Jorge Béja acertou em cheio sobre o processo contra Catta Petra

BEATRIZ CATTA PRETA E O DOCUMENTO DE ABERTURA DA EMPRESA NA FLÓRIDA. FOTO: PAULO LIEBERT/AE

Beatriz Catta Preta e o documento de criação da empresa em 2014

Carlos Newton

O jurista Jorge Béja, mais uma vez, acertou em acertou sobre o caso de Beatriz Catta Preta. Em artigo postado aqui na Tribuna da Internet ele assinalara textualmente que “a advogada não feriu a honra e a moral de ninguém. E sem ter alguém para ocupar o pólo ativo, o pleito estará defeituoso, capenga e nem será aceito pelo Juiz Federal”.

Também neste artigo foi assinalado que faltava o pressuposto de legitimidade à Câmara dos Deputados para figurar como autora de processo judicial, porque a Câmara não é pessoa jurídica.

Não deu outra. O despacho do Juiz Federal de Barueri que barrou a pretensão da Câmara está baseado nestes mesmos argumentos, exatamente como foi explicado pelo Dr. Jorge Béja aqui na TI, tanto na edição do dia 12 como também na edição do dia seguinte, 13, sobre a mesma Dra. Catta Preta e sobre o mesmo assunto.

Quanto à advogada, o site Diário do Poder, dos jornalistas Claudio Humberto, Tiago de Vasconcelos, Teresa Barros e Ana Paula Leitão revelou recentemente que o plano de a família se mudar para Miami é projeto antigo, nada tem a ver com as pressões feitas a ela pela CPI da Petrobras, porque em outubro de 2014 Beatriz e o marido Carlos Eduardo Catta Preta já haviam constituído uma empresa, a Catta Preta Consulting LLC.

Ou seja, Beatriz abandonou a advocacia justamente no auge da carreira para se tornar consultora nos Estados Unidos, onde atenderá a brasileiros bem-sucedidos que pretendam investir no exterior sem enfrentar problemas legais.

10 thoughts on “Jorge Béja acertou em cheio sobre o processo contra Catta Petra

  1. Quem sabe, sabe, sr. Newton. Dr. Béja não é daqueles que chegaram agora e já querem a janelinha, como diria o filósofo Romário.
    Mas, se Dr.Béja puder deixar, por um momento, o piano de lado (Deus, que finesse) e me responder: consta que Nestor Cerveró quer incluir, em sua delação premiada, o caso Pasadena, que exporia verbas de má procedência na campanha presidencial de 2006. Cabe ao PGR aceitar, ou não, a tal delação. Diz-se que a revelação “abalaria a República”. Como a colaboração premiada é garantida em lei, não seria cerceamento de defesa a recusa pelo PGR, uma vez que abrandaria, e muito talvez, a pena do sr. Cerveró?

    • Sra. Mara,

      Eu não consegui entender o que a senhora pretendeu dizer com a frase: “Quem sabe, sabe, sr. Newton. Dr. Béja não é daqueles que chegaram agora e já querem a janelinha, como diria o filósofo Romário.”. O que significa isso, a senhora pode traduzir em melhores palavras ?

    • Prezada e doce Mara. Hoje, 2a. feira, ainda não toquei piano. O piano está aberto e na estante a partitura do Sonho de Amor, de Franz Liszt. Como é difícil tocar Liszt! É preciso estar em Estado de Graça para bem interpretar Liszt. Vou responder e depois vou para o piano tocar o Sonho de Amor, que dedico a você.

      Mara, a delação premiada é uma prerrogativa posta ao alcance do acusado, em inquérito ou em ação penal. Não lhe pode ser negada, salvo se o acusado mentir ou apontar caminhos, fatos e pessoas que não correspondem à verdade. Nesse caso quem paga caro é o acusado. Vale lembrar que os procuradores da república sediados em Curitiba até aqui só merecem elogios de toda a sociedade, junto com o juiz Sérgio Moro. Nenhum deles falhará ou decepcionará os brasileiros. Mas negar ao acusado a utilização da delação premiada é mesmo cerceamento de defesa, como você muito bem assinalou.Chego ao ponto de dizer que pode resultar na anulação do processo.

      Dr. Ednei Freitas.
      Primeiro parabenizo o grande cientista. Sua descoberta sobre a existência de uma segunda memória foi tese de doutorado do Dr. Barreiros, na Academia de Medicina e Psicologia de Lisboa e que foi aprovada com louvor e inserida na literatura médica sobre psiquiatria nas principais publicações científicas da Europa.

      Dr. Ednei Freitas,
      a doce Mara escreveu carinhosamente. Quem sabe, sabe. Conhece bem. Como é gostoso, gostar de alguém. É a letra de famosa composição brasileira, dos idos de 50 e 60, quando o Dr. Ednei ainda era menino ,lá na sempre querida São Lourenço das Minas Gerais. É carinho. Carinho puro. Carinho e admiração.

      A todos, gratíssimo.
      Jorge Béja

  2. Não foi surpresa para mim do Dr. Jorge Béja ter acertado. Advogado competente, bem letrado nas letras jurídicas e dono de uma experiência bem sucedida de 40 anos na advocacia, que o deixou famoso em todo o Brasil. O que me dá uma sensação (mais uma) que os impostos que eu pago, que nós leitores pagamos, é para abarrotar de dinheiro deputados federais que, tendo a possibilidade de consultar tantos juristas, muitos deputados são advogados, façam uma petição capenga, sem efeito jurídico porque “Também neste artigo(do Dr. Jorge Béja) foi assinalado que faltava o pressuposto de legitimidade à Câmara dos Deputados para figurar como autora de processo judicial, porque a Câmara não é pessoa jurídica. Estamos pagando para ter deputados ladrões e deputados incompetentes !

  3. Sr. Ednei, eu só quis ressaltar a competência do Dr. Béja, jurista calejado na profissão, com amplo domínio de todas as áreas do Direito. Ele é admirável também por estar sempre nos dando preciosas orientações. Se o senhor entendeu como desrespeito, fui muito infeliz na brincadeira. Aliás, humor não é meu forte. Peço desculpas a todos que tenham entendido como falta de apreço ao admiradíssimo Dr. Béja.

  4. Parabéns ao Dr. Béja por honrar, mais uma vez, as memórias de um Sobral Pinto e do mestre de todos Cesare Beccaria.

    E ao editor desse espaço pela valorização do que merece ser reconhecido.

    Nesta mesma manhã rolava um evento brabo, que provavelmente o mesmo Dr. Béja não deverá deixar barato, mesmo respeitando a sua elevada ética pessoal, mas atento à da responsabilidade.

    “Olha como a política modifica as pessoas. Fernando Capez, promotor de justiça, autor de várias obras penal e processo penal, professor, etc, agora sai em defesa de um político que foi desmascarado pela sua falsa moralidade. É complicado meu caro.”

    http://oglobo.globo.com/brasil/presidente-da-assembleia-legislativa-de-sao-paulo-defende-permanencia-de-cunha-no-cargo-17283529

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *