IBGE e FGV deveriam calcular o PIB da corrupção e seus efeitos no país

Resultado de imagem para CORRUPÇÃO charges

Charge do Regi Soares (Arquivo Google)

Pedro do Coutto

É exatamente isso, o IBGE e a Fundação Getúlio Vargas, responsáveis pela produção de tantos índices econômicos, sociais e financeiros, deveriam dedicar também uma parte de seu tempo para pesquisar, encontrar e revelar à opinião pública o Produto Interno Bruto da corrupção brasileira e expor seus reflexos em todo o país, especialmente no que se refere à concentração de renda cada vez maior. Escrevo este artigo inspirado na reportagem de Thiago Bronzeatto, publicada na revista Veja, que chegou as bancas neste sábado. Bronzeatto concentrou-se em torno das múltiplas faces da corrupção que atingiu o Porto de Santos e várias empresas que nele operam.

Fantástica a trama, denunciada em 2001, revivida agora em 2018. Mais uma etapa da série que parece interminável, sobre  as ações que têm origem no suborno, passam pelo assalto ao dinheiro público e alcançam em cheio a sociedade brasileira.

COISA DA ELITE – Alcançam em cheio o país, porque nada mais concentrador de renda do que a corrupção. Simplesmente porque só têm acesso a ela, em larga escala, as classes melhor situadas na pirâmide sócio econômica do país. Uma verdadeira montanha de dinheiro público é desviada para corromper, superfaturar contratos, distribuir comissões indevidas e ilícitas.

No maremoto dessa corrupção encontram-se invariavelmente administradores públicos, políticos dos mais altos escalões, além de pessoas jurídicas do sistema bancário. Sim, porque sem os bancos seriam impossíveis as remessas de dinheiro para o exterior. Basta ver o exemplo de Geddel Vieira Lima que transformou um apartamento em Salvador em verdadeiro museu em 51 milhões de reais.

CONSEQUÊNCIAS – Os efeitos sociais do produto da corrupção são enormes, todos recaindo contra os trabalhadores e trabalhadoras que enfrentam enormes dificuldades para exercer seu simples direito de existir dignamente. Pagam impostos e não recebem em troca serviços de saúde adequados, segurança pública, educação e saneamento.

Em matéria de segurança, o Rio de Janeiro é um dos exemplos mais marcantes de uma tragédia em capítulos diários. E o que dizer dos serviços de saúde? Quantas pessoas morrem diariamente em face da inexistência de recursos para o setor essencial que limita a própria vida humana.

É indispensável fazer-se o cálculo que estou propondo ao IBGE e a Fundação Getúlio Vargas. Tal pesquisa deve ser iniciada a partir de Brasília, motor maior que impulsiona um sistema amplamente corrupto e cujo desfecho está no bolso das classes assalariadas.

BILHÕES E BILHÕES – Quanto custa a corrupção repetida? Bilhões e bilhões de reais que circulam dentro do círculo em que se situa o Produto Interno Bruto do país, hoje na escala de 6,6 trilhões de reais. Os efeitos da corrupção estão também embutidos na dívida líquida do Brasil, de 3,7 trilhões de reais. Somando-se mais um trilhão chega-se à dívida interna bruta, aquela que é lastreada pela colocação no mercado de notas do Tesouro Nacional.

A pergunta objetiva que se deve revelar, tarefa do IBGE e da FGV, é em que montante o produto da corrupção situa-se no PIB do país. A parcela não será pequena, sobretudo levando-se em conta sua imensa acumulação através do tempo. Porém, para facilitar a tarefa, proponho que o produto da corrupção  seja estimado a partir de 2003 para 2018.  O resultado levará a um abismo financeiro.

Um abismo que terá de ser transposto da realidade de hoje para as urnas de outubro.

3 thoughts on “IBGE e FGV deveriam calcular o PIB da corrupção e seus efeitos no país

  1. Vejo muito positivo o encaminhamento.
    Antes a corrupção era simplesmente rotulada como “crime de colarinho branco”; aos poucos, fomos mostrando que a corrupção é muito mais do que isto; é crime hediondo em vários segmentos, quais sejam: Saúde, morre-se nas filas dos hospitais, por falta de remédios. Na Segurança por falta de equipamentos, treinamento e etc. Na infra estrutura das estradas, saneamento básico e etc. Na educação, com desvio do $ das merendas ou merendas superfaturadas e estragadas e; agora, se conseguirmos viabilizar a sugestão do Jornalista Pedro Coutto, o problema ficará concreto como o aço e o povão, além de sentir, estará consciente dos prejuízos que poucos mau brasileiros trazem para o país.
    Parabéns pela sugestão e vamos “martelar” para que ela vire realidade.
    Boa Páscoa a todos.

  2. Ótima ideia, também gostaria de saber, assim saberíamos ao certo o quanto fomos surrupiados e desmitificaria de vez a necessidade da reforma previdência só para os menos favorecidos.

  3. O colunista de forma descarada, deixou a tucanalha de fora, mostrando assim sua falta gritante de civilidade e independência..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *