Guedes ironiza Bolsonaro, porque ele o questiona sobre privatização da Petrobras

Resultado de imagem para paulo guedes

Guedes diz que quem é contra privatizar a Petrobras é um “pato”

Deu no Estadão

O ministro da Economia, Paulo Guedes, insinuou que o presidente Jair Bolsonaro o tem questionado sobre uma eventual privatização da Petrobras. Guedes tocou no assunto enquanto comentava sobre o episódio da interferência no reajuste do preço do diesel, em entrevista à GloboNews na noite da quarta-feira, 17.

“Essa crise do diesel não mostra que o melhor caminho seria privatizar a Petrobras?”, perguntou o jornalista da emissora, ao que Guedes rebateu: “Olha, você acabou de dizer um negócio que o presidente levantou a sobrancelha”.

DESCONVERSOU – Cobrado por explicações sobre esse comentário, Guedes desconversou. “Ué, se o preço do petróleo sobe no mundo inteiro e não tem nenhum caminhoneiro parando no Trump, não tem nenhum caminhoneiro parando na Merkel, não tem nenhum caminhoneiro na porta do Macron, será que tem um problema aqui?”.

Pressionado novamente a detalhar esse “levantar de sobrancelha” de Bolsonaro, Guedes disse que o presidente lhe enviou mensagens comparando o número de companhias petroleiras no Brasil e em outros países. “Brasil: veio uma bandeirinha só da Petrobras. Acho que ele quis dizer alguma coisa com aquilo ali”.

SALTO GRANDE – Questionado mais uma vez se Bolsonaro estaria mais próximo de “concordar” com a privatização da Petrobras, Guedes declarou: “Não, acho que isso seria um salto muito grande. Mas tem uma estatal particularmente que outro dia nós estávamos conversando e ele disse ‘PG, você está certo'”. Mas o ministro se negou a dizer qual seria a empresa pública mencionada na conversa.

“Na minha interpretação, está ficando muito claro para o brasileiro e para o mundo o seguinte: tem cinco bancos, tem seis empreiteiras, tem uma produtora de petróleo e refinaria, tem três distribuidoras de gás e tem 200 milhões de patos”, declarou Guedes.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
O ministro Paulo Guedes é muito folgado, como se dizia antigamente. E está se achando, como se diz hoje em dia. O fato é que sempre se comporta como se fosse superior a Bolsonaro, insinuando que o presidente faz asneiras que ele tem de consertar. Na verdade, Guedes é um mau brasileiro e não esconde que pretende vender todas as estatais, opinião partilhada pelo presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, outro péssimo brasileiro. E Guedes até chama de “patos” todos aqueles que não concordam com suas teses. Para ele, Jair Bolsonaro, Augusto Heleno, Santos Reis e Bento Albuquerque também são “uns patos”. O fato concreto é que o presidente precisa acordar e demitir logo esse ministro, antes que seja tarde demais. Guedes quer vender o Brasil por 30 dinheiros, em plena Semana Santa. (C.N)

37 thoughts on “Guedes ironiza Bolsonaro, porque ele o questiona sobre privatização da Petrobras

  1. Putz haja paciência, caro CN. Primeiro, no texto do Estadão, em nenhum momento Guedes ironizou o PR. Segundo, “patos” não se refere a quem discorda da privatização, mas ao conjunto do povo que é esbulhado diariamente pela Petrobrás.

    • Difícil a implicância com o Guedes. Os argumentos do síndico deveriam ser mais claros e reais, ficar na arquibancada falando mal do juiz leva a conclusão que não passa de uma perseguição idiota ao ministro, que tem mostrado que as Estatais são tetas dos corruptos.

  2. Getúlio Vargas deve estar se estremecendo de raiva no túmulo ! Como no Brasil os absurdos acontecem, por exemplo, o banqueiro Paulo Guedes virou Ministro da Economia (a raposa tomando conta do galinheiro por determinação presidencial) , não será estranho se Getúlio Vargas até resolver se dessuicidar para ir até Brasília e levar com ele estes entreguistas para o túmulo.

    • 1) Licença: tem um livro Espírita, psicografado, que conta a história do presidente do outro lado: “Getúlio Vargas em Dois Mundos”..

      2) É possível que ele se manifeste novamente, do Astral onde se encontra, falando sobre o possível fim da Petrobras…

      • Além do que, Antonio Rocha, o nacionalismo de Getúlio Vargas, junto ao de Monteiro Lobato, que cunhou a expressão “O Petróleo é Nosso” estão encarnados na maioria dos nacionalistas e anti-entreguistas que estão vivos, encarnados, no Brasil.

        Mas eu não duvido de que o espírito de Getúlio baixe e volte à Luta para barrar a entrega da Petrobrás para o Setor Privado ou para Petroleiras estrangeiras.

  3. Bom dia a todos! Comentários excelente mais uma vez do prezado C.N. Meu “Judas” neste sábado de aleluia é o “amigo do amigo do meu pai”. São tantos os Judas aqui no Brasil que faltarão postes e o maior fabricante deles está encarcerado em Curitiba!

  4. 1) Se a expressão “200 milhões de patos” é verdade, comprova que passamos a infância lendo o Pato Donald…

    2) E o Brasil foi transformado em Patópolis… a cidade onde moram os parentes do citado pato.

    3) Como quase sempre eu cito um livro, a dica de hoje é “Para Ler o Pato Donald”, dos chilenos Ariel Dorfmann. e Armand Mattelart, editora Paz e Terra.

    4) Depois, Dorfmann fez as pazes com a Matrix que passou a residir nos EUA, onde vive até hoje.

    • Prezado Antonio,

      Com o nível atual do jornalismo nacional, além da Tribuna da Internet e de alguns livros, só compensa ler mesmo O Pato Donald.
      Assim, evita-se aborrecimentos e perda de tempo desnecessários.

    • Os 200 milhões de brasileiros não são patos. Os poucos brasileiros que são patos, porque estão fazendo cagada de patos, estão em Brasília. Alguns foram eleitos, outros foram escolhidos pelos eleitos ou para entregar nossas riquezas ou para censurar a imprensa, como “o amigo do amigo de meu pai.” Aqui se inclui tanto estes dois amigos como este chamado de “meu pai”.

  5. Nos Estados Unidos, fins dos século XIX, não fosse os banqueiros e empresários , hoje ele não seria o que é.
    Não que , banqueiros e empresários sejam melhores que ninguém, mas onde trabalhavam ainda não havia a esquerda, que destruiu países como o Brasil.
    Se não fosse um banqueiro não existiria a gigante GE , por exemploe outras iguais que emprega gente no mundo inteiro.
    Enfim, nosso problema não é banqueiro, é o estado socialista brasileiro que se consolidou com Getúlio em 35 e criou toda essa cultura esquerdista, retrógrada, de patriotice e falso nacionalismo, que resultou nesta merda de país.

    Só para lembrar de uma dessas patriotices , promovida pela esquerdinha, na década de 50 ela criou a campanha do “minério não dá duas safras”, com relação ao , pasmem, minério de ferro.
    Já pensaram em que situação hoje estaria esta merda de país sem a exportação do minério de ferro, que tem reservas em vários países para mais de 800 anos?

  6. Países em que a cultura binária do “bem” contra o “mal”, essa coisa que tem origem no ideal, que se sistematizou em religiões e ideologias, o que dá no mesmo, vira essa merda como o Brasil (estado fascista) e pior ainda se fosse comunista como ainda quer muitos neste país, com o PT , PSol, Rede,etc.

    Nos países capitalistas como os EUA, por exemplo, todos são pilantras, empresas e povão, mas a coisa funciona e todos saem ganhando.
    Nos países socialistas (fascista como o nosso ou comunista) só os ocupantes do estado são pilantras e o povo seus servos, não esquecendo sua maioria de miseráveis.

    • Vá à merda com as suas teorias pilantra$, vá vive lá nos Estados Unidos, porque aqui ainda tem muita gente que ainda acredita ser possível construir um país alicerçado na honestidade, na dignidade, no trabalho e na honradez. E vc, certamente, não terá vez no novo Brasil que urge construirmos, porque até nas cadeias o sistema será outro, avesso à pilantragem da qual vc é um apologista, ao que parece.

        • Vá lamber saco de norte-americano, pilantra. Vá viver nos EUA, porém as suas próprias custas, sem ficar pedindo esmolas aos brasileiros como faz o seu ídolo Olavo de Carvalho.

          • E tão idiota que ele mesmo confirma a merda mental que vive e que eu mostrei de onde ela vem lá atras: americano não presta, patrão é mau, o pobre é bom, o rico é sacana.
            Mais um binário como qualquer outro vagabundo.
            Vive de clichés morais estabelecido pela sua religião política, popularmente conhecida como esquerdinha

  7. Todo bandido é mesmo arrogante, petulante, atrevido, pretensioso, e reduz as vítimas à condição de coisas, principalmente quando se encontra armado até os dentes. Por quê esse cara ainda não está preso ? Só por que tem a proteção do capital velhaco, bandido. Todavia, na parte de que que somos todos patos, ele tem razão, até porque, os bandidos aplicam os golpe$ e todos pagamos de patos.

  8. Nem precisa vender. Se o ministro quer colaborar, baixe os impostos sobre os combustíveis. Se o ministro quer menos intervenção estatal, quebre a cadeia de benefícios que garantem o monopólio. Isso basta. Não é um bom negócio vender uma empresa pra arrecar um valor que esta mesma empresa lucra ao ano. Igual fizeram com a Vale, quando venderam-na por 3 bi quando a mesma lucra muito mais que isso anualmente. Presentear alguns já ricos com o bem público em nome do mercado livre e ainda manter os mesmos privilégios de proteção estatal a este mesmo bem já agora privado é um ROUBO.

  9. Caro Jornalista.

    PRIVATIZAM-SE OS LUCROS. ESTATIZAM-SE AS DESPESAS.
    Como sempre, o Estado, na hora de conseguir alguma benfeitoria para os brasileiros, chamam os contribuintes para os gastos e, depois do emprego de bilhões de reais e quando o almoço já está feito, cheirando e colocado sobre a mesa, é chamado algum ladrão amigo da corte para o banquete, servido por quem pagou o repasto.
    Foi assim com a privatização/doação das estatais pela quadrilha do PSDB. E essa política de doação fica claríssima até hoje com as privatizações das rodovias, feitas só depois de serem asfaltadas com recursos públicos. Eu mesmo não tenho notícia de qualquer estada de terra no Amazonas que tenha sido privatizada, nem que alguma multinacional tenha pedido para construir, com os próprios recursos, a Ferrovia Norte-Sul para ter o direito de explorá-la depois de feita.

    Privatizam-se os lucros. Estatizam-se as despesas, conforme fez a quadrilha do Partido dos Trabalhadores, ao oferecer os nossos impostos como garantia aos empréstimos para obras privadas tocadas na Venezuela, Moçambique e Cuba por construtoras brasileiras como Odebrecht, Andrade Gutierrez e Camargo Corrêa. O projeto de Orçamento de 2019 já prevê R$ 1,4 bilhão de gastos para cobrir esses calotes.
    -Afinal, o que eu tenho a ver com a Odebrecht, se ela nunca me deu um tostão?
    -Ora, graças ao PT, eu e você, que nunca compramos qualquer ação daquelas empresas, que nunca incluíram um real delas no nosso orçamento mensal, de repente viramos todos “sócios solidários”. Mas sócios só no caso de prejuízo. No caso de lucro, os dividendos ficam com os legítimos proprietários, amigos dos políticos cujos nomes se acham enumerados nas agendas apreendidas pela Polícia Federal.

    Agora, mais uma vez, já no Governo Bolsonaro, mais um “ministro amigo dos nossos impostos”, valendo-se dos ingênuos, quer fazer a mesma coisa com a Petrobrás. Em 3 de outubro de 1953, Vargas sancionou a Lei nº 2.004, criando a Petróleo Brasileiro S. A – Petrobras, “constituída com capital, técnica e trabalho exclusivamente brasileiros”, conforme disse o presidente. Dinheiro dos brasileiros contrariando o ditado que dizia que “no Brasil não existe petróleo”.
    -Por que será que nenhum empresário nacional ou empresa multinacional teve interesse em aplicar recursos na prospecção, no refino e na distribuição do petróleo, aqui no Brasil, antes que a empresa fosse criada?
    -Por que nenhuma grande multinacional quis inserir o país no mundo dos hidrocarbonetos, tendo sido necessário que os brasileiros usassem os seus parcos recursos para que uma empresa desse ramo viesse a existir?

    Agora, depois que a empresa já está solidificada no mercado, aparecem as “sereias da economia” para engabelar os incautos e os de boa-fé.
    -A Petrobrás é uma empresa ineficiente? Ora, todos nós sabemos que uma empresa petrolífera só dá prejuízo se ela for é administrada por incompetentes, no caso de ser privada, ou por ladrões colocados na sua direção, no caso de ser estatal.
    -Para resolver essa questão é muito simples: Basta tirar os ladrões da empresa e, de rebarba: QUEBRE-SE O MONOPÓLIO! Se as empresas privadas oferecerem produtos mais baratos do que ela, ela não venderá, dará prejuízo e fechará as portas naturalmente por causa da lei da oferta e da procura. Portanto, a Petrobrás, para sair da aba do Estado, não precisa ser privatizada. Uma vez quebrado o monopólio, o mercado funcionará por si mesmo e aí veremos quem venderá a gasolina mais barata…

    Mesmo assim, vamos supor que após essa quebra de monopólio, a Petrobrás venha a dar prejuízo. Aí poderá surgir outra pergunta, outro fato, outra hipótese:
    -Por que, depois que foi quebrado o monopólio estatal e estabelecida a livre concorrência, a Shell dá lucro e a Petrobrás dá prejuízo?

    Essa pergunta poderá ser respondida com essas simples analogias:
    -Por que o meu carro, quando é dirigido pelo meu vizinho, taxista, faz 15 km/l, e quando é dirigido pelo meu “motorista de confiança”, faz só 5km/l?
    -O problema de consumo está no carro ou está no meu chofer, por mim regiamente remunerado e colocado na cadeira do motorista explicitamente destinado a otimizar o consumo e fazer o carro economizar tanto ou mais que o meu vizinho taxista?
    -Será que o meu motorista não estaria rodando apenas na primeira marcha do veículo apenas para que eu possa vender o carro mais barato ao meu vizinho, que é amigo dele de longa data?
    -Ou será que eu preciso vender o meu carro (justamente) para o meu vizinho para que depois eu precise usar os seus serviços de taxista?
    -Se o meu carro dá prejuízo, por que será que o meu vizinho quer comprá-lo?

    O CASO DA BASE DE ALCÂNTARA
    Veja, agora, o caso do esforço que o país está fazendo para conseguir construir um veículo lançador de satélites.
    Para que o sonho fosse possível, o país teve, mais uma vez, que ENFIAR DINHEIRO PÚBLICO na infraestrutura do local. Somente depois, querendo adiantar o processo, criou uma tal de “Alcântara Cyclone Space”, em um acordo feito entre o Brasil e Ucrânia em 2003, a mando dos Estados Unidos e perpetrado, certamente, através de PROPINAS, pelo governo entreguista do PT.

    Conforme foi noticiado pelo Wikileaks através de telegramas do Governo Americano, vazados na época, o contrato foi direcionada para a Ucrânia apenas como forma de impedir um provável contrato brasileiro com a Rússia e que ela nos passasse “tecnologias sensíveis” e nos tornasse independente na área de lançamento de satélites e de mísseis.
    Os dois governos, juntos, investiram cerca de R$ 1 bilhão no projeto. No entanto, nenhum lançamento ocorreu (conforme foi planejado pelos americanos) e a extinção da empresa acaba de ser aprovada pela Câmara e pelo Senado. Portanto, os PT repetiu o PSDB da época do FHC, onde a compra de 19 radares do Projeto Sivam foi vencida pela firma americana Raytheon a troco de propina e tirando os franceses da jogada, quando as denúncias de tráfico de influência derrubaram o embaixador Júlio César dos Santos e o ministro da Aeronáutica, Brigadeiro Mauro Gandra.
    -Você conhece alguma empresa privada, nacional ou estrangeira, que tenha assumido o gasto de bilhões de reais com a infraestrutura na base de Alcântara para que o país conseguisse lançar algum satélite ainda na década de 80?
    -Você acha que a quadrilha do PT, que virou as costas ao governo e aos “camaradas” russos (inclusive na escolha do caça para a Aeronáutica, nos submetendo, agora, ao embargo americano pelo fato dos aviões Grippen terem peças fabricadas pelo Tio Sam – tal qual aconteceu com a venda do avião Supertucano para a Venezuela, embargada pela matriz) e nos submeteu ao governo americano, fez diferente e é mais honesta do que a quadrilha do PSDB?

    Ora, senhores, na vida é preciso ter malícia para não ser manipulado por quem tem má-fé e por quem tem sido estelionatário de carteirinha por longa data. Depois que alguma “estatal brasileira lançadora de satélites” (por enquanto com o apoio do dólar americano), movida a dinheiro público, tiver gasto bilhões de reais e estiver funcionando e dando lucro, certamente aparecerá algum empresário interessado em comprá-la e alguma político falando em privatizá-la!
    -O problema na Petrobrás não está na empresa.
    -O problema na Petrobrás está no fato da administração ser feita por bandidos, escolhidos pelos presidentes passados, antes mesmo dela ser submetida aos mandos da GERENTONA PETISTA. Portanto, o responsável pelo lucro ou pelo prejuízo da Petrobrás é o presidente da República Federativa do Brasil.
    -Vamos acabar com o monopólio e aí veremos se as concorrentes privadas nos oferecerão gasolina e diesel mais baratos do que a Petrobrás, pois não é aconselhável medir a profundidade de um rio com os dois pés.

    Abraços.

    • Há pouco a empresa de Elon Musk nos EUA testou o maior avião do mundo para lançar satélites e tripulantes ao espaço.
      Muito cuidado em valorizar demais essa base de Alcântara. Qualquer dia nem se precisará de base para lançar espaçonaves.

        • O problema é que a esquerdalha não conhecem Alcântara e não tem compromisso com o povo brasileiro. Alcântara é uma vaidade nacionalista que custa caro ao país e não produz nada em tecnologia. Antes de falar, façam uma visita a Base.

      • -Prezado Mário, o senhor está certíssimo. O Brasil está atrasado. Como sempre, aliás, conforme planejado pelos seus últimos presidentes-mercenários.

        -Portanto, caso as coisas não sejam “para ontem”, o Brasil poderá perder mesmo o bonde dos veículos lançadores de satélites da mesma forma que já perdeu o bonde da revolução industrial, o bonde do superpreço do petróleo, o bonde das ferrovias, o bonde das usinas nucleares e até mesmo o bonde da reforma agrária.

        Abraços.

  10. Modo Espartano (via Facebook)

    Em relação aos ministros do Supremo, temos o seguinte quadro:

    – A população tem ranço desses caras por diversas razões, dentre elas o fato de serem figuras boçais e privilegiadas. Todos sabem que ser um ministro do STF dá certas garantias vitalícias, em especial um ganho de dinheiro muito acima da média do brasileiro. Mas não é só isso. Os ministros do Supremo têm passado uma imagem escrota para o povo, agindo frequentemente não como meros árbitros, mas muitas vezes como se fossem legisladores. Além disso, é claro, vemos os casos de censura como o que ocorreu nesta semana contra a revista Crusoé. Há também o caso das solturas frequentes de criminosos condenados pela Justiça. Tudo isso é bem revoltante para o cidadão comum, porque ele vê os privilegiados ajudando uns aos outros.

    No entanto é preciso também entender o que está por trás da campanha pela cabeça dos ministros. Esta campanha não começou agora, ela vem ocorrendo há pelo menos três anos. E no meio de toda a indignação legítima de grande parte da população existem aqueles que se aproveitam deste fato para avançar suas agendas políticas.

    No momento há indícios de que Bolsonaro esteja articulando (sim, ele articula quando é do seu interesse) com parlamentares para revogar a PEC da Bengala. Caso você não se lembre, a PEC da Bengala foi passada no Congresso durante o governo Dilma. O objetivo era aumentar a idade mínima de aposentadoria dos ministros a fim de evitar que Dilma tivesse oito nomeações no STF. Na época vários ministros iriam se aposentar e, se tivesse acontecido, a ex-presidente petista teria colocado a maioria absoluta da corte, tendo com isso um maior aparelhamento.

    Contudo, e isso é bem importante lembrar, o próprio Jair Bolsonaro votou a favor desta PEC. Na época ele justificou – acertadamente, diga-se – que era péssimo um presidente ter uma quantidade tão significativa de nomeações na Suprema Corte. Agora, contudo, ele está no poder, e quem está no poder não age com a mesma ética daqueles que são oposição. Na política a ética muda de forma bastante flexível de acordo com a sua posição.

    Cabe dizer, portanto, que há uma motivação muito óbvia por trás de tudo isso. É verdade que muitos dos ministros merecem punição, é verdade que muitos deles deveriam cair. Mas a quem isso beneficia? Ao atual presidente, que tem um projeto autocrático, e que ganharia muita força com isso. Bolsonaro já é amigo do ministro Luis Fux, que foi quem o beneficiou durante sua campanha antecipada, alegando que não havia irregularidades quando claramente havia. E para beneficiar Bolsonaro, Fux precisou beneficiar também a Lula, cuja campanha antecipada foi tão irregular quanto.

    O projeto é claro: tomar o STF para si e decapitar os inimigos.

  11. São vendilhões da pátria, Sem capacidade de um programa econômico para alavancar o progresso, sem querer fazer auditoria na dívida pública para não prejudicar seus colegas banqueiros, só fala em vender o patrimônio nacional. Se o presidente Bolsonaro der mole, o Guedes vende a Petrobras, Banco do Brasil, Caixa Econômica e outras empresas estratégicas.

  12. Este PG mentiu e mentiu muito na entrevista ping pong que ele jogou com a equipe da GloboNews.

    Exemplo? Vou dar só dois banais.

    1. Quando ele disse que o pessoal do Museu de NYC queria voltar atrás e eles é que não toparam.

    2. Que a recusa em ceder o Museu para o evento com o Bolsonaro teria sido para cutucar o Trump.
    Não! Não foi por isto.
    A Prefeitura de NYC é a principal mantenedora do Museu, aporta anualmente US$ 7 Milhões.
    O Prefeito foi claro, aliás, claríssimo.
    Ele acha o Bolsonaro um cara perigoso.

    Agora… Imagina em relação à sua Reforma da nossa Previdência Social?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *