Investigao sobre BNDES incrimina tambm Luciano Coutinho e o prprio Lula

Resultado de imagem para presidente de angola com taiguara

Lula e o sobrinho em Angola com Joo Pinto, da Exenergia

Eduardo Milito
Correio Braziliense

As investigaes sobre o BNDES trazem Operao Janus menes ao pecuarista Jos Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Luiz Incio Lula da Silva, j denunciado junto com o sobrinho dele Taiguara Rodrigues e o presidente afastado da empreiteira Marcelo Odebrecht e mais oito pessoas. O Ministrio Pblico Federal investiga o ex-presidente do (BNDES) Luciano Coutinho, outros funcionrios da instituio e autoridades estrangeiras que tambm participaram de esquema de favorecimento empreiteira Odebrecht em obras no exterior, como Angola.

SEM ARQUIVAMENTO – Documentos enviados ao juiz da 10 Vara Federal de Braslia, Vallisney Oliveira, na Operao Janus, pedem que no haja arquivamento de suspeitas contra outras pessoas pelo simples fato de no terem sido includas na denncia.

Em ofcio ao juiz Vallisney Oliveira, os procuradores dizem que h ainda, necessidade de prosseguir apurando condutas de terceiras pessoas em relao a fatos que tangenciaram ou, qui, concorreram para a prtica dos delitos apontados na denncia ora apresentada. Citam como exemplos: Luciano Coutinho, o ex-diretor de Relaes Institucionais Alexandrino Alencar, o portugus Joo Pinto Germano, da Exergia Portugal, Hlder Breji, alm de funcionrios do banco, da empreiteira, do governo angolano e de rgos do Ministrio da Fazenda e do Desenvolvimento (MDIC).

A Procuradoria os classifica como possveis coautores. E afirma que suas condutas sero alvo de novas investigaes, que requerero atos de cooperao jurdica internacional e, assim, sero, em tempo oportuno, se for o caso, objeto de novas denncias.

LULA ORIENTAVA – O MPF sustenta que, em reunio de abril de 2010, Lula orientou a poltica do BNDES para o perodo de 2011 a 2014 de maneira a coincidir com os interesses de seu instituto e da empreiteira Odebrecht. Procuradores citam reunies de Coutinho e do petista, no instituto Lula e no exterior, a partir da coincidncia de agendas e viagens dos dois. O objetivo seria influenciar os rgos governamentais brasileiros na direo da concesso de financiamentos construtora. A Procuradoria ainda destaca depoimento do ex-senador Delcdio do Amaral (ex-PT-MS) afirmando que Coutinho de forma sutil, solicitava doaes e contribuies eleitorais a empresrios que tinham interesse em obter financiamentos perante o banco.

O ex-presidente do BNDES afirmou ao Correio que ignora a investigao e negou discusso sobre doaes. Disse que, em sua gesto, o banco colaborou com todas as apuraes em que foi solicitado. Nas reunies ocorridas entre Coutinho e Lula, foram discutidos cenrios para a economia brasileira e mundial, afirmou em nota.

As reunies tiveram a presena de outras pessoas e nelas o ex-presidente do BNDES no tratou de apoios especficos referentes a quaisquer empresas, nem tampouco relativos a qualquer suposta orientao referente a atuao do BNDES para operaes internacionais no perodo 2011-2014.

CHEFE MAIOR – Em mensagem de correio eletrnico em 27 de julho de 2009, ainda no governo do tio, Taiguara diz ao advogado e funcionrio do tribunal de contas em Luanda (Angola) Hlder Joo Breji que Jos Carlos Bumlai o procurou a pedido de Lula. O objetivo era tocar projetos em conjunto no pas africano com o apoio do pecuarista para obterem financiamento. Esse mesmo me procurou a pedido do Chefe Maior e de seu filho, para tocarmos em conjunto projetos em Angola, conta Taiguara. Uma foto, obtida em email de novembro de 2015, ilustra encontro entre Taiguara, Hlder e Lula. Para o Ministrio Pblico, o ex-presidente o chefe maior citado pelo sobrinho.

A Procuradoria da Repblica no Distrito Federal menciona o e-mail na denncia contra o petista e diz que Bumlai, notrio amigo do ex-presidente da Repblica e preso na Operao Lava-Jato, foi apontado como intermedirio de emprstimos no BNDES por Delcdio do Amaral (ex-PT-MS).

E-MAIL REVELADOR – A mensagem de Taiguara diz que Bumlai um empresrio importante Ele muito poderoso, meu irmo com interesse em empreendimentos maiores que US$ 100 milhes. Trar o financiamento, e ns, as garantias necessrias para que isso possa acontecer, continua o sobrinho de Lula no e-mail para Hlder Breji.

Citando depoimento de Delcdio, a Procuradoria afirma que o pecuarista foi fundamental na liberao de financiamentos pelo BNDES s empresas Friboi, Marfrig, Bertin entre outras.

E TODOS NEGAM… – Em nota ao Correio, o ex-presidente do banco Luciano Coutinho negou qualquer interferncia. No houve qualquer influncia de Jos Carlos Bumlai em qualquer financiamento concedido pelo BNDES. Os financiamentos do banco so avaliados de acordo com critrios tcnicos e impessoais, passando por rgos colegiados.”

A defesa de Taiguara no comentou o caso. O advogado de Bumlai, Conrado Prado, disse que o pecuarista “nunca teve qualquer relao com o sr. Taiguara, nem tampouco participou de nenhuma obra, projeto ou financiamento em pases da frica ou em qualquer outro pas”. “Da mesma forma, jamais atuou ou interviu em favor de qualquer pessoa junto liberao de recursos no BNDES.”

3 thoughts on “Investigao sobre BNDES incrimina tambm Luciano Coutinho e o prprio Lula

  1. Os caras parecem at honestos pela maneira como negam o envolvimento em mutretas: No ouviram falar, no participaram nem participariam de qualquer ilegalidade – nunca, jamais!
    Moro neles.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.