Guedes sai em defesa de Bolsonaro e diz que movimento por impeachment é uma ‘sabotagem à democracia’

Guedes opta por travestir a realidade com a fantasia da insanidade

Manoel Ventura
O Globo

O ministro da Economia, Paulo Guedes, criticou nesta terça-feira quem pede o impeachment do presidente Jair Bolsonaro. Ao lado de Bolsonaro, ele disse que o movimento é uma “sabotagem” à democracia brasileira.

“Isso é uma tentativa de descredenciamento, uma sabotagem à democracia brasileira. O presidente foi eleito com 60 milhões de votos, voto popular. Todo dia, desde o início, todo dia tem conversa”, disse o ministro, em transmissão ao vivo para investidores internacionais, acrescentando: “Quando um cara ganha, deixa o cara governar, vamos ajudar, vamos tentar dar certo”, afirmou.

DEBOCHE – Guedes ironizou os motivos dos pedidos de impeachment contra o presidente. “Primeiro é impeachment porque derrubou um passarinho, depois é impeachment porque deu um tapa na cabeça da ema, depois é impeachment porque teve um assassinato no Maranhão, depois é impeachmet porque morreu um indígena. Isso é um descredenciamento da democracia brasileira. Nós viemos aqui justamente com a convicção da forma da democracia brasileira”, afirmou Guedes.

Num momento em que o governo tenta eleger o deputado Arthur Lira (PP-AL) para a presidência da Câmara, Guedes disse que a Casa está sendo comandada por o que considera uma aliança de centro-esqueda”. Para ele, essa aliança controla a pauta da Casa. Durante a gestão de Rodrigo Maia (DEM-RJ), o governo conseguiu aprovar, entre outras propostas, a reforma da Previdência.

“Não é razoável, era uma disfuncionalidade do nosso regime político, que o presidente e seus aliados, que têm maioria no Congresso, tenham a pauta controlada por uma aliança de centro-esquerda. O atual presidente da Câmara fez uma aliança política de centro-esquerda”, disse Guedes, para quem a eleição dos aliados do governo irá “desobstruir” a pauta.

JOE BIDEN – O ministro aproveitou para criticar o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. Para Guedes, o grupo político de Biden “maltratou” o ex-presidente Donald Trump.

“Na maior democracia do mundo os caras estão lá e não sabem até agora se a coisa vai funcionar bem ou mal. Porque um presidente foi eleito e foi tão maltratado durante quatro anos que agora quem votou nele vai maltratar o outro que está chegando também. Agora estão lá “vamos unificar”. Unificar como? Vocês investiram na separação e no ódio por quatro anos. Quem semeia vento colhe tempestade”, disse.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG 
Fica a dúvida se Guedes estava sendo irônico ou insano. Debochar e mentir sobre os reais motivos pelos quais cresce o movimento a favor do impeachment do ainda presidente é baixo. Um mandatário que não somente é inoperante, mas sobretudo negacionista, registrando as suas digitais nas certidões de óbitos de milhares de pessoas é criminoso. Um presidente que ri diante do desespero da população é de uma covardia imensurável. Sabotagem é continuar com Bolsonaro na cadeira presidencial. (Marcelo Copelli)

9 thoughts on “Guedes sai em defesa de Bolsonaro e diz que movimento por impeachment é uma ‘sabotagem à democracia’

  1. Os que votaram no Bozo, em DOIS TURNOS, são os que mais gritam…..impedimento.
    E depois bradam,hipocritamente, democracia.
    Um bando de velhos que não acrescentam nada ao país.
    Já erraram o que tinham que errar, gostam o pijama e deixa as novas gerações consertarem as besteiras dos gagás.

  2. António Guterres pede aliança internacional para combater ascensão neonazista!
    O secretário-geral das Nações Unidas pediu uma aliança internacional coordenada contra o crescimento do neonazismo e da supremacia branca, xenofobia, antissemitismo e discurso do ódio provocado, em parte, pela pandemia.

    António Guterres falava, esta segunda-feira, no Dia Internacional da Lembrança do Holocausto da ONU, em que foi assinalado o 76.º aniversário da libertação do campo de concentração de Auschwitz-Birkenau, realizado virtualmente por causa da covid-19.

    http://issoeofim.blogspot.com/2021/01/guterres-pede-alianca-internacional.html?m=1

  3. É muita gente contra o tempo todo. Quem defende Bolsonaro, na cabeça dessa gente, é direita extremista.
    Há 30 anos – no mínimo do mínimo – com FHC, Lula e Dilma (Temer) o país sendo roubado e os protestos eram mínimos.
    Quem está por trás não é a esquerda. Digo, esquerda de raiz, de verdade, onde tem muita gente honesta e patriótica, pensando como administrar melhor um país de dimensão continental. É uma “esquerda”, que usa essa denominação para si e prejudica até a esquerda que estuda e tem princípios.
    Unificar como? Vocês investiram na separação e no ódio por quatro anos. Quem semeia vento colhe tempestade”, disse Paulo Guedes. Estou com ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *