Ganância desmedida e o roteiro turístico de Cabral

O governador do estado do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, anda em bicicleta do projeto de transporte público parisiense Velib em frente à prefeitura de Paris (França). (Foto: Carlos Magno/Ccs) *** DIREITOS RESERVADOS. NÃO PUBLICAR SEM AUTORIZAÇÃO DO DETENTOR DOS DIREITOS AUTORAIS E DE IMAGEM***

Cabral Cabral e Júlio Lopes comemorando em Paris

Bernardo Mello Franco
Folha

Na sentença que condenou Sérgio Cabral a 14 anos de prisão, o juiz Sergio Moro afirma que o ex-governador do Rio revelou “ganância desmedida”. Não bastava desviar dinheiro público. Era preciso esbanjá-lo em joias, iates, ternos sob medida, sapatos de sola vermelha.

A gastança de Cabral impressiona até quem não dava um tostão furado pelo seu discurso moralista. Criado numa família de classe média, ele enriqueceu no poder e passou a ostentar uma vida de milionário. Não se preocupou nem em simular uma fonte de renda fora da política.

Protegido e bajulado por quem deveria fiscalizá-lo, o peemedebista costumava abandonar o cargo em longas viagens ao exterior. Os destinos preferidos eram Londres, Paris e Nova York, onde ele e a mulher jantavam em restaurantes estrelados e renovavam o estoque de roupas de grife.

De acordo com as investigações, o ex-governador chegou a ocultar cerca de US$ 100 milhões em paraísos fiscais. Só em diamantes, manteve mais de US$ 2 milhões na Suíça.

A roubalheira ajuda a explicar a ruína do Rio. Depois de um ciclo de recuperação econômica, o Estado quebrou. Falta dinheiro para pagar servidores e manter serviços essenciais. A penúria já levou ao fechamento de restaurantes populares e ao corte do bilhete único, que ajudavam os pobres a comer e procurar trabalho.

A Uerj, uma das universidades mais prestigiadas do país, também foi abandonada pelo governo. No início da semana, um professor de química com pós-doutorado no exterior causou comoção ao pedir ajuda a desconhecidos para pagar as contas.

Condenado por fraudes numa obra da Petrobras, o ex-governador ainda é réu em outras nove ações. A sentença de Moro lista os temas de algumas delas: Maracanã, metrô da Barra, PAC de Manguinhos. Na orla de Copacabana, o esqueleto de um museu inacabado virou símbolo da falência do Estado. Já é possível montar um roteiro turístico só com os alvos da ganância cabralina.

7 thoughts on “Ganância desmedida e o roteiro turístico de Cabral

  1. A ganância de Sérgio Cabral passou dos limites da corrupção, ele, a mulher, inclusive não respeitou a prisão domicliar, movimentou, 1,2 milhão de reais do fundo de previdência dos filhos menores, a justiça engoliu esta declaração, eu não, mesmo que ela contribuisse para os filhos desde criança, não teria este saldo, também os asseclas de Cabral.

  2. No entanto foi noticiado que ele se lambuzava nos pratos de restaurantes chiques quando na prisão.
    Não adianta remar contra a maré – nossa sociedade é permissiva, leniente com a imoralidade e nossos militares uns … vou ficar por aqui para não ser investigado pela ABIN do Temer. Bye bye.

  3. A coisa é tão séria, que sendo o Rio de Janeiro o segundo maior pib do Brasil, se encontra nesta situação falimentar, a roubalheira foi generalizada e o responsável pela péssima gestão, Sérgio Cabral, Pezão e Francisco Dornelles, conseguiram destruir o estado desta forma, saúde, educação e segurança, sofrem por esta péssima administração, espero que o povo não esqueça nas próximas eleições.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *