Ganhar a guerra da comunicação é o primeiro passo para reformar a Previdência

Resultado de imagem para reforma da previdência charges

Charge do Amarildo (amarildo.com)

João Domingos
Estadão

Agora que a reforma da Previdência parece ter voltado com tudo à agenda política, não custa lembrar uma série de erros cometidos nos últimos meses pelo governo Michel Temer e pelos que a defendem. Erros tão óbvios que às vezes custa a acreditar que alguns foram cometidos por Temer, a quem não se nega um profundo conhecimento da forma como o Congresso funciona.

Quem sabe agora, que o tema volta a ganhar força, tais erros sejam evitados, mesmo que o projeto contemple uma reforma muito mais enxuta.

FORMA MAIS SECA – Para lembrar alguns dos erros. O governo anunciou que faria a reforma da Previdência da forma mais seca possível, sem nenhuma preocupação com a possibilidade de ganhar a torcida da sociedade nem o voto de centenas de parlamentares que, por serem ligados ao funcionalismo público ou aos aposentados, tenderiam a lutar contra a reforma. Não fez, por exemplo, uma campanha publicitária destinada a expor os privilégios da Previdência pública em relação ao INSS, a Previdência do povão.

Os contrários à reforma, que comandam corporações fortes do serviço público, não tiveram dificuldades para espalhar, e de forma muito bem espalhada entre a sociedade, que a reforma da Previdência viria para acabar com direitos de quem recebe o mínimo. Pronto, a batalha da comunicação já estava perdida.

MEIRELLES VACILOU – Errou também o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, quando, em conversas com representantes do mercado, prometeu que o governo faria uma profunda reforma da Previdência, mesmo sem ter a menor ideia de como seria a negociação no Congresso. Errou ainda o mercado, que acreditou na força do governo, na certeza de Meirelles e nos líderes partidários. Quando o político diz uma coisa, é preciso entender que ele não está dizendo bem aquilo que ele está dizendo.

Justiça seja feita ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e ao relator da reforma, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), que nunca disseram que o projeto tinha votos suficientes para que fosse aprovado. Eles sempre alertaram que era preciso trabalhar mais, mesmo antes da esquisita conversa entre o presidente Michel Temer e o empresário Joesley Batista, o que pôs tudo a perder.

O tempo passou, o presidente livrou-se das duas denúncias do ex-procurador-geral Rodrigo Janot, voltou a pensar na reforma da Previdência, e tornou a errar. Admitiu, numa conversa com deputados e ministros, que talvez não desse para aprovar a reforma previdenciária. O mercado veio abaixo. Temer teve de recuar e dizer que vai se empenhar pela reforma.

PODIA TER CONTORNADO – Experiente como é, Temer poderia ter chamado uma pessoa de sua confiança, talvez Arthur Maia, e dito a ele alguma coisa assim: “A reforma completa, como quer o ministro Meirelles, não passa. Eu não posso dizer isso, mas você está autorizado por mim a negociar um texto mais enxuto. Se alguém perguntar se aceito uma minirreforma, vou negar. E você continua negociando. Quando juntarmos os votos pela aprovação, eu dou o ok”.

Temer poderia ainda ter procurado Rodrigo Maia e entregado a ele missão de cuidar da reforma da Previdência. Justificaria o ato dizendo que, desgastado como está, qualquer projeto que for identificado com ele sofrerá resistências maiores. Como Rodrigo Maia goza de credibilidade na Câmara e demonstrou ter os pés no chão quanto ao cálculo de votos, a proposta pode encontrar menos resistência se todos concluírem que a luta pelas mudanças está sendo encabeçada por ele.

Só para dar uma ajudazinha, Temer poderia orientar sua máquina publicitária a fazer peças sobre a reforma dizendo que a Previdência arrecada tanto, gasta tanto e o déficit é tanto. E que vai acabar com privilégios. Sem firulas. Ganhar a guerra da comunicação é o primeiro passo para aprovar a reforma.

12 thoughts on “Ganhar a guerra da comunicação é o primeiro passo para reformar a Previdência

  1. “MEIRELLES VACILOU – Errou também o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, quando, em conversas com representantes do mercado, prometeu que o governo faria uma profunda reforma da Previdência, mesmo sem ter a menor ideia de como seria a negociação no Congresso. ”

    -É mesmo! O Meirelles vacilou. Vacilou AGORA, na hora de ferrar o dinheiro dos velhos aposentados para pagar parte dos juros da dívida pública!
    -Mas quando ele estava sonegando o pagamento de imposto e previdência na J & S, ele foi muito eficiente, não é verdade, seu João Domingos?

    “Entenda como Meirelles ACOBERTA (tempo presente) a sonegação do Friboi – No artigo anterior, já explicamos aqui na Tribuna da Internet que desde o início de 2012 o grupo dos irmãos Batista (José Júnior, Joesley e Wesley) vem sendo comandado por Henrique Meirelles, ex-presidente do BankBoston e do Banco Central e que já se tornou acionista do Itaú. Esse “investimento” em propaganda foi autorizado diretamente por Meirelles e o objetivo é amansar a grande mídia, para desestimular reportagens investigativas que possam revelar a verdadeira estória desse surpreendente sucesso empresarial (…)”
    “Ao comandar esta grotesca fraude, o cidadão Henrique Meirelles demonstra que jamais poderia ter exercido cargo público no Brasil. Decididamente, não tem o menor interesse pelo país e por seu povo, pois é movido exclusivamente pela ganância. Mas é certo que logo, logo ele estará desmascarado e a mídia então vai descobrir o verdadeiro motivo do engavetamento (ou arquivamento) dos processos contra ele movidos pelo Tribunal de Contas da União, antes de ser presidente do Banco Central(…)”

    Parte do artigo: http://tribunadainternet.com.br/entenda-como-meirelles-acoberta-a-sonegacao-do-friboi/

    -Ou seja, só mesmo em um PAÍS ESCULHAMBADO INSTITUCIONALMENTE, comandado por ladrões e que tem a imprensa dependente de dinheiro público é possível manter um SONEGADOR (e, consequentemente, um BANDIDO) como principal agente responsável pela reforma previdenciária.

    Abraços.

  2. Vendo a matéria do Fantástico de hoje, das fraudes contra a Previdência, duas coisas chamam a atenção. A facilidade com que o sistema é burlado por agentes públicos, os únicos que conseguem fazer fraude, pois as pessoas, humildes e sem estudo, nada conseguem fazer, e ainda são enganadas. Segundo, como pode um Presidente de um país ver o seu povo numa miséria extrema sofrer tanto, e conseguir dormir, e ainda pior, tentar de toda forma sacrificar o povo com essa reforma injusta, quando existem outras formas de obter uma arrecadação melhor, como acabar com a corrupção, acabar com regalias dos políticos, acabar com fraudes e desvios, e fazer os devedores da previdência pagarem o que devem. É o Brasil das injustiças, dos injustos.

    • Cara Daniela,

      Perto das autoridades brasileiras, os nazistas eram crianças malcomportadas. Tipo aquelas que antigamente caçava passarinhos com atiradeira.

    • Cara Daniela e demais, parabéns, o 1º S é de seguro, cujo cofre é abastecido pelo empregado e empregador, o 2º S, é de ação social, cujo cofre é abastecido pelos impostos escorchantes de 220 milhões de Zé e Maria Mané. O governo mistura, com a sigla INSS, e mente que há deficit, o deficit é falta de caráter dos politiqueiros desgovernantes. O Meireles, quando estava na JBS, que devia quase 2 bilhões, mão pagou, como sinistro, não pagou. As grande empresas, em sua maioria, são devedoras do “Seguro”, mas… mentindo, Meireles e o Temer oso, e sua quadrilha hedionda, sacrifica ainda mais o trabalhador, aumentando sua contribuição, para ser roubada pelos politiqueiros. culpado desse pantanal: o próprio trabalhador, que vota, em canalhas notórios, Maluf & Cia não deixa mentir. O Voto obrigatório, para um povo analfabeto, é curral eleitoral, com as urnas eletrônicas fraudáveis, comprovada pelo Brizola Toffoli, homologou, ao eleger Dª Dilma, em apuração secreta, sem a fiscalização dos podres partidos, e até proibindo a presença de Ministros do TSE, conforme a imprensa publicou.
      Temer, no dizer do Joesley,(JBS) é o pior bandido do Brasil, e os fatos comprovam, com seus capangas no congresso, e até. no stf, Gilmar Pilatos mendes não nos deixa mentir. Os 3 poderes, estão podres, e com a corja a fazer leis de auto proteção, nunca saíra desse pantanal. A última Esperança, o STF, está stf, e no momento, só tem 3 ministros, Barroso, Fachini e Fux, o resto são sinistros. Que Deus no ajude a sair desse pantanal, para o Brasil ser justo e decente para seu povo.

  3. O porão do Jaburu informa :
    O presidente Michel Temer recebeu o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), no fim da tarde deste domingo (12), no Palácio do Jaburu. Segundo a assessoria de imprensa do magistrado, o encontro serviu para tratar da “reforma política e de reformas institucionais”.

  4. O servidor público estatutário não é o privilegiado que fazem parecer ser. Estes contribuem com percentual muito maior para sua previdência do que os trabalhadores da CLT. Eles também não tem FGTS e dependendo da faixa salarial não têm vale refeição nem vale transporte, portanto, têm só o salário líquido para todas as suas necessidades. E quando se aposentam, por não terem FGTS, saem para a aposentadoria sem um centavo no bolso além do que venha a ter economizado ao longo da vida. Isto é ser privilegiado?

    • Marcos, puseste os pingos nos ís, O Servidor público, passa por uma prova de capacidade, em concurso democrático, O FHC, iniciou esta esculhambação, com o desmonte do Estado, iniciando a grande corrupção da “reeleição”, entregando o Patrimônio público a preço de banana , e o Temer, está no auge, de traição ao Brasil, o Pré-sal, não nos deixa mentir. ao cotejar a Ditadura /64, com pós, dos politiqueiros, das quadrilhas hediondas da caneta metralhadora, que estão torturando o Cidadão trabalhador, matando e aleijando, com o Caos, fico com a ditadura/64, que errou com a mordaça na imprensa, com a censura, e a tortura de um milhar, mas, os ditadores, não enriqueceram,, as custas da corrupção, pós ditadura, só se salva Itamar Franco.
      Roguemos a Deus, por um Brasil decente e justo, mas façamos nossa parte, de esclarecer aos desavisados, o significado do Voto, mesmo obrigatório, a situação de podridão que aí está, não nos deixa mentir.

    • Prezado Zenóbio.

      Na época, Meirelles estava respondendo a processos no Tribunal de Contas da União. A grande imprensa se omitiu, fui o único jornalista a cobrir o assunto, numa série de reportagens na Tribuna da Imprensa. Temendo o processo criminal, Meirelles pediu e Lula prontamente lhe deu status de ministro, para garantir o foto privilegiado.

      Abs.

      CN

  5. Caro Joao leia o relatoria da cpi da previdencia no senado que terminou em outubro e vera que as elites mentem sobre a previdencia.Em 1986 quando deixou o ministerio da previdencia Valdir Pires afirmou nao ha deficit na previdencia deixando 10 bilhoe na moeda da epoca em caixa com tudo pago.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *