Governo dos trabalhadores ou governo contra os trabalhadores?

Carlos Chagas

Ao tomar posse na presidência da República, em janeiro de 1951, eleito pelo voto direto da população, no plenário do Palácio Tiradentes, no Rio, Getúlio Vargas jurou cumprir a Constituição. Não ficou nisso. Na calçada havia sido montado um palanque, para que ele falasse a milhares de trabalhadores lá reunidos: “Hoje, estais no governo. Amanhã, sereis o governo.”

Em janeiro de 2003, empossado como o primeiro operário que ocuparia a presidência da República, 52 anos depois, o Lula exaltou o fato de estar se iniciando no Brasil o governo dos trabalhadores. Mais ou menos, porque além dos programas sociais de caráter assistencialista, também foi o governo da continuação do neoliberalismo, das privatizações e até do mensalão. A partir de 1964 haviam sido suprimidos dezenas de direitos trabalhistas antes criados por Vargas, imaginando-se que o Lula iria restabelecê-los, a começar pela estabilidade no emprego. Não quis, ou não conseguiu, mas o que acontece hoje, quando assume outro mandato o segundo governo dos trabalhadores?

Dilma Rousseff inaugura mais quatro anos no poder sob a égide de novas supressões de direitos trabalhistas. Acaba de cortar pela metade o abono salarial, o seguro desemprego, o auxilio doença, as pensões por morte do cônjuge e até benefícios a pescadores impedidos de pescar. Demonstra a falência do governo dos trabalhadores, jogando sobre eles a fatura do combate a crises econômicas. Esperar o quê, nos próximos quatro anos, senão mais supressão de direitos, cortes nos projetos sociais, aumento de juros e desemprego?

Não se espante o trabalhador se lhe forem garfados férias, décimo terceiro, horas extras, vale-transporte e vale-alimentação. De governo dos trabalhadores passamos para o governo contra os trabalhadores. Quando desfilar em carro aberto pela Esplanada dos Ministérios, hoje à tarde, imaginará trabalhadores naqueles que eventualmente venham a aplaudi-la? Ou pelegos pagos pelo seu partido? A presidente descumpre os ideais um dia sonhados. Em vez de impulsionar conquistas, coleciona retrocessos. Logo irá colher fracassos. –

7 thoughts on “Governo dos trabalhadores ou governo contra os trabalhadores?

  1. O Sr. está coberto de razão.

    Quanto ao fracasso, não espere que a gerentona irá colhê-los sozinha. De jeito nenhum. Estamos no mesmo barco, não podemos nos esquecer.

    Feliz ano novo!

  2. Sr. lamento dizer que ser artigo é verdadeiro, para desgraça do trabalhador, a análise é perfeita sobre um Partido, que se tornou hipócrita, Traidor, após, vender um Partido como dos trabalhadores, e “estar” o pior de todos para à CIDADANIA.
    Quantos ministros indicados, estão acusados de “mal feitos!??”, Dª Dilma, hipocritamente, queria saber, graças à DEUS, lhe foi negada, à hipócrisia.
    Pelas atitudes do toffoli, na presidência do tse, Dª Dilma, foi “eleita!?” por fraude. Nomear o ex-governador da Bahia, com 13 acusações, ministro da defesa, dos 3 comandos, que tem a obrigação constitucional de defender à NAÇÃO, inclusive contra os desmandos dos Poderes, é uma bofetada nos “milicos”, aonde ela quer chegar!?, só o diabo sabe!!.
    Queira DEUS, que não aconteça o pior, pois, o caminho traçado, afunda ainda mais o Brasil no Oceano de lama que o PT e aliados, sem o menor pudor, traçaram,!?!???
    39 visíveis, um invisível, o da CORRUPÇÃO, portanto a quadrilha do Ali Babá, está formada, e que DEUS EM SUA MISERICÓRDIA NOS AJUDE,
    a canalhada deveria ler a Prece de RUY BARBOSA “DEUS”, que ele fês para ele, mas, que serve para todos os politícos e politiqueiros, que roubam à Educação, a Saúde, a Segurança, o Transporte, como necessidades básicas da Cidadania, pois, os malfeitores, levarão na CONSCIÊNCIA, a “DOR E SOFRIMENTO” DE 200 MILHÕES DE ALMAS, QUER ACREDITEM OU NÃO, É LEI CÓSMICA, ESCRITA NAS ESTRELAS, CUJO ACERTO SE FARÁ ALÉM TÚMULO.

  3. A MAIOR e mais onerosa de todas despesas fixas para os governos (por tabela para nós), as folhas de pagamento do setor público, onde mais de 50% corresponde à cabos eleitorais, parentes, amantes e amigos (Senado: 13.000 pessoas), esta eles simplesmente ignoram, esquecem.
    Bando de cretinos !!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *