Governo quer obter R$ 150 bilhões com privatizações em 2020, anuncia o secretário

Secretário especial de Desestatização, Salim Mattar, em entrevista coletiva. — Foto: Alexandro Martello/G1

Mattar, dono da Localiza, é um vender nato e só pensa nisso…

Alexandro Martello
G1 — Brasília

O Ministério da Economia anunciou nesta terça-feira (14) que o governo pretende vender cerca de 300 ativos públicos em 2020. A meta inclui empresas controladas pelo governo, como a Eletrobras, além de subsidiárias, coligadas e participações societárias. Com as transações, o governo espera obter R$ 150 bilhões.

O anúncio foi feito pelo secretário-especial de Desestatização e Desinvestimento, Salim Mattar. Segundo ele, o Banco do Brasil, a Caixa Econômica Federal e a Petrobras não serão privatizadas. Os Correios estão na lista de privatizações, mas a venda é prevista para o fim de 2021.

META OUSADA – “Em 2020, vamos ter uma meta ousada para atingir em termos de valor e de empresas”, disse. Para isso, o governo deve enviar um projeto ao Congresso Nacional em fevereiro propondo um “fast track” (caminho rápido) para a venda dos ativos públicos.

“É uma forma de acelerar esse processo de venda. A meta [para 2020] depende de o ‘fast track’ passar. O ‘fast track’ é fundamental para atingirmos essa meta. Seria como se fosse um atalhozinho, é um projeto de lei. Já está pronto. Esperando o Congresso abrir, e a melhor forma de conseguir apoio”, diz Salim.

Segundo o secretário de Desestatização, o projeto colocaria as empresas a serem privatizadas diretamente no Programa Nacional de Desestatização (PND). O texto reduziria, também, o tempo de atuação de escritórios de advocacia e de bancos no processo de modelagem dessas vendas.

PRIORIDADE – Salim Mattar afirma que, em 2020, a principal meta é vender os ativos da Eletrobras, além de repassar o controle da própria estatal ao setor privado. Dos 300 ativos na lista, mais de 200 dizem respeito à empresa.

“Para manter a sua participação no mercado, a Eletrobras tem que investir R$ 14 bilhões nos próximos 4 anos. O governo federal não tem esse dinheiro”, afirmou.

De acordo com o secretário, o governo possui, atualmente, 624 ativos. Além das 46 empresas estatais, o número inclui 151 subsidiárias, 218 empresas coligadas e 209 participações.

RESULTADO DE 2019 – De acordo com os cálculos da área econômica, a desestatização federal arrecadou R$ 105,4 bilhões em 2019, com a venda de 71 ativos públicos. O somatório inclui a venda de R$ 15,9 bilhões em participações societárias do BNDESPar; R$ 14,6 bilhões em ativos da Caixa (IRB, Petrobras, banco Pan e BB); e R$ 50,4 bilhões em subsidiárias e coligadas da Petrobras.

Segundo Mattar, o governo ficou muito focado, em 2019, na reforma da Previdência. “Aconteceu mais ou menos dentro de um padrão que a gente esperava. Depois, a gente acelerou um pouco mais”, declarou.

MAUS INVESTIMENTOS – O secretário de Desestatização informou que o governo possui, atualmente, participação em um banco no Egito e no Banco Interamericano de Ahorro Y Prestamo, da Venezuela. Segundo ele, a instituição financeira venezuelana já quebrou, e não funciona mais.

“Temos que fazer uma denúncia ao TCU. Foi um mau investimento. Esse banco virou pó. Quem faz o processo tem de ser o Ministério Público, ou a Corregedoria. Vamos levantar as informações e passar para frente. Quem fez má aplicação de recursos públicos, deveria responder por isso”, declarou Salim Mattar a jornalistas.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Mattar esqueceu de dizer se o governo vai denunciar também a compra do Banco PanAmericano de Silvio Santos, que tirou da falência o homem do Baú e deu um tremendo prejuízo à Caixa Econômica. O secretário, que é do tipo falante, esqueceu de tocar nesse assunto, talvez devido à grande amizade existente entre o presidente Bolsonaro e Silvio Santos. (C.N.)

15 thoughts on “Governo quer obter R$ 150 bilhões com privatizações em 2020, anuncia o secretário

  1. De quem é esse mundo, afinal de contas, de Deus ou do Sataná$ ? ” Quem controla o mundo ? ” Eis a pergunta estampada no panfleto de campo das ” Testemunhas de Jeová”, deste mês de janeiro. E eles vão mais além indagando ainda ” como será o mundo depois que o governo do Satanás for derrubado “. E argumentando com a Bíblia em mãos eles dizem que ” O mundo inteiro está no poder do Malígno.” E que ” O Filho de Deus veio para destruir o que o Diabo tem feito.” Será que o “governo do Satanás está mesmo com os dias contados, porque Jeová está decidido a acabar com o controle de Satanás sobre a humanidade, porque Deus promete reduzir a nada o Diabo, consertando todos os estragos que ele tem causado”, como previsto em Hebreus 2:14, como apregoam as Testemunhas de Jeová ? Está tudo lá, na Bíblia e no panfleto das Testemunhas de Jeová: ” Deus escolheu Jesus Cristo para governar o mundo, e que o atual governante do mundo é cruel e egoísta, mas Jesus é totalmente oposto. Deus promete que Jesus, como Rei, terá pena do humilde, do pobre e de todos os oprimidos, e os livrará da opressão e da violência, conforme Salmo 72:13,14″. E tem mais: ” Deus não mente. A Bíblia é clara ao dizer ‘ É impossível que Deus minta. Jeová é um Deus de palavra, o que ele promete ele cumpre’, de modo que sem dúvida o governante deste mundo será expulso”. Portanto, como filhos e filhas de Deus, cabe-nos fazermos a nossa parte, gritando firme, forte, alto e em bom som: Rendição Já do sistema podre, em prol da Democracia Direta, com Meritocracia, porque nos libertarmos do domínio do Sataná$ e evoluirmos é preciso, como propõe a RPL-PNBC-DD-ME, o Projeto Novo e Alternativo de Política e de Nação, o novo caminho de verdade, para o novo Brasil e o novo mundo de verdades, em sintonia com os desígnios de Deus, conforme a Bíblia. http://www.tribunadainternet.com.br/charge-do-duke-1947/?fbclid=IwAR16J_kUzu5d5KtMImIrBjtl2GrYFkuxjyPY5m8QyrMhzdh4lHaFJ-TOgBc

    • Desde que governos e bandeiras federais, estaduais e municipais também estão privatizados pelo “Alcoviteiro Conglomerado”, o que ainda resta de incólume em verde/amarelo/azul e branco?

    • E você parou para pensar para onde irão esses “créditos”? Aumentar-se-ão os benefícios para a população, como atenção à saúde, saneamento básico, transporte público coletivo de qualidade e quantidade, e segurança, dentre outros? Mas não, esse dinheiro, caso realmente seja colhido, será destinado ao caixa único da União e desaparecerá como um crédito em conta-corrente com cheque especial negativo.
      É o mesmo que desfazer-se de um bem durável. Num primeiro momento tudo é festa e grana no bolso. Aos poucos esse dinheiro vai minguando, desaparecendo e vem uma sensação de perda e a depressão se instala.
      A perda de patrimônio para o País será sentida durante anos.
      Qual a significância de 150 bilhões em relação ao PNB?
      Desemprego teremos aos montes e a pressão pela procura de trabalho no mercado aumentará ainda mais.
      A incompetência para administrar seu patrimônio, basicamente, é o que se está usando como justificativa para o governo querer desfazer-se dele.
      Não ousam tampouco justificá-lo como destinado ao abatimento da dívida pública, por insignificante que será.

      • “Não ousam tampouco justificá-lo como destinado ao abatimento da dívida pública, por insignificante que será”

        Esse é o objetivo, mas não está sendo cumprido porque o dinheiro arrecadado ajuda a cumprir o orçamento do ano, que ainda tem um rombo para este ano de R$ 130 bilhões. Quando zerar o rombo, ai poderá dizer que o dinheiro arrecadado com privatizações esta abatendo a dívida.

        Por enquanto o dinheiro arrecadado é usado para bancar a Nomenklatura comunista.

  2. Mattar esqueceu de dizer se o governo vai denunciar também a compra do Banco PanAmericano de Silvio Santos, que tirou da falência o homem do Baú e deu um tremendo prejuízo à Caixa Econômica. O secretário, que é do tipo falante, esqueceu de tocar nesse assunto, talvez devido à grande amizade existente entre o presidente Bolsonaro e Silvio Santos. (C.N.)

    Mas essa compra já não foi a mais de 16 anos, ou é essa compra que está a saltar aos olhos e ele está escondendo do grande publico, ou o fofoqueiro de cada um só esta cobrando seu quinhão do bom jornalista C. N.

  3. Para um governo sem projeto para alavancar a economia e gerar riqueza, partiu para maneira mais fácil de conseguir dinheiro: vender empresas estratégicas que prestam serviço de utilidade pública, como no caso da Eletrobrás. e outros patrimônios públicos. Há empresas que podem ser privatizadas, mas geralmente são empresas que ninguém quer, não dá grande lucro, ou são deficitárias.

  4. KKK como sempre o governo se repetindo nas mancadas, acreditam os “técnicos” que se desfazendo do patrimônio público resolvem os problemas de caixa. Resolvem sim, mas momentaneamente porque o verdadeiro problema, que é a dívida pública, este ele não resolve. Na próxima eleição precisamos eleger uma dona de casa, daquelas clássicas, que administram o rendimento do marido, que fazem o salário durar até o fim do mês. E que quitam a fatura do cartão de crédito no vencimento.

  5. Caro Newton;
    O tesouro nas mãos do PT salvou :
    Banco do Silvio Santos
    Banco Votorantin do Ermirio de Moraes

    Nas mãos de FHC, salvou :
    Bamerindus
    Econômico
    Nacional
    Marka
    FonteSidan

    E de gorjeta, ainda salvou :
    Banespa
    Banestado
    Banerj

    Administrando assim, não sobra dinheiro pra Escola, pra Hospital…

  6. Privatizar é importante, mas, se o estado brasileiro continuar do jeito que está, copiado da Itália fascista dos tempos de Mussolini, cujo controle é sufocante para quem investe na produção e comércio, pouco resultado positivo trará.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *