Inconsistências petistas ou cadê a razão?

[dilbert_marqueteiro.bmp]

Mário Assis

A prática política é apaixonante! Nas épocas das campanhas eleitorais, à medida em que se aproxima a data da eleição e as pesquisas vão definindo os reais candidatos majoritários com perspectiva de se elegerem, a emoção toma conta dos corações e mentes. Então, se consolida um terreno fértil para os marqueteiros. É tudo o que desejam. Quanto mais emoção, melhores são as condições para “preparar” os seus candidatos e os programas do horário eleitoral “gratuito” no rádio e na TV. Criam artifícios na comunicação, com recursos de multimídia que apresentam números exagerados, cifras astronômicas, gráficos “inquestionáveis” e imagens lindas, para ludibriar a boa fé do inocente eleitor. Mostram trechos descontextualizados de falas e discursos, fotos comprometedoras, desqualificam fontes de informações enfim, um sem número de diabruras que abusam da emoção. Um festival de desonestidade intelectual.

E essa emoção, que vai crescendo com o desenrolar das campanhas políticas, sufoca a razão, a capacidade de análise e avaliação das informações despejadas nas cabeças dos eleitores. Com a razão submetida à emoção, embota-se a inteligência e o eleitor vai sendo tocado com uma boiada.

Neste 2014, a morte prematura do candidato Eduardo Campos e a consequente reviravolta no quadro eleitoral dos concorrentes à presidência da República adicionaram mais condimento a esse quadro. A chibata voltou-se para quem assumiu a condição de candidata no lugar do falecido só porque, também um pouco pela emoção, disparou nas pesquisas.

ATAQUES A MARINA

Agora, entre os três principais concorrentes, há fogo cerrado na Marina, com intensidade e virulência maiores da parte da candidata do PT. E os ataques valem-se da emoção que impede uma leitura atenta dos seus conteúdos, eivados de inconsistências e contradições.

A questão da independência do BC é curiosa. A propaganda da Dilma mostra um cidadão sentado á mesa para uma refeição com o prato vazio. Mostra ainda imagens que sugerem banqueiros ao redor de outra mesa com postura de arrogância e satisfação. É preciso lembrar que nos 12 anos ininterruptos de governos petistas o BC tem uma independência ‘branca”, desde do Henrique Meirelles, ex-presidente do Bank of Boston, tirado do PSDB, onde havia conquistado um mandato de deputado federal por Goiás, e que o Lula, antes da sua posse para o primeiro mandato, foi a Washington apresentá-lo ao Bush e obter a sua concordância para a nomeação como presidente do BC. No governo Dilma, não foi diferente com o Tombini.

O PT durante 22 anos, até chegar ao poder, em 2003, gabava-se de possuir o monopólio da ética, honestidade e honradez. No início do primeiro governo do Lula, o ministro da Casa Civil José Dirceu bradou: “O PT não rouba e nem deixa roubar!”. Pois bem, este ex-ministro foi julgado, condenado e está preso por corrupção. O PT, no governo, desmoralizou a ética, a honestidade e a honradez.

OUTRAS INCONSISTÊNCIAS

Mas há outras inconsistências graves. Em nome de um abstrato conceito de “governabilidade”, os governos petistas aliaram-se à banda podre do PMDB – Sarney, Renan, Jáder, Temer -, e a outros políticos desqualificados – Collor, Maluf, Jefferson, Severino, Cabral, Alfredo Nascimento e sua troupe do PR. A atuação no Congresso é tão melancólica e incompetente que um obscuro e polêmico deputado do PMDB/RJ, Eduardo Cunha, torna-se figura importante para a aprovação dos assuntos de interesse do governo na Câmara dos Deputados.

O partido que se intitula de esquerda e socialista, desde 2003,prestigia anualmente o Fórum Econômico Global, em Davos, Suiça, com as participações do Lula e Dilma e não prestigia o Fórum Social Mundial, realizado todos os anos. Outra inconsistência.

Recentemente, em campanha no RJ, Dilma almoçou no Restaurante Popular, na Central, acompanhada do seu aliado Garotinho, ao custo de R$ 1,00. Mas em janeiro passado, “desviou” o avião presidencial, retornando de Davos, para um jantar no restaurante mais caro e sofisticado de Lisboa. Alega que pagou a conta de R$ 98 mil. Demagogia!

ANTROS DA CORRUPÇÃO

Se enveredarmos para os antros de corrupção – mensalão ,Eletrobrás, Petrobras – aí então é que o discurso se deteriora de vez.

Observo que muitas pessoas que conheço, gente boa, bem intencionada e com bons propósitos, com histórias de participação política muito interessantes, talvez movidas por um sentimento nostálgico político-ideológico de esquerda, manifestam a intenção de votar na Dilma, baseando-se numa possibilidade da volta do neoliberalismo. Ora, mais neoliberal do que os governos petistas, desde da “Carta aos Brasileiros”, não há nada. Nem os tucanos!

Os governos petistas privatizaram tanto ou mais do que o FHC, só que com o disfarce de “concessões”. Praticaram mais malfeitos do que os praticados por Sarney, Collor e FHC.

Não tenho procuração para defender nenhum(a) candidato(a). Não comungo do ideário tucano. Mas, a minha razão não foi sufocada pela emoção, notadamente, numa campanha paupérrima de ideias, proposta e projetos.

Mas, uma certeza tenho. Não votarei na Dilma porque não quero concordar e coonestar com a corrupção!

Essa mesma certeza tenho na eleição para governador do RJ. Votar no Pezão é dar um atestado de idoneidade ao corrupto Cabral e seu time de lencinhos na cabeça.

*Administrador público.

12 thoughts on “Inconsistências petistas ou cadê a razão?

  1. A prática política “ERA” apaixonante.
    APÓS A CHEGADA DO PT AO PODER
    A PRÁTICA POLÍTICA TORNOU-SE
    D-E-P-R-I-M-E-N-T-E
    D-E-G-R-A-D-A-N-T-E
    I-N-F-A-M-E
    D-E-S-O-N-R-O-S-A
    A-V-I-L-T-A-N-T-E

  2. Ontem durante o evento da candidatura Marina, no Clube de Engenharia do Rio, encontrei o Prof Ildo Sauer. Ele me enviou dados interessantes sobre os estudos que ele está coordenando na USP, sobre os Leilões da Petrobras. Aquí vão algumas conclusões de um dos estudos:

  3. Não ‘colou’…
    4. CONCLUSÕES

    Conforme demonstrado, os resultados econômicos decorrentes da produção de 10 bilhões de barris de petróleo no campo de Libra, sob distintos cenários de regimes regulatórios e de contratação e preços do barril de petróleo, indicam:
    • No regime de partilha de produção, conforme definido no edital do leilão para o campo de Libra, a porcentagem de participação da União no óleo lucro é variável em função da produtividade média dos poços e dos preços do barril de petróleo. Por isso, a porcentagem de participação da União no óleo lucro diminuirá obrigatoriamente ao longo dos anos, uma vez que a produtividade dos poços cai naturalmente conforme avança a produção, devido ao aumento no teor de água nos poços.
    • A porcentagem de participação da União no óleo lucro definida pelo leilão do campo de Libra como um patamar base de 41,65% será obrigatoriamente menor, podendo chegar a apenas 9,93%.
    • Por conta disso, nos cenários analisados, o somatório dos royalties e participações especiais no regime de concessões é superior ao somatório dos royalties e participação da União no óleo lucro no regime de partilha de produção quando há condições análogas de participação da Petrobras no campo.
    • Essa é uma das razões para que o cenário representando o resultado do leilão do campo de Libra fosse o menos favorável para o governo brasileiro, quando comparado com os demais cenários analisados.
    • A segunda razão é que a contratação direta da Petrobras sob o regime de partilha de produção ou a empresa como única concessionária do campo no caso do regime de concessões gerariam resultados mais favoráveis ao governo brasileiro em comparação com as situações em que a empresa opera em consórcio.
    • A perda da União adotando o regime de partilha de produção com a Petrobras com 40% do consórcio (resultado do leilão) ao invés do regime de partilha de produção com contratação direta da Petrobras pode chegar a US$ 16,131 bilhões ou R$ 35,488 bilhões.
    • De acordo com a legislação vigente, que define o regime de partilha de produção para as áreas do pré-sal, é possível considerar a contratação direta da Petrobras e também, sob essa opção, conceber outras formas de remuneração da empresa.
    • A análise produzida neste estudo, relativa ao potencial da contratação direta da Petrobras, para produzir o petróleo no campo de Libra, indica que existe na legislação espaço para obter resultados superiores em favor do interesse público e ao mesmo tempo viabilizar o ponto de equilíbrio empresarial para a Petrobras, livrando a sociedade brasileira das restrições e amarras impostas pelos processos de licitação, tanto no regime de partilha de produção quanto no regime de concessões.

  4. A campanha do PT é puro terrorismo.Essa do prato vazio e dos banqueiros ,então, nem se fala.
    Procuro ver um programa da governanta por inteiro, mas não aguento, embrulha o meu estômago, principalmente vendo a cara de pudim de botox mentindo, mostrando imagens lindíssimas de um Brasil fantasioso.

  5. Trechos do plano do Governo Obama para a área de energia… Seriam os leilões da Petrobras mero acaso ???…(…)…
    Identificar a melhor Públicas Sites terra para o desenvolvimento: produção de petróleo nacional e gás, onshore e offshore, deve ocorrer nos lugares certos para minimizar danos ao meio ambiente, bem como para a saúde pública e segurança. Onshore, a administração implementou reformas importantes que requerem planejamento e análise adequada para identificar possíveis áreas onde o desenvolvimento é mais adequado. Estas reformas tiveram lugar enquanto milhões de hectares de terras públicas são oferecidas para exploração e produção. Em 2010, foram realizadas 29 vendas de petróleo e gás em terra de arrendamento, cobrindo 3,2 milhões de hectares, incluindo uma venda dentro da Reserva Nacional de Petróleo no Alasca abrangendo aproximadamente 1,8 milhões de hectares. Em 2011, são esperados mais de 30 vendas em terras públicas. Offshore, em 2010, 37 milhões de hectares no Golfo do México foram oferecidos para locação. Além disso, a Administração está desenvolvendo a 5 anos (2012-2017) plano abrangente para a exploração de petróleo e gás e produção offshore, o que irá garantir que as áreas com concessões ativas, incluindo o Golfo do México e Alasca, são considerados para posterior locação e desenvolvimento. A estratégia também prevê a realização de estudos para avaliar o potencial de recursos de petróleo e gás disponíveis no Centro – e Atlântico Sul. ( …)…Médio e do Atlântico Sul – Desenvolvimento Offshore: Garantir que o desenvolvimento ocorra da maneira correta e nos lugares certos é fundamental para o sucesso de ambas as estratégias de energias renováveis ​​e convencionais. DOI está actualmente a realizar a análise ambiental em potencial testes sísmicos nas áreas de planejamento a médio e do Atlântico Sul, o que ajudaria a determinar o alcance de potenciais recursos recuperáveis ​​nesta região. ( Março de 2011 );

  6. Dá para jogar um país nas mãos do pré sal ? …(…)…

    Trecho do programa energético do Obama. Colocar um país nas mãos do pré sal? (…)…
    “Dobrar a participação da produção de energia elétrica limpa a ao longo dos próximos 25 anos: Atualmente, 40 por cento da nossa eletricidade vem de fontes limpas de energia. Para mobilizar o capital e criar um mercado para a inovação, o CES deve estabelecer metas que constantemente aumentem a participação da energia elétrica limpa entregue , subindo para 80 por cento até 2035” (…)…
    Mas precisamos de um esforço sustentado, é por isso que o presidente estabeleceu uma meta ambiciosa que em 2015 teríamos 1 milhão de veículos elétricos nas estradas, tornando-nos o líder mundial em tecnologias de veículos avançados. Para ajudar a alcançar este objetivo, o presidente propõe medidas ousadas para melhorar a eficiência de todos os modos de transporte, a partir das auto-estradas , dos transporte ferroviário e hidroviário e para o desenvolvimento de combustíveis alternativos. Fazer o contínuo avanço dos padrões de economia de combustível para carros e caminhões. Acelerar a adoção de veículos elétricos com novos créditos fiscais mais eficazes para os consumidores e apoio às comunidades que criarem um ambiente favorável a ampla adoção desses veículos avançados no curto prazo. Tomar medidas para incentivar o aumento do uso de biocombustíveis..

  7. Infelizmente o contraditório acabou,levando o Aécio e sua turma para bem longe,convenhamos perder para a Marina chega a ser constrangedor. Como deve ter sido duro para o Aécio acreditar na turma de paulistas.. Quando o candidato depende de escândalos para subir nas pesquisas é porque a coisa esta feia.

  8. Frases de de Leonel Brizola: O PT É A UDN DE MACACÃO, O PT CACAREJA
    PARA A ESQUERDA, MAS PÕE OS OVOS PARA A DIREITA. Basta analisar este
    governo para confirmar que as frases acima estão corretíssimas.

  9. E a taxação dos inativos, atacando direito dos trabalhadores adquiridos à luz do ato jurídico perfeito, a lista de malfeitos que nem os tucanos conseguiram é enorme. Acabaram até com o STF, que também já vinha ladeira abaixo. O PT vai entregar o país mais endividado, violento e muito mais corrupto do que encontrou. E o pior, mais desesperançado. Sempre estivemos ruins, mas sempre havia uma esperança, um sonho. Até isso nos roubaram. Uma lástima.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *