Ibope na Folha tem interpretações divergentes em São Paulo e Minas Gerais

Pedro do Coutto

A Folha de São Paulo publicou na edição de sexta-feira, primeiro de agosto, matéria assinada por Fernando Canzian sobre pesquisa do Ibope sobre a sucessão presidencial em quatro estados: São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Pernambuco. O texto inclui a interpretação de que, à luz dos números, ficam evidenciadas as dificuldades de Dilma Rousseff em São Paulo e Minas Gerais. Dificuldades existem para todos os candidatos nesta ou naquela região. Em Minas as dificuldades que a presidente encontra têm base nos índices do Ibope. Em São Paulo, não.
Em Minas, o Ibope aponta 41 pontos para Aécio neves, 31% para Dilma. Diferença bastante ampla no segundo maior colégio eleitoral do país. Mas o mesmo não acontece em São Paulo. Pois em São Paulo, Dilma Rousseff, de acordo com o próprio Ibope, lidera com a parcela de 30%, contra 25 pontos de Aécio neves. Para manter lógico o raciocínio que levou à interpretação, o Ibope, autor do levantamento, ou o responsável pelo texto, deveriam acentuar que, no caso paulista, a dificuldade cabe ao senador Aécio Neves.
Sobretudo levando-se em conta que, no estado, o governador Geraldo Alckmim, do PSDB, mesmo partido de Aécio, lidera amplamente a pesquisa para o governo estadual. Fosse hoje a eleição, estaria reeleito com nada menos de 54 pontos. O candidato do PT, ex-ministro Padilha, aparece na pesquisa com apenas 5%, ou 4%, das intenções de voto. Observando-se a força de Alckmim em contraste com a fraqueza de Padilha, conclui-se que parte expressiva dos que votam no atual governador estão dispostos a votar simultaneamente em Dilma Rousseff. Pois se assim não fosse, ela não poderia atinge a escala de 30%, segundo o próprio Ibope. A dificuldade em São Paulo, portanto,  é de Aécio, que não está conseguindo atrair para si os eleitores de Alckmim.
No Rio de Janeiro, informa o Ibope, a atual presidente lidera com 35% sobre 15 pontos de Aécio. Em Pernambuco, para completar o quadro publicado pela Folha de São Paulo, Dilma alcança 41 pontos, aparecendo em segundo, não Aécio, mas o ex-governador Eduardo campos com 37%. Aécio Neves atinge apenas 6 degraus. Este quadro comprova que Aécio e Campos estão disputando em partes desiguais as correntes que se opõe à reeleição de Aécio, entretanto, é muito melhor que a de Eduardo Campos. Se houver segundo turno, será entre Dilma e o ex-governador de Minas Gerais.
AS DIFICULDADES DE CAMPOS
Mas já que focalizamos as dificuldades de Dilma e Aécio em Minas e São Paulo, os dois polos colocados pelo Ibope para efeito de análise, devemos destacar as dificuldades, estas sim, infinitamente maiores, que envolvem a caminhada de Eduardo Campos para as urnas. Vamos ver: em São Paulo ele registra apenas  6%. No Rio de Janeiro 5%. Em Minas Gerais apresenta igualmente a mesma fação de 5 pontos. Só está bem em Pernambuco, estado do qual foi governador. E, mesmo assim, encontra-se em segundo lugar com 37%. Dilma, como vimos, tem 41.
Portanto se aceitarmos a perspectiva de que, liderando com 30% em São Paulo, Dilma depara-se com dificuldades no estado, examinando-se os índices atribuídos em quase rodo o país a Eduardo campos, implicitamente chegaremos à conclusão que se trata de uma candidatura cercada por um mar de impossibilidades. Neste caso, sim, é válido o raciocínio. Quanto a Dilma e Aécio em Minas e São Paulo, a análise deve ser revista pelo Ibope.

16 thoughts on “Ibope na Folha tem interpretações divergentes em São Paulo e Minas Gerais

  1. PESQUISA ELEITORAL CONFUNDE MAIS DO QUE INFORMAM

    Em primeiro lugar, pouco devemos confiar nos Institutos de pesquisa, pelo histórico de erros na análise , que ocorrem em todas as eleições. Confundem muito mais do que informam aos eleitores e as vezes influem na tomada de decisão do cidadão na boca da urna.

    No entanto, tomando como base, até por hipótese, que o governador Geraldo Alkmim seria reeleito no primeiro turno se as eleições fossem hoje e também que não estaria transferindo votos para o candidato presidencial de seu partido o PSDB, um fato que os analistas políticos não conseguem entender o motivo, contudo, salta aos olhos a razão:
    ” O governador trouxe para o arco de alianças no Estado, o PSB de Eduardo Campos, o qual indicou o candidato a vice-governador”,
    “O atual vice-governador, Afif Domingues, licenciado do cargo para assumir um Ministério da presidenta e um quadro do PSD de Kassab, antigo prefeito e aliado do governo federal, agravado pelo fato de ser candidato ao Senado, logo será adversário de José Serra do PSDB”,
    “E, por último, porém não menos importante, a cristianização do candidato do PSDB ao cargo de presidente, que nas duas últimas eleições presidenciais fez corpo mole em relação ao apoio dos candidatos José Serra e depois Geraldo Alkimim, agora, finalmente está recebendo o derradeiro troco.

    Por essas singelas razões, creio, o candidato de Minas ao Planalto não consegue avançar nas “pesquisas” no maior colégio eleitoral do país e palco fundamental na definição do eleito em outubro no primeiro turno.

    Nem mesmo o fraco desempenho do candidato a governador do PT nas “pesquisas” consegue abalar o prestígio da presidente entre os eleitores da paulicéia. Também, o fato do candidato a governador do PMDB, Paulo Skaf da FIESP ignorar o apoio da presidente em seu palanque com receio da rejeição da candidata contaminar sua candidatura, em nada retira votos de Dilma ou acrescenta aos índices de Skaf.

    Trata-se de uma geleia geral, política e eleitoral de difícil definição na hora que realmente interessa, a hora “H”, quando as urnas começarem a abrir e a contagem de votos clarear a mente de todos nós.

    Os Institutos de Pesquisa não conseguirão acertar seus prognósticos, diante de tantas variáveis existentes em São Paulo. Entretanto, vamos ver para crer.

  2. Por que a Folha quer manipula resultados de pesquisas.Quem ganhara as eleições em Pernambuco para presidente? é obrigação de Eduardo Campos ganhar no estado que governou por 8 anos , como é de Aecio ganhar em Minas, portanto a Folha quer mostrar pesquisas evidenciando esses dois estados mais, S Paulo que é o maior reduto da oposição. Foge de mostrar o total nacional, pois um ponto a mais para Dilma, significa que não teremos segundo turno. É essa a necessidade da Folha em esconder a pesquisa total do Ibope?

  3. Não devemos esquecer do caso Proconsult.

    Principalmente agora que os governos de Lula e Dilma foram responsáveis por nomear 54 dos 71 ministros que compõem constitucionalmente os quadros do STF, STJ e TST.

    E a Justiça brasileira segue:

    Para os amigos as facilidades das leis;
    Para os inimigos os rigores das leis.

  4. Análises perfeitas, compreensíveis e dentro da mais perfeita Lógica, as do experiente e sempre brilhante Jorn. Sr. PEDRO DO COUTTO.
    Deduz-se então até aqui que: mesmo com os grandes erros Econômicos cometidos pela nossa Presidenta DILMA ROUSSEFF ( PT-Base Aliada) ( Viés excessivamente Estatista; interferência demasiada no funcionamento dos Mercados como os de Energia Elétrica/Combustíveis, Tarifas Públicas, etc; tratamento relativamente frio com os Agentes Econômicos, inclusive com os da estratégica Empresa Privada Nacional que gera Tecnologia Nacional e aumenta muito o Padrão de Vida Nacional;) tudo isso resultando em perda de Confiança dos Agentes Econômicos, pífio crescimento do PIB e deterioração das Contas Nacionais, apesar disso tudo, se o atual Governo mantiver o DESEMPREGO entre os que procuram Emprego, abaixo de 7% da Força de Trabalho, e a INFLAÇÃO dentro do teto da Meta, 6,5%aa, a Presidenta DILMA ROUSSEFF será re-Eleita com folga.
    O principal Candidato da Oposição, Gov. AÉCIO NEVES ( PSDB) para ter possibilidade de Vitória, deveria ter se afastado POLITICAMENTE do ex-Presidente FHC que no seu fraco octavonato seguiu caninamente o Consenso de Washington, quebrando Financeiramente o País por três vezes com toda a Recessão/Desemprego que veio atrás; Nada contra o Vice escolhido, respeitável Senador por SP Sr. ALOYSIO NUNES FERREIRA, mas a hora era de um Mega-Empresário da EMPRESA PRIVADA NACIONAL, como fez o ex-Presidente LULA ao escolher o saudoso Mega-Empresário Sr. JOSÉ ALENCAR ex- Presidente da FIEMG, que tanta influência teve naquele bom Governo; prometer o Salário Mínimo de R$ 1.000 ( 48% do Salário Médio Nacional, o que ainda não engessa a Economia) a partir de 01/1/2015, e assim vender ESPERANÇA , que como nos ensina sempre o grande Sr. PEDRO DO COUTTO , é o combustível da Vitória.

  5. Concordo com o Sr. Pedro que conclui que o IBOPE precisa rever suas análises.

    Sr. Pedro, o problema é que o IBOPE está compradinho e realizando amostragens com um número insuficiente de entrevistados.

    Também está manipulando as médias, e já identificamos isso.

    Melhor pular para outro instituto que não o IBOPE. Duas mil pessoas entrevistadas propositalmente para lançar sobra aos resultados que apresenta.

    Além do mais, todos os seus levantamentos já foram pagos pelo governo.

    É só um alerta que faço ao jornalista.

  6. Que ridículo!

    Já está mais que provado o que afirmo. Não é segredo para ninguém. E mais, já provamos aqui mesmo na Tribuna da Internet o engodo que é o levantamento estatístico desta empresa, que não respeita nem os critérios técnicos de uma amostragem.

  7. A maioria dos nortistas e nordestinos, não só os que habitam as duas regiões,
    mas também os que habitam outras regiões, principalmente Rio e S. Paulo, em
    sua maioria votam no candidato do Lula, Tenho muitos amigos e conhecidos nordestinos, notei que a maioria vota com o Lula. Não sei dizer se é pelo fato
    do Lula ser filho do Nordeste ou outro motivo qualquer.

    • Deve ser por que eles estão pondo a inteligencia para funcionar, pois o Nordeste é a Região que mais cresce economicamente no pais.
      Eu acho que nos da Regiao Sudeste, menos o Rio estamos “emburrecendo”

  8. Pingback: Divergências no Ibope | Debates Culturais – Liberdade de Idéias e Opiniões

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *