Inquéritos de fake news e atos antidemocráticos incriminam o gabinete do ódio e o próprio Bolsonaro

CPI das Fake News mira grupo que integraria 'gabinete do ódio' no Planalto - Jornal O Globo

Arnaud, do gabinete do ódio, é assessor especial do presidente

Carlos Newton

Aproxima-se o dia 15 de março (cai numa segunda-feira), quando deverão estar concluídos pelo menos dois importantes inquéritos no Supremo, sob relatoria do ministro Alexandre de Moraes – fake news e atos antidemocráticos. Ambos se interligam e envolvem diretamente o Planalto, porque chegaram até o terceiro andar do palácio, onde funciona o chamado “gabinete do ódio”, ao lado da sala onde despachava o presidente Bolsonaro.

Esse “gabinete do ódio” é comandado pelo filho Carlos Bolsonaro,  tendo como principal executivo o especialista em informática Tércio Arnaud Tomaz, assessor especial do presidente e que desde a campanha de 2018 trabalha para a família Bolsonaro.

FINANCIAMENTO INTERNACIONAL – Em entrevista ao programa Canal Livre, da Band, no dia 21, o ministro Dias Toffoli revelou que, por meio da quebra de sigilos bancários, esses inquéritos identificaram financiamento internacional a pessoas que usam as redes sociais para atacar instituições brasileiras, como o próprio STF, responsável pelas investigações.

Segundo o ministro Dias Toffoli, os inquéritos conduzidos pelo relator Alexandre de Moraes aprofundam a investigação desse financiamento vindo do exterior, que é considerado uma prova gravíssima.

“A história do país mostrou ao que isso levou no passado. Financiamento a grupos radicais, seja de extrema direita, seja de extrema esquerda, para criar o caos e desestabilizar a democracia em nosso país”, afirmou o ministro no Canal Livre.

ATAQUES À IMPRENSA – Toffoli disse ainda que a informação sobre financiamento internacional mostra que “há uma organização por trás disso, que ataca inclusive a imprensa tradicional e séria”. E destacou: “Temos que ficar atentos, e o inquérito está em excelentes mãos.”

Como os dois inquéritos chegaram às mesmas pessoas no “gabinete do ódio”, o relator Alexandre de Moraes pode usar a chamada “prova emprestada”, como prevê o Código de Processo Civil.

Em seu artigo 372, o CPC determina que “o juiz poderá admitir a utilização de prova produzida em outro processo, atribuindo-lhe o valor que considerar adequado, observado o contraditório”.

SEM RESSALVAS – A possibilidade de uso da “prova emprestada” é total, porque em 2014, no julgamento do Recurso Especial 617.428, a Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça estabeleceu, por unanimidade,  que a “prova emprestada não pode se restringir a processos em que figurem partes idênticas, sob pena de se reduzir excessivamente sua aplicabilidade, sem justificativa razoável para tanto.

O único requisito é que o uso dessas “provas emprestadas” seja comunicado às partes envolvidas no, para que exerçam amplo direito de defesa.

TERCEIRO INQUÉRITO – O terceiro inquérito que se encontra com o relator Moraes envolve Bolsonaro mais diretamente, porém vai demorar, porque o presidente se recusa a prestar depoimento sobre a acusação de interferência na Polícia Federal, feita pelo ex-juiz Sérgio Moro.

É o mais grave, porque pode ter como “prova emprestada” os gravíssimos relatórios da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) sobre a tentativa de anular as investigações contra Flávio Bolsonaro.

A escolha é do freguês, como dizem os feirantes. Mas a meu ver, o inquérito mais importante é o terceiro, porque nele Bolsonaro se autoincriminou, ao dizer, na reunião ministerial de 22 de abril de 2020:

“Já tentei trocar gente da segurança nossa no Rio de Janeiro, oficialmente, e não consegui! E isso acabou. Eu não vou esperar foder a minha família toda, de sacanagem, ou amigos meus, porque eu não posso trocar alguém da segurança na ponta da linha que pertence à estrutura nossa. Vai trocar! Se não puder trocar, troca o chefe dele! Não pode trocar o chefe dele? Troca o ministro! E ponto final!”

###
P.S. –
Bem, se esses motivos não justificam o impeachment desse presidente desequilibrado e fanfarrão, é melhor a gente se mudar para um país mais sério, como o Paraguai.
(C.N.)

11 thoughts on “Inquéritos de fake news e atos antidemocráticos incriminam o gabinete do ódio e o próprio Bolsonaro

  1. Inquérito das Fake News é ilegal e inconstitucional e o inquérito dos Atos Antidemocráticos, a PF diz que tais atos não existem.

    Quem esta em mais lençois são Moro, Dallagnol e procuradores lavajatistas. Bolsonaro vai implodir o lavajatismo. O grupo de Moro esta lascado. Os Hackers descobriram muito além do que os Lavajatistas imaginavam.

    O hacker vermelho passou informações do material descoberto para o jornalista Oswaldo Eustáquio na prisão (Esse sim tem fonte, não copia ou cometa matéria pronta da grande mísia), Oswaldo fez a informação chegar a Roberto Jeferson, que a passou a Daniel Silveira, que faria a denúncia. O problema é que o deputado PM não soube aguardar o momento certo, falou pelos cotovêlos, e o P$TF entendeu a movimentação, viu o perigo que corria e mandou prendê-lo imediatamente.

    O material passado a Eustáquio pelo hacker vermelho, esta agora sendo publicado a conta gotas por Sandra Terena, esposa do jornalista e também jornalista, no Jornal Agora Paraná.

    Achei estranho quando Lewandowsky deu acesso a defesa de Lula ao material hackeado e Lula decidiu não utilizar o material. O motivo é que o conteúdo do material hackeado beneficia Bolsonaro, pois mostra que os Lavajatistas conspiravam contra o governo com a intenção de derrubá-lo, na ânsia de cumprir com esse objetivo, cometeram crimes, como vazar informações sigilosas obtidas do COAF e quem comandava o COAF e permitiu essa ilegalidade? Sergio Moro. O que disse Dallagnol? “Leonel é nota 1000”. Quem era Leonel? Presidente do COAF

    Os lavajatistas queriam derrubar o governo, influenciar na escolha do PGR e colocar Moro no supremo mas se lascaram. Agora descobriram da forma mais dura que o Bozo (chamado pelos lavajatistas de amigo de Hitler, nazista, fascista, bandido) de burro e idiota não tem nada.

    O P$TF atendendo o pedido de Bolsonaro e com mais situações incriminátorias vindo a tona, Bolsonaro poderá pedir a prisão de Moro, Dallagnol e procuradores lavajatistas. Infelismente, para tristeza minha, tenho que admitir: Esse grupo tentou derrubar o governo.

  2. Abaixo o que diz o senador sobre a a compra da mansão. Qualquer poderá averiguar se o que ele diz é verdadeiro ou não. O que a imprensa diz, não se escreve. Até agora ninguém disse que a compra é ilegal, só tem fofoca.

    Flávio Bolsonaro nega irregularidades na compra de mansão.“Eu vendi um imóvel que eu tinha no Rio de Janeiro, vendi uma franquia que possuía, também no Rio de Janeiro, e dei entrada numa casa aqui em Brasília. E a maior parte do valor dessa casa está sendo financiada com o banco com uma taxa que foi aprovada conforme o rendimento familiar, como qualquer pessoa no Brasil pode fazer”, declarou o senador.

  3. Em 2018 o Paraguai experimentará uma das maiores expansões econômicas da região da América Latina, com uma perspectiva de crescimento do PIB de 4,7% para o final do ano e 4,1% para o 2019. O 12% do crescimento do PIB corresponde à agricultura; o 33,4% à indústria (incluindo a construção e as utilidades públicas); o 47,1% corresponde a serviços e 7,5% às taxas.

    Prezado Carlos Newton,
    O Sr. está certíssimo!
    O Paraguai é um pais muito mais sério.

    Quem diria que um dia teríamos inveja dos nossos irmãos paraguaios.

    Viva la Chipa!!

    Um forte abraço,
    José Luis.

  4. Caro Newton,

    E dizer que o Paraguai foi durante muitos anos sinônimo de produtos falsificados, e de uma nação absolutamente desorganizada, sem lei.

    Talvez seja castigo para nós atualmente, que tenhamos nos transformado em um país que não possui as mínimas condições de assim ser denominado e reconhecido, diante da desintegração ética e moral dos poderes constituídos e de nossas instituições.

    Jamais assisti, sequer no cinema ou li em obras de ficção, a deterioração que diariamente constamos por parte de nossos governantes e autoridades.
    Vivemos de escândalos em escândalos, e agora sem qualquer pudor ou constrangimento.

    O Brasil perdeu totalmente a sua essência como país, e o povo abandonou a sua obrigação de impedir que nos transformássemos nesse mar de corrupção, desonestidade, criminalidade e desprezo pelo cidadão.

    Confesso que perdi o ânimo, a vontade, a disposição para escrever, pois de nada mais adiantam a nossa indignação e revolta, aliás, até mesmo essas condições que deveriam ser inatas na população também foram para o brejo.

    Não existe a menor chance de nos reerguermos, lamentavelmente.
    Fomos derrotados pela canalhice, pelos ladrões, corruptos, por um sistema nocivo e nefasto, que vem nos destruindo há décadas.
    Até porque, meu caro amigo, não temos quem conseguiria reconstruir o Brasil, tanto pela ausência de “engenheiros” capazes, quanto pela falta de mão de obra (o povo), diante do desinteresse deste território que foi um dia terra da esperança!

    Hoje estamos desesperados e desesperançados.
    Mas, o que há de mais grave nessa implosão que acontece conosco, diz respeito à nossa total e indiscutível falta de vergonha na cara, de brio, orgulho, decência, altivez!

    Merecemos, em consequência, trilhar esse caminho maldito que nos leva à desintegração, à separação, e ao descontrole total porque rompemos com a união do povo, quebramos os elos que nos uniam e atrelavam ao mesmo objetivo, a ponto que cada um de nós vive para si e isolado da sociedade.

    Atualmente somos classificados em castas, elites e no desgraçado poder econômico.
    O cidadão que sobreviva neste mar de incúrias, desatinos, descalabros, de ilicitudes permanentes e impunidade crescente.

    Joguei a toalha, meu caro Editor e Moderador deste blog incomparável.
    Perdi.
    Fui derrotado fragorosamente.
    Reconheço que não há mais como contra-atacarmos a bandidagem travestida em poderes constituídos.
    Resta-nos tão somente sobreviver nesse caos imoral, antiético, desumano, de gravíssimas injustiças sociais.

    Se, em 64, a revista Seleções, Reader’s Digest, publicou um artigo de Clarence W. Hall, intitulado A Nação que Salvou a Si Mesma, certamente haverá no futuro e não muito distante, alguém que deixará para a História outro texto, mas com o título muito parecido:
    A Nação que Destruiu a Si Mesma!

    Enfim, a minha tristeza, total decepção, amargura, é confessar que estou infeliz.
    Justifica-se porque fui testemunha ocular da História e dela participei com muito fervor quando tivemos a construção de Brasília, momento que deixamos de ser conhecidos como selva, carnaval e mulheres seminuas, para sermos reconhecidos como o último El Dorado do planeta!
    E, agora, para sermos exemplos para o mundo de corrupção, fragmentação, desunião, e povo literalmente desprezado e abandonado pelas instituições e poderes constitucionais.

    Fomos dos oito ao oitenta, e voltamos para oito negativos!
    Testemunhei o nosso nascimento, assim como constato o nosso desaparecimento.

    Terei muito para contar a São Pedro quando nos encontrarmos em seguida, ali, ali.
    No entanto, terei de fazer um enorme esforço e ser muito veemente, para que o santo creia no que vou relatar, pois jamais a ficção conseguirá traduzir a realidade brasileira.

    Pretendo descansar por uns dias.
    Não irei recuperar as forças, pelo contrário, mas não quero mais postar comentários com este teor de tamanha tristeza e decepção.

    Amo o Brasil e o povo, morreria por eles, afirmo, mas, tanto um como o outro não querem o meu sacrifício, logo, assim como milhões de pessoas pretendo me isolar, me distanciar dessas situações irreversíveis, e tentar entender o que se passou conosco.

    Abraços, Newton e colegas da Tribuna da Internet.
    Saúde e paz para todos, indistintamente.

  5. Quem diria a TI voltou aos tempos do infame Carlos Lacerda com o golpismo na veia . pena que agora os acesso não passam de 3000 por dia.
    Já tendo chegado a mais de 50 000 .
    Lamentável

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *