Guedes diz que ‘irresponsvel’ furar teto de gastos para fazer poltica, para ganhar eleio

TRIBUNA DA INTERNET | O populismo de Bolsonaro, o liberalismo de Guedes e o  patriotismo dos supermercados

Charge do Miguel (site Charge Online)

Mateus Rodrigues e Las Lis
G1 Braslia

O ministro da Economia, Paulo Guedes, criticou em entrevista um suposto interesse em furar o teto de gastos da economia brasileira para “fazer poltica” e “ganhar eleio”. “Uma coisa voc furar o teto porque voc est salvando vidas em ano de pandemia, e isso ningum pode ter dvidas. Se a pandemia recrudescer e voltar em uma segunda onda, a sim ns decisivamente vamos fazer algo a respeito. E a sim, o caso de voc furar o teto”, declarou.

“Agora, voc furar teto para fazer poltica, para ganhar eleio, para garantir, isso irresponsvel com as futuras geraes. Isso mergulhar o Brasil no passado triste de inflao alta”, prosseguiu.

EMBATE COM MARINHO – Guedes falou imprensa aps supostas crticas feitas pelo ministro do Desenvolvimento Regional, Rogrio Marinho, em reunio com investidores na sexta-feira.

Segundo reportagem do servio Broadcast, do jornal “O Estado de S. Paulo”, Marinho disse que foi Guedes o autor da proposta de usar dinheiro de precatrios para financiar o novo programa social do governo, chamado Renda Cidad. O ministro da Economia rechaou a ideia publicamente na quarta-feira (30).

Mais cedo, Guedes j tinha dito que no acreditava nessas possveis declaraes. Mas disse tambm que, se Marinho falou isso, “despreparado”, “desleal” e “fura-teto”.

UM COMPROMISSO - Em nota divulgada pouco antes da fala de Guedes, o ministrio informou que no houve “desqualificaes ou adjetivaes de qualquer natureza contra agentes pblicos”. O ministro da Economia tambm foi questionado sobre outra possvel fala de Marinho, que teria dito que o Renda Cidad sairia “de qualquer jeito”.

“Isso uma opinio dele. Ele deve estar mais informado do que eu, como no entendo nada de poltica, ele deve saber tudo de poltica, deve sair alguma coisa. O que eu digo que temos o compromisso de manter o teto”, afirmou.

Guedes no respondeu se conversou com o ministro Marinho na sexta, mas disse que a relao deles est tranquila. “Tranquilo. Problema zero. Eu tenho a vantagem de ter essa transparncia e espontaneidade e isso explica a minha confiana no presidente e a confiana do presidente em mim.

DESPESAS PBLICAS – O teto de gastos citado por Guedes uma regra criada em 2016 para segurar as despesas pblicas do governo federal. Na prtica, ele impede que os gastos do governo cresam mais que a inflao do perodo, o que prejudicaria o controle da dvida brasileira.

O governo Jair Bolsonaro tenta viabilizar um programa social chamado Renda Cidad para incorporar e substituir o Bolsa Famlia, aumentando o repasse por famlia. Mas, sob o teto de gastos, o governo ainda tenta encontrar a melhor forma de encaixar os custos adicionais no oramento.

Nas ltimas semanas, Bolsonaro j rejeitou em declaraes pblicas diversas opes sugeridas pela equipe econmica para abrir espao nas tabelas mudanas no abono salarial, no seguro-desemprego, no seguro-defeso e no piso das aposentadorias, por exemplo.

DECLARAO DO RELATOR Na segunda (26), aps reunio de Bolsonaro com ministros, equipe econmica e lderes partidrios no Palcio da Alvorada, o senador Mrcio Bittar (MDB-AC) anunciou duas novas ideias de fontes de recursos: 1) o dinheiro que, hoje, reservado no oramento para o pagamento de precatrios (dvidas do governo j reconhecidas pela Justia); 2) e parte do Fundo Nacional de Desenvolvimento e Manuteno da Educao (Fundeb).

As duas fontes sugeridas no levariam ao rompimento do teto de gastos. O dinheiro dos precatrios j est no oramento, e seria apenas remanejado. O Fundeb tambm no afetaria o teto porque, quando foi criada, a regra de austeridade excluiu gastos com educao e sade da trava constitucional.

A proposta apresentada, no entanto, sofreu crticas de entidades e de parlamentares e gerou impacto negativo no mercado. A ideia de adiar o pagamento de precatrios foi chamada de “calote”, e o uso do Fundeb foi visto como tentativa de “esconder uma fuga do teto”.

MINISTRO SE EXPLICA – Na quarta, Paulo Guedes afirmou que o objetivo do governo ao examinar a verba hoje prevista para precatrios no era o de financiar o Renda Cidad, e sim, uma tentativa de manter despesas sob controle.

Lderes partidrios que, assim como Guedes, participaram da reunio e do anncio na segunda-feira reagiram negativamente s declaraes do ministro, informou o blog do Valdo Cruz.

Paulo Guedes tem atuado dentro do governo para que a regra do teto de gastos seja respeitada. Em agosto, aps notcias de que o ministro Rogrio Marinho era um defensor da flexibilizao da regra do teto, o ministro da Economia conseguiu que o presidente Jair Bolsonaro se manifestasse publicamente a favor da regra e manifestasse o compromisso de que o governo respeitar o teto de gastos.

REMANEJAR RECURSOS – Como soluo para as demandas por mais recursos para investimentos, a equipe de Paulo Guedes prometeu remanejar recursos para as pastas do Desenvolvimento Regional e de Infraestrutura. O projeto, enviado ao Congresso nesta quinta (1), retira R$ 1,4 bilho da Educao para reforar os ministrios mais ligados s obras federais.

Paulo Guedes afirmou que as eleies atrapalham esses debates, e ponderou que seria melhor discutir o novo programa social que vai substituir o Bolsa Famlia depois das eleies.

Se voc falar hoje que vai aterrissar em R$ 300 vo falar: no tem dinheiro para pagar, que absurdo. Se falar que R$ 200, vo dizer: e os miserveis? Na boca de uma eleio? Ser que essa a hora para falar disso?, afirmou.

TEMPO DA POLTICA – Guedes destacou, no entanto, que a o tempo quem define a poltica. Quem faz isso a classe poltica. Quem d o time das reformas, disse.

Segundo o ministro, o debate eleitoral tambm atrapalha outras pautas da agenda econmica, como a reforma tributria.

“Se no tiver a disputa eleitoral, ns vamos com a maior facilidade convergir. Com a disputa eleitoral qualquer coisa que um lado fala o outro lado cai de pau, em vez de ajudar cai de pau”

DESONERAR AS EMPRESAS – O ministrou voltou a defender a desonerao da folha de pagamento para todos os setores e admitiu que o governo atrasou no envio da proposta.

Algumas coisas se atrasam. Do nosso lado atrasamos sim um pouco a reforma tributria, mas do lado de l tambm atrasaram as privatizaes. verdade que atrasou as tributrias? verdade. Eu perdi um secretrio da Receita, um imposto que eu defendo para desonerar a folha de pagamentos foi interditado. H uma luta poltica. Tem gente que quer aumentar imposto, ns no vamos aumentar imposto. Tem gente que quer furar teto, ns no vamos furar teto.

###
NOTA DA REDAO DO BLOG
Guedes no est somente enrolado. Na verdade, est enroladssimo. E o governo depende diretamente dele. Como perguntam os sambistas da Unio da Ilha, o que ser o amanh?. (C.N.)

7 thoughts on “Guedes diz que ‘irresponsvel’ furar teto de gastos para fazer poltica, para ganhar eleio

  1. Quando o ministro da Economia afirma que o cerne de uma proposta como o tal Renda Cidad simplesmente no vale, tem-se a dimenso da barafunda

    Que confiana pode inspirar um governo que anuncia algo num dia para desmentir categoricamente no dia seguinte? Que palavra vale, a de ontem ou a de hoje? Como investidores devem avaliar um pas que tem no presidente da Repblica, ningum menos, a principal fonte de instabilidade?

    Quando o ministro da Economia, Paulo Guedes, informa que o cerne de uma proposta apresentada com estardalhao pelo prprio presidente Jair Bolsonaro dois dias antes simplesmente no vale, como foi o caso do tal Renda Cidad programa de transferncia de renda tido e havido como a maior realizao de um governo que at agora fez quase nada , tem-se a dimenso da barafunda.

    O governo no se entende nem a respeito do nome do programa. J foi Renda Brasil, tornado assunto proibido por Bolsonaro depois que a equipe econmica sugeriu que a nica maneira de financi-lo seria congelando aposentadorias. Poucos dias depois, surgiu o tal Renda Cidad, bancado pelo calote em precatrios e por dinheiro tomado indevidamente do Fundeb, o fundo de financiamento da educao bsica.

    Do Fundeb, Paulo Guedes nada falou, mas nem precisava: a segunda tentativa do governo de tirar verba da educao para, como disse o ministro da Economia em outra ocasio, injetar dinheiro na veia dos pobres. A primeira tentativa, como se sabe, foi barrada no Congresso, por ser um drible tosco no teto de gastos, ao qual o Fundeb no est submetido.

    J a respeito da limitao dos recursos destinados ao pagamento de precatrios para financiar o Renda Cidad, o ministro Guedes foi didtico: disse que o novo programa no pode ter a arquitetura de um puxadinho e que o dinheiro destinado aos precatrios no uma fonte saudvel, limpa, permanente e previsvel. E explicou que o Renda Cidad, por ser uma despesa permanente, tem que ser financiado com uma receita permanente.

    O fato embaraoso que o prprio ministro Guedes estava presente no solene anncio do novo programa e ouviu tudo sem se manifestar. Segundo gente do governo, a ideia de usar os precatrios foi de Guedes. O senador Mrcio Bittar (MDB-AC), relator do Oramento de 2021, declarou, em meio ao espanto do mercado com as ideias francamente irresponsveis que nortearam o plano, que uma proposta como essa jamais teria sido apresentada sem a chancela de Bolsonaro e Guedes.

    A esta altura, pouco importa o que disse o ministro Guedes ou o que argumentou o senador Bittar. O responsvel o presidente Jair Bolsonaro. ele quem deseja criar um programa de transferncia de renda sem promover cortes de gastos, especialmente com o funcionalismo. Tampouco sinaliza apoio s reformas e convico em relao s privatizaes. Enquanto isso, quer, em suas palavras, ficar de bem com todo mundo, o que ningum consegue.

    O governo exclusivo reflexo das decises de Bolsonaro ou, talvez seja melhor dizer, da falta delas. Se algo funciona, reivindica para si a autoria mesmo quando a iniciativa de terceiros, como no caso da reforma da Previdncia ou do auxlio emergencial; quando no funciona, o que acontece na maior parte do tempo, o governo terceiriza a responsabilidade, como no caso da devastao econmica da pandemia ou de sua desesperadora incapacidade de tocar a agenda liberal prometida na campanha.

    O ministro Paulo Guedes, macaqueando seu chefe, chegou ao cmulo de acusar o presidente da Cmara, Rodrigo Maia, de mancomunar-se com a esquerda para barrar as privatizaes que ele e sua equipe, por incompetncia e por falta de apoio de Bolsonaro, no conseguem realizar. Rodrigo Maia devolveu a agresso, dizendo que Guedes est desequilibrado e deveria assistir ao filme A Queda que mostra Hitler nos seus ltimos dias, encerrado num bunker com seus auxiliares e completamente alheio realidade.

    E a realidade que o Brasil, justamente no momento em que mergulha em profunda crise e precisa de direo firme e racional, est merc de um governo que reflete fielmente a incapacidade de seu chefe de administrar at mesmo seu bunker.

  2. O Lobo e o Cordeiro, take # 2091:

    Se no tiver a disputa eleitoral, ns vamos com a maior facilidade convergir. Com a disputa eleitoral qualquer coisa que um lado fala o outro lado cai de pau, em vez de ajudar cai de pau

  3. Guedes est falando sozinho neste (des)governo . Cair fora e colocaro Campos Neto na fritura. A pergunta ; at onde onde isso vai? Quanto mais o Brasil aguenta?

  4. Dr Edney

    Pelo o que eu li, Bolsonaro foi reformado por problemas mentais - ele queria fazer greve por melhores salrios nas foras armadas e pensou dinamitar o Guandu -. Confesso que infomaes na internet so muito duvidosas. Acredito, por sua profisso, que o senhor deva saber de algo concreto

    • Prezado Sr. Elmir Bello,

      Que Bolsonaro sofre doena mental, Transtorno de Personalidade Narcisista (psicopatia) eu j disse vrias vezes na TI.

      Mas para responder melhor sua pergunta, fui a um jornal/site extremamente confivel, que o “Dirio do Centro do Mundo”, publicao feita em 26/12/2018, que explica detalhadamente a expulso do Exrcito do ex-capito Jair Bolsonaro, e, e julgamento pelo Conselho de Justificao do Exrcito (CJE) que o expulsou do Exrcito e cassou-lhe a patente de capito.

      DCM – DIRIO DO CENTRO DO MUNDO

      OS DOCUMENTOS QUE LEVARAM O EXRCITO A EXPULSAR BOLSONARO : “A MENTIRA DO CAPITO”

      Por : Eduardo Reina – 26/12/2018

      Por unanimidade, o Conselho de Justificao do Exrcito (CJE) considerou, em 19 de abril de 1988, que Bolsonaro havia mentido, e determinou que para Bolsonaro fosse “declarada sua incompatibilidade para o oficialato e consequente perda da patente, nos termos do artigo 16, inciso I da Lei 5836”

      Portanto, tambm mentira que Bolsonaro seja capito reformado do Exrcito, j que perdeu sua patente de capito no julgamento do C.J.E. , e, em consequncia, por ter sido banido do Exrcito e perdido a patente, sequer recebe vencimentos como militar. Bolsonaro um civil, no militar reformado nem tem qualquer patente militar.

      Sugiro que V. Sa. leia a reportagem no link abaixo : o DCM um site-jornal confivel e srio.

      https://www.diariodocentrodomundo.com.br/osdocumentosque-levaram-o-exercito-a-expulsar-bolsonaro-a-mentira-do-capitao/

  5. O Centro facilmente convenceu o Presid. BOLSONARO de ampliar o Bolsa Famlia com uma “Renda Cidad” para os “Invisveis”, porque isso d Votos.

    importante ter no Governo um Min. da Fazenda como PAULO GUEDES (71) que corajosamente diz que essa ampliao sem Fonte de Receita para financi-la “ irresponsvel, furar Lei de Teto de Gastos, para fazer Poltica, para tentar ganhar Eleies”. Puxa, nisso est certssimo e foi corajoso.

    Nunca nos pareceu boa ideia o ESTADO pagar aos “Invisveis” uma quantia sem contra-partida de NADA. Termina de vez com a tica de Trabalho, to importante. Tira a Dignidade da Pessoa Humana em troca de pequena ajuda para o Sustento.

    A nosso juzo, melhor seria desenvolver Estudos para ajudar essa grande Populao de outra forma.
    Nos parece que seria melhor criar uma CPMF (Digital) 0,1%, que mau Imposto porque em Cascata mas que atinge igualmente TODOS, inclusive aos da Economia Informal que no pequena, e formar um FUNDO para o GOVERNO poder “isentar de todo Tributo por 4 Anos, todas as Micro-Empresas fundadas por INVISVEIS”.

    complexo, mas a coisa deveria ir por este lado.
    Talvez que o INVISVEL que obtenha um Emprego formal de Carteira Assinada o Governo pague a Contribuio Previdenciria de 20% do Salrio por ele.

    O Governo BOLSONARO/MOURO deve manter os dois Grupos, o Nacional Desenvolvimentista Neo-Keynesiano, e o Grupo Neo-Liberal (Diminuio do tamanho do Estado) para que deste embate de ideias saiam as melhores SOLUES.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.