Gerente que vai devolver R$ 259 milhes mandava na Petrobras

Samantha Lima
Folha

O delator da Operao Lava Jato que chamou ateno por aceitar devolver US$ 97 milhes (equivalentes a R$ 256 milhes) Unio em troca de penas menores teve participao em todos os grandes projetos da Petrobras nos ltimos dez anos. No currculo, h contratos com empresas escolhidas sem licitao.

O engenheiro Pedro Barusco, 58, era brao-direito do ex-diretor de Servios da Petrobras Renato Duque, que cumpre priso preventiva. Com a delao premiada assinada dias antes da operao da PF vir tona, o engenheiro se livrou de ir para a cadeia.

A Folha procurou Barusco em sua casa, mas foi informada de que ele deixou o imvel na ltima quarta-feira e no retornou. Localizada no Jo, bairro conhecido pelos imveis de alto padro no Rio, a casa tem vista para a praia da Joatinga e avaliada entre R$ 6 milhes e R$ 8 milhes.

GRANDES CONTRATOS

Como gerente executivo de engenharia da Petrobras, cargo que exerceu at 2011, Barusco foi responsvel por conduzir e reportar diretoria quase todas as licitaes das obras da refinaria de Abreu e Lima, assinadas, na maioria, com construtoras citadas por outros dois delatores, Paulo Roberto Costa e Alberto Yousseff, por suposto envolvimento em irregularidades.

Abreu e Lima teve o custo elevado de US$ 2,5 bilhes para US$ 18,5 bilhes. J no Comperj, outro projeto que teve a participao de Barusco, o oramento saltou de R$ 6,5 bilhes para R$ 13,5 bilhes.

Uma das licitaes que Barusco conduziu, para os dutos em Abreu e Lima, em 2009, foi cancelada por preos excessivos. Em vez de fazer outra licitao, Barusco props contratar, sem concorrncia, o consrcio Conduto-Egesa, por R$ 650 milhes.

A Petrobras alegou que, por lei, pode contratar sem licitar e que o preo final ficou abaixo do mximo estipulado.

PASADENA

Assim que a Petrobras comprou 50% da refinaria de Pasadena, no Texas, em 2006, Barusco tentou levar a Odebrecht, sem concorrncia, para sua ampliao.

Ele props uma carta de inteno com a empreiteira e teve aval dos diretores sob alegao de que era a nica brasileira com experincia em engenharia nos EUA. A obra, de US$ 2,5 bilhes, foi rejeitada pelos scios belgas.

O fato de ter tido Barusco como diretor por dois anos trouxe preocupaes Sete Brasil, empresa de aluguel de sondas de perfurao de poos de petrleo. O caso ser discutido pela cpula da empresa no dia 27. O presidente da empresa, Luiz Carneiro, mandou auditar todos os contratos conduzidos por Barusco.

A Odebrecht informa que no recebeu convite da Petrobras para a obra de Pasadena, e sim, que foi procurada sobre o interesse no projeto. Diz, ainda, que todos os contratos foram conquistados de acordo com a lei das licitaes. A Petrobras no comentou.

3 thoughts on “Gerente que vai devolver R$ 259 milhes mandava na Petrobras

  1. Em sua delao premiada, o ex-gerente Pedro Barusco, que ir devolver R$ 252 milhes s autoridades, disse que comeou a receber propinas em 1996, segundo ano do governo FHC, que se disse “envergonhado pelo que fizeram na Petrobras”; Barusco negou que recebesse propinas partidrias; “essa era a parte da casa”, disse; confisso enfraquece estratgia tucana de associar escndalo ao PT; ele tambm disse que contratava sem licitao, o que foi permitido por uma lei do ex-presidente tucano; recentemente, tentou favorecer a Odebrecht.

  2. Creio, que no interessa sociedade saber quem comeou primeiro, se o ovo ou a galinha, se foram as aves de bico longo ou o ninho das bandeiras vermelhas, o que importa no momento punir os responsveis pelo rombo na nossa maior empresa e orgulho dos brasileiros.

    No podemos enveredar pela veia podre partidria do toma l da c, pois trata-se de caso de polcia, sim de cadeia, do mesmo jeito que promotores e juzes fazem quando pobres furtam mercadorias no mercado mandando-os sem d nem piedade para o xilindr.

    Um pensador iluminista disse: “Toda riqueza produto de roubo”. Essa assertiva corrobora o que est acontecendo hoje, pois de uma maneira ou de outra o que ocorre. Como pode um servidor de estatal, com salrios em torno de R$ 10.000 ou at R$ 30.000, possuir manses na BARRA e contas secretas em parasos fiscais com aquele salrio? Nem se economizasse durante toda a sua existncia, a qual deve pensar que durar para sempre para gastar a fortuna amealhada no furto aos cofres pblicos. Talvez esses “mequetrefes” pensem que nunca iro morrer um dia.

    Outra coisa importante so os mecanismos de fiscalizao, que precisam de melhor eficincia, pois no se pode admitir que o Banco Central tivesse passado ao largo dessa dinheirama toda indo para parasos fiscais e nosso “Leo” precisa ficar mais atento nas declaraes de renda, principalmente das empresas jurdicas e dos altos executivos pblicos.

    Posto isso, acredito que o pas possa avanar no rumo ao desenvolvimento e na superao das desigualdades, visto que, os recursos que antes eram desviados para parasos fiscais possam irrigar a Educao, a Sade e o desenvolvimento das empresas brasileiras gerando mais emprego no nosso pas e no na Sua.

  3. Concordo plenamente Roberto, acho que j est demorando fazer valer a lei e expurgar da vida pblica aqueles que enriquecem indevidamente com dinheiro do povo, seja de qual lado for, acontece, que o que estamos assistindo uma cobrana no atual governo, como se tudo tivesse acontecido agora. Vemos o FHC dizer que sente vergonha do que est acontecendo na Petrobrs e na maior cara de pau, esquece que foi ele que idealizou a lei 9478/97, conhecida como “Lei do Petrleo”, junto com David Zylberstain, ex presidente da AGNP, que fragilizou os critrios de governana da Petrobrs, que at ento, as contrataes
    da Cia estavam submetidas rigorosa lei 8.666, de licitaes e com esta lei o “nosso” ex presidente contribuiu para a ascenso de personagens como Pedro Barusco, esse que vai devolver US$ 100 milhes devido a delao premiada.
    Acho que isso no isenta o atual governo, porque tambm se aproveitou da tal lei, por isso concordo quanto ao rigor na punio de polticos e servidores que enriquecem com o nosso dinheiro, independente da corrente poltica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.