Janot atende a Temer e envia ao Supremo os 900 depoimentos da Odebrecht

Resultado de imagem para vazamento de delação charges

Charge do Baggi, reprodução do Jornal de Brasília

Eduardo Militão
Correio Braziliense

Cerca de 900 depoimentos em delação premiada de donos, executivos e ex-funcionários da Odebrecht, que fechou acordo de leniência com investigadores da Lava-Jato, estão sendo recebidos nesta segunda-feira pelo Supremo Tribunal Federal (STF), último dia de trabalho antes do recesso forense. As oitivas — gravadas em vídeo — são acompanhadas de anexos informativos, documentos, mensagens de e-mail, números de telefone e tudo o mais o que 77 delatores vinculados à empreiteira trouxeram para embasar confissões de crimes e denúncias contra outros participantes em irregularidades nos últimos anos.

Do que se viu até agora, não foram alvos somente o PMDB e o PT mas também legendas como PSDB, PTB, DEM, PP etc. A amplitude dos temas — e das contribuições financeiras que a Odebrecht fez ao longo de sua história recente — amedronta políticos e também empresários que podem ser descobertos na “parceria”. Governos no exterior, na África e na América Latina também estão sendo denunciados.

TRABALHO NO RECESSO – O mnistro-relator da Lava-Jato no Supremo, Teori Zavascki, que deve passar as festas de fim de ano no Rio Grande do Sul, conta com uma equipe de assessores e dois juízes instrutores para analisar o material vindo da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Se precisar de espaço físico e mais pessoal, poderá pedir à presidente do STF, Cármen Lúcia, que se colocou à disposição para cedê-los. Os auxiliares de Teori vão trabalhar durante o mês de janeiro, apesar do recesso no tribunal. Como ocorreu algumas vezes, é possível que o ministro homologue as colaborações premiadas antes de fevereiro, quando o STF volta à ativa. Mas essa antecipação tem um obstáculo. Interlocutores do magistrado ouvidos pelo Correio contam que ele tem reclamado de cansaço e da necessidade de tirar férias.

CONFISSÃO DE CRIMES – Pelo acordo fechado, a Odebrecht confessa crimes, presta informações, paga uma multa de R$ 6,8 bilhões em 20 anos para os governos do Brasil, EUA e Suíça, e obtém penas reduzidas para seus funcionários e sócios e a possibilidade de manter contratos com o poder público. Os executivos ainda pagarão multas individuais.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
O presidente Michel Temer e a ministra Grace Mendonça, da Advocacia-Geral da União, pediram duas coisas ao procurador-geral Janot – 1) Maior celeridade nas delações; 2) Anulação da delação em que houve vazamentos citando Temer. A primeira reivindicação está sendo atendida nesta segunda-feira, com a chegada ao Supremo de uma van com o resultado inicial das delações da Odebrecht (vídeos e transcrições de cerca de 900 depoimentos, provas e documentos anexados). Quanto à segunda solicitação, o procurador-geral não poderá cumpri-la por inexistência de base jurídica, fato que depõe contra os conhecimentos jurídicos do constitucionalista Michel Temer e da advogada Grace Mendonça, conforme foi comprovado aqui na Tribuna pelo ensaio do jurista Jorge Béja. (C.N.)

13 thoughts on “Janot atende a Temer e envia ao Supremo os 900 depoimentos da Odebrecht

  1. Com certeza ou o Janot, ou o STF vão anular todas as delações que vazaram. Isto já foi feito antes e vai acontecer agora. No país dos bandidos privilegiados o STF covarde e o Engavetador Geral não falham.

  2. A opinião do Itaú :

    Vazamentos depurados
    Brasil 19.12.16 08:51

    O Estadão está preocupado com o efeito dos depoimentos da Odebrecht sobre o governo e o Congresso Nacional:

    “A imprensa tem o dever de publicar o que apura, ainda mais quando se trata de tema tão explosivo. Mas a ânsia de levar bombásticas informações ao público não deve se sobrepor à obrigação ética que tem o jornalista de cuidar para que essas mesmas informações sejam devidamente depuradas”.

    E mais:

    “Considerando-se que ainda há mais de sete dezenas de depoimentos a serem vazados, obviamente para manter intactas as condições de temperatura e pressão da crise e, com isso, continuar desgastando o governo e o Congresso, cabe ressaltar a responsabilidade da imprensa nesse cenário”.

    A responsabilidade da imprensa é apurar, e não depurar.

    O desgaste do governo e do Congresso não deve entrar nos cálculos da imprensa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *