Gás lacrimogêneo, spray de pimenta e balas de borracha contra manifestantes que defendiam índios no Rio.

Flávia Villela (Agência Brasil)

Manifestantes que acompanhavam, do lado de fora, a saída de indígenas do prédio do antigo Museu do Índio organizaram um protesto na Avenida Radial Oeste – uma das principais e mais movimentadas da cidade do Rio, que passa ao lado do museu. Todos os índios saíram pacificamente, e o imóvel está vazio.

Caos no Rio

O Batalhão de Choque da Polícia Militar usou bombas de gás lacrimogêneo, spray de pimenta e bala de borrachas para conter os manifestantes, que fizeram uma corrente humana no meio da pista. Eles foram retirados à força. Jornalistas também foram atingidos e o clima era de muita confusão.

O prédio estava cercado desde as 3h por policiais do Batalhão de Choque. Por ordem da Justiça Federal, o imóvel deveria ser desocupado ainda hoje (22), a pedido do governo do estado do Rio de Janeiro, que deseja reformar o local para receber o Museu Olímpico.

Construído no século 19, o prédio abrigou o Serviço de Proteção ao Índio, comandado pelo Marechal Candido Rondon. Já como museu, o local teve entre seus diretores o antropólogo Darcy Ribeiro.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *