Janot está sendo omisso em relação a Dilma, diz Roberto Freire

Freire quer ver Dilma sendo investigada

Paulo de Tarso Lyra e  Julia Chaib
Correio Braziliense

A decisão do vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, de cobrar do Ministério Público Federal uma investigação sobre as contas da campanha de Dilma Rousseff à reeleição reacende um julgamento que estava em banho-maria na Corte. “O pedido de Gilmar Mendes reforça o argumento da oposição de que, em relação à presidente Dilma, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, está sendo omisso”, declarou o presidente nacional do PPS, deputado Roberto Freire (SP).

Há 10 dias, um pedido de vista do ministro Luiz Fux suspendeu o processo movido pelo PSDB para cassar a chapa da presidente e do vice-presidente Michel Temer pela suspeita de uso de recursos do Petrolão na campanha eleitoral. Os tucanos, ao lado das demais legendas de oposição ao governo, afirmaram que parte das doações para a campanha de Dilma vieram do dinheiro desviado pelo esquema de corrupção investigado na Operação Lava-Jato. As suspeitas foram reforçadas a partir do depoimento do presidente da UTC, Ricardo Pessoa, que disse ter sido pressionado a doar R$ 7,5 milhões para o então tesoureiro de Dilma, o ministro Edinho Silva (Secretaria de Comunicação).

DOIS PESOS, DUAS MEDIDAS

“Nós próprios já tínhamos pedido que Janot investigasse o caso. O governo comemora a denúncia contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, amparado em uma delação premiada (feita pelo executivo Júlio Camargo). Por que ele se recusa a investigar uma denúncia feita em uma delação premiada contra a presidente Dilma”?, questionou Freire.

“O argumento do procurador-geral é frágil, ao afirmar que um presidente só pode ser investigado por crime de responsabilidade no exercício do cargo. Mas as investigações podem começar agora e, quando a presidente deixar o mandato, quem sabe elas já estarão adiantadas”, ironizou Freire.

O presidente nacional do DEM, senador José Agripino (RN), lembra que, quando o próprio Mendes relatou as contas de campanha, no fim do ano passado, ele demonstrou preocupação com as suspeitas que pairavam sobre a prestação apresentada pelo PT ao TSE. “O processo foi votado e aprovado com ressalvas por unanimidade. O que ele (Mendes) está fazendo agora é em função das suspeitas que tinha no início da análise, e está pedindo o aprofundamento das investigações”, completou Agripino.

11 thoughts on “Janot está sendo omisso em relação a Dilma, diz Roberto Freire

  1. Parlamentar participou de evento com a presença de importantes lideranças do partido na região do Vale do Paraíba; segundo o deputado, a presidente da República ‘foi eleita pela manipulação’ e ‘mentiu à vontade’

    O deputado federal Roberto Freire (SP), presidente nacional do PPS, participou neste sábado (22) de um encontro regional do partido em Taubaté (SP), na região do Vale do Paraíba. Durante seu pronunciamento, o parlamentar afirmou que o país vem sofrendo com a ingovernabilidade e que o governo de Dilma Rousseff perdeu a legitimidade junto à população.

    “Dilma foi eleita pela manipulação. Mentiu à vontade. Não teve nenhum compromisso com um programa. O que a movia era apenas ganhar a eleição”, criticou Freire, sob muitos aplausos do público que lotou as dependências do auditório do Museu Mazzaropi. “O que nós estamos vendo no país é a total falta de legitimidade de um governo que mentiu e praticou o estelionato eleitoral.”

    Na avaliação do presidente do PPS, a alternativa do impeachment pode ser a solução para que o Brasil recupere a governabilidade. “Nos tempos de Lula e Dilma, para onde se aponta o dedo, explode a corrupção. Talvez o impeachment seja necessário, tal qual foi feito com Collor, na época com o apoio do PT”, lembrou o deputado. “O que cabe às forças políticas é agir de acordo com a Constituição. E a Constituição estabelece o instituto do impeachment.”

    Roberto Freire citou as manifestações realizadas em todo o país no último dia 16 de agosto como um exemplo de que a sociedade não se sente mais representada pelo atual governo. “A sociedade percebeu que não pode apenas ir para as ruas, mas deve também influenciar a vida política para que possamos resolver a crise”, sentenciou. “A manifestação teve um foco nacional e concreto, com o ‘Fora, Dilma’ generalizado. E surgiu também o ‘Fora, Lula’, até com um boneco irreverente e fardado de presidiário.”

    Segundo o deputado, a Operação Lava Jato “mostra que o Brasil promoveu um dos maiores escândalos de corrupção de toda a história”. “E as mazelas atuais não vêm de agora. Começaram lá atrás, inclusive com Lula, que é o principal responsável pela corrupção na Petrobras”, recordou Freire.

    Além do parlamentar, o encontro do PPS em Taubaté reuniu diversas lideranças políticas do partido e de toda a região. Entre elas, a vereadora Pollyana Gama, pré-candidata do PPS à Prefeitura de Taubaté, e o deputado estadual Davi Zaia, presidente estadual do PPS-SP, além do prefeito de Ilhabela (SP), Toninho Colucci (PPS).

  2. O deputado Roberto Freire, na vanguarda da oposição ao governo Dilma, está cheio de razão ao dizer que o PGR Rodrigo Janot está sendo omisso quanto à investigação de ilícitos da presidente Dilma Roussef. O argumento pseudo-jurídico que Rodrigo Janot vinha apresentando para não investigar Dilma, tergiversando sobre a Constituição e dizendo que a Carta Magna proíbe investigar o presidente da República em exercício cai por terra quando o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes – e o STF é o guardião da Constituição, pede a ele, Rodrigo janot que cumpra a sua obrigação e abra uma investigação sobre as contas de campanha de Dilma Roussef e Michel Temer.

    O pedido do ministro Gilmar Mendes desmascara o PGR Rodrigo Janot que se recusou a atender a petição do PPS de que investigasse Dilma Roussef . Janot usou um falso argumento para blindar a presidente, que poderia não indicá-lo para renovar o mandato de PGR. Mas isso não significa que ele possa deixar de cumprir o seu dever e que minta sobre a Constituição ou, mais ainda, que engavete petição tão séria que interessa a todos os brasileiros e tem a ver com o destino desta nação. Sabemos que janot, antes de fazer suas denúncias, esteve conversando com Dilma e com outros caciques do PT, o que o coloca em suspeição. Ele agora terá que investigar Dilma, mas quem garante que ele não irá levar meses ou até anos para fazer as diligências ?

    Em outras palavras, se os senadores estiverem atentos à prevaricação de Janot, deveria acontecer de sua indicação para um novo mandato na PGR ser rejeitado. A República precisa ter um PGR honesto.

  3. Vejam como as indicações de juízes e procuradores são suspeitas:

    Da revista “Veja“, em trecho de reportagem de Adriano Ceolin e Robson Bonin:

    ***

    “Na semana passada, antes de indicar o novo ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), o titular da Justiça, José Eduardo Cardozo, consultou Renan [Calheiros, presidente do Senado] sobre o nome de Marcelo Navarro Dantas. Estranho. O ministro da Justiça pedir a chancela de um investigado para nomear o juiz que pode julgar um processo de seu interesse amanhã é algo que passa longe de qualquer princípio republicano.”

  4. Esse comunista vivia de boquinhas do psdb, recebia 22 mil por mes para ser diretor da Sabesp.
    e quer apontar seu dedo sujo que enlameou no covil tucano, contra uma pessoa honrada, como é a Presidenta Dilma

    • Francisco de Assis,

      Você que diz que a “presidenta” Dilma é uma pessoa honrada e que o covil não é petista, mas sim tucano, defende o indefensável, que é um partido de ladrões, o PT e, sem argumentos, passa a atacar pessoas honradas, brasileiros exemplares como o deputado Roberto Freire. Roberto Freire nunca roubou, e trabalhou, sim, na SABESP num período que estava desempregado. Foi trabalho honesto e com publicação no Diário Oficial. A vida pública de Roberto Freire é de um enorme serviço ao Brasil e sempre foi democrática, com méritos, tendo começado por concurso público.

      Fique você com a canalha petista que você defende. Aliás, você declaradamente é um deles. Fique aí na companhia de Collor, Sarney, de José Dirceu, de João Vaccari Neto, de Delúbio Soares, de José Genoíno, Dilma, Lula, este bando de ladrões que assaltou a Petrobras e quebrou o Brasil. Por gente como você os brasileiros honestos estão sentindo asco ! Veja abaixo a biografia de Roberto Freire e compare-a com a do charlatão Lula Há um abismo entre eles. Enquanto Lula só trabalhou para ele mesmo e encheu os bolsos de dinheiro e seu currículo logo, logo, vai virar folha corrida da polícia, veja que Roberto Freire passou a vida trabalhando pela democracia e pelo Brasil. Quem tem covil são vocês, petistas imundos, e não os tucanos. Não há ninguém no PT que seja pessoa honrada. Leia e tome conhecimento do que é um brasileiro de verdade, o deputado Roberto Freire:

      Roberto Freire ingressou no serviço público no ano de 1967 após ser aprovado em primeiro lugar no curso para gerente de Cooperativa Integral de Reforma Agrária realizado pelo IBRA. Posteriormente, foi aprovado em concurso interno de ascensão funcional – instituto previsto na Constituição Brasileira da época – para o cargo de procurador autárquico do IBRA. Nota-se que análises recentes[4] questionam a plausibilidade de tal concurso, haja vista o contexto político (sob o AI-5 do general Médici, então o auge do recrudescimento da ditadura no Brasil) e o passado de esquerda e aliança com líderes como Francisco Julião. É procurador aposentado do INCRA, instituição que sucedeu ao IBRA.

      Participou pela primeira vez de uma eleição em 1972. Candidato a prefeito de Olinda pelo então MDB, foi o mais votado mas perdeu para a soma dos votos das duas sublegendas da ARENA.

      O primeiro mandato, de deputado estadual, foi conquistado em 1974 pelo MDB. Protagonizou vários embates na luta pela redemocratização, como quando foi o único parlamentar, em 1 de setembro de 1978, a subir a tribuna para contestar com energia a eleição de governadores e senadores biônicos[carece de fontes]. Por sua conduta combativa e de princípios, foi considerado pelos jornalistas do comitê da Assembleia como um dos mais destacados políticos da legislatura.

      A partir da experiência em Pernambuco, e considerado um dos expoentes da esquerda nordestina, Freire começa a sua carreira em nível nacional. É eleito para quatro mandatos sucessivos de deputado federal. Em 1994 elege-se senador e em 2002, volta à Câmara para o seu 5° mandato como deputado federal.

      Na Câmara dos Deputados foi vice-líder do MDB de Freitas Nobre e Ulisses Guimarães. Participou ativamente dos trabalhos das comissões – sobressaindo-se dentre elas a que tratou da Lei da Anistia. Tornou-se o líder do governo Itamar Franco, após a destituição de Collor.

      Como o líder da bancada do PPS no Senado, tornou-se referência na luta pela afirmação dos princípios republicanos, pela celebração de um novo pacto federativo e na defesa de políticas sólidas que garantam o desenvolvimento regional – com destaque para as regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste.

      Socialista, humanista e libertário por convicção, ao longo de seus já quase 28 anos de carreira pública ininterrupta, Freire se transformou em um dos símbolos, juntamente com tantos outros brasileiros, na luta pelo fim da ditadura e pela retomada da democracia. E nessa caminhada, sempre defendeu amplas alianças, criticava posturas de esquerdas excludentes, acreditava que a construção de um novo Brasil, obrigatoriamente, passa pelo exercício pleno da cidadania e a consolidação e ampliação da democracia. Freire sempre preconizou, nesta perspectiva, também a adoção de práticas de democracia direta – o plebiscito, o referendo e a iniciativa popular de lei, princípios consignados na Constituição, tiveram a sua participação emocionada e eficaz.

      Liderou, com Teotônio Vilela e outros, a campanha da Anistia. Visitou presídios, participou de debates e comícios e negociou diretamente a elaboração de leis que pudessem tirar das masmorras permitindo a volta ao país de centenas de brasileiros perseguidos ou desterrados pelo arbítrio. É por exemplo o principal articulador da obra Anistia, que registrou em definitivo para a história a luta pela reconciliação entre os brasileiros.

      Também participou na linha de frente pela conquista das Diretas Já, e com a sua derrota, enfrentando setores da esquerda equivocados, compreendeu com clareza a necessidade de se ir ao Colégio Eleitoral, elegendo Tancredo Neves/José Sarney e sepultando de vez o regime militar.

      Ainda no MDB, é artífice da crítica ao grupo de autênticos que, desiludidos com a possibilidade de superar o arbítrio, propugnavam pela dissolução do partido. Prevaleceu a visão de Freire, compartilhada por Ulisses Guimarães e outros líderes mais sensatos, de que o MDB se converteria em instrumento inigualável para derrotar a estratégia de abertura lenta, gradual e segura, propugnada por Geisel.

      Como um militante na ilegalidade do PCB e como o líder da grande frente emedebista, Freire esteve ao lado dos grandes movimentos democráticos vitoriosos do nosso povo no último quartel do século XX. Deu apoio e participou do processo de reconstrução das entidades estudantis livres e da UNE, esteve em todos os congressos que discutiram a criação de uma Central de trabalhadores, também frequentou intensamente os movimentos grevistas e sindicais dos trabalhadores, em Pernambuco, no ABC em São Paulo e em quase todos os estados brasileiros.

      Como líder do PCB, teve um papel destacado na Assembleia Constituinte. Nela, participou de articulações para se obter consensos, esteve entre os dez parlamentares que mais frequentaram o debate em Plenário, foi autor de mais de quinhentas propostas inseridas no texto constitucional, ajudou a resolver impasses quando conceituou o princípio da emenda aglutinada, incorporada posteriormente pelos regimentos das duas casas no Congresso e em outros legislativos brasileiros.

      Na Constituinte, Freire defendeu a definição da função social da propriedade privada; a liberdade religiosa, de pensamento e de informação; a ampliação dos direitos individuais, incluindo o de greve para trabalhadores da iniciativa privada e para os servidores; o acesso à saúde pública por meio da criação de fortalecimento do SUS; o fortalecimento das universidades públicas e o maior apoio à ciência e à tecnologia.

      Como deputado federal, destacou-se pela regularização da situação dos estrangeiros, empenhou-se na ampliação dos arcabouços legais para se ampliar a reforma agrária, apresentou projeto para se garantir as eleições diretas para os cargos de reitor e vice-reitor de universidades federais e outras instituições de terceiro grau mantidas pela União.

      Paralelamente às atividades parlamentares e institucionais, Freire escreveu o seu nome na história como um homem aberto a ideias novas. Compreendeu criticamente os erros praticados sob a esfera do chamado socialismo real e, com coragem, liderou com outros antigos líderes comunistas a travessia da velha tradição democrática do PCB à tradição renovada do PPS, criado em 1992. Em um cenário internacional e também interno, onde as forças conservadoras insistiam em proclamar o óbito do pensamento socialista, Freire sempre defendeu publicamente a possibilidade histórica de construção de novos paradigmas a partir da generosidade do socialismo.

      A visão de mundo Freire expôs em sua impactante campanha à presidência da República em uma chapa com o sanitarista Sérgio Arouca como candidato a vice em 1989, quando anunciou, antes de outros segmentos políticos, a antecipação do fim da era do aço e a emergência da era do conhecimento – paradigma para enfrentar a questão das privatizações em nossa economia. Superava a visão tradicional da esquerda marxista – os comunistas aí incluídos -, vaticinava o socialismo democrático, mostrava a inevitabilidade da globalização ao mesmo tempo em que defendia a afirmação, dentro dela, dos valores democráticos e humanistas e não os interesses do mercado como sempre quis o neoliberalismo.

      • Roberto Freire nunca trabalhou, tanto que quando Pernambuco baniu-o da politica,não sabia oque fazer, acostumado com a vida tucano comunista de “dolce vita far niente”. Agora em falar de honra na casa tucana, temque explicar os escandalos da Petrobras sim, primeiro adenuncia de Paulo Francis de que os diretores da Petrobras tinham mais dinheirodepositado na Suiça que os sheiks arabes, (ladroes da epoca que estava desaparecendo o dinheiro das privatizações nos limites da responsabilidade.Explique em segundo lugar por que esses diretores ladroes abriram as contas na Suiça em 1997,1998 e 1999. Da para entender por que a sua sucia trouxe o PIB do Brasil para o 16º lugar tudo dentro dos limites da irresponsabilidade.Lula deveria ter feito como FHC, nomear Procurador de sua confiança, não o Antonio Fernandes que hoje é defensor do Eduardo Achacador Cunha, novo heroi tucano, substitui o Roberto Jeferson.Os tucanos sim são os grandes criminosos ,no minimo deveriam ser acusados de Lesa Patrias. Ja imaginou se Lula tivesse uma amante, morando na Espanha paga por empresas particulares, ou um filho çpostiço estudando nos Estados Unidos custeado por dezenas de milhares de dolares por empresas particulares, alem de organizar essa sucia desorganizou a economia brasileira. Conta como sumiu o dinheiro das Privatizações, so foram 100 bilhoes de dolares. Não sou petista nem nunca fui.

  5. Ora, o MAV voltou! Seja bem-vindo!
    Pois é Francisco (se esse for mesmo seu nome), você poderia nos explicar como é que ainda tens coragem de defender essa corja petralha e hipócrita que nos rouba diariamente, mentiu deslavadamente na campanha, rouba dos aposentados, assalta os fundos de pensão, enfim, se fosse enumerar tudo que essa quadrilha liderada pelo molusco de nove dedos, aquele que fala mal das elites mas passa o réveillon na mansão de um empresário dos planos de saúde se refelestando no iate do camarada juntamente com a esposa – não a amante rose – e que tem uma “relação” com empreiteiros sujos, enfim, se fosse enumerar tudo não haveria espaço aqui. Como você pode defender uma incompetentA, arrogante, que até muda o léxico para ser chamada de “presidenta” e que acabou com o país? Honrada? Essa coisa não sabe o que é honra. Ah, sim: na sua explicação não vem com essa papo furado de fhc não, tá? Isso já está batido demais, arruma outra desculpa. Grato.

    • Voces querem os tucanos e o FMI de volta?
      Fica dificil,pois o brasileiro esta descontente com a Dilma, mas aceita qualquer um no governo, menos o malandros dos limites da irresponsabilidade. Hoje temos 370 bilhoes de dolares em reservas HUM TRILHÃO, quatrocentos bilhoes de dolares. Quatro vezes mais que o dinheiro desaparecido das Privatizações, eDoze vezes mais, ou 1200% mais que as reservas de FHC, mesmo com as Privatizações. Trouxa gosta de acreditar em jornalistas golpistas, ou comprados com o dinheiro das privatizações.

  6. Folha de S. Paulo de hoje, 25.8.2015

    A seção de São Paulo da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) cancelou em sessão secreta a inscrição do ex-ministro José Dirceu por causa de sua condenação no mensalão. Os conselheiros da OAB paulista consideram que Dirceu não tem idoneidade para advogar, um dos requisitos básicos da profissão, de acordo com o Estatuto da Advocacia.

  7. Só as doações feitas ao PT estão sob suspeita de origem duvidosa. Essas mesmas empresas
    fizeram doações ao PSDB, PSB, PMDB, DEM e peduricalhos, os recursos a eles destinados devem ter vindo do Céu através da Santa Sé. Gilmar Mendes é mais surreal do que Picasso e
    Salvador Dali juntos. Só rindo para não chorar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *