José Serra jamais será presidente. Que compensação o povo receberá, se o único candidato ficar sendo Dilma? Com Marina na vice, pelo menos duas mulheres.

Para desgosto do povo brasileiro, a eleição será plebiscitária, como sempre desejou o presidente Lula. Se o voto não fosse obrigatório, teríamos a maior abstenção da História da República, que depois de 121 anos, “continua não sendo a dos nossos sonhos”. (Frase pronunciada pelo notável Saldanha Marinho, um dos grandes Propagandistas da República).

Diretor do jornal diário “A Republica”, Saldanha Marinho foi eleito senador na Constituinte (falsa) de 15 de novembro de 1890. Na luta entre Deodoro e Floriano, o primeiro foi “eleito” presidente (indireto) em 25 de fevereiro de 1891, e 1 hora mais tarde, Floriano era feito vice. Mas não pararam de brigar, o que faziam desde a Guerra do Paraguai.

No dia 23 de novembro do mesmo ano de 1891, Floriano derrubou Deodoro, mandou prender muita gente, ministros, juizes, parlamentares, incluindo o senador Saldanha Marinho,. Este estava discursando no Senado, quando um assessor lhe passou um bilhete, dizendo, “policiais estão aí para prendê-lo”.
Saldanha mostrou o bilhete ao plenário estarrecido, e explicou: “Os senhores me desculparão, tenho que suspender o discurso, não gosto de deixar policiais esperando”. E pronunciou a frase lapidar sobre a República, que muitos repetem sem citar o autor.

No mesmo dia, empossado, Floriano devia fazer eleição no máximo em 60 dias, estava na Constituição. Floriano se manteve no Poder como se fosse definitivo. Rui Barbosa começou tremenda campanha para a CONVOCAÇÃO DA ELEIÇÃO. Floriano mandou prendê-lo. Rui teve que ir para o EXÍLIO, primeiro na Argentina, depois Uruguai e Inglaterra. Voltaria com Prudente presidente, e em 1896 seria novamente eleito senador.

Gosto sempre de lembrar fatos históricos, antes de entrar nos acontecimentos do dia. 90 por cento dos presidentes não representavam coisa alguma, duas ditaduras sanguinárias, várias Constituições FORJADAS, sem apoio do povo. Mais autênticas, as de 1946 e de 1988. E assim mesmo, a de 1946 não completou 18 anos, foi assassinada antes da maioridade.

Agora nos encaminhamos para nova eleição, tão falsa quanto quase todas as outras. Dentro de 3 meses e 6 dias estaremos escolhendo um presidente. Escolhendo? Entre um candidato que não ganhará de jeito algum (Serra), e outro (Dilma) que deve ganhar por ausência total de oportunidade de perder. E a única opção será (Marina) a candidata verde e sem restrições. Sua contribuição (?) será o segundo turno, que confirmará inteiramente o primeiro.

Não estou dizendo isso por causa da pesquisa publicada há poucos dias, dando 45 por cento dos votos a Dilma e 38 a Serra. Todos sabem que não acredito em pesquisa, e podem relembrar o que acabou de acontecer na Colômbia. Davam o candidato de Uribe (presidente) e o de oposição, em “empate técnico”. Veio a eleição, o candidato do governo teve 65 por cento dos votos, o da oposição, 29 por cento. Há!Ha!Ha!

Por outro lado, quem me acompanha, tem certeza e conhecimento do que digo desde 2002: “SERRA JAMAIS SERÁ PRESIDENTE”. Não mudou por pouco que seja. Mas não pensem que votarei em Dilma, cumprirei meu dever, embora já esteja liberado há tanto tempo que minha memória mal acompanha.

Só um insensato votaria num ensaio de ditadura, tendo conhecido duas, uma pior do que a outra. A de 1937 apenas acompanhei, a idade não permitia mais do que isso. A segunda foi intensa, dura e atrabiliária, participação diária, excetuados naturalmente os tempos sem LIBERDADE, que infelizmente foram muitos, sem um momento de fuga ou deserção.

Eleição no Brasil é uma farsa, fraude, falsificação. 29 partidos, 17 sem nenhuma representação, mas cada um recebe do Fundo Partidário mais ou menos 2 milhões anuais, ganham (ou gastam?) tempo de televisão e não são obrigados a lançarem candidatos presidenciais.

Se fossem obrigados, o cidadão-contribuinte-eleitor teria vastíssimas opções, e então no segundo turno, decidirIa entre dois candidatos. Isso do ponto de vista coletivo ou partidário.

Na escolha individual, nenhuma vantagem para Serra ou para Dilma, os dois são rigorosamente iguais, a não ser pela diferenças congênitas ou genitais. Mas que não favorecem em nada a vida do cidadão.

Como Serra não ganhará mesmo, não perderemos tempo a analisá-lo, já escrevi tanto sobre ele em todos os cargos que ocupou, que não há o que repetir. Não acredito nele um instante que seja. Portanto, deixemo-lo caminhar para o ostracismo silencioso, ele que esteve sempre no ostracismo retumbante e exibicionista.

E Dona Dilma não é nem um pouco melhor ou merece mais confiança do que ele. Tem mentido tanto e tão burramente, sobre suas próprias atuações passadas, que é impossível estabelecer quando fala a verdade ou utiliza a “menas” verdade. E até nos títulos e na formação, é tão enganosa, que é impossível acreditar nela quando olha o relógio e diz que é MEIA NOITE ou MEIO DIA, no caso de estarmos num recinto fechado e escuro.

***

PS – Temos que reconhecer que as falhas humanas no Brasil, são agravadas pela falta de partidos, são muitos mas não funcionam, e o SISTEMA (ou regime) político é impossível de funcionar.

PS2 – Aparentemente, o regime no Brasil é igual ao dos EUA, PRESIDENCIALISMO. Só que na Matriz, esse Presidencialismo é BIPARTIDÁRIO, e mais o voto independente, que existiu no Brasil até a Constituinte de 1933.

PS3 – Aqui é PRESIDENCIALISMO PLURIPARTIDÁRIO. Então, para obter maioria em 513 deputados e 81 senadores, o presidente (qualquer que seja ele) tem que NEGOCIAR DIARIAMENTE OU NÃO GOVERNA.

PS4 – Por causa disso, Lula teve que ACUMULAR 37 ministérios ou não teria como satisfazer a todos. Nisso Lula não pode ser culpado, embora tenha errado acima do permitido ou admitido.

PS5 – O PLURIPARTIDARISMO é a representação e a instalação do PLURIPARTIDARISMO-CORRUPTO. Não há como fugir disso. E não há ditadura mais aberta ou ostensiva do que a da CORRUPÇÃO. Só que física, essa não tortura.

PS6 – O que não quer dizer que a ditadura da TORTURA não seja também CORRUPTA. Não sou admirador do frasista Churchill. Mas esta, dele, é intransferível. “A democracia é o pior dos regimes. Excetuados, naturalmente, todos os outros”.

PS7 – Não é este repórter que insiste na impossibilidade de Serra ser eleito. A fragilidade do ex-governador é demonstrada por ele mesmo, correligionários e apaniguados. Basta ver o tempo perdido para indicação do vice.

PS8 – Ninguém quer ser, quando aceita é vetado, caso de Marco Maciel e Sérgio Guerra, vejam só: presidente do partido e descartado. Sem falar em Aécio, durante muito tempo, “candidato único”, mas sem sequer “querer ouvir”.

PS9 – Só os que aceitam são os que têm mandatos garantidos até 2014, como Dornelles e agora Alvaro Dias. Dornelles perdeu a chance por causa da emenda disparatada, Alvaro Dias sofrendo restrição por um anão do DEM.

Ps10 – E uma candidatura presidencial “conduzida” por Sergio Guerra (que nao se reelege para o Senado) e pelo filho de Cesar Maia, que disparate.

PS11 – Por favor, façam reverência e um grande benefício ao Estado do Rio: escolham cabralzinho para vice de Serra. Como este não ganha mesmo, ficamos todos, o país e o estado, livres deste inútil-enriquecido-ilicitamente.

PS12 – Quem tem mandato até 2014, aceita, a artimética é simples: troca 4 anos do Senado por 4 anos da vice. E não se arrisca: se perder (vai perder) continua no cargo atual.

NÃO DEIXEM DE LER AMANHÃ:
Respondendo a “seguidores”: a verdadeira
história do roubo do cofre da amante de Ademar.
Dilma não participou, não sabem nem onde
fica Santa Tereza.


This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *