Indefinição para presidência da Câmara expõe fragilidade do PT

Naira Trindade
Correio Braziliense

Uma semana após ser aclamado pelo PT como nome de consenso para disputar a presidência da Câmara contra o líder Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o vice-presidente da Casa, Arlindo Chinaglia, ainda precisa encontrar apoio de aliados para se firmar candidato. Na segunda-feira, depois de anunciado que o vice-presidente Michel Temer estaria articulando apoio petista em torno do nome de Cunha, para evitar o confronto entre os dois maiores partidos da Casa, dez deputados se reuniram em um jantar na casa de Décio Lima (PT-SC) para debater a situação.

Ao procurar aliados, o vice-presidente da República busca uma aproximação de petistas para evitar que haja, inclusive, o surgimento de uma terceira via que não seja ligada ao governo. Peemedebistas ligados a Temer confirmam que ele tem se empenhado para alinhavar um acordo antes mesmo do recesso de fim de ano, impedindo que uma indefinição fique para o ano que vem, quando a disputa vai se acirrar. Temer propõe uma aliança, mas não pode prometer um rodízio bienal na Casa, uma vez que o próprio PMDB, ao lançar a candidatura de Cunha, quebrou o acordo respeitado desde 2007 na Câmara.

Peemedebistas reforçam que Temer procurou petistas na semana passada para tentar apoio. Segunda-feira, Chinaglia negou que tivesse sido procurado. “Não há conversa com o PMDB, isso não existe”, frisou. Petistas também negaram que a legenda pudesse apoiar Cunha. “Se existe essa situação, ela é isolada, porque o PT tem convicção de que pode vencer a eleição”, disse o deputado federal Décio Lima. Porém, ambos os partidos temem um confronto na disputa da presidência em fevereiro de 2015.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Conforme já explicamos aqui na Tribuna da Internet, o objetivo de Temer ao eleger Eduardo Cunha presidente da Câmara é facilitar um futuro impeachment de Dilma Rousseff, possibilidade que de forma alguma pode ser afastada, diante do agravamento da crise que atinge a Petrobras, o PT e o governo. Detalhe: o próprio Lula, que odeia Dilma Rousseff, nos bastidores está defendendo a eleição de Cunha, o que demonstra como está confusa e enlouquecida a política brasileira. (C.N.)

4 thoughts on “Indefinição para presidência da Câmara expõe fragilidade do PT

  1. bastante lúcida a NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG.

    expõe o verdadeiro “samba do crioulo doido” que é o não-governo brasileiro da atualidade;

    o PSICOPATA fujão e suas maníacas/obsessivas traições, agora é a vez da mulhé que pensa que manda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *