Jereissati tem sonhos e esperanças, mas está com muitos medos, do passado, presente e futuro

Em 2001, governador, faliu o Banco do Ceará. Foi processado. Em 2002, eleito senador, o processo foi engavetado, não se movimentou até hoje, quase 7 anos. Isso no Supremo.

Seu mandato acaba em 2010, junto com a ex-do Ciro (ela não se reelege, deve ser candidata a deputado), corre perigo. Daí a fúria sanguinária contra a Petrobras. Esta é a sua alavanca eleitoral, mas os adversários são a prefeita (reeeleita) Luizianne Lins e o ex-Ministro Eunício Oliveira.

Há também o componente do ódio. (Guardado no freezer, como dia Tancredo Neves). O ocupante de uma das mais importantes diretorias da Petrobras (a Transpetro) é Sergio Machado, ex-amigo e ex-senador, agora irreconciliáveis.

Sergio machado foi indicado para essa poderosa Transpetro pelo senador Renan Calheiros. E apesar de toda a reviravolta que houve na Petrobras e no Senado, o indicado de Renan continua cada vez mais forte e intocado.

Esse prestígio do ex-amigo, Jereissati não pode suportar. Houve um tempo em que no Ceará existia um trio invencível, que dominava o estado do ponto de vista municipal, estadual e federal: Jereissati – Ciro Gomes – Sergio Machado. Os três intocáveis, invencíveis, irrefutáveis. Ciro foi governador, Jereissati governador, quando chegou a vez de Sergio ser governador, os dois se voltaram contra ele.

Não só não foi governador, como não teve legenda para se reeleger no Senado, seu mandato acabou. Foi apadrinhado, protegido e amparado por Renan Calheiros.

Jereissati sempre desejou a glória, o pedestal, achava que tinha direitos aos seus quinze minutos de fama, mas não só não sabia como reivindicá-los, como não tinha a menor idéia de quem fosse Andy Warhol e o que representava.

No Ceará, ninguém sabia quem era Tasso Jereissati, todos conheciam e admiravam Edson Queiroz. E a única hipótese do “rei do gás” admiti-lo foi como aconteceu, sobre isso não tinha o menor controle.

Edson Queiroz viveu pouco, um desastre de avião. Se tivesse vivido mais tempo, teria constatado que nada era a sua intuição e observação e sim realidade pressentida. Jereissati é um desastre, embora se julgue cada vez mais homem insubstituível quando é apenas insuportável.

Jereissati hoje é um homem dominado pelo medo. Do processo no Supremo, pela falência do Banco do Estado do Ceará. (Apesar da força que o Ministro Gilmar fez para alertá-lo, chegando a se arriscar indo ao Ceará e se hospedando no hotel luxuoso da família-empresa).

Teve medo do processo no qual tentava salvar Jereissati pessoal, com a firma da qual Jereissati era o maior acionista. Teve sorte. O relator, Joaquim Barbosa, depois de massacrá-lo, mandou arquivar o processo.

*  *  *

PS- Tem medo que a Petrobras ou a Petrobras pré-sal mergulhem-no na profundidade em que sabem que ele também tem grande conhecimento, só que é uma profundidade pessoal e intransferível.

PS2- Finalmente, tem medo que Sergio Machado venha a ser testemunha, provocando o último e o mais terrível de seus medos: a perda do mandato e o mergulho no ostracismo do qual jamais saiu. Embora pense (?) rigorosamente o contrário.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *