Lula se recusa a comentar acusações ao PT no caso Petrobras

Morais é ligado ao PT da Bahia

Deu no Estadão

O Instituto Lula afirmou ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, que o ex-presidente não fará comentários sobre a reportagem publicada pela revista Veja na edição deste fim de semana.

O texto aponta que o ex-gerente de comunicação da Petrobras Geovane de Morais teria adotado um esquema de desvios de recursos da estatal com anuência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para desviar recursos para campanhas eleitorais do PT na Bahia. Na época, todas as despesas de comunicação da Petrobras na época precisavam ser aprovadas pela Secretaria de Comunicação da Presidência da República..

De acordo com a reportagem, Morais teria firmado contratos falsos de prestação de serviços com firmas ligadas ao Partido dos Trabalhadores. Duas dessas empresas teriam atuado na campanha de Jaques Wagner ao governo da Bahia.

CONHEÇA AS ACUSAÇÕES QUE LULA NÃO RESPONDE

Documento redigido pelo advogado da ex-gerente da Petrobras Venina Velosa da Fonseca, e obtido pela revista Veja, afirma que o sindicalista Geovane de Morais teria atuado no desvio de recursos da estatal para o PT da Bahia. Segundo a revista, Morais, que trabalhava na gerência de comunicação da Petrobras, é aliado de petistas.

Ele teria simulado a contratação de serviços de empresas ligadas a petistas que eram acertados e pagos sem nenhum contrato formal. Duas dessas empresas teriam prestado serviços à campanha do atual ministro da Defesa, Jaques Wagner (PT), ao governo da Bahia.

Para fazer os contratos sem formalização, Morais teria contado com a “proteção” do então presidente da estatal, José Sergio Gabrielli, e do Palácio do Planalto, segundo a Veja. De acordo com o relato de Venina a seu advogado, todos os gastos de comunicação da Petrobras tinham que ser aprovados pela Secretaria de Comunicação da Presidência da República antes de executados.

A reportagem afirma ainda que Morais teria fechado em 2008 um negócio com a empresa Muranno Brasil, que teria recebido US$ 13 milhões da estatal para divulgar a marca em provas da Fórmula Indy.

YOUSSEF CONFIRMA

De acordo com a revista, o doleiro Alberto Youssef teria afirmado que a Muranno pagou a propina ao esquema, mas teve seus pagamentos suspensos. Por isso, o dono da empresa, Ricardo Marcelo Villani, teria ameaçado denunciar o esquema de corrupção. O caso chegou ao Planalto, e o então presidente Lula teria dado a ordem para comprar o silêncio do empresário, informa a reportagem. A missão teria sido repassada ao ex-diretor de Abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa, que acionou Youssef, que foi buscar dinheiro com as empresas envolvidas no escândalo.

De acordo com a revista, Villani admitiu à Polícia Federal que tratou dos pagamentos cancelados com Paulo Roberto e que, depois desta conversa, teria recebido quase R$ 2 milhões. Villani, no entanto, negou a chantagem. “Não sei de esquema nenhum”, declarou o empresário à publicação semanal. Gabrielli disse que iniciou processo contra o funcionário e demitiu Morais. O ministro da Defesa, Jaques Wagner, informou que defende a “ampla apuração dos fatos”. Não consta da reportagem uma resposta do ex-presidente Lula.

14 thoughts on “Lula se recusa a comentar acusações ao PT no caso Petrobras

  1. Desde o início do 1.º mandato do Lulla já havia essa ‘subordinação’ das contas das estatais a Secom. Também já havia a aproximação com o Marcos Valério, que colocou um escritório da DNA Propaganda no Edifício Paulo Otávio, na Asa Norte. ” Num eram da minha cunfian$$$a.

  2. Minha gente, vamos ser compreensivos com o luiz inacio da silva.

    O mesmo, como se dizia antigamente, engoliu uma vitrola e só sabe dizer, não sei, não sei, não sei…..

    SEJAMOS BENEVOLENTES, KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  3. Sugestão ao Itamaraty…se quiserem salvar os brasileiros que vão sofrer pena de morte no exterior basta trocá-los pelos petralhas, desde o “chefe” até todos que participaram e ainda participam do maior assalto a cofre públicos de uma Nação no mundo !!!!!

  4. Trecho de reportagem da Veja, relatando um quase rompimento de relações entre os companheiros Lula da Silva e José Dirceu:

    “A tensão decorrente das investigações e do julgamento do esquema de corrupção na Petrobras colocou em trincheiras opostas as duas mais importantes lideranças históricas do PT: Lula e seu ex-ministro José Dirceu. Tão logo os delatores do petrolão disseram que o ex­diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque recolhia propina para o partido, Dirceu, o padrinho político de Duque, ligou para o Instituto Lula e pediu uma conversa com o ex-presidente. O objetivo era se dizer à disposição para ajudar os companheiros a rebater as acusações e azeitar a estratégia de defesa. Conhecido por deixar soldados feridos pelo caminho, Lula não ligou de volta. Em vez disso, mandou Paulo Okamotto, seu fiel escudeiro, telefonar para Dirceu. Assim foi feito. “Do que você está precisando, Zé?”, questionou Okamotto. Dirceu interpretou a pergunta como uma tentativa do interlocutor de mercadejar o seu silêncio. À mágoa com Lula, que o teria abandonado durante o ano em que passou na cadeia, Dirceu acrescentou pitadas de ira: “Você acha que vou ligar para pedir alguma coisa? Vocês me abandonaram há tempos”, respondeu. E fim de papo”.

  5. Esse Instituto Lula foi criado só para ser o porta-voz ou o “porta-silêncio” do Lula.

    Ou será que alguém consegue ver nele alguma outra função?

    E alguém sabe se está mesmo sendo erguido o Museu da Democracia (ou melhor, o Museu do Lula)? Afinal ele até captaria recursos da Lei Rouanet, quando Ana de Hollanda era Ministra da Cultura:

    http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/51263-museu-de-lula-tera-beneficio-fiscal-diz-ana-de-hollanda.shtml

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *