Governo do Ceará suspende 168 policiais militares por envolvimento em motins

Afastamento é de 120 dias, mas punições podem chegar à expulsão

Bruno Ribeiro
Estadão

O governo do Ceará publicou neste sábado, dia 22, uma relação de 160 policiais militares que foram suspensos das funções por envolvimento nos motins da Polícia Militar que ocorrem no Estado desde quarta-feira, 19. Entre os afastados está o PM reformado Cabo Sabino, ex-deputado federal apontado como um dos incentivadores do tumulto.

É a segunda relação de afastados. Na primeira, publicada na quinta-feira, havia oito afastados. Os 168 PMs foram afastados por “incapacidade de participação na Polícia Militar” e por terem “conduta transgressiva”. Com os afastamentos, os PMs passam a não receber mais salários.

PROCESSO – Cabo Sabino e os demais PMs passam agora a responder processo no Conselho Disciplinar, instaurado pela Controladoria Geral de Disciplina. O afastamento, por ora, é de 120 dias, mas as punições podem chegar à expulsão. “Os investigados deverão entregar identificações funcionais, distintivos, armas, algemas e outros elementos que os caracterizem nas suas unidades”, informou o governo cearense.

Sabino faz parte de um grupo de políticos com origem na Polícia Militar que têm atuado em favor dos grevistas, que inclui o deputado federal Capitão Wagner (Pros) e o vereador de Sobral Sargento Ailton (sem partido). A diferença é que o cabo chegou a ser reformado, enquanto os outros dois deram baixa para seguir com a carreira política. A reportagem não conseguiu contato com o ex-deputado punido.

PATRULHAMENTO – O Exército e a Força Nacional de Segurança Pública já patrulham as ruas de Fortaleza, que neste sábado de carnaval está com os centros comerciais tradicionais fechados por causa das festas. Em Sobral, no interior, o patrulhamento ostensivo foi reforçado com homens da Polícia Rodoviária Federal.

Nesta segunda, os ministros Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública) e Fernando Azevedo e Silva (Defesa) terão reunião com o governador Camilo Santana (PT) para debater ações para garantir a segurança da população.

6 thoughts on “Governo do Ceará suspende 168 policiais militares por envolvimento em motins

  1. -Vejam a que ponto chegou a parcialidade da imprensa desmamada:

    “A semana pré-Carnaval foi marcada pelo violento motim da Polícia Militar do Ceará, que ameaça se espalhar por outros Estados, desafia a autoridade dos governadores, conta com a SIMPATIA e o INCENTIVO DECLARADOS do presidente Jair Bolsonaro e de seus filhos e asseclas nas redes sociais e pode ser, caso se alastre, o embrião da criação de uma milícia paraestatal bolsonarista inspirada na criada por Hugo Chávez e inchada por Nicolás Maduro na Venezuela.”
    (…)
    “Insuflar em policiais militares um sentimento de louvor político, passando por cima dos governadores e usando pressão salarial como combustível coloca o Brasil no caminho da criação de uma milícia paraestatal. Cabe ao Congresso, ao STF e aos governos estaduais cortar o mal pela raiz, punindo e reprimindo os movimentos dos PMs, sem ceder a chantagens por reajustes nem negociar anistias a criminosos.”
    (…)

    http://www.defesanet.com.br/pm/noticia/35858/Motim-de-policiais-com-apoio-do-presidente-pode-ser-embriao-para-milicia-paraestatal/

  2. São criminosos
    Ninguém os rotulam como tais – ou ao menos vândalos.
    Quando jovens saem mascarados quebrando lixeira e estilhaçado vidros de bancos (símbolo do capital) são taxados de vândalos e contra eles se buscou aplicar a Lei de Segurança Nacional.
    Agora, aquele com arma na cintura, devido à atividade e que deveria estar identificado – o agente público ainda mete um capuz e promove danos ao patrimônio da própria instituição, aterroriza e deixa a população refém, contra isso, a opinião da mídia e dos leitores parece bem modesta.
    E veja que esses agentes não estão sem salários. É tudo (supostamente) porque querem reajuste salarial integral (e não parcelado em 2 anos)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *