Ibope afasta Lula e Datafolha vai medir o reflexo do punhal contra Bolsonaro

Resultado de imagem para BOLSONARO ESFAQUEADO

Radicalização da política acabou vitimando o radicalizador

Pedro do Coutto

A pesquisa do Ibope, publicada ontem pelo O Globo e pelo Estado de São Paulo, apresentou os primeiros reflexos da passagem dos candidatos pelo horário gratuito do rádio e da televisão. O Datafolha, conforme anunciou a Folha de São Paulo, publicará sua pesquisa na próxima segunda-feira. Assim, então, já se poderá medir o reflexo das intenções de voto do episódio que culminou com o ataque a punhal contra Jair Bolsonaro. Aí então a opinião pública poderá sentir qual o reflexo em matéria de intenções de voto na disputa pelo Palácio do Planalto.

Vamos por partes. O Ibope revelou que Bolsonaro subiu de 20 para 22% na preferência popular. Marina Silva manteve os 12% da pesquisa anterior, mas Ciro Gomes avançou de 9 para 12 pontos. Alckmin subiu do 7º para o 9º andar. Fernando Haddad marcou 6 pontos. Os brancos e nulos começaram a desabar: eram 29 agora reúnem 21%.

BRANCOS E NULOS – Como escrevi em artigo recente, à medida em que a campanha esquenta, diminui a faixa dos votos nulos e brancos. Vai cair ainda mais ao longo dos próximos dias.               Alvaro Dias conservou os 3 pontos; Amoedo subiu de 2 para 3%, Meirelles avançou do 1º para o segundo andar. Os demais candidatos apresentaram preferências que vão de zero a 1% das intenções de voto.

Verifica-se assim que a redução dos votos nulos e brancos foi dividida entre Bolsonaro, Ciro Gomes e Alckmin. Marina Silva não conseguiu arrebatar nenhuma parcela dos eleitores indecisos. O avanço mais expressivo na minha opinião foi de Ciro Gomes porque subiu de 9 para 12 pontos. Portanto, ele cresceu quase 40% em relação a si mesmo, percentual não alcançado pelos outros concorrentes, além dele.

Ainda existem muitos eleitores a serem conquistados. Há tempo. Estamos a exatamente um mês das urnas de outubro. A pesquisa de voto foi analisada por Marco Grillo e Miguel Caballero, em O Globo, e por Daniel Brumatti, em O Estado de São Paulo. Foram dois belos trabalhos bastante claros e objetivos.

DATAFOLHA – Tendo anunciado a divulgação de sua nova pesquisa na edição de segunda-feira da Folha, o Instituto dirigido por Mauro Paulino terá tempo de oferecer à opinião pública um quadro bastante amplo de intenções de voto, já incorporando os reflexos da faca que em Juiz de Fora se voltou contra o candidato Jair Bolsonaro.

A vítima sempre acarreta um efeito político que não pode ser ignorado. Em 1930 foi o assassinato do governador da Paraiba, João Pessoa, companheiro de chapa de Getúlio Vargas na eleição daquele ano. Em 1954 foi o assassinato do Major Rubem Vaz que retornava de um comício ao lado de Carlos Lacerda. O sangue ao longo do tempo resultado da violência alucinada pode mudar o destino de um lance político.

Não sei a consequência junto a opinião pública do atentado a Bolsonaro, mas acredito que não será muito profunda. Vamos esperar pelo Datafolha na segunda-feira.

30 thoughts on “Ibope afasta Lula e Datafolha vai medir o reflexo do punhal contra Bolsonaro

  1. “Datafolha vai medir o reflexo do punhal contra Bolsonaro”

    Tinha reflexo não! Era uma faca bem vagabunda, mal afiada, quase cega, sem polimento, sem qualquer acabamento de valor, enfim, uma faca bem reles, mixuruca e ordinária…
    Igualzinha ao ferido.

  2. O bom senso .

    Em Porto Alegre, o candidato a vice na chapa de emocionar, o general Hamilton Mourão disse que vai decidir nesta sexta-feira com a liderança do PSL, se vai assumir a campanha do partido. A repórter Camila Faraco tem os detalhes:

    O candidato a vice na chapa de Jair Bolsonaro, general Mourão esteve à noite em Porto Alegre onde participou do Congresso Brasileiro de Neurocirurgia. Ele abriu o evento e falou sobre o contexto histórico político do Brasil, em seguida, concedeu entrevista coletiva e disse que o atentado contra Bolsonaro foi um ato político.

    Qual é a palavra-chave hoje é calma é é cerrarmos uns com os outros, é entendermos que isso é um processo político nada mais do que isso, é uma guerra civil. O Brasil não pode ser lançado em conflito de nenhuma natureza é e mantemos então esse equilíbrio ante essa situação está sendo vivido.

    O general comparou o atentado ao Bolsonaro ao assassinato da vereadora Marielle Franco do PSOL no Rio de Janeiro:

    “Qual é a tese em relação à morte da Marielle que ela foi assassinada pela ação que ela tinha em determinadas comunidades do Rio de Janeiro e aí ferir os interesses da milícia, sei lá quem estava lá. E o Bolsonaro é óbvio que no momento que ele está em uma posição de destaque na campanha e tem uma palavra diferente daquilo que o mecanismo establishing brasileiro hoje considera que seria a necessidade, não pode ser exposto a pessoa natureza qualquer desequilibrado.”

    O general não confirmou se vai assumir a campanha nesta sexta-feira, mas que irá se reunir com dirigentes do partido para definir essa e outras questões enquanto o Bolsonaro estiver afastado.

  3. Rotulado de protestante, Bolsonaro tem um argumento eficaz para arrancar dividendos eleitoreiros pelo processo de autovimização. Todas as vezes que uma seita evangélica começa a cometer crimes, e passa a receber, em contrapartida, retaliações da Justiça e da Mídia, o pastor contra-ataca: “A nossa igreja é tão perseguida, porque é a única verdadeiramente de Deus. E está escrito: para o fim dos tempos, infeliz daquele que tiver o sinal do Cordeiro”

  4. Zanone Manuel de Oliveira Júnior, é um dos quatro advogados do esfaqueador esquerdóide. Ele foi advogado do Bola, no caso do goleiro Bruno. Deve ser um advogado bem baratinho….

  5. Os advogados disseram que foram contratados pela igreja que o autor frequentava , bem mais explicado que o Dr. Pitombo ( caríssimo ).estar defendido o Bozzonaro de graça .

    • Tadín-o, na condição de testemunha de Jeová, ele foi usado como ferramenta, pelo próprio Jeová, para extirpar, de antemão, um dano nefasto à população brasileira.
      Eu sabia que esse sujeito era um neuroprogramado!

  6. Jornalistas até velhos não costumam me surpreender, agora foi uma faca que atacou Bolsonaro.
    Os atentados terroristas na Europa também tem o mesmo diagnóstico dos jornalistas engajados, foi um carro ou caminhão que matou gente na calçada.
    Houve até um vaso sanitário sujo que pulou do quarto andar na cabeça de um transeunte…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *