Governador do Amazonas tenta defender empresa que administra os presídios

Resultado de imagem para jose melo

Governo não tem como administrar prisões, diz Melo

André Moreau

O projeto de ressocialização, com um ano de abatimento de pena a cada três anos de trabalho, idealizado pelo juiz, professor e escritor João Luiz Duboc Pinaud, a convite do vice-governador Darcy Ribeiro, virou tabu. Posto em prática pelo então secretário de Justiça e Polícia Civil, Nilo Batista, no primeiro mandato do governador Leonel Brizola, revolucionou as favelas do Rio de Janeiro. O povo passou a ter esperança na denominação correcional, na possibilidade do trabalho e do ensino, para abater penas de internos.

Hoje nenhum noticiário dos veículos de radiodifusão de massa ultrapassou as fronteiras da crise penitenciária, para tratar da fragmentação das responsabilidades públicas com a manutenção dos denominados presídios públicos privados (PPPs) no Amazonas, o mais caro e viciado da América Latina que funciona denominando o tratamento de internos, nos contratos, como pessoas a serem manejadas, ao custo por preso de quase seis mil reais, pagos com dinheiro dos cofres públicos, ou seja, do nosso bolso, deixando sem perspectiva nenhuma, o interno.

A denúncia do Ministério Público de Conta do Estado do Amazonas, pedindo o encerramento do contrato de 27 anos, firmado em 2013 pelo governo do Amazonas com a empresa Umanizzare, não agradou ao governador José Melo (PROS). Segundo ele, não há como administrar o Complexo Penitenciário Anísio Jobim (COMPAJ), sem a participação da empresa Umanizzare. É uma demonstração de falência e incompetência do poder pública.

16 thoughts on “Governador do Amazonas tenta defender empresa que administra os presídios

  1. O cidadão está cansado destas notas de explicação, é achar que somos idiotas, este incompetente estadual, junto com o incompetente federal, vão levar esta história até aonde, o cidadão de bem está cansado dos poderes podres deste país, o Brasil não merecia esta corja, não desejo mal a ninguém, mas enquanto esta cambada estiver comandando este país, viveremos no INFERNO.

  2. Segundo o Ministro da Cota do Efeagacê Alckimin-tira ( UM Gênio)., o famoso Kinder Ovo.

    “A culpa do acidente pavoroso é da Empresa que cuida dos presos”……..

    Sem perceber no que fala, o Ministro da Cota do Efeagace Alckimin-tira vai contrário a “pregação ” da onda privatista do Partideco que é filiado PSDBrechi$$ , onde o Estado não tem como “cuidar” as Empresas tem mais “EFICIÊNCIA”……..

    eh!eh!eh!eh
    VIVA LA FRANCE.!!!!

    Vive le Libéralisme…!!!!!!

    • Isso vai longe…

      Brasil 06.01.17 17:56

      Moacir Jorge da Costa, o “Moa”, foi um dos 56 mortos na carnificina do presídio Anísio Jobim. Seu corpo foi carbonizado. Moa era ex-policial e integrava a quadrilha do ex-deputado federal Carlos Souza, réu por tráfico de drogas e financiado pela Umanizzare.

      Moa era segurança de Wallace Souza, ex-deputado estadual e irmão de Carlos. Wallace morreu em 2010.

  3. Ele poderia explicar porque o preso na Amazonia fica mais três vezes o preço do preso em São Paulo. Se explicar isto não precisa nem de uma operação da PF para colocar todos os políticos responsáveis por esta falcatrua na cadeia.

  4. É obrigação do Estado prestar o serviço, uma ação do MPF e PF, se faz necessária, que os jovens Juízes, Promotores e P;Federal, investiguem, e lava será pior que de um vulcão,
    Voto obrigatório dá nisso: merda pura, e os cretinos chamam a isso democracia, chamo democradura.
    Temer, estou a te temer pela incompetência de governar para o povo, protegendo os amigos do PMDB e aliados.
    O Ranger de dentes, será teu destino no além túmulo, pela Lei: “A cada um segundo suas obras”. Ainda da tempo de mudar de rumo, governando para o povo.

  5. Pingback: Governador do Amazonas tenta defender empresa que administra os presídios – Debates Culturais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *