Joesley quer processar Temer, políticos e jornalistas que o chamam de “bandido”

Resultado de imagem para joesley charges

Charge do Samuca (Arquivo Google)

Mônica Bergamo
Folha

O empresário Joesley Batista, da JBS, decidiu processar políticos, jornalistas e apresentadores de TV que o xingam publicamente. As indenizações que ganhar, diz ele, serão destinadas a uma instituição de caridade. O presidente Michel Temer está na lista dos que serão acionados. A dúvida é se Temer, por ser presidente, pode ser processado criminalmente ou apenas na esfera cível. O presidente já chamou Joesley de “bandindo confesso” e seus assessores de “capangas”. O presidente, por sinal, já processa Joesley.

A lista de nomes que serão processados, estrelada por Temer, está sendo feita por uma equipe de advogados que faz levantamento das críticas feitas ao empresário. Mais de 20 pessoas estão na mira do dono da JBS.

FICHA LIMPA – Os defensores consideram que, depois de fazer delação, Joesley passou da condição de criminoso para a de testemunha protegida pelo Estado e um cidadão em dia com a Justiça. Toda vez que alguém o chama de “bandido”, portanto, estaria cometendo crime de injúria, calúnia e difamação.

E a Companhia das Letras vai lançar um livro sobre a JBS, os irmãos Joesley e Wesley Batista e a delação premiada da empresa. Escrita pela jornalista Consuelo Dieguez, repórter da revista “Piauí”, a obra deve sair em 2018.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGJoesley está perdendo tempo. Essas despropositadas ações estão destinadas a cair no vazio. Quem não tem moral não pode receber indenização por danos morais. Simples assim. A melhor estratégia para ele seria se fingir de morto e seguir em frente com o império que conseguiu erguer às custas de propinas aos políticos. (C.N.)

13 thoughts on “Joesley quer processar Temer, políticos e jornalistas que o chamam de “bandido”

  1. O sujeito viveu a sua vida passando a perna em todo mundo; participou dos maiores assaltos aos cofres públicos; ajudou a petralhada e seus asseclas a destruir o Brasil; gravou clandestinamente o próprio presidente da República com o desesperado objetivo de se safar; cometeu continuadamente durante anos os maiores crimes financeiros que já se ouviu falar e fica enfezadinho porque quase toda a população brasileira está chamando-o de ladrão confesso. KKKKKKK O nenê está com desarranjo intestinal e defecando pela boca. Então me processo também, seu Joesley Batista. Você é bandido confesso.

  2. Plagiando colega acima, Realmente, Joesley é um canalha, um larápio e tudo que dele tem sido dito.
    Pergunto: e quem apoiou os negócios do Joesley Safadão, quem emprestou dinheiro publico com juros pequenininhos, quem recebeu grana de volta como propina ou “caixa 2”, é o que? Gente honesta?
    Quem faz negócio com vigarista é honesto?
    Quem fez negócios com Joesley Safadão é também safadão!
    Fallavena

  3. Quem faz atos ilícitos para se beneficiar, pagar propina, quem corrompe é o que, não passa de bandido, pois está cometendo crimes contra o erário público, até que o MPF, foi bondosa com os irmãos da JBS.

  4. Joesley prestou um grande serviço ao povo brasileiro desmascarando os falsos moralistas. Não livrou a cara de ninguém: PT, PSDB. PMDB, PP, PR, e mais 1828 bandidos esses sim bandidos. Joesley não assaltou ninguém. Joesley aproveitou-se dos que criavam dificuldades para vender facilidades. Isso é crime? É sim e Joesley envolveu-se e deve ser punido. Entretanto se existe uma lei que lhe beneficia antes da justiça dendiciá-lo e ele se antecipando resolve delatar para usufruir dos benefícios da lei. Qual a razão do ódio? Porquê o ódio? Continuo achando que ele prestou um grande serviço a nação. Alguém iria saber dos crimes praticados pelos figurões da política incluido o chefão Temer que é o único que não poderia envolver-se em corrupção? Já que, é um jurista, conhecedor das leis, professor, escritor de livros jurídicos. Com grande vivência política e de vida? Diz o velho ditado: Cão danado todfos a ele: Jesley é o cão danado. Mas é inteligente e viu que de uma hora para outra ia ser enquadrado e não seguio o exemplo do Marcelo Odebrech que imaginava não ser atingido. Não sou defensor de criminosos. Mas no caso de Joesley ele não pode ser considerado bandido. Envolveu-se em corrupção e preferiu “perder os anéis que perder os dedos”. O que ele pode ser considerado é um malandro inteligente. Vai perder 70% de seu dinheiro, mas garantiu a liberdade. “Mas se pelos azares da vida Temer conseguir com seus 40 ladrões passar por todos os obstáculos e eleger-se presidente em 2018. Joesley não sobreviverá. Acontecerá com ele um desastre assim como aconteceu com Teori Zawaski. A máfia não vai perdoá-lo. O chefe da máfia como diria Antonio Carlos Magalohães. é o porteiro do Castelo do Drácula????? Quem não sabe quem é o porteiro, procure saber.

    • Antonio Aquino
      Desde sempre, concordei que as delações só existiriam se os delatores tiverem favorecimentos. E mais: só quem fez tem condições de entregar tudo ou o disponível, são os autores e participes da coisa.
      É claro que isto não torna os delatores em heróis ou lhes deve ser dado perdão total.
      Também é claro que, todos os que participaram são patifes, canalhas e tudo mais.
      A diferença está em que alguns, os delatores, contam e mostram a verdade. Aos acusados, por escolha da maioria dos próprios, ao negarem e/ou continuarem negando/mentindo, torna-se agravante a situação.
      Sem delatores, só por milagre, saberíamos o que realmente aconteceu e como aconteceu.
      Os mais espertos, correm na frente. O caso Marcos Valério mostra isto. Achou que o salvariam e virou o preso mais preso. Agora está tentando saltar do barco, por entre as grades.
      A lei garante benefícios a um canalha, desde que entregue o que sabe.
      Assim, concordo com teu comentário.
      Abraço e saúde.
      Fallavena

  5. Corroboro os comentários que Joesley é um escroque, na razão direta de que todos os parlamentares e mais o Temer, que receberam propinas do açougueiro são igualmente corruptos e desonestos!

    O empresário ladrão foi mais esperto que os políticos – invariavelmente só sabem roubar e explorar o povo -, e se aproveitou da falta de moral e ética do Executivo e Legislativo para denunciá-los e livrar-se de penas maiores quanto à sua sonegação fiscal e destino que deu ao empréstimo do BNDES obtido durante o governo petista!

    Salta aos olhos – e tal conduta foi muito comentada neste espaço democrático – que a denúncia se deu às vésperas da reforma previdenciária, algo encomendado, indiscutivelmente, que não perde a essência da importância das acusações, claro, mas que revela o dedo dos petistas ladrões nesta intenção do empresário canalha e traidor do seu próprio país!

    De modo a dar mais veemência quanto ao procedimento vil e venal dos parlamentares, que deveriam ter o antro que frequentam fechado por qualquer tipo de intervenção – a melhor seria dos lixeiros, que limpariam o Brasil da podridão legislativa! -, abaixo transcrevo uma reportagem sobre os gastos que os porcos imundos dos deputados e senadores gastam com suas “refeições”, justificando o tamanho avantajado de suas bundas e na razão inversa de suas mentes, obtusas e expelindo somente excrementos!!!

    Gasto da bancada gaúcha com refeições é 62% superior à média
    Lívia Araújo

    Levantamento feito pelo Jornal do Comércio com base no uso da Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar (Ceap) constatou que o gasto médio com a alimentação dos deputados da bancada gaúcha da Câmara Federal – especificamente quanto aos valores reembolsados pela Casa – é 62,2% superior ao preço médio da refeição no Brasil.

    O gasto médio reembolsado foi de R$ 52,36, enquanto o custo de almoçar em restaurante no Brasil é de cerca de R$ 32,94, segundo a Pesquisa Nacional do Preço da Refeição 2017, levantado pela Associação das Empresas de Refeição e Alimentação (Assert).

    Em Brasília, a refeição completa custa cerca de R$ 30,66 e, em Porto Alegre, o preço é de R$ 32,06.

    As informações foram indexadas através da plataforma Jarbas, que faz parte da ferramenta de controle social “Operação Serenata de Amor”, que já analisa os reembolsos da Ceap suspeitos de irregularidade. Nesse caso, somente três dos 881 reembolsos da subcota “Fornecimento de alimentação do parlamentar” foram considerados suspeitos pela ferramenta.

    O intervalo dos dados é de 26 de dezembro de 2016 a 9 de maio de 2017. No detalhe, porém, as diferenças se sobressaem entre os 25 deputados que pediram reembolso da Câmara pela alimentação no período pesquisado.

    A maior média de reembolso pertence ao deputado federal gaúcho Alceu Moreira (PMDB), que gastou cerca de R$ 102,45 em cada uma das 23 despesas ressarcidas pela Casa.

    O valor mais alto de refeição devolvido pela Câmara a um parlamentar gaúcho foi de R$ 239,50, para o deputado Carlos Gomes (PRB). Na nota fiscal apresentada constam uma entrada de R$ 42,00, um prato principal de R$ 192,00 e quatro águas minerais de R$ 5,50, em um restaurante de comida portuguesa em Porto Alegre.

    É a oitava refeição mais cara entre as reembolsadas pela Ceap na Câmara Federal. Gomes pediu 58 reembolsos à Câmara no total.

    O maior montante de refeições ressarcidas pertence ao deputado Cajar Nardes (PR), que gastou R$ 7.686,60 no período, e também pediu o maior número de devoluções: 103. Do outro lado, a média mais baixa constatada no levantamento pertence ao deputado João Derly (Rede): o preço médio dos 23 reembolsos pedidos pelo parlamentar é de R$ 30,31, 6,25% inferior ao preço médio da refeição no País, e o único entre os deputados a ficar abaixo dessa faixa.

    O menor gasto foi apresentado por Luiz Carlos Heinze, que pediu um ressarcimento de R$ 2,99, por uma água mineral comprada em São Gabriel, no interior do Estado, e pediu 42 reembolsos nos primeiros cinco meses do ano. Seis deputados federais gaúchos não têm ressarcimentos que constem entre os reembolsos da Ceap: Covatti Filho (PP), Danrlei de Deus (PSD), José Fogaça (PMDB), José Otávio Germano (PP), Yeda Crusius (PSDB) e Paulo Pimenta (PT), e não foram considerados no levantamento. A Ceap dispõe mensalmente, para cada um dos 513 deputados federais, cerca de R$ 44 mil para serem usados em despesas como refeições, passagens aéreas e combustível. O parlamentar envia a nota fiscal da despesa para a Câmara e recebe o reembolso. Em um ano, o custo da Ceap para a Câmara é de R$ 128 milhões, considerando o valor total da cota. A despesa, exclusivamente individual, é paga pelo parlamentar, que tem 90 dias para apresentar o comprovante de pagamento à Câmara, que faz o reembolso em no máximo três dias.

    Esse valor não faz parte do salário dos deputados federais, que é atualmente de R$ 33.763,00, sem contar o auxílio-moradia de R$ 4.253,00 para aqueles que não ocupam apartamento funcional.

    O salário-mínimo nacional é, atualmente, de R$ 937,00; e o salário médio do brasileiro foi de R$ 2.227,50 no mês de janeiro, segundo a Pesquisa Mensal de Emprego do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    Refeição mais cara dos gaúchos fica em 8º no ranking geral. Apesar de alto em comparação ao valor médio do almoço no Brasil, o valor mais caro reembolsado a um deputado gaúcho pela Câmara dos Deputados está em oitavo entre as 10 refeições mais custosas reembolsadas no período: a nota fiscal de maior valor foi apresentada pelo deputado Pedro Paulo (PMDB-RJ): ele gastou R$ 350,10 em Brasília no mês de fevereiro deste ano.

    O peemedebista foi candidato à prefeitura do Rio de Janeiro em 2016.

    Em segundo lugar, vem José Carlos Aleluia (DEM-BA), com R$ 333,76, valor considerado suspeito de irregularidade pelo robô Rosie, que analisa os reembolsos da Ceap e divulga os casos duvidosos no Twitter, pelo link twitter.com/RosieDaSerenata.

    Também é suspeito um ressarcimento do deputado federal Zeca Dirceu (PT-PR), o sexto da lista, que apresentou uma nota de R$ 249,00.

    O deputado federal gaúcho Carlos Gomes (PRB) é o oitavo entre as mais altas despesas da Câmara, com R$ 239,50 gastos em uma única refeição, mas o valor não foi considerado irregular pela Câmara.

    Quando eventualmente uma despesa alheia consta da nota fiscal apresentada por um parlamentar – o que é proibido -, o deputado faz a chamada “glosa”, que é a devolução do valor adicional reembolsado pelo Parlamento, e é um procedimento comum na Casa. –

    Jornal do Comércio (http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/06/politica/570871-gasto-da-bancada-gaucha-com-refeicoes-e-62-superior-a-media.html)

  6. Essa notícia devia ser candidata a piada do ano.
    Acho que as Organizações Globo encheram demais a bola desse Joesley. Agora ele se vê como um ‘divo’ intocável.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *