Os CIEPs e o irresponsável descaso na assistência ao menor

CIEP, o sonho de Brizola e Darcy, projetado por Niemeyer

Luiz Tito
O Tempo

No mês passado, em audiência em comissão especial da Câmara dos Deputados, a presidente da Fundação Casa de São Paulo, dra. Berenice Giannella, declarou sem titubear que um menor internado naquela instituição custa para o Estado a cifra mensal de R$ 8.900, valor já auditado pelo Tribunal de Contas de São Paulo e por organismos internacionais. Isso representa 11,3 vezes o salário mínimo, a mesma verba que remunera o trabalho mensal de uma parcela significativa da população economicamente ativa. Outra parcela nem conta com esse salário, embora o almeje.

Dra. Berenice dirige a fundação há sete anos de forma exemplar, e reconhecidamente luta, com os instrumentos legais que tem nas mãos, para que o processo de ressocialização do menor infrator tenha êxito. Mas ela mesma tem críticas à forma como o problema do menor infrator é tratado no Brasil, como esse é recolhido e, posteriormente, devolvido ao convívio com a sociedade. Na sua grande maioria, sabemos, esse é um recurso jogado no esgoto porque pouco ou nenhum resultado traz. Nem quando ainda menor infrator, nem depois, quando promovido a delinquente maior. Estatisticamente, nada.

MAIORIDADE PENAL

Neste mês, o presidente da Câmara dos Deputados vai colocar em votação o projeto de redução da idade penal para 16 anos. Próprio e oportuno. Infelizmente, os Poderes do Estado – Executivo, Legislativo e Judiciário – não deram importância ao que deveriam cuidar como suas: as obrigações que lhe são próprias e indelegáveis – segurança, saúde e, especialmente, educação, como dever na formação das crianças e dos jovens brasileiros. Agora, transferem para a cadeia a responsabilidade de formar (ou reformar) cidadãos.

De forma lamentável, esse projeto terá grande apoio da sociedade, oprimida pela violência e presa na própria casa; sente-se que essa proposta será aprovada, nem que seja por uma quadra de tempo para depois ser revista. Mas, ao ponto que chegamos, a redução da maioridade penal será uma tentativa de se frear o crescimento da violência hoje sem limites, praticada por menores.

BRIZOLA ESTAVA CERTO

Estaremos enxugando gelo se outras medidas não forem tornadas efetivas. Perguntado, certa vez, se o Estado do Rio de Janeiro teria recursos para custear o funcionamento de escolas em tempo integral, o ex-governador Leonel Brizola respondeu que era mais barato e transformador pagar pelo menor estudante todo o dia na escola do que mantê-lo nos reformatórios, que nada reformam, nada educam. Ao contrário, consolidam e ampliam as deformações com as quais tais menores entram nessas casas ditas de amparo e construção moral.

Enquanto a segurança, a assistência social e a educação forem instrumentos de jogo eleitoral e de poder, os resultados serão os que hoje assistimos.

E, com toda certeza, o que assistimos ainda é pouco. Vai piorar. E muito.

14 thoughts on “Os CIEPs e o irresponsável descaso na assistência ao menor

  1. Sr. Newton, o mesmo de sempre, ao invés de cuidar do estado destruído pelos 28 anos de desmandos , corrupção, viol~encia,falta de água, transportes, destruição da saúde e educação, os ditos representantes do povo paulista so pensam naquilo, ELEIÇÔES,
    Veja Sr. Newton, nem acabamos de sair de um a eleição e eles já estão mexendo os pauzinhos para a p´roxima daqui 4 anos……..
    E quem adora uma ELEIÇÂO.???
    Eles mesmo, os de sempre, os tucanalhas corruptos que não aguentam mais perder e largar o osso e continuam a tentar destruir o que sobra do Páis com suas entregas e trairagem, roubos, corrupções e ademais trambicagens mulecagens francesas que só elessabemfazer….., são mestres com especialçização em CORRUPÇÂO
    Segue a materia, interessante Sr. Newton a foto do famosofrancês gerardoefeagace como famoso Coroné doNordeste,aqueleque empregava o fantasma da filha do Sultão de Paris,,,,
    http://talesfaria.ig.com.br/index.php/2015/06/10/alckmin-toma-a-frente-de-aecio-e-serra-na-luta-pela-candidatura-tucana-em-2018/

  2. Todos sabem quem foram os causadores da destruição deste grandioso projeto: Moreira Franco, Garotinho e mulher, Marcelo Alencar e seus filhos, Sérgio Cabral e Pezão acabaram a destruição.
    Darcy Ribeiro e Brizola deram ao povo a oportunidade de formar cidadãos, mas os outros com a ajuda do povo preferiram que aumentasse a formação de marginalizados.

  3. Temos predileção por chorar o leite derramado.
    De que adianta?
    Criticamos a desconstrução dos CIEPS e um dos métodos mais eficientes que foi criado para evitar que nossas crianças fossem cooptadas pelo crime, mas … por que não os reconstruímos?!
    O que impede que nossos governantes refaçam este plano espetacular de ensino, atendimento médico e social aos mais necessitados?
    Por que não exigimos que nossas autoridades invistam na educação e ensino?
    Só não aceito que o poder central e governos estaduais aleguem que não há dinheiro, pois eu lhes cuspo na cara!
    Eu os acuso de ladrões, criminosos, mentirosos, usurpadores, bandidos, gente da pior espécie.
    Verba para os poderes se lambuzarem em salários que são os maiores do mundo não falta, da mesma forma as regalias, os penduricalhos, as aposentadorias precoces.
    Dinheiro existe, e muito, e nosso!
    Só nos impedem de ter acesso; não querem que tenhamos poder de decisão; evitam de todas as maneiras que tenhamos senso crítico; que saibamos interpretar a situação política, social e econômica de nosso País.
    Então a educação e ensino nesses patamares deploráveis, deprimentes, humilhantes para uma nação desta grandiosidade que, inversamente à sua dimensão, tem nos seus parlamentares os menores do planeta, os mais corruptos, desonestos, incompetentes e vagabundos!
    Resultado:
    O Brasil faliu!
    Moral, ética, honra, decência, probidade, vergonha na cara … foram abolidas do comportamento dos parlamentares, do Executivo e boa parte do Judiciário, incluindo uma significativa parcela da população brasileira, evidentemente por contágio.
    Pensem bem:
    Não temos futuro. Vivemos o dia, nada mais.
    A minha curiosidade, se eu viver até lá, é imaginar até onde chegaremos com tantas características negativas.

    • Caro Bendl,
      O que impede os nossos governantes, além de tudo o que você apontou, é, pura e simplesmente, a INCOMPETÊNCIA.
      Os nossos governantes de hoje não têm a formação de que precisariam para sê-lo. Não falo aqui de escolarização, longe disso, falo de formação moral, bom senso, honestidade, dedicação. Perderam a noção do que deve ser governar. De que governar é cuidar do bem estar do povo e do futuro do país. De que os seus atos devem ser pesados e decididos pensando muito além do término dos seus mandatos. Aliás, não sabem nem mais o que quer dizer a palavra “mandato” – que é uma delegação temporária de poder que os eleitores lhes confiam apenas para que defendam os interesses destes mesmos eleitores, uma procuração para um fim determinado, e não uma autorização para que façam o que quiserem. Não sabem mais que são mandatários e não mandantes, que o mandato não lhes confere direitos mas sim obrigações. Chegam aos seus postos por indicação e apoio de partidos que só pensam no proveito de si mesmos e nos benefícios do poder. E esses mesmos partidos, que deveriam representar o povo, colaboram para que essa situação se perpetue, porque não lhes interessa que ela mude.
      Não sei como vamos fazer para mudar. O Brasil está falido porque o nosso sistema político está falido. Não conseguimos (ou, pior, não queremos realmente) colocar no legislativo e no executivo pessoas com espírito público e competência. Perdemos o rumo da democracia representativa e caímos no modelo do governo por marketing…

      • Caro Wilson,
        Perfeito o teu comentário.
        Concordamos plenamente quanto à incompetência de nossos governantes no que tange à educação e ensino.
        Tenho ido mais além, ao acusá-los de corruptos, desonestos, pois desviam dinheiro público que deveria ser canalizado para esta finalidade para seus interesses e conveniências, quando não diretamente para seus bolsos!
        O Brasil se esfacela dessa forma, haja vista sem a devida estrutura cultural de seu povo, de conhecimentos, de estudos.
        A casta dos parlamentares em todas as suas esferas, municipal, estadual e federal, cujo pressuposto à eleição de seus componentes é ser corrupto e desonesto, manipula o povo, domina-o totalmente, engana-o, e o submete a situações de uso e exploração totais.
        Acho que há muito já deveríamos ter chutado o balde.
        Um abraço, Wilson.

  4. Infelizmente no Estado do Rio, nenhum político deu continuidade e modernização dos CIEPS. Depois do Brizola, só tivemos governadores incompetentes. Os fluminenses deixaram de votar no Darcy Ribeiro para votarem no Moreira Franco. Isto foi o início do abandono dos CIEPS. Educação, saúde e segurança não são as prioridades dos nossos políticos corruptos.

  5. Dentre os sabotadores do projeto CIEPs, destaque absoluto para o PT. O de outrora que combateu o projeto e o atual que nunca os implementou em nível nacional, como ousara Collor de Mello, com os CIACs.

    “Para se manter a floresta saudável é preciso cuidar das mudinhas.”

    Leonel Brizola

  6. Muito pertinente o artigo do Tito e as considerações do Bendl.
    A educação vão é valor para o nosso povo!
    O valor é ficar rico, de qualquer modo e a qualquer custo!
    Ao olhar para o quadro político de um país com mais de 200 milhões de habitantes e se verificar que inexiste um político ou nome de qualidade digna de liderança, falimos mesmo!
    Já estamos em guerra civil atomizada: mais de 50 mil abatidos a bala ano passado; outro tanto de motocicleta; o assalto ao erário e o imposto escorchante é generalizado, um quadro sem solução!
    Com a educação que temos, voltada para o amparo das crianças e a qualificação profissional dos adultos,…é uma brincadeira! O professor fazendo que ensina e o aluno fazendo que está aprendendo.
    Ainda mais,….nessas faculdades que abundam nesse Brasil com o objetivo de “faturar”, o professor é o maior estorvo na “educação”!
    Estamos formando massas de analfabetos funcionais com diploma de nível superior!
    Não há solução a vista!

  7. Senhores,

    “No mês passado, em audiência em comissão especial da Câmara dos Deputados, a presidente da Fundação Casa de São Paulo, dra. Berenice Giannella, declarou sem titubear que um menor internado naquela instituição custa para o Estado a cifra mensal de R$ 8.900, valor já auditado pelo Tribunal de Contas de São Paulo e por organismos internacionais.”
    -Quanto vale a vida do seu filho? Quanto vale a liberdade de poder sair às ruas e voltar vivo? Me refiro não só aos menores bandidos, mas aos maiores bandidos também, igualmente impunes. Esses valores são POUCO, quando se sabe o total arrecadado pelo país.

    “Berenice dirige a fundação há sete anos de forma exemplar, e reconhecidamente luta, com os instrumentos legais que tem nas mãos, para que o processo de ressocialização do menor infrator tenha êxito. ”
    -Ela deveria mostrar, em números, quantos menores mudaram de caráter pela sua “forma exemplar” de dirigir e por viverem entre bandidos. Coisas que não fizeram quanto viviam entre pessoas que trabalhavam. O resto é ideologia.

    “Neste mês, o presidente da Câmara dos Deputados vai colocar em votação o projeto de redução da idade penal para 16 anos. ”
    -Não importa o nome que se dê: prisão, internação, tratamento ou isolamento. É preciso tirar os bandidos das ruas para que AS CRIANÇAS POSSAM BRINCAR NELAS sem o risco de serem mortos. É preciso DEVOLVER AS RUAS E PRAÇAS ÀS VERDADEIRAS CRIANÇAS.

    “Ao contrário, consolidam e ampliam as deformações com as quais tais menores entram nessas casas ditas de amparo e construção moral.”
    -Só mesmo aqui, no PAÍS DA IMPUNIDADE, alguém pode se preocupar como o bandido sairá da cadeia na hora em que é preso!!! O motivo é o fato de um ASSASSINO poder ficar três anos preso. Faça-se como nos Estados Unidos e essa preocupação se acabará: Pergunte aos americanos se eles estão preocupados com o fato do assassino do John Lennon ter se tornado um psicopata atrás das grades? Ou com a mudança de caráter do terrorista da MARATONA DE BOSTON?
    -DUVIDO que lá eles se preocupem com a volta de alguém que estupra e mata e que terá que cumprir 60 anos de cadeia, integralmente, sem direito a sexo na cela!

    “Estaremos enxugando gelo se outras medidas não forem tornadas efetivas.”
    -E verdade. Precisamos fechar a FONTE de onde jorra a VIOLÊNCIA, que é a CRIANÇA NA RUA, aprendendo só o que não presta. Precisamos salvar os que nascerão, porque esses que estão presos já estão condenados. PRECISAMOS TIRAR OS MENORES DA RUA: Os que são honestos devem ser levados para a ESCOLA. Os que JÁ se metamorfosearam do BANDIDOS devem ser levados para a CADEIA.

    Mas algo precisa ser feito.

    Abraços.

  8. Senhores,

    O trágico caso do sequestro do ônibus 174 completa, na próxima sexta-feira (12), 15 anos. O fato fez o Governo FHC lançar o PLANO NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA, divulgado pelo Ministro da Justiça, José Gregori, e pelo Chefe da Casa Civil, Pedro Parente, uma semana após o episódio. Também conhecido como PLANO NACIONAL ANTIVIOLÊNCIA, um fiasco lançado em solenidade em que estavam presentes o Presidente da República (o Farol de Alexandria) e o Ministro da Justiça, Sr. José Gregori, após o assassinato da professorinha Geísa por um dos sobreviventes da chacina da candelária, tão cantada em prosa e verso pelos defensores de bandidos – se ele também tivesse sido morto ou PRESO com o seu grupo de amigos, CRIMINOSOS E INTOCÁVEIS, a professorinha estaria viva! As únicas coisas realizadas no Plano foram aquelas que visavam o benefício e os direitos dos bandidos e o desarmamento das pessoas de bem!

    A mentira e a alienação começam logo na introdução e continua nos seus quinze compromissos, que englobavam, ao todo, cento e vinte e quatro “ações estratégicas” que começariam a mostrar resultado em DOIS ANOS após a aplicação do Plano.

    Dizia a introdução: “Este é um Plano de ações. Seu objetivo é aperfeiçoar o sistema de segurança pública brasileiro, por meio de propostas que integrem políticas de segurança, políticas sociais e ações comunitárias, de forma a reprimir e prevenir o crime e reduzir a impunidade, aumentando a segurança e a tranquilidade do cidadão brasileiro”.

    COMPROMISSOS DO PLANO:

    COMPROMISSO Nº 1 – Combate ao Narcotráfico e ao Crime Organizado.
    Resultados Esperados 2000-2002:
    • Principais narcotraficantes que atuam no Brasil identificados e legalmente responsabilizados.
    • Redução anual da entrada de drogas ilícitas no País.
    • Campos de pouso clandestinos no País interditados e destruídos.
    • Redução anual do contrabando.
    • Fronteiras, aeroportos e portos adequadamente controlados e vigiados.
    • Redução anual das operações financeiras ilegais.
    • Pró-Amazônia e Promotec completamente instalados e funcionando.
    • Operações de repressão ao crime mais integradas e articuladas entre as forças públicas de segurança participantes.
    • Núcleos Especiais de Polícia Marítima – NEPOM criados e funcionando adequadamente.

    COMPROMISSO Nº 2 – Desarmamento e Controle de Armas.
    Resultados esperados 2000-2002:
    • Lei que proíbe o uso e o comércio civil de armas de fogo aprovada e sancionada.
    • Campanhas nacionais e regionais realizadas e sociedade mais consciente sobre os riscos inerentes às armas de fogo.
    • Uso de armas de fogo por policiais regulamentada e controlada.
    • Secretarias Estaduais de Segurança e Justiça interligadas ao Sistema de Integração Nacional de Informações de Justiça e Segurança Pública – INFOSEG.
    • Coordenação do controle de armas de fogo e gestão do Sistema Nacional de Controle de Armas centralizada em um único órgão.
    • Empresas privadas de vigilância recadastradas, controladas e fiscalizadas permanentemente.
    • Redução de armas ilegais nas mãos de infratores.

    COMPROMISSO Nº 3 – Repressão ao Roubo de Cargas e Melhoria da Segurança nas Estradas.
    Resultados Esperados 2000-2002:
    • Estradas protegidas e seguras.
    • Concurso e campanhas de informação e de educação realizadas.
    • Ações conjugadas para o combate ao roubo de cargas.
    • Renavam ampliado e integrado aos sistemas estaduais.
    • Sistema de informação, inteligência e de monitoramento criado e funcionando.
    • Programas de socorro a vítimas desenvolvidos e funcionando adequadamente.
    • Unidades da Polícia Rodoviária Federal e estaduais ampliadas e reestruturadas.
    • Patrulhamento nas estradas ampliado e funcionando de forma integrada com as demais forças de Segurança Pública.
    • Policiais rodoviários mais qualificados.

    COMPROMISSO Nº 4 – Implantação do Subsistema de Inteligência de Segurança Pública.
    Resultados Esperados 2000-2002:
    • Núcleos Estaduais do Subsistema de Inteligência de Segurança Pública criados e implantados.
    • Subsistema de Inteligência implantado nacionalmente e funcionando adequadamente.
    • Secretarias Estaduais de Segurança e Justiça integradas ao Subsistema de Inteligência de Segurança Pública.
    • Controles democráticos do Subsistema de Inteligência de Segurança Pública implementados e funcionando adequadamente.

    COMPROMISSO Nº 5 – Ampliação do Programa de Proteção a Testemunhas e Vítimas de Crime.
    Resultados Esperados 2000-2002:
    • Unidades de proteção a testemunhas instaladas.
    • Rede Social de Proteção ampliada.
    • Pessoas protegidas adequadamente.
    • Testemunhos de processos e julgamentos devidamente assegurados.
    • Adesão de todos os estados ao Programa.
    • Programa funcionando adequadamente nos estados.
    • Padrões de qualidade do Programa e indicadores de avaliação estabelecidos.

    COMPROMISSO Nº 6 – Mídia x Violência: Regulamentação .
    Resultados Esperados 2000-2002:
    • Redução das cenas de banalização da violência nas televisões.
    • Critérios de classificação indicativa atualizados e reformulados.
    • Órgãos de auto-regulamentação criados e funcionando adequadamente.
    • Conselho de Comunicação Social instalado e funcionando em condições adequadas.
    • Campanhas educativas realizadas.
    • Aumento da programação de cunho educacional e cultural.

    COMPROMISSO Nº 7 – Redução da Violência Urbana.
    Resultados Esperados 2000-2002:
    • Redução anual dos crimes contra a pessoa no país.
    • Fiscalização em pontos críticos no trânsito funcionando de forma mais eficiente e eficaz.
    • Policiamento intensificado e funcionando de forma integrada.
    • Divisão geográfica dos distritos e regiões administrativas compatibilizadas entre a Polícia Civil e Polícia Militar e responsabilização da atuação no combate ao crime compartilhadas.
    • Redução anual da violência nos bairros.
    • Restabelecimento da confiança nas forças policiais.
    • Cidades, bairros de periferia e favelas mais bem iluminados.
    • Redução de conflitos entre policiais e populações de periferia e moradores de favelas.
    • Guardas Municipais criadas e monitoradas.

    COMPROMISSO Nº 8 – Inibição de Gangues e Combate à Desordem Social.
    Resultados Esperados 2000-2002:
    • Delegacias especializadas para o atendimento de crianças e adolescentes criadas e funcionando adequadamente.
    • Redução dos atos de vandalismo praticados por jovens em espaços públicos.
    • Redução das gangues e grupos de jovens formados para práticas violentas.
    • Programas de apoio a famílias criados e funcionando nas principais capitais do País.
    • Obrigatoriedade nos cursos universitários de serviços comunitários.
    • Projetos de integração e restabelecimento da auto-estima de profissionais comunitários implantados.
    • Redução da violência familiar.

    COMPROMISSO Nº 9 – Eliminação de Chacinas e Execuções Sumárias.
    Resultados Esperados 2000-2002:
    • Redução das chacinas e das mortes por “justiciamento” e pistolagem.
    • Redução do envolvimento de policiais em crimes desse tipo.
    • Normas e regulamentos mais rígidos e eficazes no combate a esse tipo de crime.
    • Batalhões e forças especiais de polícia mais controlados e atuando em conformidade com a Lei.
    • Serviços de denúncia instalados.
    • Investigação de crimes de chacinas, pistolagem e “justiciamento” mais adequada e mais eficiente.
    • Interdição e confisco de estabelecimentos comerciais que contratam “justiciamentos”.
    • Comunidades mais seguras e em melhores condições de infra-estrutura física.

    COMPROMISSO Nº 10 – Combate à Violência Rural.
    Resultados Esperados 2000-2002:
    • Dados sobre conflitos agrários coletados e analisados.
    • Acompanhamento das ações reintegratórias realizado pelo Ministério Público e por organizações da sociedade civil.
    • Redução de conflitos em áreas rurais.
    • Redução de mortes por confronto agrário.
    • Redução de armas de fogo no campo.
    • Equipes de acompanhamento de conflitos no campo instituídas e funcionando adequadamente.
    • Cursos de capacitação para a mediação de conflitos e táticas de atuação, a exemplo dos realizados pela Polícia Federal.
    • Divisão de Conflitos Agrários da Polícia Federal estruturada e funcionando.

    COMPROMISSO Nº 11 – Intensificação das Ações do Programa Nacional de Direitos Humanos.
    Resultados Esperados 2000-2002:
    • Serviço Civil Voluntário instalado em todos os estados.
    • Implantação, como projeto piloto, de cinco centros integrados de cidadania em 2000.
    • Redução do consumo de drogas pelos adolescentes.
    • Programa Agente Jovem de Desenvolvimento Social e Humano implantado em periferias com elevados índices de violência.
    • Programa de Erradicação do Trabalho Infantil ampliado para zonas urbanas com altos índices de envolvimento de crianças com o tráfico de drogas e a prostituição infantil.
    • Programa Pelotões Mirins ampliado para zonas de carência e exclusão.

    Compromisso nº 12 – Capacitação Profissional e Reaparelhamento das Polícias.
    Resultados Esperados 2000-2002:
    • Fundo Nacional de Segurança Público criado.
    • Polícias mais qualificadas e com resultado mais eficaz.
    • Concursos da Polícia Federal realizados.
    • Estruturação da Polícia Federal e Rodoviária Federal concluída.
    • Polícias atuando de forma crescentemente integrada.
    • Redução de casos de envolvimento de policiais envolvidos em atividades criminosas.
    • Redução de policiais vitimados em ação.
    • Ouvidorias implantadas em todo o País.
    • Programas de apoio e motivação de policiais implementados nos estados.
    • Polícias aparelhadas adequadamente.
    • Número de policiais na rua aumentado.

    COMPROMISSO Nº 13 – Aperfeiçoamento do Sistema Penitenciário .
    Resultados Esperados 2000-2002:
    • Novas vagas prisionais criadas.
    • Penas alternativas, com a respectiva fiscalização, implantadas nas principais capitais do País.
    • Estabelecimentos prisionais melhorados e dentro dos padrões mínimos estabelecidos pelas Nações Unidas.
    • Programas de treinamento de agentes penitenciários.
    • Sistema prisional federal criado e funcionando adequadamente.
    • Programas de assistência e reinserção social do egresso criados e apoiados.

    Compromisso nº 14 – Aperfeiçoamento Legislativo.
    Resultados Esperados 2000-2002:
    • Capacidade jurídica punitiva do Estado ampliada e melhorada com a aprovação e sanção das propostas legislativas, com absorção das modernas tendências do direito e processo penal.
    • Inibição das práticas ilícitas.
    • Sistema penal brasileiro mais moderno, ágil e eficaz.
    • Instrumentos mais eficientes de coerção aos novos tipos penais.

    COMPROMISSO Nº 15 – Implantação do Sistema Nacional de Segurança Pública.
    Resultados Esperados 2000-2002:
    • Dados estatísticos disponíveis confiáveis e comparáveis.
    • Metodologias de coleta de informações e dados unificadas e sistematizadas.
    • Todos os estados brasileiros produzindo dados e informações adequadamente.
    • Censo penitenciário realizado sistematicamente.
    • Pesquisa sobre vitimização realizada anualmente.
    • Políticas públicas de segurança planejadas e orientadas por informações de desempenho.

    ISSO TUDO FOI DITO NO ANO 2000. Quinze anos se passaram e a única coisa concreta foi o desarmamento da população ordeira e a ampliação dos direitos dos bandidos sob a cortina “direitos humanos”!!!

    Abraços.

    (ps: A professorinha estaria completando quantos anos mesmo agora, em 2015? Não sabemos. Só a família dela sabe. Só a família dela sente a sua falta).

  9. “MENTIRA ULULANTE: Nos ESTADOS UNIDOS, menores respondem por 7% das ocorrências. Na INGLATERRA e PAÍS DE GALES, por 18%; no URUGUAI, por 17%. Pergunta óbvia: POR QUE, NO BRASIL, AS AUTORIAS NESSA FAIXA ETÁRIA ESTARIAM EM MENOS DE 1%?
    No Brasil, por fatores vários, as porcentagens devem ser maiores do que nos países citados. Não! Essa medida (prender), por si, não “resolve” o problema da violência. Aliás, lançar tal questão é de uma desonestidade intelectual escandalosa. Não há “uma medida” para pôr fim ao problema; nem duas nem três. Nem dez. Trata-se apenas de não deixar na rua, impune, um assassino, depois dos quase nunca cumpridos meros três anos de internação. A vida humana tem de valer um pouco mais do que isso.
    Artigo completo:http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/maioridade-penal-as-esquerdas-odeiam-os-numeros-e-a-logica-ou-agora-ninguem-quer-ser-o-pai-dos-numeros-falsos-de-dilma/

  10. A destruição dos CIEPS teve início com Moreira Franco, em 1987, cujo governo no Estado do Rio de Janeiro foi péssimo, principalmente, no que concerne ao aumento da criminalidade em todos os sentidos. Todavia, nunca houve uma investigação sobre o seu desgoverno, talvez por ser protegido por algumas autoridades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *