Há anos, os fundos de pensão sabem que estão sendo roubados

Carlos Newton

Não causa surpresa a notícia de que o doleiro Alberto Youssef operava também dentro dos maiores fundos de pensão do país. Era um segredo de Polichinelo, como se dizia antigamente, todo mundo sabia e o governo e o agência reguladora Previc simplesmente se omitiram.

Para conferira gravidade da situação, vamos republicar uma reportagem de denúncia publicada no site RJ Notícias, em janeiro deste ano, sem que tenha sido tomada a menor providência.

COMPRANDO UNIVERSIDADES…

Funcionários da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos se sentem frustrados e roubados ao tomar conhecimento de que novamente o fundo de pensão dos funcionários dos Correios (Postalis) teve parte dos seus recursos investidos na compra fraudulenta de duas instituições sem fins lucrativos, Gama Filho (UGF) e da UniverCidade. O diretor financeiro do Postalis na época era Adilson Florêncio da Costa, indicado para o cargo pelo PMDB.

Menos de dois anos depois da operação, ele integrou a diretoria do Grupo Galileo, que recebeu milhões de reais. Mas esse escândalo  envolvendo o   Postalis é só mais um de uma longa lista de conspirações políticas que usam o fundo para esquemas fraudulentos, como tráfico de influência pelos presidentes do Postalis, que geralmente são eleitos por partidos políticos,

Um dos ex-presidentes do Postalis, Alexej Predtechensky, foi indicado para o cargo pelo ministro Edison Lobão (Minas e Energia). Alexej Predtechensky fez na sua gestão três investimentos milionários em empresas controladas por pessoas que aparecem em uma investigação da Polícia Federal  batizada  de Operação Faktor  (antiga Boi Barrica), e Alexej era formalmente sócio de Marcio Lobão,um dos filhos do ministro, em uma importadora de carros BMW em Brasília.

No total, na gestão de Alexej Predtechensky, foram investidos R$ 371,9 milhões em três empresas de energia: a Multiner e em outras duas vinculadas a ela — a Raesa (Rio Amazonas Energia) e a New Energy. Os investimentos nas três empresas representaram 50,06% do total destinado pelo fundo ao setor.

Em outra negociata fraudulenta, a administração do Postalis, concentrou cerca de 20% de suas aplicações em Bolsa em papéis das empresas do grupo EBX. O Postalis aplica 7,98% do seu patrimônio em ações, o equivalente a R$ 613 milhões. E as empresas de Eike Batista respondem por R$ 127,5 milhões.A  administração do Postalis, na época, defendeu sua gestão.

Em nota, disse que a decisão de investir nas empresas do grupo EBX foi de um gestor terceirizado, e não da direção do fundo. “O gestor optou pelo investimento por levar em consideração premissas que indicavam ser aquele um bom investimento à época (setembro de 2011)”, dizia o texto, sem identificar o gestor.

No começo de 2013, 110 mil funcionários dos Correios receberam um informativo que dizia que o contra cheque seria menor que, a partir de abril, um valor médio correspondente a 1,7% do salário seria descontado do pagamento todos os meses, por tempo indeterminado.

Os recursos seriam usados para cobrir o déficit de cerca de 1 bilhão de reais do Postalis, que já havia tido um rombo de 1,4 bilhão de reais anos antes. E ainda há investimentos problemáticos na carteira. Os funcionários podem optar por não pagar o extra, mas apenas por três meses. Se ficarem “inadimplentes” por um perío­do maior, serão excluídos do plano — o que significa que o dinheiro acumulado passará a ser corrigido pela inflação até que possa ser resgatado, no momento da aposentadoria ou da demissão.

Alguns carteiros procuraram o Postalis para entender o que estava ocorrendo, mas o fundo, inicialmente, não deu explicações mais detalhadas. Pressionado pela Associação Nacional dos Participantes do Postalis, que entrou com uma ação na Justiça para ter acesso ao relatório de investimento do fundo, a fundação divulgou alguns dados sobre as aplicações feitas nos últimos dois anos.

A parte mais preocupante do déficit do Postalis é a perda de 698 milhões de reais com investimentos malsucedidos. Os dados mostram que parte desse prejuízo veio de aplicações em títulos de bancos que quebraram e em papéis de empresas com dificuldades financeiras.

Os fundos de pensão costumam manter recursos em caixa para fazer frente a esses imprevistos — e, assim, conseguir pagar as aposentadorias. Mas as regras da Previc, órgão do Ministério da Previdência que fiscaliza esse setor, determinam que, se os fundos fecham dois anos seguidos com déficit, precisam apresentar um plano para resolver o problema antes que o caixa termine. A fundação dos Correios decidiu cobrar as contribuições dos investidores.

O Postalis é o fundo de pensão com maior número de investidores  e o décimo quarto maior  do país — e, agora, é também o que tem o maior déficit, em relação ao patrimônio, entre as grandes fundações. O déficit representa 13% do volume total sob gestão.

Os funcionários dos Correios criaram um abaixo-assinado pedindo a  intervenção do governo  no Postalis e o desaparelhamento político das previdências complementares fechadas.

####

Este texto é janeiro de 2014. Quase um ano se passou e não aconteceu nada.

13 thoughts on “Há anos, os fundos de pensão sabem que estão sendo roubados

  1. E atrás dessas ‘faculdades’ está o grupo Anhanguera do responsável pela campanha da Dilma em Minas, Walfrido Mares Guias. Por isso é que tem federal com telefone cortado e conta de luz atrasada há 3 anos. Da mesma formo, o PT sucateou os Hospitais Universitários para depois privatizá-los através da EBSERH. O Filho do Lula, que é amigão do dono da Amil, já montou uma empresa para a venda de planos de saúde ‘populares’ para empreiteiras….. Tudo se liga.

  2. Brasil tem maior déficit para outubro desde 1980
    Segundo o BC, déficit em conta corrente chegou a US$ 8,1 bi, o maior saldo negativo para o mês
    Mercado projeta PIB menor e inflação maior em 2014

    • Corrigindo:

      Nota do setor externo do Banco Central do Brasil mostra a célere deterioração no balanço das transações comerciais e financeiras (Balanço de Pagamentos) do Brasil com o resto do mundo.

      O déficit em transações correntes – de mercadorias e serviços – do Brasil com o resto do mundo acumulou, até outubro, em US$70,7 bilhões.

      A Balança Comercial, que compõe as transações correntes e se refere ao comércio de mercadorias, está deficitária em US$1,9 bilhões (exportação de US$191,9 bilhões contra importação de US$193,8 bilhões).

      A queda no preço do petróleo no mercado mundial fez diminuir o impacto negativo sobre a Balança Comercial que poderia ter sido, ainda, pior. Ainda importamos 20% do combustível que consumimos.

      Registro gráfico das transações correntes do Balanço de Pagamentos, até outubro, ficou assim:

      # Balança Comercial (FOB):………………………- US$1,9 bilhões (déficit)
      # Transações de Serviços:………………………. – US$40,0 bilhões (déficit)
      # Transações de Rendas:……………………….. – US$30,3 bilhões (déficit)
      # Transferências Unilaterais Correntes:……… US$1,5 bilhões (superávit)
      ———————————————————————————————————
      # Total das transações correntes:……………….- US$70,7 bilhões (déficit)

      Este rombo de US$70,7 bilhões em transações correntes representou o montante em saída de dólares do país.

      Em contraponto, a conta Capital e Financeira, acumulou US$85,6 bilhões em ingresso de dólares, dos quais US$51,2 bilhões corresponderam a investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil. São empresas estrangeiras, ainda, interessadas no mercado nosso consumidor e investindo em nossa economia.

      Houve fluxo positivo de dólares no período para o Brasil, já que a saída de dólares pelo déficit em transações correntes foi menor que a entrada desta moeda na conta capital e financeira. Processo corroborado, como dissemos, pelo investimento estrangeiro direto.

      A alta na taxa básica de juros (SELIC) aumentando o rendimento para os adquirentes de papéis do governo corroborou, também, para manter o fluxo positivo na entrada de dólares, preservando nossas reservas cambiais.

      Registro gráfico do Balanço de Pagamentos:

      # Capital e Financeira:……………………………….. US$86,6 bilhões (entrada de dólares)
      # Transações Correntes:……………………………- US$70,7 bilhões (saída de dólares)
      # Erros e Omissões:…………………………………….US$4,4 bilhões (entrada de dólares)
      ———————————————————————————————————————
      # Resultado do Balanço de Pagamentos:…… US$20,3 bilhões (entrada de dólares)

      • A entrada de dólares atualmente são de investidores especulativos que tem intenção de permanecer pouco tempo no país conhecido como smart money, eles estão comprando mercado de capitais, indicie de Ibovespa e Ibovespa avista e vendendo nossa moeda apostando em sua desvalorização, o hedge formado pelos participantes estrangeiro está apresentando recorde em volume financeiro na posição comprada tanto no avista como no mercado futuro de Ibovespa, atualmente os fundamentos econômicos está dando lugar ao intervencionismo monetário praticado pelos principais banco centrais, como a maioria dos mercados de capitais globais estão supervalorizados ultrapassando o seu topo histórico e o mercado brasileiro está desvalorizado 32% do seu recorde de pontos sem descontar a inflação pois se levar em consideração a inflação o spread entre o topo histórico e o número de pontos atual é de 50%.

        Levando em consideração o spread entre o topo histórico e o número de pontos atual, a nossa moeda que é lastreada em dívida pública americana, somos o quinto maior detentor de Treasures americano, o Brasil se torna o melhor mercado para a pratica de Hedge no mercado global nesta modalidade entre mercado de capital e moeda.

        Participantes estrangeiros batendo recorde histórico no volume financeiro na posição comprado no mercado futuro de ibovespa, apostando na alta do mercado.
        http://dadosdabolsa.com/Fluxo%20BMF

        Record mercado avista
        http://dadosdabolsa.com/Fluxo%20Bovespa

        Posição comprada em dólar dos participantes estrangeiros
        – Veja que a posição comprada em dólar é uma aposta na desvalorização do Real geralmente quando o dólar se valoriza frente ao Real os mercados de capitais brasileiros se desvalorizam possibilitando um ganho na valorização do dólar e uma perda nos mercados de capitais aos participantes estrangeiros.

        O Brasil é o quinto maior detentor de dívida pública americana, são 262,3 Bilhões em títulos públicos americano, moeda fiduciária, ativos intangíveis.
        http://www.treasury.gov/resource-center/data-chart-center/tic/Documents/mfh.txt

        Brasil é o quadragésimo primeiro país detentor de ouro, ativo tangível com 62,7 ton.

        http://www.zerohedge.com/sites/default/files/images/user5/imageroot/2014/03/Ukraine%20goldjpg.jpg

        Cotação dolar vs Real
        http://www.xe.com/currencycharts/?from=USD&to=BRL&view=1W

        • Perfeito!

          Do fluxo positivo de R$86,6 bilhões de dólares em relação ao Brasil, R$52,4 bilhões se deram por investimento direto (líquido), R$38,0 bilhões em investimentos em carteira (ações e títulos de renda fixa e R$206,0 milhões em derivativos. O restante em outros investimentos (passivo) -R$4,6 bilhões. Todos da conta financeira. Da conta capital, até outubro, registrou-se R$400,0 milhões.

          Investimentos em carteira ficaram se subdividiram assim:

          – Em ações………………………………………………………..R$12,2 bilhões
          – Em títulos de renda fixa…………………………………..R$25,8 bilhões
          ————————————————————————————————
          Total………………………………………………………………….R$38,0 bilhões

          Fonte: relatório do setor externo do Banco Central do Brasil.

          Obs.: a SELIC está sendo usada para restringir o crédito e atrair capital especulativo, mantendo o fluxo de dólar positivo em relação à economia brasileira de modo a ajudar o Banco Central a não perder reservas, neste momento em que a Balança Comercial e todas as nossas transações correntes com o resto do mundo se encontram deficitárias.

          Infelizmente, é induzindo a entrada de “capital motel” que o BACEN defende a manutenção de nossas reservas.

          Paciência!

  3. Os “governos” sempre interferiram politicamente nos fundos. Mas o pior, que seria inimaginável, esta acontecendo com aqueles que prometiam acabar com os desmando dos anteriores. Se a imprensa tem focado principalmente nos grandes (PETROS, PREVI, POSTALIS, etc…), imagine-se o restante…
    Onde estão os sindicatos que tanto lutam pelos direitos dos trabalhadores?
    Que a conclusão do processo do PETROLÃO tenha êxito, para passar o país “realmente” a limpo, e que seja apenas o início de uma apuração de todos os outros escândalos, porque de demagogia já estamos saturados (seja de que partido for).

  4. Seja em empresas estatais seja nos fundos destas empresas, a questão é uma só:
    enquanto forem os políticos a administrarem, via cretinos e palermas por eles indicados, não tem como melhorar.
    É ilusão pensar que algum dia, dentro destas regras do jogo, a situação possa se modificar para melhor.
    Cada vez mais, dentro deste sistema político, quem entra para a política é para enriquecer. DESONESTAMENTE !!!
    Ou debatemos um novo Contrato Social, ou é melhor esperar deitado, porque sentado cansa.

  5. Houve um tempo, na “antiga”, em que cada um mandava no seu pedaço.
    O Executivo, executava. O legislativo, legislava. O Judiciário, julgava.
    Até que os políticos começaram a botar o olho grande na inclusão e centralização do poder.

    Poder é e sempre foi objetivo dos mandatários. No caso específico dos fundos, a história vêm de longa data.

    Existiam os Institutos dos diferentes e mais importantes segmentos trabalhistas.
    Dos bancários, comerciários, industriários, de quase todas as atividades econômicas. Os Institutos faziam a administração por categoria, reunidas em um universo específico. ainda em uma época que não existiam computadores.

    E o melhor é que funcionavam maravilhosamente bem, assistindo aos seus contribuintes em diferentes áreas de atendimento como assistência médica de qualidade, aposentadoria, apoio às reinvindicações das categorias, além de primar para o bem-estar social geral, com eventos prazerosos para a família dos assistidos.

    Todavia, nada pode ser melhorado sem que o dedo político venha a se meter para complicar e atrasar o que está dando certo. Conseguiram e transformaram os Institutos – nos quais pouca influência tinham – no INSS, um único Instituto, com a contribuição de todos os empregados e empregadores, uma montanha de grana.

    De lá para cá, até hoje, deitam e rolam nesse monte conquistado, e o que era qualidade, se transformou em miserabilidade .
    Algumas categorias de trabalhadores tentaram e tentam através de fundos de previdência, assegurar na aposentadoria o que o INSS não lhes garante, ou seja, manter o poder aquisitivo semelhante ao da ativa, com contribuições pertinentes aos valores contratados.

    Mas, como o artigo do Moderador – que completou um aniversário – explica, e os leitores complementam com seus comentários, ficou valendo a lei do mais forte, a do governo, que continua interferindo, agora nos fundos, aparelhando suas administrações de modo a facilitar o avanço à receitas que não são suas, como o faz com qualquer monte. que possa ser criado para escapar de sua rapinagem.
    Em suma, não há suma. Eles roubam de todos, de todos os modos, de qualquer monte.

  6. Estava vendo esse nome, Adilson Florêncio da Costa, é o mesmo nome do menoino que foi salvo no poço das ariranhas e nunca procurou a família do sargento que o salvou para agradecer. Seria a mesma pessoa ou é homônimo?

  7. Olá, boa noite!

    Estou muito bastante constrangido com esse postalis sou fundador do mesmo, contribuo desde da fundação até a data de hoje, mais no postalis só entrou ladrão, agora mesmo eu aposentado ainda estou contribuindo com 32%, isso é uma grande vergonha , nesse país não existe lei para prender os vagabundos, então esse PT foi o satanás que inventou, a justiça junto com a Policia Federal tem que prender esses bandidos e devolver nosso dinheiro, tenho minhas razões , agora todo culpa é da administração de m… do postalis, etc…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *