Joe Biden ou Donald Trump? Sem pestanejar, se fosse americano, votaria no democrata Biden

Internet trolls redirect strange sites to Trump, Biden campaign pages

Ilustração reproduzida do New York Post

Roberto NasciAmento

Assisti ao discurso do ex-presidente Barack Obama, na Pensilvânia. Como sempre, empolgando os eleitores com seu carisma fenomenal. Hoje é o maior tribuno da América. Atacou o tempo todo o ogro Trump. Disse que o presidente-empresário só pensa nele, nos seus empreendimentos e nos seus amigos. Afirmou que Trump é desumano e que não tratou como deveria os infectados com o coronavirus, pois os EUA tiveram o maior número de vítimas, seguidos pelo Brasil.

A propósito, o discurso de Barack Obama cabe como uma luva no nosso presidente tupiniquim. Vive num reality show permanente, é garoto propaganda da cloroquina, não gosta da China, é negacionista, anticiência, contra a preservação do meio ambiente, favorece os amigos e familiares, enquanto o desemprego cresce sem parar. Por fim, persegue a reeleição como objetivo de vida. Qualquer semelhança é mera coincidência.

SUBMISSÃO AOS EUA – Os americanos agradecem, pois estamos atrelados a eles até o pescoço e, com isso, corremos o risco de isolamento no mercado internacional. Nossa diplomacia, tosca e a reboque dos americanos, atua em detrimento dos interesses brasileiros.

A casa de Rio Branco sempre foi pragmática e voltada para a diplomacia global, negociando os interesses do país com todos os atores do mundo, mas agora o atual chanceler quer nos transformar em “pária” do mundo.

Caminhando na trilha geopolítica do Paulo Guedes, de país pequeno e restrito a economia americana, o Brasil perderá fatias significativas do mercado europeu e chinês. Isso é patriotismo? Ou será entreguismo?

EXEMPLO DOS EUA – Os americanos pregam a liberdade internamente, mas aceitam a opressão nos outros países, principalmente os amigos, como a Arábia Saudita, por exemplo. Mas são contrários à opressão no Irã ou na Venezuela. Em relação a China, quedam-se inertes em relação à violência dos chineses contra Hong Kong.

Hoje até os americanos estão sofrendo com a opressão aos negros e latinos, fato que evidencia a falta de liberdade na sua própria terra, embora tenham até um símbolo em Nova York, a Estátua da Liberdade. Mas na prática são injustos com seus cidadãos e principalmente com o mundo.

PROTAGONISMO DO BRASIL – Todos sabem que os americanos consideram o Brasil e a América Latina como o quintal da América. Por isso, sem a menor dúvida, os EUA se incomodaram com o protagonismo do Brasil na América Latina e na África, na política externa dos governos do PT. Isso é uma realidade incontestável. Trata-se de ordem geopolítica. Henry Kissinger, o poderoso Secretário de Estado de Nixon, costumava advertir: “Não podemos ter um Japão na América Latina”.

A Amazônia é do Brasil ou vamos abrir mão da nossa soberania para os americanos explorarem aquela gigantesca riqueza natural? Foi isso que Bolsonaro disse textualmente ao ex-vice-presidente Al Gore, lembram-se? Está gravado.

Com a palavra os verdadeiros patriotas. Os que só falam de patriotismo da boca para fora, como determinados militares que apoiam a política externa de Bolsonaro, é melhor que fiquem calados.

42 thoughts on “Joe Biden ou Donald Trump? Sem pestanejar, se fosse americano, votaria no democrata Biden

  1. Sei não. Para nós brasileiros com Bolsonaro no comando o mais provável é que se o Binden vencer, JB irá lá para arriar as calçasais ainda.

    • Ronaldo, provavelmente, o presidente brasileiro irá mudar o discurso e se adaptar a nova realidade. Docemente constrangido, mas, vai se encontrar com Biden. Se perder a eleição, Trump será apenas um retrato na parede e nada mais.
      Vai cuidar das suas empresas em dificuldades, ministrar palestras engraçadas mundo a fora, a peso de ouro e depois será esquecido.
      Fora do Poder, valem muito pouco. Alguns morrem de tristeza, pelo ostracismo.

  2. Gregório, Data Vênia, rir de que? A coisa é seria demais para gargalhada.
    Você concorda com o Trump? Então, exponha suas ideias, para que possamos debater. Desse jeito não dá, nem para contestar e apimentar a controversa sadia.

  3. O Trump não é amigo do Brasil. Ele taxou recentemente as exportações de alumínio do Brasil para os EUA. Proibiu a entrada de brasileiros nos aeroportos americanos, sob a justificativa de contaminação generalizada. Não quer que o país tenha bomba atômica. Proibiu o governo de comprar a tecnologia 5 G da CHINA, mais barata e eficiente. São nossos concorrentes na produção agrícola e colocam barreiras as nossas exportações para lá. Se não fossem as importações maciças de CHINA, nossa produção agrícola ficaria encalhada.
    Tem lógica então, atacar e fustigar quem compra da gente, e bajular nosso principal competidor?
    É se pensarem assim, o mundo estará mesmo de cabeça para baixo.

  4. Existe no Brasil, em significativa proporção, os saudosistas e críticos do PT,que felizmente vem diminuindo, conforme escreveu hoje no O Globo, o jornalista Ascânio Selene, a respeito do refluxo de apoiadores de Bolsonaro.
    Quando abundam críticas ao governo, vem logo nas redes escrevendo sobre Lula e o PT. É uma válvula de escape. Como não conseguem fazer a defesa, partem para o ataque ao adversário, para desviar o foco. O PT deixou o poder em 2016, lá se vão quatro anos, caminhando para cinco.
    A situação econômica do país piorou, as Privatizações vão de vento em popa, a violência nas cidades continua a mesma, a Lava Jato está sendo destruída, Moro e Mandetta foram escorraçados e humilhados, a censura as pessoas e empregados/ servidores públicos cresce sem parar. Tudo isso não é considerado, os cegos não esquecem o PT. Perda de tempo, pois os erros do PT, grandes por final, deixaram o povo com um pé atrás com eles, tanto, que os candidatos petistas estão disputando o final da tabela nesta eleição. O de São Paulo, Gilmar Tato está com Um por cento nas pesquisas.
    No Rio, Benedita entrou para fazer figuração e saldo eleitoral há disputa para deputada federal em 2022. Não ganha em hipótese nenhuma.
    É isso.

  5. Só não sei em que Biden seria melhor para o Brasil. Aliás o que vai mudar, além do estilo retórico? Qualquer governo americano irá querer mandar no Brasil, irá hostilizar a Rússia, a China, o Irã, e perseguir obsessivamente manter o mundo sob sua hegemonia.

    Se fosse americano, não me daria o trabalho de votar em quer que fosse, o voto lá não é obrigatório, e as eleições presidenciais se tornaram uma palhaçada cara e odienta, que só tem servido para acirrar ódios, onde a grande maioria da população acaba sendo alijada, e instigada eleger o “menos ruim”, depois que as opções mais interessantes são descartadas pela mídia e pelas lideranças partidárias. Bernie Sanders foi sabotado em 2016 e 2020. Aliás os líderes democratas são mestres em sabotar candidatos populares, desde Jesse Jackson até Sanders, e impor candidato sérios, “elegíveis”, que vão garantir o sistema. Vote em Biden, vote em Hillary Clinton, em Al Gore, em John Kerry. A política americana belicista teria continuado a mesma com qualquer um desses aí, apenas com mais “competência” (pelo menos no dizer da mídia). E isso seria mesmo uma coisa boa?

    • Pedro, entre nações não têm amigos apenas interesses, e o que pesa são os econômicos.
      Sobre a ” liderança” de Trump, os negócios econômicos foram desfavoráveis ao Brasil. Para nós, que amamos a nossa terra, o Trump em nada ajudou, pelo contrário. A Balança Comercial é desfavorável para nós. Afinal, temos sempre que escolher o menos pior.

      • O fato de Trump ter sido ruim para os negócios do Brasil não significa que Biden vá ser melhor. Questões de simpatias pessoais ou ideológicas não são muito relevantes nesse sentido. O próprio Lula chegou a dizer que se entendia melhor com George W. Bush que com Obama, apesar da famosa história de “o cara”.

        Como você disse, nações não tem amigos, só interesses, e os dos americanos não irão mudar, e o Brasil não tem a força econômica ou militar da China.

  6. Joe Biden não tem a mínima chance. Menos ainda agora que apreenderam o laptop do Biden Junior e descobriram crimes em série.

      • Hillary Clinton também liderava as pesquisas em 2016. Só vai se saber o resultado depois da apuração, da confusão das recontagens e impugnações, e de estabelecer a composição do colégio eleitoral. E ao que tudo indica, não importa quem seja o vencedor, será permanentemente impugnado sob acusações de manipulações de um tipo ou outro.

          • O que eu comentei não tem a ver com a personalidade grosseira de Trump. Estou falando das polêmicas infindáveis da eleição americana de 2016, das recontagens de votos no Michigan, Wisconsin e Pensilvânia, e das campanhas como a dos chamados “Hamilton electors”, para tentar impedir a confirmação de Trump pelo Colégio eleitoral, chegando até a apelar que os membros deste, se não quisessem Hillary Clinton, votassem em John Kasich ou algum outro, o que seria algo inédito na história americana. Kasich, que agora apóia Biden, recusou participar desse movimento para fazê-lo presidente “biônico”.

        • Eliel, as fakenews são a especialidade de Trump. Steve Bannon da empresa Analytica foi o responsável por disparar centenas de milhões de mentiras sobre a Hilary Clinton nas redes sociais americanas.
          Vencida a batalha eleitoral, Trump demitiu Bannon. Se livrou de um picareta, que trabalhou aqui na vitória do bolsonarismo.As fake são um mecanismo, que distorce o processo eleitoral.
          Pode ser, que a torrente de mentiras vença novamente. Será pior para os americanos,
          ter que aturar esse tosco por mais quatro anos.

    • Errou Eliel. O candidato é o Biden e não o filho. Voce é tendencioso e injusto, pois deixou de citar o envolvimento dos hackers russos e o filho de Trump na trama para derrotar Hillary no tapetão. Ela teve 3 milhões de votos a mais e perdeu no Colégio Eleitoral. Leia mais, meu caro Eliel.

  7. Desses americanos só quero jazz, blues, pop e nba – já que o futebol de hoje está cada vez mais chato, embora a Globo não ache.

  8. Está mais do que explícito que o articulista é um obsedado antiamericanista, dizer que Barack Obama é o maior orador da America é inacreditável. Ele fala para as esquerdas como, também, falam nossos esquerdistas, os mesmos chavões, a mesma cantilena retrógrada, os mesmos livros da Escola de Frankfurt a mesma doutrinação nefasta e nefanda da juventude brasileira.
    Sugestão: abandonem esses autores a quem me referi , que se escafederam do terror nazista, com razão, se homiziaram na America e ali passaram a cuspir (escarrar) no prato que os alimentavam e leiam um livro, só um, para começar: A obsessão antiamericana de Jean François Revel.

    • Sou brasileiro nato e tenho amor a pátria. Não tenho nada contra americanos, russos, chineses, nada contra nenhum povo. Crítico governos. Minha opinião não mudo, Obama foi e é sensacional.
      Respeito sua opinião, mas, estamos em campos opostos pelo vértice.

  9. Como ousamos criticar a maior democracia do mundo?
    Nós somos um povo idiota, completamente idiota.
    Nós somos o Foro de São Paulo.
    Nós somos Luladrão livre.
    Nós somos os Arruinaldos Azevedos.
    Nós somos cuecões cheio de dollarres.
    Nós somos a constituição de 250 artigos , 240 ADCT’s e mais de cem emendas em 32 anos.
    Nós somos o Amigo do Amigo do meu pão, o Batoré o Botafogo.
    Nós somos Sarney, Collor, FHC, Luladrão, a Anta o Vampiro.
    Nós somos a Retroescavadeira.
    Nós somos o Sapao Gilmar o polenta de São Bernardo.
    Nós somos a ministra com anéis nos polegares.
    O Trump indicou três juízes para a Corte Americana. Todos foram investigados, sabatinados de verdade.
    Aqui todos os corruptos votaram no IDIOTA CORRUPTO FALSIFICADOR DE BIOGRAFIA.
    Saiu o Celso de Merda entrou a altura o Kassio Merda.
    Não vou falar de dados ecônomo porque demandaria muito tempo.
    Mas só uma observação a tão amada China pode nos demolir completamente, ela está comprando todas nossa agricultura, como dizia o Brizola comendo o Brasil pelas beiradas.
    Esse com eleição de dois em dois anos jamais terá solução.
    Esse país só tem uma chance só uma: tem que uma revolução com milhares milhões de mortes, para poder se libertar desse povo imbecil que somos há mais de 520 anos.
    Ah país vagabundo.

    • Você está muito pessimista Gregório, vamos com calma.
      O Brasil não é diferente de nenhum país do mundo. Todos têm casos de corrupção, uns mais outros menos.
      E olhe que já avançamos bastante. Antes do Mensalão, ninguém da elite amargou uma cadeia em Bangu 8. Hoje, um governador está lá.
      Os EUA já foram um exemplo de democracia. Não é mais, sob Trump.
      Que democracia é essa, que acoberta ditadores sanguinários amigos da América e financia golpes de Estado em países que contrariam seus interesses econômicos?
      Eles armam mercenários, financiam greves, o exemplo maior foram as Ditaduras do Cone Sul, apoiadas pela CIA.
      A queda de João Goulart em 1964, foi orquestrada na embaixada Americana.
      Outro exemplo foi a destruição da Líbia com apoio das potências européias (França, Inglaterra e Holanda). Muanar Kaddafi foi assassinado cruelmente no deserto entre a Líbia e o Sudão.
      Se não fizer o que eles querem, algo acontece e não é presente de Natal.

      • Esses são os pecados da matriz USA desde muito antes de Trump, e que irão continuar muito depois dele.
        A queda de Goulart, a destruição da Líbia ocorreram sob a égide de presidências americanas democratas.
        O Xá Reza Pahlevi foi um ditador adulado tanto por republicanos como por democratas.

        • Tens razão Pedro. No de João Goulart o presidente era Kenedy e no de Kaddafi, o presidente era Obama.
          A política do império independe de Partidos no Poder. Qualquer um, faz o que é preciso para a garantia da hegemonia.

  10. Aplaudo, como sempre, os excelentes artigos e comentários de Roberto Nascimento.
    Eu o admiro e respeito porque é corajoso na exposição de suas ideias.
    Suas posições são firmes, e suas convicções inabaláveis, e assim devem ser aqueles que acreditam na sua visão de mundo, na sua ótica da relação Brasil e demais nações, mas principalmente com os americanos.

    Se fosse para escolher entre Biden e Trump eu anularia o voto.
    Se é para o nosso país não ficar mais prejudicado e lesado ainda, que vença Trump.
    Trata-se do que penso, imagino, considero.

    Tanto um quanto o outro americano, a ordem que eles possuem é de dominar o planeta, e subjugar os demais países.

    Por essas ironias do destino quando os soviéticos foram invadidos pelos nazistas, e os Estados Unidos ajudaram aquela nação para enfrentar até então o imbatível exército alemão, no fim da Segunda Guerra o mundo foi dividido entre capitalistas e comunistas.

    Pois foi essa nova guerra, agora ideológica, que a União Soviética à época freou o império do Tio Sam, e foram os americanos que impediram a expansão soviética.

    Nesse meio tempo, onde a guerra fria paralisou a águia e o urso em torno de si mesmos, a China vinha se preparando para crescer, inapelável e poderosamente.
    Hoje, os chineses são o fiel da balança entre Rússia e Estados Unidos, pois ambos usam os países aliados como se fossem peças no xadrez de seus interesses e conveniências.

    A China fez diferente, com mais inteligência, sagacidade, esperteza e perspicácia:
    Tomou conta do planeta com a sua produção imbatível, demonstrando o seu poderio extraordinário, tanto econômica quanto militar, ciência e tecnologia, com a pandemia.

    Enquanto o mundo acusa quase 1 milhão e 200 mil mortos, americanos 230 mil, russos indo para 20 mil óbitos, a China apenas registra 4 mil chineses que pereceram com o vírus.
    Se verdade ou não, a realidade das mortes nas demais nações é incontestável.

    Dito isso, o Brasil como uma das peças desse xadrez, cujo tabuleiro é a América Latina, vença quem vencer nos Estados Unidos e continuaremos de pires na mão mendigando, pedindo esmolas, mostrando que somos mesmo inferiores.

    Por uma questão ideológica, Bolsonaro vai pender sempre para o lado americano.
    Além de terem sido importantes quando Jango foi alijado do poder, as nossas relações comerciais sempre foram boas, desde que o Tio Sam decidisse o que iria comprar e pelo preço que quisesse.

    Lula, inegavelmente, ampliou o comércio com o exterior, a ponto que incluiu o Brasil no grupo dos cinco maiores países emergentes:
    China, Rússia, África do Sul, Índia e Brasil, cujo PIB atingia 22% da economia global em 2006!

    A vitória de Bolsonaro imediatamente nos trouxe problemas nessa área com os chineses e russos, pois a meta do atual presidente é aproximar-se mais ainda dos Estados Unidos, um erro crasso de Bolsonaro porque continuaremos ser colônia como no passado. Se, antes com Portugal, agora com os americanos nos comandando, explorando e determinando como devemos ser e agir.

    Mais uma vez os chineses deram um show para o mundo e para Tio Sam, quando perceberam a intenção americana com relação ao resto do continente americano, e investiram pesadamente na Venezuela, impedindo a invasão daquele país e domínio da Amazônia!

    Os russos não ficaram para trás, e se tornaram o maior comprador do petróleo venezuelano.

    Resultado:
    Entre o mar e o rochedo quem sofre é o marisco, e é essa a situação brasileira.

    Se não temos como ser independentes, conforme propõe Nascimento, pelo menos nossos parceiros comerciais compensariam os americanos se diminuíssem suas aquisições conosco.
    No entanto, que fim levou o BRIC?
    Rússia, Brasil, China … sabem que o comércio mundial é através da moeda … americana.
    Os caras ainda mandam no mundo.
    Qualquer alta ou baixa no dólar e a catástrofe é imediata.

    Logo, países na condição do Brasil não podem ser aliados de uma só grande potência, como quer Bolsonaro.
    Se somos garçons do mundo, temos de servir a todos que frequentam nosso restaurante:
    Russos, chineses, americanos, árabes, judeus, turcos, italianos, franceses, alemães, japoneses, escandinavos, e até nossos vizinhos sul-americanos.

    Finalizando, quanto à nossa soberania sobre a Amazônia, o Brasil vem perdendo partes daquela região há tempo.
    Mineradoras, terras vendidas para estrangeiros, ONG, demarcação de terras indígenas, falta de cuidados, grileiros, desmatamentos, queimadas … se o Brasil tiver 30% exclusivamente da região é muito!

    Há muita discussão, bate-boca, mas apenas no papel, no papo furado.
    Tivesse mesmo o nosso país interessado na Amazônia, e resolver as questões pendentes que são inúmeras e graves, até o governo federal deveria se transferir para Manaus ou Belém ou Macapá ou Porto Velho!
    Agora, querer dizer que controla a região de Brasília, 4.000 km de distância, é ofensivo ao povo.

    Excelente o teu artigo, Nascimento.

    Abração.
    Saúde e paz.

    • Seu comentário foi direto para SPAM (propaganda indevida), por você ter escrito “Bahá’U’Llhá (mentor da N.O.M.)”. Sempre que aparece algo incompreensível, o programa do Blog exclui o comentário, automaticamente, como se estivesse escrito em russo ou mandarim.

      Quando repetiu o post, sem incluir essa sumidade chamada Bahá’U’Llhá (mentor da N.O.M.), o comentário foi aceito normalmente.

      Espero que você dê suas opiniões como os demais comentaristas, sem tentar impor suas verdades.

      Abs.
      CN

      • Prezado Calos Newton!

        Uma das qualidades que você demonstrava era a diplomacia.
        Pelo visto,está restrita a outros comentaristas,não a mim.

        Passei anos sem comentar na TDI (apesar da leitura diária),e você me diz: “Espero que você dê suas opiniões como os outros comentaristas,sem tentar impor suas verdades”. Pode?

        Sugestão: Complementa o título da TDI: Tribuna da Internet – sob o signo da liberdade de expressão pró esquerdismo.

        Satisfeito?

        • Fiquei contente com sua volta, Germani, mas noto que você está tomando uma posição agressiva, no sentido de tentar impor suas verdades sobre a Nova Ordem Mundial. Sempre respeitei sua opinião e continuo respeitando, mas esse ímpeto de tentar convencer os demais é completamente fora de propósito. Aqui se respeita a opinião dos outros, a quase totalidade dos comentaristas entende essa necessidade, cujo nome é democracia.

          Seja realmente benvindo e vamos trocar opiniões, mas sem imposição, pois ninguém é dono da verdade.

          Forte abraço,

          CN

  11. Caro Roberto Nascimento!
    Vou resumir o meu comentário que não foi postado.
    Li com atenção seu artigo e faço as seguintes ponderações:
    1) OBAMA-trata-se de um farsante esquerdista que foi “doutrinado” pelo comunista Saul Alinski. (que propalou o comunismo nos EUA).Os Clintons,também.
    2) TRUMP- a eleição dele em 2016,impediu que a insana e satânica Nova Ordem Mundial (governo único ditatorial e totalitário mundial-leia-se China) se consolidasse.
    3 ) HILLARY CLINTON-A meta dessa comunista era a destruição política,econômica,social,militar,(…),dos EUA.
    4) BIDEN-Trata-se da escória humana e política,que além de ser pedófilo,corrupto,está no bolso da China.
    PS-Biden,já esta´quase gagá,imagine a comuna Harris no poder?
    5) BOLSONARO ZERO ZERO- Um ator perfeito.
    Como é um preguiçoso nato,tem projeto de poder pessoal/familiar e não projeto de nação.
    Durante 28 anos como parlamentar,a preguiça e o oportunismo peculiar não teve qualquer interesse em projeto de nação.
    (..)
    Caro Roberto! Certamente você não quer ser “homem-massa” (vide Ortega Y Gasset – Rebelião das Massas),mas ao endossar a fraude humana e política de Biden,está,equivocadamente,no grupo
    pró Nova Ordem Mundial.
    PS2-O vírus Chinês (fabricado em laboratório) teve como objetivo único implodir a reeleição de Trump.
    PS3-Não dará certo.PS4- só verificar vídeos dos comícios de Trump pelo país e registrar as multidões que o apoiam ( o que quase toda a mídia e grande imprensa omite).
    PS4-Uma eventual vitória (que não ocorrerá) de Biden,seria o fim da nação americana.
    (..)
    Resumo da ópera: Trump é a única alternativa para bloquear a insana e satânica Nova Ordem Mundial.
    Quem viver verá!

    • Não concordo em primeiro lugar, que Barack Obama seja um farsante nem esquerdista. Se fosse de esquerda não teria sido o presidente da maior nação capitalista do mundo, a segunda é a China.
      Esse negócio de teoria da conspiração, Nova Ordem Mundial, Iluminar, etc… Só serve para confundir e desorientar as pessoas.
      Sobre o candidato Biden, não tenho elementos faticos para julgar seu prontuário médico. Por outro lado, percebo certa confusão na cabeça de Trump e suas fake news diárias. Mente tanto, que se enrola mas próprias mentiras, além de ser contra a ciência. Quer mais?
      Sobre o item 5, a única concordância até o terceiro parágrafo.
      Sobre o Coronavirus, nada foi provado em relação as acusações de que os chineses fabricaram para prejudicar a população mundial. Dou um detalhe. A CHINA precisa dos consumidores, sua economia vai bem, de vento em popa, não há lógica nessa acusação.
      O mundo está polarizado, nos EUA e aqui também, então sempre haverá apoiadores de um lado e de outro. Ainda bem, que não existe pensamento único.
      Por fim, caro Germano, atingi um estágio na vida, tal, que faço as minhas escolhas de leitura. Agradeço a recomendação do Livro a Rebelião das Massas, mas, não terei tempo de ler, pois há outros livros na fila, como a Ilíada de Homero.

      • Roberto!

        Sem querer polemizar,é extremamente grave você não conceituar OBAMA como um esquerdista.

        Pesquise a história pessoal/política de Obama e o vínculo com o comunista Saul Alinski.

        PS-A nação que nada perdeu com “pandemia” foi,exatamente,a China.
        PS2-A China para ser a líder da N.O.M. precisa tirar Trump do caminho.
        PS3-Não há,realmente,nada de Teoria da Conspíração.Há,na verdade,a conspiração em pleno curso.
        PS4-Depois de 3/11,veremos a realidade dos fatos.

  12. Direto ao ponto:
    Twitter @leandroruschel:
    “Filho de Biden levantou pelo menos US$ 10 milhões em “consultoria” que representa trafico de influência.Certamente,ele é o testa de ferro do seu pai.Mais preocupante que a corrupção em si,é o fato da família Biden estar no bolso dos chineses.”

  13. Biden,o gagá esquerdista,disse:

    “The most extensive and inclusive VOTER FRAUD organization in the history of americaqn politics.”

    Tradução: “Nós criamos,o que eu acho ser a mais extensiva e inclusiva organização de fraude de votos na história da política americana.”

    Fecha o pano…

  14. Pergunte ao Steve Bannon sobre as fraudes das fakenews, contra Hilary Clinton, decisivas para a vitória de Trump no Colégio Eleitoral. Eles sabem o que fizeram no verão passado, por isso acusam os adversários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *