Jornalistas devem colocar temas mais concretos aos candidatos

Resultado de imagem para pergunta aos candidatos charges

Charge do Ivan Cabral (ivancabral.com)

Pedro do Coutto

A Ombudsman da Folha de São Paulo publicou na edição de ontem artigo importante para o eleitorado que vai às urnas em outubro para eleger o sucessor do presidente Michel Temer.  Paula Cesarino Costa reclama com razão a falta de um conteúdo maior nas entrevistas. Até agora os jornalistas e apresentadores têm se limitado a perguntas genéricas e superficiais, enquanto há uma série de questões capazes de levar os candidatos a responderem de forma mais precisa. Saúde, Segurança, Educação e desemprego, além dos transportes têm sido tratados de forma incompleta. Não basta citar os obstáculos.

Mas principalmente revelar as propostas que possuem e como vão buscar recursos para sua execução. Falta de recurso é um problema crônico no Brasil. Entretanto a reportagem de Loreana Rodrigues e Adriana Fernandes, O Estado de São Paulo, edição também de ontem, focaliza uma questão fundamental que a meu ver, deveria constar das entrevistas.

RENÚNCIA FISCAL – Trata-se da renúncia fiscal que foi incluída no projeto de orçamento para 2019. A mensagem de Michel Temer ao Congresso prevê uma renúncia fiscal na escala de 306,4 bilhões de reais. Esse total inclui um acréscimo da ordem de 23 bilhões em relação as renúncias fiscais calculadas para este ano, 2018. Os incentivos fiscais vêm s repetindo todos os anos principalmente no primeiro mandato de Dilma Rousseff até hoje.

Como pode haver uma renúncia dessa ordem se a lei de meios para 2019 já acusa um déficit de 139 bilhões de reais. Se as renúncias fiscais fossem a metade do 306,4 bilhões, o déficit estaria praticamente zerado. Portanto, surge aí um bom tema para nortear as entrevistas que serão realizadas até o dia 7 de outubro, e a mais importante vai ser a da Rede Globo, a 4 de outubro.

DÉFICIT PÚBLICO – O problema do déficit  público é fundamental e não somente em relação ao esforço para cobrir a escala de 139 bilhões. Este é, como chamam os economistas do governo, o resultado primário. Ou seja, um resultado que não inclui o pagamento de juros pela rolagem da dívida interna da ordem de 3,4 trilhões de reais. O eleitorado gostaria de ter conhecimento mais claro do panorama econômico e social. Até porque o desenvolvimento econômico e social depende da disponibilidade os recursos financeiros do país.

Não soma para o conhecimento geral e sobretudo para iluminar pontos sombrios das despesas públicas perguntas limitadas aos candidatos, que na verdade até agora focalizam os temas sensíveis da política governamental, sem transmitir os meios de que pretendem obter da lei orçamentária para alicerçar seus projetos.

Apontar erros e contradições na política é coisa fácil. Atuar para esclarecer os programas de interesse coletivo é que é difícil. Mas é obrigação dos jornalistas buscar as ideias mais profundas, exigidas pelo país como um todo.

12 thoughts on “Jornalistas devem colocar temas mais concretos aos candidatos

  1. Os jornalistas deveriam esquecer os truques retóricos e ir diretamente ao fulcro da questão e não ignorar a performance que o Governador ALCKMIN teve em seus dez anos que governou São Paulo.

    Pergunta-se: GERALDO ALCKMIN ou CIRO, EIS A QUESTÃO!!! Vamos votar útil em Geraldo Alckmin e eliminar de vez a possibilidade do PT voltar ao poder. Alckmin é um sujeito sério, honesto, simples e EXCELENTE GESTOR!!! Não desperdice seu voto com amadores; vote consciente; vote útil; vote ALCKIMIN!!!

  2. Voltando ao tema: O certo seria a gente fazer um movimento e botar esse tal de Newton pra fora do site. Quem já se viu uma ditadura dessa. Pura sacanagem! EXIGIMOS A VOLTA DE LAMPIÃO REI DO CANGAÇO, JÁ!

    • Sai fora MAV. O cara ter 6 computadores pra puxar o saco do picolé de xuxu, que não ganha nem no próprio estado? Só recebendo dindin mesmo e estando escondido debaixo de pseudônimo!
      Melhor fazer campanha pro Bolsonaro, é de graça mas é honesto.

  3. Wander, comporte-se, ok!!! Como também recolha-se a sua insignificância…

    Outra: Eu só aceito esta versão ditatorial desse tal de Newton se ele provar a todos nós que realmente, LAMPIÃO REI DO CANGAÇO utilizava seis computadores. Está feito o desafio ao ditador!

  4. Didier,

    Carlos Newton é o dono do blog.

    Não é ditador, a ponto que estás postando teus comentários mesmo contra ele sem censura.

    Certamente Newton tem seus critérios para deletar os textos que classifica como ofensivos, e cabe a nós tão somente aceitar ou mudar de espaço, pois não temos a obrigação de permanecer na TI.

    Exageras ao denominar o Mediador de ditador, no mínimo.

    • Chicão, eu iria até mais longe: Carlos Newton não é apenas o dono de blog, ele É o blog. Sem ele a TI não existiria, nunca teria durado até agora. É ele quem nos garante este último espaço livre para postarmos nossos comentários. Então, quem não estiver satisfeito com a sua condução do blog que saia e vá criar um para ver quanto tempo dura sem moderação dos comentários.
      Como editor e moderador de blog também, e leitor da TI desde que ela era a sobrevivente digital da grande Tribuna da Imprensa, eu acho que o Carlos às vezes é até mais tolerante do que deveria com certos comentaristas, e aplaudo e respeito totalmente a sua coragem e persistência em manter a TI como o único espaço verdadeiramente isento onde todos nós podemos discutir.
      Não há que defender algum ou uma “comunidade” de comentaristas do moderador, há, pelo contrário, que defender o esforço do moderador.
      Um abraço do Mano

  5. De um certo modo, Francisco Bendl, eu estoiu te defendendo e toda a comunidade de comentaristas do TI. Portanto, queremos provas se era verdade que LAMPIÃO REI DO CANGAÇO fazia uso de seis computadores. Tem gente mentindo, aí! Esse tal de Newton devia limpar sua ficha e esfregar a prova em nossas ventas do uso de seis computadores do comentarista que ele chutou na bunda pondo pra fora dos comentários do TI. Topas, Newton!!!!!!!!!!! Vai provar ou não!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Estamos à espera!!!

    • Esse Afonso Didier é rídículo. Seu codinome é Lampião, escreve em diversos computadores e não sabe que tenho com comprovar isso. É pago para defender Alckmin aqui no Blog. Assim que a eleição acabar ele fará as malas.

      CN

  6. Cadê a prova meu prezado!!! Sinceramente, esse CN é ridículo!

    OBSERVAÇÃO: – é por isso que dizem que o Lula foi condenado sem provas. Entendeu CN ou queres que eu faça o desenho!!!

  7. CN ou CN, tome gosto meu filho, mostre as provas! Cadê os números dos 6 IPs, do nosso amigo LAMPIÃO REI DO CANGAÇO, hein CN? Tem coisa mais feia do que jornalista engabelador…

    CN, eu vou caboetá-lo ao perverso CORISCO, aí você vai ver o que é bom pra tosse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *