Sem credibilidade, a presidente Dilma deveria renunciar

Willy Sandoval

O que o governo brasileiro está fazendo com toda essa situação de escândalos e roubos é jogar na lata do lixo uma credibilidade que levou décadas para ser construída. Como reelegemos essa quadrilha, ainda que de maneira ilegítima, através de fraudes eleitorais, e como temos uma oposição covarde que não denunciou a ilegitimidade com a devida veemência, para o resto do mundo somos uma nação de bandidos. É tudo muito vergonhoso.

Agora, além de tudo, querem culpar os investidores, o que é de uma estupidez sem limites. Até mesmo porque muitos deles também estão tomando na cabeça. Só para citar um exemplo, imaginem a cara de felicidade dos que foram induzidos a tirar dinheiro do Fundo de Garantia e aplicar em ações da Petrobras…

Se o bom senso prevalecesse, algo muito normal num país civilizado, duas decisões teriam sido muito simples de se tomar:

1) Não aumentar verbas de fundo partidário num momento de necessidade de duros ajustes fiscais.

2) Cobrança rigorosa de tributos e multas daqueles que descumprem as leis, sejam planos de saúde, bancos, empreiteiras, ou qualquer outro devedor, principalmente se for de grande porte.

Infelizmente como temos governantes e políticos de Quinto Mundo, as piores decisões são as que sempre são tomadas.

LIMITE DA PACIÊNCIA

A população já está atingindo o limite da paciência. O Brasil tem tudo para voltar a deslanchar, porém há a necessidade de um evento sem o qual nada de bom vai acontecer – a saída da presidenta do poder. A melhor maneira possível seria uma simples carta de renuncia, qualquer outra maneira será traumática.

Ainda que na prática já vivamos um parlamentarismo branco, essa não é a situação ideal. A presidente está cada vez mais refém de Michel Temer e Joaquim Levy, e cada vez menos de Lula (tomara que continue assim). O problema é que nada impede que essa tresloucada volte a ter rompantes imbecis e coloque por água abaixo todo um esforço de arrumação da casa executado por seus mentores.

Por isso, a palavra de ordem, mais do que nunca, continua sendo: “Fora Dilma”, e leve o PT junto!

3 thoughts on “Sem credibilidade, a presidente Dilma deveria renunciar

  1. Prezado Sr. Willy Sandoval,

    Concordo com quase tudo que o senhor escreveu, exceto a afirmação de que temos uma oposição covarde. A oposição está fazendo tudo o que pode. Ainda não se encontrou uma brecha jurídica consistente para cassar Dilma pelo STF, nem para colocar Lula na cadeia. Todos estamos conscientes de que eles dois têm responsabilidade sobre a roubalheira que se estabeleceu no Brasil, mas faltam provas concretas. Por outro lado, o impeachment depende, além das provas, de uma ampla manifestação popular, firme e persistente. Isto porque o Congresso Nacional eleito e em exercício é um dos mais retrógrados da História do Brasil, e se não for muito pressionado pelas provas e pela manifestação popular, jamais votará com 2/3 das duas casas pelo impeachmente de Dilma.

    Na pior das hipóteses, Dilma estará na presidência pelos próximos quatro anos. O que, neste caso, podemos fazer é nos lembrarmos de expurgar, pelas urnas, o PT, o PC do B, o PMDB e o PP da vida política nacional. Não votemos mais nestes canalhas.

    A oposição, como disse, tem feito o que pode, inclusive para defenestrar Dilma do Palácio do Planalto, mas as dificuldades ainda são imensas. Um pedido de impeachment agora só serviria para desmoralizar a oposição, já que seria rejeitado pelo congresso. Publico abaixo as palavras da oposição:

    Em encontro na sede de sindicato que representa 2.500 empresas, presidente do PPS afirma que governo Dilma é incompetente, mas maior responsável pela crise é Lula

    Em um encontro com cerca de 60 empresários na sede do Sindicato das Empresas de Asseio e Conservação no Estado de São Paulo (SEAC-SP), o deputado federal Roberto Freire (SP), presidente nacional do PPS, afirmou que um eventual impeachment de Dilma Rousseff (PT) só será viabilizado se as condições políticas foram dadas no Congresso Nacional. O encontro aconteceu na sede da entidade, em São Paulo, na noite de segunda-feira (27).

    “Eu não quero 3º turno. Impeachment não é desejo de ninguém. E não será algo imposto à sociedade. O problema maior não é jurídico, mas político. Não é aparecer o Fiat Elba do [Fernando] Collor, até porque hoje pode se dizer que há uma frota inteira”, ironizou o parlamentar. “A questão é a correlação de forças no Congresso, que ainda é favorável ao governo. Existe uma base de sustentação que Collor não tinha. Impeachment é algo que vai se impor se houver condições políticas para que seja feito.”

    Em sua palestra sobre a conjuntura política brasileira, Freire criticou duramente o governo Dilma, mas apontou o ex-presidente Lula como o principal responsável pela crise que o país enfrenta. “Eu considero Dilma apenas incompetente e inepta para o cargo que exerce. Mas não dou a ela uma dimensão que não tem”, disse. “Ela não é a maior responsável por isso. A responsabilidade é do senhor Luiz Inácio Lula da Silva.”

  2. Mais importante do que fora Dilma é o fora pete. Esse partido já provou que não tem condições de governar coisa nenhuma. Governar no interesse de um partido é maléfico ao país.

  3. Vamos colocar quem no lugar?
    José Serra, vampiro brasileiro, Geraldo picolé de xuxu, Aócio Cunha, narizinho de ouro, ou o vendilhão fhc.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *