto da ciência política de hoje, mas pululam no mercado especulações sobre a eleição presidencial do ano que vem à medida em que 2017 avança e o “establishment” busca se manter em pé de crise em crise.

O óbvio “hedge” que a Operação Lava Jato obriga já entra no cálculo. É com base na pergunta “quem vai sobreviver” a este ano que se estabelecem os cenários possíveis.

Isso dito, qual o perfil provável da próxima pessoa a ocupar o Planalto? A lógica decorrente da implosão do PT e de seu esquema de poder diz que o brasileiro elegerá um conservador ou conservadora, com todos os poréns que a definição exige no Brasil. Não há aqui um político mais à direita que se orgulhe disso e não seja caricatural ao mesmo tempo.

ESQUERDA EM BAIXA – O resultado do pleito municipal pós-impeachment de Dilma Rousseff demonstrou a exaustão atual do discurso à esquerda. O próprio perfil dos cidadãos, que vem sendo aferido por institutos como o Datafolha ao longo dos anos, reforça essa impressão. Em termos de valores, o Brasil é um país da chamada direita, ainda que economicamente adore um Estado paternalista ao gosto esquerdista.

Pode haver uma inflexão em curso, se São Paulo liderar alguma tendência urbana, com a ascensão de João Doria, o acelerado prefeito tucano paulistano. Ao menos no que os parcos dias de sua gestão permitem dizer, no vocabulário de Doria privatização não é palavrão, para ficar num exemplo comezinho que custou a Alckmin muito na derrota para Luiz Inácio Lula da Silva em 2006.

Pesquisas qualitativas na praça demonstram que, por ora, a grita contra mudanças de paradigmas e marquetagens do prefeito está restrita ao mesmo nicho que deu míseros 16% ao ídolo dos progressistas paulistanos, Fernando Haddad (PT).

ANTIPOLÍTICA – A retórica da antipolítica, por vazia que seja já que não há Doria sem as engrenagens poderosas que o sustentam, parece estar dando certo até aqui. É tolice enxergar nele um Donald Trump.

O prefeito já é um ator nacional, sendo obrigado a negar que vá ser candidato a governador ou até a presidente. Caberá a Alckmin capitalizar ou lamentar o desempenho de seu pupilo. A situação do governador é curiosa. Em tese, ele tem o figurino perfeito do tal conservador à espera de uma urna. Mas ele não tem seu partido, o PSDB, na mão. Essa atribuição é de Aécio Neves, senador mineiro que preside a sigla. Aécio quase ganhou de Dilma em 2014 e busca viabilizar uma nova candidatura.

Outro figurão, o chanceler José Serra (SP), ajudou a colocar o PSDB em peso no governo Temer, e está aliado do antigo desafeto Aécio visando barrar os movimentos de Alckmin, de olho em alguma postulação em 2018.

SERRA E ALCKMIN – Obviamente, Serra gostaria de disputar pela terceira vez a Presidência. Mas precisaria ter um hoje improvável apoio no PSDB. Se Doria ficar na prefeitura e sem o indicado ao Supremo Alexandre de Moraes no páreo, contudo, São Paulo passa a ser uma alternativa natural.

Neste momento, há um avenida bloqueada para Alckmin. Pegar o atalho via o aliado PSB é um plano B frágil, dada a capilaridade reduzida da legenda. Mas aqui o fator Lava Jato pode fazer a diferença.

Dos caciques tucanos, Aécio é o que mais enfrenta acusações e insinuações variadas no escopo da operação. Serra e Alckmin são citados, mas por enquanto estão em situação mais confortável do que a do mineiro, algo que mesmo os aliados do senador reconhecem. Todos os três negam quaisquer irregularidades.

MÃO DUPLA – A depender do estado desses personagens ao longo deste ano, a opção pela união por trás de alguém com o perfil de Doria poderá também ser colocada.

Além disso, a aproximação orgânica do conglomerado Aécio/Serra do governo Temer é uma via de mão dupla. Uma recuperação da economia que seja sensível à população seria um ativo valioso, mas a eventual derrocada no campo jurídico-ético está sempre à espreita.

Sempre há o fetiche da terceira via, papel que já coube no passado a Ciro Gomes (PDT) e a Marina Silva (Rede), ambos nomes que devem estar no páreo em 2018 -mas os bons índices da ex-senadora não devem ser levados por seu valor de face, por representarem mais um “recall” dos pleitos de 2010 e 2014.

E LULA? – Ciro, por sua vez, torce para que Lula não seja candidato para tentar unificar os escombros da esquerda. Soa quixotesco. Por fim, sempre haverá eleitores dispostos a votar numa figura como a do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), o que diz algo sobre a miséria do nosso tempo, mas não mais do que isso.

Voltando a Lula, sua candidatura é a grande questão. Se ela não for inviabilizada juridicamente, como é possível em uma eventual condenação em duas instâncias na Lava Jato, Lula poderá levar o que sobrou de seu exército a uma última batalha.

Se terá espírito para isso, e o impacto da morte da mulher é insondável como previsão, é outro ponto. O grau de fragmentação do campo conservador parece ser a régua a definir um embate. É tarefa mais simples checar sinais na borra do café.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGEste artigo foi escrito em fevereiro por Igor Gielow, editor de Política da Folha, antes da divulgação dos depoimentos da Odebrecht que atingiram Aécio, Alckmin e Serra, não necessariamente nesta ordem. Navegando no site da Folha, reli o artigo e achei tão atual, tão premonitório, que parece cada vez mais atual. E por isso, vale a pena ler de novo. (C.N.)

 

5 thoughts on “Futurologia à parte, conservadores têm grandes chances em 2018

  1. O articulista da folha Igor Gielow afirma que “sempre haverá eleitores dispostos a votar numa figura como a do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), o que diz algo sobre a miséria do nosso tempo, mas não mais do que isso”, mas eleitores também votaram no apedeuta do Lula, o reelegeram, votaram na disléxica Dilma Rousseff e também a reelegeram!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *