Hermine Liska e a perseguição às Testemunhas de Jeová no nazismo

Antonio Rocha

Gosto muito dos depoimentos de vida, verdadeiros, transpiram perseverança, por uma existência melhor. No âmbito dos Estudos Literários, chamamos de “prazer da leitura”. Foi isto que percebi lendo a revista Despertai, agosto de 2011.

Entre as páginas 18 de 20 tem o artigo de Hermine Liska contando parte de sua vida.

Nascida na Áustria, seus pais eram “Bibelforscher = estudantes da Bíblia”, como os Testemunhas de Jeová eram conhecidos na época. Em 1938, Hitler assumiu o poder e passou a perseguir os praticantes da Torre de Vigia, outra designação para os TJ.

Na ocasião, Liska tinha 8 anos e gostava dos cânticos e também estudo das Escrituras. Mas logo a Juventude Hitlerista obrigava todos os jovens e crianças a cantarem hinos nazistas e falar “Heil Hitler = Salvação é Hitler”. Ela não cantava para o partido nazista nem fazia a saudação.

PERSEGUIÇÃO

Os pais foram perseguidos, negaram-se a criar os filhos dentro dos parâmetros das SS e perderam a custódia dos filhos.  A menina foi encaminhada para um Centro de Reeducação, o irmão aceitou o Hitlerismo. Certa feita uma professora disse-lhe: “Hermine, você é loura e tem olhos azuis. Você é germânica, não judia. Jeová é o Deus dos judeus”.

Ela não aceitou e até o fim da guerra viveu confinada. Só com a libertação é que voltou livremente a professar sua fé.

Outro fato que me impressiona nos TJ é o seu parque gráfico. Publicada em 83 idiomas os números chegam mensalmente a quase 40 milhões de exemplares.

TJ é TJ, é uma abordagem diferente da Bíblia. É um ramo específico e original dos Estudos Teológicos. Aprecio muito. Lembro quando criança, eles iam de porta em porta, lá na cidade satélite do Gama, DF, aos sábados, oferecendo esta revista e outra conhecida publicação: “Sentinela”, que também chega a 40 milhões de exemplares mensais.

No mundo pop, o falecido Michel Jackson era de família TJ, só adulto ele passou para a Igreja Presbiteriana.

(*) Na ocasião ela ainda era viva e morava
com o marido, na Áustria, hoje eu não sei.

7 thoughts on “Hermine Liska e a perseguição às Testemunhas de Jeová no nazismo

  1. Pensamento único é isso: uma ditadura.
    E qual ditadura não fez milhões de vítimas, como a de Cuba ainda hoje?
    Infelizmente o pensamento único no Brasil, cresce a taxas aterrorizantes por aqui. As redações , dominadas por essa gente, já queimaram na fogueira muitos que não comungavam com o pensamento estabelecido por ela.
    Foi só um Reinaldo de Azevedo e outros, serem contratados pelos donos de algum orgão de imprensa, que gente de dentro da redação o chamou de cachorro.
    Enfim, acorda Brasil, ou teremos mais vítimas como os cubanos e outras como essa criança aí que é tema desse artigo.

  2. Caríssimo Paulo Solon, diversas vezes já concordei com vc neste blog, mas agora, discordo. Não podemos generalizar. Se uns tem atos equivocados, vaidosos, egoístas, não podemos dizer que são todos. Na essência da sua alma, percebo que vc é uma boa pessoa, bom cidadão e estarei desde agora, fazendo preces e orações para que aceite o próximo ser diferente, até ideologicamente e/ou filosoficamente/religiosamente, afinal, rezar/meditar é uma energia que sempre faz bem. Abraços espiritualistas.

  3. Caríssimo Antônio Rocha. Grato pelo seu texto acima. No entanto, tenho o direito de dizer que qualquer religião é venenosa. Principalmente as evangélicas. Por mim, todas seriam destruídas. Compreendo perfeitamente que você não concorde. Nem sempre eu pensei assim. Mas à medida em que vou ficando mais jovem, meu pensamento vai ficando mais lúcido.
    Morte a qualquer tipo de religião. Veneno puro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *