Josué Gomes só poderá ser candidato a vice se o PR entrar numa coligação

Resultado de imagem para JOSUÉ GOMES

Josué Gomes, do PR, esnobou esnobou petistas e tucanos,

Pedro do Coutto

O empresário Josué Gomes Alencar está sendo cortejado por vários partidos para ser candidato a vice-presidente. Reportagem de Bruno Goes e Cristianne Jungblut, em O Globo de ontem, focaliza amplamente o problema e destaca que tanto Geraldo Alckmin deseja tê-lo na chapa quanto o próprio PT, já que ele é filho de José Alencar, que foi eleito vice-presidente da República na chapa encabeçada por Lula nas eleições de 2002. Foi reeleito e faleceu em 2001, no primeiro mandato de Dilma Rousseff. Mas Josué Gomes Alencar é filiado ao PR. Sendo assim, só poderá aceitar o convite se o PR formar na coligação. Dessa forma, será mais fácil concorrer a vice de Alckmin, porque o PR, junto com o Centrão, integra a coligação existente.

Mas Josué Alencar,de acordo com a reportagem, está condicionando a aceitação depois de uma consulta ao governador Fernando Pimentel, de Minas Gerais que integra os quadros do PT. Josué está disposto a antes de mais nada consultar o governador mineiro, que é candidato à reeleição.

ÚNICO CAMINHO – Josué  só pode concorrer a vice se seu nome for homologado pela convenção do PR, uma vez que se encontra inscrito nos quadros dessa legenda. É o único caminho possível para ele. Para ser vice na chapa de Pimentel, nas urnas de Minas Gerais, ele depende do aval do PR, ou seja, o PR firmar duas posições, dando apoio a Alckmin no plano federal e apoio a Fernando Pimentel no plano estadual.

A situação partidariamente inclui a hipótese de o PR coligar-se com Alckmin na esfera federal e coligar-se com o PT na esfera estadual. Quer dizer, em síntese, que seu partido, PR, iria as urnas de outubro dividido em duas faces. Uma face relativa a Minas, outra face referente a sucessão presidencial.

Na perspectiva de Josué aceitar concorrer à vice de Alckmin, a coligação estadual com o PT seria descartada. Já na hipótese de Josué aceitar ser vice de Fernando Pimentel a coligação que sustenta a candidatura do ex-governador de São Paulo perderia o palanque em Minas Gerais.

HÁ UM IMPASSE – Minas Gerais é o segundo colégio eleitoral do país e, portanto, Alckmin teria de abrir mão da base mineira. Vamos ver qual rumo Josué escolhe no caminho das urnas de outubro. Tem que decidir tudo até 5 de agosto.

Os que estão convidando Josué para ser vice esquecem que ele não pode ser um candidato avulso, pois tal hipótese é expressamente proibida pela legislação eleitoral.

###
FUNDO PARTIDÁRIO TEM DE INCLUIR CRITÉRIOS DA DISTRIBUIÇÃO

Matéria de Reynaldo Torelo Junior, Folha de São Paulo também de ontem, revela que dos 35 partidos existentes no país, até agora, somente 12 já informaram quais os critérios adotados para divisão dos recursos financeiros. Essa questão é da mais alta sensibilidade porque, afinal de contas, o fundo partidário envolve um bilhão e setecentos milhões de reais.

O PSDB, o DEM, PSB, PSD, PR, PRB, PSOL, PPS, PMN, PRTD e o PATRIOTA apresentaram seus critérios ao Ministro Luis Fux presidente do TSE, como se verifica o MDB e o PTB formam entre as 23 legendas partidárias que ainda não revelaram seus critérios. O PT também forma no bloco dos ainda omissos.

As direções partidárias vão preferir aplicar os recursos que cabe a cada legenda prioritariamente aos deputados e senadores que buscam a reeleição no próximo pleito. Os candidatos novos, portanto, terão acesso restrito às verbas do fundo.

4 thoughts on “Josué Gomes só poderá ser candidato a vice se o PR entrar numa coligação

  1. Ataques da grande mídia evidenciam a força de Ciro Gomes, esta notícia não é nova mas pipocou nas redes sociais nesses últimos dias. Querem gerar ambiente negativo nesta reta final da formação de alianças. https://oglobo.globo.com/brasil/lula-so-tem-chance-de-sair-da-prisao-se-gente-assumir-poder-diz-ciro-22916212?versao=amp#referrer=https://www.google.com&amp_tf=Fonte%3A%20%251%24s

    Ao se render Lula de fato trilhou caminho oposto à tese de perseguição política, tornando-se presa fácil dos golpistas com o STF e tudo. Na versão de Fernando Haddad exposta após conversa de 5 horas com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, antes um pouco do ex-presidente ser condenado em segunda instância e levado à prisão, houve “uma ruptura institucional” no país e não um golpe. Assim a esquerda cresce pra baixo, como rabo de cavalo, porque adere as ondas do conservadorismo fazendo o jogo da direita como em outras palavras explica Ciro Gomes no vídeo. https://www.facebook.com/foratemer.web/videos/997094183787060/

  2. PALAVRA DE CIRO GOMES: Na verdade, nunca esteve na minha cogitação, nem na mais remota hipótese, ter o [apoio do] Centrão. De repente aparece. Vem um recado: “Como é que admitiria a conversa?” Eu digo: Bom, eu tenho que ter um olho na eleição, mas tenho que ter um olhar no dia seguinte, que aí já não é o presidente com o povo. É o presidente com as mediações e as institucionalidades, pois não sou candidato a ditador. Sou muito vivido, então abri a conversa. De repente começamos a discutir coisas que não dava para transitar. https://www.valor.com.br/politica/5684707/e-lula-quem-orienta-valdemar-diz-ciro-sobre-chefe-do-pr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *