Hacker que invadiu celular de Moro guardou dilogos inditos e tenta fechar delao premiada com a PF

Conversas tm origem ilcita e no poderiam ser usados como provas

Aguirre Talento
O Globo

O hacker Thiago Eliezer dos Santos, apontado como um dos lderes do grupo que atuou na invaso do aplicativo Telegram do telefone celular do ex-ministro Sergio Moro, de procuradores da Lava-Jato e de autoridades pblicas, guardou um acervo de conversas inditas envolvendo integrantes da Operao Lava-Jato e tenta fechar um acordo de delao premiada na investigao da Operao Spoofing.

Segundo as investigaes, Thiago Eliezer orientava Walter Delgatti Neto em tcnicas de informtica usadas para invadir o aplicativo Telegram de autoridades pblicas. Ele era chamado de “Professor”. Por isso, Eliezer foi considerado coautor dos delitos cometidos pelo grupo e foi denunciado pelo Ministrio Pblico Federal por participao em crimes como a interceptao ilegal de conversas telefnicas e invaso de dispositivo informtico alheio.

PR-ACORDO – Solto no ms passado por deciso do juiz Ricardo Leite, da 10 Vara Federal de Braslia, Eliezer assinou um pr-acordo de delao premiada com a Polcia Federal para dar incio s tratativas e fornecer uma prvia do material a ser abordado em sua colaborao.

Nessas conversas preliminares, Eliezer admitiu ter conhecimento das invases, mas relatou que Walter Delgatti Neto era o responsvel por elas. Eliezer tambm citou outras pessoas que poderiam ter participao nos crimes ou ser at mesmo mandantes da invaso, mas disse que apenas Delgatti Neto tinha contato com essas pessoas.

Alm disso, Eliezer ofereceu um acervo de novos dilogos hackeados e que haviam sido guardados por ele em diversas pginas na internet que so usadas para armazenamento de arquivos, conhecidas como “nuvem”. Esse ponto, porm, considerado problemtico para uma possvel delao premiada, porque os dilogos tm origem ilcita e no poderiam ser usados como prova de acusao.

ANLISE – O material est sendo analisado pela Polcia Federal, que ir avaliar se existem elementos suficientes para justificar a assinatura de um acordo de colaborao com o hacker.

Quando ainda estava preso no Complexo Penitencirio da Papuda, Eliezer foi transferido para a Superintendncia da PF em Braslia no final de julho para prestar os primeiros depoimentos referentes ao pr-acordo de delao. No incio de setembro, ele retornou penitenciria. Caso o acordo seja assinado, ele ainda precisaria ser homologado pela Justia para se tornar vlido.

Procurada, a defesa de Eliezer, representada pelos advogados Fabrcio Martins Chaves Lucas e Luis Gustavo Delgado Barros, afirmou que no poderia se manifestar sobre o assunto. Disse ainda que protocolou um pedido junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo que a PF fornea cpia da documentao do pr-acordo de colaborao assinado pelo seu cliente e que aguarda o desfecho da questo.

9 thoughts on “Hacker que invadiu celular de Moro guardou dilogos inditos e tenta fechar delao premiada com a PF

  1. O POP deve estar se estrebuchando.

    “A China, maior importador mundial de soja, est abrindo seu mercado para a Tanznia em um esforo para reduzir sua dependncia dos Estados Unidos e do Brasil para o abastecimento da oleaginosa. Wu Peng, diretor de assuntos africanos do Ministrio das Relaes Exteriores da China, disse que um acordo foi alcanado na segunda-feira para a Tanznia comear a exportar soja para o pas.”

    https://jornalggn.com.br/internacional/china-vai-comecar-a-comprar-soja-da-tanzania-em-busca-de-novos-fornecedores/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.