Guedes diz que estrangeiros desmataram as suas próprias florestas e pede que sejam “gentis” com o Brasil

Guedes participou de videoconferência promovida por instituto de Chicago

Alexandro Martello
G1

O ministro da Economia, Paulo Guedes, pediu nesta quinta-feira, dia 6, em videoconferência promovida por um instituto de Chicago (EUA), que os estrangeiros sejam “gentis” com o Brasil porque eles, afirmou, destruíram as próprias florestas. Guedes respondia a uma pergunta sobre a preservação da Amazônia, motivada pela preocupação de investidores estrangeiros com a preservação da floresta nativa brasileira.

“Eu só peço que vocês sejam gentis, pois nós somos muito gentis. Nós entendemos sua preocupação. Tendo vivido tudo o que vocês viveram, vocês querem nos poupar de destruir nossas florestas, como vocês destruíram as de vocês. Vocês querem nos poupar de perseguir índios, nativos. Nós entendemos isso”, declarou. A videoconferência foi promovida pelo Aspen Institute, um “think tank” (instituição destinada ao debate de ideias) internacional fundado em 1949.

REDUÇÃO DA META – Nesta semana, o Ministério do Meio Ambiente propôs, em ofício enviado para o Ministério da Economia, a redução da meta oficial de preservação da Amazônia. Depois, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, recuou (veja vídeo abaixo). Entre agosto de 2018 e julho de 2019, o desmatamento na região cresceu quase 30%.

O ministro da Economia afirmou que a Amazônia é território brasileiro e que as florestas serão preservadas. “Nós estamos estamos no acordo de Paris, temos crédito de carbono. Vamos taxar o carbono no Brasil, vamos preservar nossas florestas. Não precisamos ir à Amazônia para produzir bens agrícolas. Isso não vai acontecer”, disse.

Ele afirmou que os militares brasileiros amam a Amazônia, fazem treinamentos na região durante o período de formação e não atacam índios. Nesse momento, ele citou o general norte-americano George Armstrong Custer, que morreu enfrentando índios nativos nos Estados Unidos. “Isso não aconteceu aqui. Grandes histórias sobre como matamos nossos índios são fake”, declarou.

PRESERVAÇÃO – Guedes disse ainda que, com exceção de Canadá e Rússia, o Brasil é o país com a maior parte de sua região natural preservada. “Não há caso de extinção com guerras, extermínios, como aconteceu em vários países e nos Estados Unidos. Nós sabemos da história dos Estados Unidos, sabemos que vocês tiveram guerra civil, escravidão”, disse.

Questionado durante a videoconferência se a saída de Sérgio Moro do Ministério da Justiça não prejudicava o combate à corrupção, Guedes afirmou que era um grande admirador do ex-ministro. E creditou a saída de Moro a um “problema de interpretação” com o presidente Bolsonaro, assim como aconteceu, segundo afirmou, com o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, da Saúde.

LAVA JATO – “Em um regime democrático, um ministro, como eu, como o Moro, é removível. Se tem um desentendimento com o presidente, você é removido”, disse. Guedes disse que convidou Moro para participar do governo Bolsonaro uma semana antes do segundo turno das eleições, quando o encontrou. O ministro afirmou que sempre foi um admirador da Operação Lava Jato – que apurou desvios de recursos da Petrobras no governo petista.

“A base do nosso problema é: vamos desestatizar a economia. Esse é um velho problema. Sabemos onde temos que ir. Moro era um lutador contra a corrupção que o sistema econômico doente causou ao Brasil, degenerando a nossa democracia e estagnando nossa economia”, disse o ministro.

Ele disse, ainda, que havia “combatentes” de Moro, que estavam “em todos os lugares”. “Não era o Bolsonaro contra o Moro, havia combatentes contra Moro. Ele era uma ameaça. Eu acredito que o presidente Bolsonaro está lutando contra a corrupção, e eu acredito que seu julgamento”, concluiu.

6 thoughts on “Guedes diz que estrangeiros desmataram as suas próprias florestas e pede que sejam “gentis” com o Brasil

  1. Assisti parte da entrevista e notei como os entrevistadores estrangeiros sorriam diante da falta de educação do Guedes ao acusá-los de terem destruido as próprias florestas. Uma pessoa de classe não se porta assim. Ademais, o inglezinho do Guedes precisa de um bom polimento.

  2. O Sr. Guedes , merece por esse ato meus aplausos com relação as comparações com as nações “amigas” que vivem nos fulminando com falácias ..sobre as nossas matas e sobre os nosso nativos .

    Muito bem lembrado , quando de forma sagaz ironizou o idiota arrogante do Custer, que adorava matar nativos das planices …usando suas matanças como meio de propaganda eleitoral visando sua candidatura a presidencia dos EUA …MAIS não contava com a UNIÃO das maravilhosas tribos das planices lideradas por Crazy Horse …e pimba foi para o INFERNO com seus idiotas soldados. Bem feito viveu como um porco e morreu como tal .

    Parabéns Sr. Guedes pelas palavras VERDADEIRAS .

    YAH SEJA LOUVADO SEMPRE ..

  3. Essa polêmica internacional em torno da conservação do meio ambiente e da exploração ou não das florestas amazônicas é muito complexa e envolve inúmeros conflitos de interesses geopolíticos e de interpretações históricas e me parecem muito estéreis discussões sobre argumentos infantis, sobre fatos de colonizações ou exploração de florestas séculos atrás, sem análise específica das condições que levaram a isso.
    Sapo de Toga abordou oportunamente o fator cronológico.
    Eu, confesso, não entendo e não tenho opinião formada a respeito do assunto, mas guiando-me pela máxima de Santo Tomas de Aquino “A virtude está no meio” eu diria que o problema deveria ser conduzido com inteligência e nacionalismo moderado, sem influências ideológicas ou partidárias, preservando o interesse nacional sem lesar gratuitamente interesse estrangeiros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *