Governo deveria pensar em construir moradias dignas para pessoas de baixa renda

Resultado de imagem para barracos de favelas

Favela passou a ser sinônimo de um amontoado de casas

José Carlos Werneck

Está mais que na hora de repensar no Brasil. Parece que saiu de moda pensar-se em soluções para os grandes e graves problemas brasileiros. Sinto imensa saudade dos homens públicos das mais diferentes ideologias e correntes políticas que se dedicavam em pensar o Brasil. Me lembro de Celso Furtado, Carlos Lacerda, Roberto Campos, Darcy Ribeiro e dos presidentes Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek, João Goulart e tantos outros homens públicos, de idéias tão antagônicas, mas com uma preocupação constante com os destinos do País.

Os governantes faziam planos trienais. Havia planejamento de longo prazo. Hoje não se fazem nem planos semanais.

PERPETUAÇÃO – A preocupação é se perpetuar no poder e se dar bem, junto com seus aliados, em ações no mínimo pouco lícitas, e a população que se dane.

Se houvesse vontade política, o governo poderia investir em habitação, como forma de enfrentar o desemprego. Neste caso especificamente, são dois problemas que poderiam começar a ser resolvidos através da construção de moradias para milhares de moradores das comunidades de baixa renda, que vivem em condições precárias e não recebem nenhuma atenção por parte dos sucessivos governos.

Construção de casas populares nas comunidades, utilizando-se a mão de obra dos próprios moradores, que seriam contratados, após breve treinamento, já que a construção civil, na maioria dos casos, não exige mão de obra altamente especializada.

NAS COMUNIDADES – O ideal seria construir nas próprias comunidades e não remover compulsoriamente os moradores para lugares distantes, como outrora já foi feito, com resultados totalmente desastrosos.

Ao mesmo tempo, as moradias que estão em áreas de risco, com perigo de desabamento devido a fatores climáticos, deverão ser demolidas e ter seus ocupantes transferidos para outras áreas, mas sempre dentro da própria comunidade, para que não sofram com uma ruptura de seus laços de convivência.

PRIMEIRO PASSO – Uma habitação digna, está provado, é um dos mais importantes fatores e é o primeiro passo a ser dado para inclusão social do ser humano.

Esse é um problema que à primeira vista pode parecer difícil, mas é plenamente factível de ser resolvido, com vontade política e que trará um enorme retorno social para tornar menos cruel a nossa perversa desigualdade socioeconômica.

Creio que já está mais que na hora de voltar-se a pensar o Brasil, e do pensamento passar-se a ações concretas e altamente benéficas para o país e, principalmente, para seu povo.

23 thoughts on “Governo deveria pensar em construir moradias dignas para pessoas de baixa renda

  1. Voltar a pensar o Brasil primeiro seria Ideal, mas o governo não se interessa por isso, prefere o mesmo esquema que ja esta a mais de 35 anos sufocando o proprio povo, falta saude , seguranca, trabalho digno, e agora esta ate faltando agua pra muitos no rio de janeiro, moradia entao nem se fala,voce compra sua casa e acaba morrendo nos desabamentos dos predios ou casas nas encostas perigosas. Estamos sendo tratatados pior do que escravos que pelo menos na epoca deles não pagavam pra comer ou dormir so tinham o senhor das senzalas dominando a vida deles, agora temos a milicia dominando tudo nas nossas vidas em 2020

  2. Caro José Carlos Werneck, a “indução” tem meritório valor mas o mundo se encaminha para o inverso, senão lembremos: “AP.13.16 Também obrigou todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e escravos, a receberem certa marca na mão direita ou na testa,

    17 para que ninguém pudesse comprar nem vender, a não ser quem tivesse a marca, que é o nome da besta ou o número do seu nome.”

  3. Há muito tempo já havia concluído que os esquerdopatas são desprovidos de neurônios. Ficaram 40 anos no poder e destruíram o Brasil. Agora esses idiotas vêm posar de engenheiros de obras feitas, criticando quem está tentando salvar o Brasil. Empobreceram mais o povo, distribuíram os nossos recursos para paisecos vagabundos governados por ditadores e esses imbecis ainda vem nos acusar de milícias. Então somos as milícias do bem e vamos reconstruir o Brasil, mesmo contra a vontade desses vagabundos.

    • Desprovido de neurônio é um babaca como vc que taxa de esquerdopata qualquer um que não lambe o saco de teu político de estimação. Milícia do mal são os vagabundos cujos parentes o filho do presidente empregava em seu gabinete até bem pouco tempo.

  4. Bem, essa solução parece bem difícil na situação atual do Brasil. Também é preciso pensar que além de moradias é preciso fornecer subsídios para a compra de energia, água, etc..

  5. Carlos Marchi

    A empresa de Fábio Wajngarten, Secretário de Comunicação do governo Bolsonaro, tem contratos em vigor com veículos que recebem grana do governo.

    Ao assumir a Secretaria de Comunicação, Wajngarten continuou como sócio da empresa.

    O governo acha que isto é “ilação”. Não é. É bem mais que isto.

    Um contrato comercial é um fato incontestável.

    E um Secretário de Comunicação que distribui verbas para veículos com quem tem contratos em vigor é uma obscenidade.

    É uma indecência.

    No popular? É corrupção pura e simples.

  6. Sinto imensa saudade dos homens públicos das mais diferentes ideologias e correntes políticas que se dedicavam em pensar o Brasil.

    Foram esses homens que roubaram o povo falando que iam fazer para o bem geral da nação

  7. Carlos Marchi

    O apoio dos EUA para a Argentina ingressar na OCDE tinha um forte sentido eleitoreiro.

    A ideia era (re)eleger o liberal Maurício Macri e, em nome disso, Trump mandou Bolsonaro às favas.

    Macri não se reelegeu, como sabemos. Elegeu-se Alberto Fernández, que está se lixando para a OCDE.

    Agora, Trump apenas corrigiu rumos: mudou a indicação de apoio para o Brasil.

    Por isso, há pouco a comemorar. Está claro que o Brasil foi o segundo na fila. Foi o “candidato” que sobrou.

    E que, como já aconteceu antes, o olhar seletivo de Trump vai para a China, não para o fundo do que considera seu quintal.

  8. “José Carlos Werneck
    Está mais que na hora de repensar no Brasil.”

    Vocês cansaram de pensar e repensar “O Brasil” em Paris, ou acabou o pixuleco ?

  9. O Dr. JOSÉ CARLOS WERNECK, Advogado Militante e Escritor do TRIBUNA DA INTERNET ONLINE, escreve excelente e oportuno Artigo no sentido de ativar a Economia e diminuir muito o Desemprego: Construção de Casas Populares especialmente com DESFAVELIZAÇÃO.

    E tudo isso pode ser feito com Recursos Nacionais sem necessidade de importar NADA.

    Há porém necessidade de subsidiar essa construção e o Estado Endividado e ainda com Deficit Primário ( o que não leva em conta os Juros e Amortização da Dívida Pública Flutuante) não tem RECURSOS.

    Mas podíamos fazer como a CHINA faz, financiar com Títulos de Crédito Rotativo do BC, que embora crie um outro tipo de Endividamento do Estado, gera bem mais Benefícios do que Custos.
    E Dívida na Moeda do País, nunca “quebra o País”. O que quebra um País é Dívida Externa, naturalmente em Moeda Estrangeira.

    Falta porém Vontade Política para enfrentar esse tipo de problema, e uma Burguesia Nacional Esclarecida. Quanto mais o POVO melhorar de Padrão de Vida, mais bem cuidadas serão nossas CRIANÇAS, especialmente as mais Pobres, e haverá mais ESTABILIDADE E PROSPERIDADE para TODOS, especialmente para os mais RICOS. Mas é necessário não ser Míopes e enxergar claro lá na frente, como os grandes Líderes Políticos citados pelo ilustre Autor, especialmente o Gov. CARLOS LACERDA cujas boas ideias Políticas para o Brasil ficaram escritas em sua vasta Obra Editada. Para mim foi o mais Lúcido de Todos, NACIONAL-DESENVOLVIMENTISTA PRIVATISTA. E seu excelente Governo do Estado da Guanabara, antigo Distrito Federal, ( 1961 – 1965), mostrou na prática o que dizia e escrevia.

  10. Um fato histórico é que quando um governante queria remover moradores de encostas, que além de perigosas e de difícil urbanização, as quadrilhas de políticos de esquerda, apoiados pela midia , eram os primeiros a sabotar projetos assim, alegando , como sempre, motivos vitimizantes.
    Deu no que deu.

    A esquerda e seu papinho furado de que estão do lado dos desiguais.

  11. O problema de transformar as favelas em bairros convencionais passa pela mudança nos usos e costumes .. Em Curitiba tentou-se transformar a favela da Vila Pinto em um bairro normal, à primeira vista ele mudou mas não mudou, porque continua sendo o centro de distribuição e vendas de drogas .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *