Governo Sérgio Cabral investe contra a arte do passado no Rio

Pedro do Coutto

O jornalista Ruy Castro escreveu um artigo magnífico na edição de segunda-feira da Folha de São Paulo, mostrando ao governo Sérgio Cabral a importância histórica e cultural do quartel da Polícia Militar na Rua Evaristo da Veiga. A venda está sendo negociada com a Petrobrás para demolição dando lugar para mais uma sede da empresa estatal no centro da cidade. A Petrobrás construiria um edifício de grande porte, que possivelmente não poderia ocupar integralmente. Mas este é outro ângulo do empreendimento imobiliário.

O quartel da PM – lembra Ruy Castro – foi construído em 1740 pelo engenheiro José Fernando Pinto Alpoim, morto em 1766, e que assinou uma série de obras marcantes no tempo do reinado, todas antecedendo a independência do Brasil em 1822.

Entre elas o Paço Imperial, restaurado por Marcos Vilaça em 1980, quando ocupou a Secretaria de Cultura do MEC, os Arcos da Lapa, o Arco do Teles, integrantes, todas, do patrimônio do IPHAN. Um absurdo a demolição que, sem dúvida, atinge a memória nacional. Um impulso a mais do executivo fluminense contra a arte do passado e sua preservação. Há precedentes: a venda da sede do Automóvel Clube do Brasil (não será mais vendida) na Cinelândia, o quartel na mesma PM na Bartolomeu Mitre, no Leblon.

A construção de um novo Museu da Imagem e do Som, na Avenida Atlântica, prevista há quatro anos com a desapropriação de casa noturna no local, parece estar sendo iniciada agora. O ritmo, pelo qual se nota da rua, é lento. Demolir o quartel da PM no centro da cidade é mais uma contradição em matéria de projeto integrado de urbanismo.

Outra contradição, como Emílio Ibraim assinalou em artigo no Globo, a intenção incrível de derrubar o elevado da Rodrigues Alves. Neste caso, a iniciativa aparente é do prefeito Eduardo Paes, embora ao longo de quase quatro anos não tenha conseguido, até domingo passado, concluir as obras de solo da própria Rodrigues Alves, tampouco da Sacadura Cabral, Venezuela e Rua do Livramento. Passo lá todos os domingos quando vou a Rádio Tupi participar da mesa de debates de Haroldo de Andrade Júnior. Assim tornei-me testemunha da incapacidade. Não é possível que tais obras a que me refiro sejam tão complexas assim. As máquinas não são muitas. Até agora produziram poeira pela retirada de asfalto e paralelepípedos. Incrível.

Mas é sobretudo incrível a fixação simultânea do governo estadual e da Prefeitura na zona Portuária. Área pouquíssimo urbanizada, extremamente antiga, pouco acolhedora. Apesar de tudo isso porém, de acordo com ótima reportagem de Isabela Bastos e Luiz Ernesto Magalhães, O Globo de segunda-feira 4, estado e município projetam a construção de nada menos que sete prédios na região, com 1.330 apartamentos, para hospedar jornalistas e árbitros que vieram participar das Olimpíadas de 2016. Esse conjunto múltiplo de edifícios, pela proposta, será erguido nas proximidades da Rodoviária Novo Rio.

Será financiado, explica a matéria, pela colocação no mercado de certificados de potencial de construção (assim são chamados literalmente), adquiridos, não sei bem se pela Caixa Econômica Federal.
Seja lá como for, percebe-se a dificuldade de aceitação posterior a 2016 pelo mercado. Os juros são reduzidos, mas a entrega aos compradores definitivos, em segunda mão, portanto, só em 2017.

O empreendimento será erguido e administrado pelo Consórcio Solace que – acrescentam os repórteres – adquiriu o terreno. Adquiriu, a rigor, de quem? Uma pergunta que poderá ser formulada pela Câmara Municipal e pela Assembleia Legislativa. Afinal de contas, qualquer área tem dono. Seja ele um órgão estatal um grupo empresarial ou um proprietário particular.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

One thought on “Governo Sérgio Cabral investe contra a arte do passado no Rio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *