Jorge Ricardo, o maior jóquei do mundo, não poderá correr o Grande Prêmio Brasil

Jóquei no oratório (foto do site do Jóquei Clube Brasileiro)

Carlos Newton

O turfe foi abandonado pela imprensa, como disse aqui na TI o jornalista Pedro do Coutto nesta semana, e hoje pouquíssimos brasileiros sabem que o maior jóquei do mundo é o carioca Jorge Ricardo, recordista mundial com 12.860 triunfos, que não poderá estar na disputa do Grande Prêmio Brasil, neste domingo, porque sofreu um grave acidente durante um páreo no Hipódromo de San Isidro, na Argentina, dia 29 de maio.

O atleta de 57 anos se envolveu em uma queda com outros três jóqueis e teve duas fissuras nas costelas, fraturou o nariz e quatro vértebras, mas não sofreu trauma na medula e está em recuperação.

EM RECUPERAÇÃO – O brasileiro foi levado ao hospital, mas depois de realizar exames, não necessitou de cirurgia, sua recuperação será por repouso e medicação. O jóquei está no Sanatório de la Trindad sob observação médica.

Este não é o primeiro acidente grave da carreira de Jorge Ricardo. Em 2017, o jóquei se desequilibrou, caiu na canaleta entre as pistas, sofreu uma fratura no fêmur da perna esquerda e precisou passar por cirurgia.

Seu estado é bom e sua recuperação completa dependerá de repouso e fisioterapia. Mas ainda não há informação se o recordista mundial voltará a disputar corridas.

EM FAMÍLIA – Jorge é filho de Antônio Ricardo, catarinense de Urussanga, um lendário jóquei que à sua época conquistou o maior número de vitórias em hipódromos sul-americanos em uma só temporada, e depois passou a atuar como treinador, hoje já falecido.

Aos 16 anos Jorge Ricardo começou a montar como aprendiz de jóquei no Hipódromo da Gávea, na cidade do Rio de Janeiro. Logo em sua temporada de estréia conseguiu a primeira vitória, montando o cavalo “Taim”, treinado por seu pai, que muito lhe ensinou a arte da condução.

Entre as quase 13 mil vitórias, Jorge Ricardo venceu cinco vezes o Grande Prêmio Latino Americano, duas vezes o Grande Prêmio Brasil, em um deles montando o craque “Much Better”, duas vezes o Grande Prêmio São Paulo e também duas vezes o Grande Prêmio Internacional Carlos Pelegrini.

###
CONHEÇA A ORAÇÃO DE UM JÓQUEI

Antes de montar e entrar na raia para as corridas, a grande maioria dos jóqueis faz uma oração para se proteger de acidentes nas disputas. E poucas pessoas sabem que a “Oração de Um Jóquei”, que fica afixada nos oratórios de todos os hipódromos do país, ao lado da imagem de Nossa Senhora, é da autoria do advogado carioca Jorge Béja, articulista da Tribuna da Internet e um grande aficionado do turfe, que com certeza estará este domingo na Gávea para assistir ao Grande Prêmio Brasil.

“Senhor Deus, meu Pai e Criador. Agora, é momento de silêncio. Esvazio minha mente e dela afasto todas as preocupações para que Deus me ouça e manifestação divina penetre em mim e me cubra de graças.

Sei que minha profissão não é daquelas de longa duração. Ela não admite comodidade nem esmorecimento, mas perseverança e dedicação integral. Meu dia-a-dia, Senhor, é marcado por fortes emoções: alegrias, ansiedades, frustrações, incertezas, sonhos, esperanças e tantos outros sentimentos que me afetam.

Sei que preciso manter sob controle o peso do meu corpo, evitar a mais leve enfermidade e me precaver contra as lesões, porque o menor descuido torna-se empecilho para que eu possa trabalhar.

Nas competições, que o êxito do outro jóquei seja, também, motivo de satisfação para mim, porque, juntos, formamos um só tecido social, comunitário, e materializamos o Corpo Místico do Senhor Nosso Criador. Que o contentamento do vitorioso seja a alegria de todos nós. E que o insucesso dos que não venceram seja, também, o sentimento do vencedor.

Sei que antes do fim da madrugada, preciso estar pronto e apto para o trabalho. Por isso, não posso ir dormir tarde da noite. Sei que devo dedicar aos animais carinho e amizade, tanto quanto espero receber do meu próximo. Deles dependo e eles integram o Reino da Vossa Criação.

Dai-me, Senhor, a bênção celeste. Protegei meu trabalho. Fortalecei a minha saúde. Consolai-me nas minhas aflições. Livrai-me de todos os perigos do corpo e da alma. Muito Vos agradeço Senhor, as graças já alcançadas. Ao meu Anjo da Guarda, que a bondade divina colocou junto a mim para me defender, eu O louvo, invocando a prece que a cristandade consagrou ao longo dos séculos:

“Santo Anjo do Senhor, meu zeloso guardador, que a ti me confiou a piedade divina, sempre me rege, me guarda, governa e ilumina. Amém”.

7 thoughts on “Jorge Ricardo, o maior jóquei do mundo, não poderá correr o Grande Prêmio Brasil

  1. Não, Carlos Newton, não estarei na Gávea par assistir ao GP Brasil de 2019. Meu tempo passou. Frequentei a social do JCB nos anos 70 e 80, todos os sábados. Éramos, juntos na mesa da varanda social, almoçando desde às 13 até o final, Herval Rossano, Débora Duarte, Lima Duarte, Chico Anísio, Jô Soares, Domício Costa (da Rádio Nacional), minha esposa e eu. Eu, o menor de todos. O menos entendido em “carreiras”. Um dia, num páreo de 8 animais, apostei em 7 vencedores. Pois venceu o que não joguei. Noutra ocasião, num páreo de 9, apostei em 4. Dois, não largaram e ficaram parados no box. Um tirou último. E o terceiro venceu, mas foi desclassificado por falta de peso.
    Não tenho saudade. Meu tempo passou. O que me causa muita satisfação é ver e saber que a Oração de um Jóquei desde Maio de 2012, quando a redigi, está lá, no oratório. Lá e em todos os hipódromos da América do Sul e da França. Tornou-se a Oração oficial destes hipódromos.
    Grato por ter sabido e escrito este artigo. Conheci o Ricardinho ainda criança. O pai dele foi um grande vencedor. Chamava-se Antonio Ricardo.

  2. 1) Licença, e aproveito para reverenciar a memória do falecido locutor oficial do Jockei Club Brasileiro, durante décadas Ernani Pires Ferreira, meu parente e meu conterrâneo.

    2) O Criador, por favor abençoe o jóquei Jorge Ricardo.

  3. Justíssima intervenção, caríssimo Antonio Rocha. Ernani Pires Ferreira foi o maior e melhor de todos. Chegou a superar Teófilo de Vasconcelos. De Ernani fui advogado. Ele tinha um negócio comercial em Campo Grande, RJ. E muitas vezes fomos juntos até lá, no fórum. João Carlos Martinhs toca 35 notas em 2 segundo. Ernani, transmitindo os páreos, pronunciava 38 palavras também em 2 segundos. Foi recordista mundial. Que saudade! Era bem humorado e inteligentíssimo.
    Um dia ele e eu chegamos juntos até Chico Anísio. E Ernani disse ao Chico:
    O Béja vendeu tudo o que tinha e com o dinheiro apostou no seu cavalo neste páreo. Ficou apenas com o relógio.
    E Chico respondeu:
    Para marcar o tempo!

  4. Oração do Jockey?

    No momento, nós brasileiros, encontramo-nos bastante ocupados e preocupados com outra oração, a Oração do Jegue.

    A Oração do Jegue atormenta o Brasil cada vez que seu interlocutor, Messias Bozolado, a pofere, adicionando novos ritos a cada semana, trazendo cada vez mais desesperança, imbuindo cada vez mais a visão negra do fundo do buraco…

  5. Carlos Newton. Jorge Ricardo é hoje o maior jóquei.
    Mas não esqueço do “dá-lhe Rigone” – jóquei elegante que escreveu grandes e gratas notícias do jorquei brasileiro. Era elegante no montar, ganhou até ganhou do compositor-pianista o apelido do “o homem do violino. Até um tango (“Dá-lhe, Rigoni”) foi composto para ele e cantado por Nuno Roland.
    Não podemos esquecer de grande locutor oficial do jóquei “Theofilo de Vasconcelos” locutor oficial do Joqudi Club Brasileiro, que sempre tinha tempo para contar uma gracinha, como esta:
    Uma senhora lhe pergunta, quantos anos o senhor me dá; E ele – 10 anos menos minhas senhora, 10 anos menos.
    Época saudosa; Tinha uma irmão viciado e nós da CSN tinhamos uma turma que não faltavam às apostas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *