Ivanildo Gonçalves, o homem que sabia demais, passa a ser uma grande testemunha

Imagens de Ivanildo comprovariam pagamento em favor de Roberto Dias

Pedro do Coutto

O título repete uma das obras-primas de Alfred Hitchcock e o episódio do motoboy Ivanildo Gonçalves funciona, mais uma vez, ao longo do processo político, como um imprevisto que muda o rumo das investigações policiais e dos fatos que se acumulam na névoa da história.

Reportagem de Paulo Cappelli, Natália Portinari, Julia Lindner e André de Souza, O Globo desta quarta-feira, confirma em longos detalhes o que a GloboNews e a TV Globo haviam exibido na tarde e na noite de segunda-feira. O motoboy Ivanildo Gonçalves comparece a uma agência bancária, realiza saques em dinheiro vivo, paga boletos em nome do ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias.

RISCO – A atuação do motoboy estende-se por vários meses a partir de 12 de julho de 2020.Foi exposto ao risco de sofrer assaltos, tal era a rotina da qual participava na mesma agência bancária e fazendo os mesmos saques relativos às faturas das VTClog que possuía intenso relacionamento, vê-se agora, com Ferreira Dias. A transportadora é suspeita de irregularidades e de articulações vinculadas à comercialização de vacinas contra a Covid-19.

O homem que sabia demais, pelas vezes em que se defrontou com as caixas do banco, sacou um total de R$ 47,4 milhões, depositados em endereços relacionados a Ferreira Dias, e efetuou pagamentos de boletos resultantes de compromissos do ex-diretor. Convocado, como é claro, pela CPI do Senado, o ágil motoboy recorreu ao Supremo para não comparecer ou, se comparecesse, para manter-se em silêncio. Ivanildo não é acusado de nada, definiu o senador Omar Aziz, mas deixou o governo mal no episódio ao se esquivar de apenas confirmar o que as imagens da segurança do banco registraram.

RECURSO ABSURDO – Na minha opinião, pior ainda ficou o ministro Nunes Marques que acolheu o recurso absurdo de uma testemunha que assim se transforma em investigado e se coloca em posição antagônica às imagens captadas. Fácil agora para a CPI identificar em que contas foram lançados os boletos que levaram ao empate entre os saques e os depósitos.

Como se constata, a desordem em todos os sentidos era predominante no Ministério da Saúde. Do jantar em um shopping de Brasília às curvas da moto pilotada por Ivanildo, sombras vão se tornando cada vez mais nítidas à luz do sol. Como negar a evidência dos valores movimentados por Ivanildo, “o homem que sabia demais” de Hitchcock?

PRECATÓRIOS –  O Globo de ontem publicou reportagem de Manoel Ventura e Fernanda Trisotto focalizando um novo posicionamento assumido pelo Ministério da Economia em relação aos pagamentos dos precatórios que se acumularam há várias datas na Justiça Federal.

A proposta orçamentária para 2022 inclui a previsão desses pagamentos, como revelaram o Secretário Especial do Tesouro, Bruno Funchal, o Secretário do Orçamento, Ariosto Culau, e o secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, além de estudos da Secretaria de Gestão. Os técnicos da Fazenda levaram ao ministro Paulo Guedes um documento chamando atenção para a necessidade de emenda constitucional para parcelar os precatórios.

A respeito dos precatórios, revelou-me o ex-deputado Alexandre Farah,  os mesmos resultam de ações ajuizadas em 1989, portanto há 32 anos, e julgadas praticamente três anos depois. Assim, o tempo de espera pelo pagamento em média é de 29 anos. Muitos dos que ajuizaram ações, faleceram ao longo dessas três décadas.

HONORÁRIOS – Mas o caso não termina aí. Há a questão dos honorários dos advogados, em média 20% do total das causas. E existe também uma movimentação que ocorreu de alguns anos para cá por parte de escritórios especializados na compra de precatórios.

Os escritórios propunham em média um deságio de 30% que, somados aos honorários advocatícios dos titulares originários das ações, reduzem o valor dos precatórios à metade. Portanto, quando se fala em precatório, lembra Alexandre Farah, está se falando num tempo de espera colossal para que o governo cumpra sentenças judiciais contra as quais não pode mais recorrer. Esta é a versão efetiva das dívidas que o poder público acumula no país.

DESEMPREGO – Uma reportagem de Carolina Nalin, O Globo, com base no resultado de uma pesquisa por amostragem do IBGE, destaca que a taxa de desemprego no período de janeiro a março teria recuado 0,7%, caindo de 14,8 para 14,1 pontos. Teriam retornado ao mercado formal de trabalho  no período o total de 2,1 milhões de pessoas.

A meu ver, os números não encontram reflexo nos sintomas, porém é fácil conferir: basta ver se as receitas do INSS e do FGTS subiram no mesmo período. Mas a questão ainda não termina aí. É possível que 2,1 milhões de pessoas tenham sido readmitidas. Mas com que salários?

12 thoughts on “Ivanildo Gonçalves, o homem que sabia demais, passa a ser uma grande testemunha

    • È corrupção, roubalheira do nosso dinheiro que não acaba mais.
      Enquanto não tiver a Pena Capital para essa raça desgraçada maldita, vermes sanguessugas, morféticos lazarantos nada vai mudar..
      Vai continuar roubando mais e mais..

      Saudações Nitroglicerinas…

      abraços

  1. A sistemática, ou digamos rotina, de pagamentos de uma empresa de faturamento anual em volta de centenas de milhões, de deslocar um funcionário até uma agência bancária distante para lá descontar um cheque de alto valor e depois proceder ao pagamento de boletos referentes a despesas e cartões de crédito no mesmo guichê e em outras agências, tudo isso na era do DOC, TED, PIX, Código de Barras, Agendamento, etc., realmente não teria como justificar racionalmente, embora na área judiciária, nos argumentos de defesa caiba tudo, dependendo da categoria $$$ do acusado.
    A prática de corrupção no Governo Federal “onde não existe corrupção” é clara e cristalina e seria necessária outra Lavajato para apurar, julgar e condenar, ops! Esqueci que o Bolsocheio já mandou informar ao seu candidato ao STF, que não admite elogios àquela Operação.

    • Pegando um gancho na sua fala, Bolsonaro foi eleito com a promessa de acabar com a corrupção e dar apoio total a Lava Jato, tanto que chamou o xerife da operação, o juiz Sérgio Moro, para ocupar o Ministério da Justiça. Na primeira oportunidade fritou Moro. Era tudo mentira, hoje já se sabe, que as promessas eram todas furadas.
      Até os filhos estão enriquecendo a olhos vistos. Criticavam tanto o Lulinha, filho do LULA, afirmando que ganhava 5 mil no Jardim Zoológico de São Paulo e depois se tornou um bilionário.
      Não há interesse nacional, patriotismo e liberdade democrática nisso daí, que estamos presenciando. Puro cao, cascata, conversa para boi dormir.
      O Procurador do Power Pointer do horário nobre da Globo, o tal do Daltan, está caladinho, inerte. Mas, ele não era tão atuante nos governo s petistas? No governo Bolsonaro, com medo, não dá mais entrevistas, nem sei aonde está atuando profissionalmente.
      Moro pegou o avião e foi trabalhar nos EUA.
      Temos que aprender, que não existem super heróis, só santinhos do pau oco.

  2. NO GOVERNO BOLSONARO NÃO EXISTE CORRUPÇÃO!
    Esse ainda é o mote zurrado por jumentos bolsominions, contra fatos e evidencias infindáveis.Sá acredita quem é burro ou é muito bem pago por isso.

  3. Para os esquerdosonhos toda hora aparece uma testemunha bomba …..kkkkkkk

    Ivanildo Gonçalves, o homem que sabia demais, passa a ser uma grande testemunha…

    Hans River detonou os ptralhas só pra lembrar !

  4. Nem falem em criar operações como a lava-jato, no caso Operação Boleto, porque não vai dar em nada. Não chegamos a lugar nenhum com o Lula, quanto mais com a turma do tupiniquim Torquemada – Lula só tinha uma estrela (vermelha) mas o Jair Mussias tem uma galáxia na mente dos velhinhos da reserva remunerada.

Deixe um comentário para Espectro Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *