Jamais poderemos esquecer Roberto Jefferson e Marcos Valério

Antonio Fallavena

Como cidadão e brasileiro, ainda sem dupla nacionalidade, quero deixar aqui registrado, neste maravilhoso, necessário e incomparável espaço democrático, meus mais sinceros agradecimentos a dois brasileiros, as duas primeiras e importantíssimas figuras que, por escolhas diversas, estão nos proporcionando estes momentos que, precisamos acreditar, poderão limpar nossa alma e uma parte do lixo produzido em nosso país, desde sua descoberta.

Quem são eles? Roberto Jefferson e Marcos Valério. O primeiro, por ter aberto a boca, não importando suas razões pessoais. O segundo, por ter sido leal, defendido seus parceiros, assumindo grande parte dos pecados/crimes/punições suas e deles.

Ambos, devem servir-nos hoje, como exemplos. Roberto Jefferson mostrou o caminho da delação premiada, sem se beneficiar dela, e Marcos Valério mostra, com sua própria vida, como não se deve colocar “rabo” à serviço dos “amigos do alheio” da pátria amada.

DENTRO DA LEI

Nos últimos meses, diante do que ocorreu com os dois exemplos acima, um a um dos “engaiolados da LavaJato”, para não ter de passar pelas pedras de Roberto Jefferson/Marcos Valério, entregaram/entregarão outros, salvando-se da humilhação total.

O grande brasileiro Moro e outros cidadãos de verdade precisam continuar trabalhando dentro da lei, com firmeza, inteligência e incessantemente, até chegarem, definitiva e inquestionavelmente, aos chefes e comandantes supremos do maior roubo, da maior corrupção, do maior escárnio e crimes praticados contra um povo, cujos resultados serão, infelizmente, o legado às atuais e as próximas gerações.

Que a lição seja aprendida, rapidamente, por nós e por nossos filhos/netos. Assim, mais cedo e com menores sacrifícios o país será reconstruído.

16 thoughts on “Jamais poderemos esquecer Roberto Jefferson e Marcos Valério

  1. Insisto:

    Jefferson é aquele que só falou porque não recebeu tudo. Acreditando que o câncer iria matá-lo, abriu a suja boca. Só não entregou o guru Collor. Em meus bons tempos, usávamos um versinho para o alcaguete (alcaguete merece …). Não se usa mais, só se for a favor …

    Pela lógica exposta, deveríamos agradecer, pois, ao infame Dirceu por só ter pago 60% do que prometera a Jefferson. E ainda debochou, quando este chiou: “Vá reclamar com o bispo”. Sem o calote não haveria delação. Não é ?

    • Amigo
      Com a oposição que o PT teve até aqui, se não fosse uma “bomba” interna, uma implosão, talvez tudo o que hoje sabemos, ainda estivesse escondido e o rombo maior ainda.
      Jeferson fez parte do esquema, se beneficiou. Se não tivesse sido “enganado”, nem o câncer o faria falar. Ele jamais confirmará, mas o ódio que nutre por José Dirceu deve ser enorme.

        • Não Sou Babão, eu jamais faria tal comparação. Até porque Os dois lados comentados – Jeferson/Valério e aqueles que estão/serão presos são bandidos. No caso de Jesus, só Judas era bandido.
          Valeu.
          Abraço.

  2. Fallavena, meu amigo,
    O teu artigo é feito de verdades, que Jefferson e Valério não podem ser esquecidos com relação aos fatos da Petrobrás e julgamento dos acusados pela Operação Lava-Jato.
    Jefferson denunciou a maracutaia porque não recebeu o que havia sido combinado;
    Valério mostrou uma lealdade surpreendente com os petistas, porém ganhou como recompensa mais de 40 anos de prisão, e se não está arrependido de não ter feito a delação premiada, então é porque merece mesmo ficar preso pelo resto da vida!
    Dois dos expoentes do famigerado mensalão, cujo capítulo seguinte é o petrolão, que deverá ocasionar mais desdobramentos antes do epílogo desses episódios cheios de mistérios e crimes, BNDES, por exemplo, que estão servindo de parâmetros para os envolvidos de hoje no roubo à nossa maior estatal, a delação premiada ou ficar calado.
    A delação premiada tira o sono de muita gente, apavora, causa terror e taquicardia, se um dos acusados botar a boca no trombone e contar o que sabe, e com provas, mas tem o outro lado da moeda, que é a espera de possíveis retaliações ou vinganças!
    O silêncio não faz por menos, pois permanecer mais de vinte anos na cadeia é duro, ainda mais que nossas prisões não estão preparadas para receber ladrões de luxo, sofisticados, que roubaram bilhões e não tostões, como a maioria dos presidiários.
    Enfim, confirma-se o ditado que já o escrevi várias vezes:
    “Ninguém vive impunemente as delícias dos extremos”.
    Pois, agora, nossos ex-diretores da Petrobrás e presidentes e diretores de grandes corporações estão entre a cruz e a espada:
    Denunciamos ou nos calamos?!
    Se tiverem um pingo de remorso e dignidade, devem optar pela delação premiada, pois roubaram o País, os brasileiros; roubaram de seus parentes e amigos.
    Bom texto, Fallavena.
    Um abraço.

    • Amigo e guru Bendl
      Roberto Jeferson deflagou um processo de desconfiança entre os políticos. Isto é muito bom.
      Já Valério, marinheiro de primeira viagem, acreditou no papai noel (em vários barbudos e barbadas) e achou que sairia sem arranhões. Se pudesse voltar atrás, entregaria todos!
      Agora, depois de tudo vem ocorrendo, a base do governo se esboroa e os que se envolveram e são pegos “abrem o bico” ligeirinho.
      O carequinha da MP&B, trouxa e ingênuo, paga o pato, a galinha e a vaca.
      Ambos são exemplos e dão os caminhos a seguir.
      Obrigado por participares do comentário.
      Abraço fraterno e saudoso, com votos de saúde.

  3. Puxa vida, que legal, dois grandes brasileiros, uma levou uma bolada de 4 milhões na pasta 007 mamando nas tetas erárias desde os tempos do primo do marco aurélio, e o outro distribui dinheiro tanto para o pt e psdb, pp, pmdb,,,,,,……..
    Como costumo dizer á amigos, “o mundo de ponta cabeça”…eh1eh!eh
    VIVE LA FRANCE.!!!!!

    • É verdade Armando.
      E dize que tivemos de esperar a boa vontade de dois vigaristas para iniciarmos processo de limpeza no país.
      Enquanto isto, regiamente pagos, vereadores/deputados estaduais e federais/senadores, prefeito e governadores, todos lavados no pelos mesmos lava-jatos, calam e participam do jogo. Alguns até gritam, mas o tempo e a incúria quase geral, abafa-os.
      O vassourão tem de varrer todos os vigaristas para a cadeia. Não vale livrar alguns, por gostos pessoais ou cores partidárias.
      E tem de ser logo, rápido e com consciência.
      Afinal, cadeia foi feito para cumprir penas por crimes.

    • Grande Wagner
      Lamento o pouco tempo que me tem restado para ler, com atenção e reflexão plena, os artigos da nossa TI.
      Escrever, sempre exige tempo e momento certo.
      Agradeço sua leitura e comentário.
      Abraço e saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *