Juiz Moro dá esperanças a quem não acreditava mais no Brasil

Carlos Newton

O Brasil estava precisando de um juiz com Sérgio Moro. No meio dessa podridão que atinge os três poderes da República, que decididamente não atendem aos interesses nacionais, mas exclusivamente aos interesses de seus dirigentes, o surgimento de um magistrado de tamanha envergadura precisa ser saudado como um dos fatos mais importantes das últimas décadas.

Aos 43 anos, casado, dois filhos, o magistrado não tem carro oficial e dirige um Fiat Idea de vários anos atrás. Sua simplicidade contrasta com a impressionante trajetória profissional. Aos 23 anos, quando se formou em Direito, Sérgio Fernando Moro já tinha outra carreira vitoriosa – era professor de Geografia da Universidade Estadual de Maringá. Mas em 1996, aos 24 anos, passou no concurso e se tornou juiz federal.

Com apenas 26 anos, em 1998, cursou o programa para instrução de advogados da Harvard Law School e participou de programas de estudos sobre lavagem de dinheiro promovidos pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos. É Mestre e Doutor em Direito pela Universidade Federal do Paraná, e atualmente é juiz titular da 13.ª Vara Criminal Federal de Curitiba e professor de Processo Penal na UFPR.

UM ÍDOLO NACIONAL

Antes da Operação Lava Jato, Moro já havia conduzido o caso Banestado, que resultou na condenação de 97 pessoas, e atuara na Operação Farol da Colina, em que decretou a prisão temporária de 103 suspeitos de evasão de divisas, sonegação, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro – entre eles, o doleiro Alberto Youssef.

Com a projeção conseguida na Lava Jato, o juiz que não concede entrevistas e só fala nos autos, como se diz em linguagem jurídica, rapidamente se transformou num ídolo nacional e chegou a ser indicado pela Associação dos Juízes Federais do Brasil para concorrer à vaga deixada por Joaquim Barbosa no Supremo Tribunal Federal, mas foi apenas uma ilusão pensar que uma governanta como Dilma Rousseff pudesse ter a grandeza de nomear um magistrado de tamanho nível e independência.

Em 2014, foi escolhido o “Brasileiro do Ano” pela IstoÉ e um dos cem mais influentes do Brasil pela revista Época. No Prêmio “Faz Diferença” do jornal O Globo, foi eleito a “Personalidade do Ano” de 2014 por seu trabalho na operação da Lava Jato, conduzida pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal.

NINGUÉM O CONTESTA

Apesar da enorme influência dos políticos e empresários investigados na Lava Jato, praticamente todas as decisões do juiz Moro têm sido mantidas nas demais instâncias. O relator no Supremo, Teori Zavascki, chegou a derrubar uma das decisões dele e libertou o ex-diretor da Petrobras Renato Duque, mas depois teve de voltar atrás.

Somente agora a Segunda Câmara do Supremo, “reforçada” pelo ministro Dias Toffoli, revogou a prisão preventiva de vários empresários, mas os manteve em prisão domiciliar, usando tornozeleiras, numa decisão bizarra e inteiramente à margem da lei que regula a matéria, vejam a que ponto caiu o saber jurídico dos integrantes da nossa máxima corte.

É o juiz Moro quem vai julgar todos os ex-parlamentares e ex-governadores envolvidos, assim como os dirigentes das empresas, os funcionários da Petrobras e o resto da quadrilha, na qual poderá ser incluído o próprio Lula, além de outras destacadas personalidades, como os ex-ministros Dirceu, Palocci e Cia. Ltda.

LAVANDO A ALMA

Sem a menor dúvida, o juiz Moro e os procuradores da República, delegados e agentes federais da Operação Lava Jato estão fazendo um bem enorme a este país, ajudando a levantar a alto estima dos brasileiros, que não acreditavam mais em nada.

Agora, não. Ainda resta uma esperança de que o Judiciário brasileiro possa se recuperar. Para que isso ocorra, porém, os magistrados terão de trabalhar incansavelmente, no mesmo ritmo da força-tarefa da Lava Jato, fazendo com que os julgamentos ocorram a tempo e a hora, evitando que os processos se prolonguem indefinidamente e os crimes prescrevam, com sempre ocorre, em benefício de figuras execráveis como Jader Barbalho e Luiz Estevão, só para citar alguns desses criminosos privilegiados.

Se a Justiça funcionar, todo o resto funcionará, haverá muito menos corrupção e desvio de recursos, consequentemente sobrará verbas para educação, saúde e outras necessidades básicas que hoje são negadas a milhões de brasileiros. Por isso, é tão importante o exemplo que está sendo dado por este grupo de jovens da força-tarefa. Se o resto da Justiça seguir na mesma levada, podem ter certeza que rapidamente nós faremos que isto aqui se transforme num país de verdade.

24 thoughts on “Juiz Moro dá esperanças a quem não acreditava mais no Brasil

  1. Caro Sr. Newton, assino em baixo, gravei para por no jornal (ESTÁ NA INTERNET) de nossa Associação, para que a nossa Comunidade -GuapimirimRJ, E O MUNDO, conheça o curriculum de um JUIZ DE VERDADE, QUE AMA À SRª JUSTIÇA, DE “OLHOS ABERTOS”, POIS, OS OLHOS FECHADOS, LEVANTA A VENDA DE UM OLHO E PASSA A ESPADA NO “LADRÃO DE GALINHA”, VILIPENDIANDO-A E ESTUPRANDO; DAREI O DEVIDO CRÉDITO, CONFORME TENHO FEITO EM ARTIGOS E COMENTÁRIOS.
    VENHO PEDINDO À “DEUS” PROTEÇÃO PARA O JUIZ MORO E SUAS EQUIPES DA P.F. E MPF., PARA A MORALIZAÇÃO DO BRASIL, POIS, ESTÃO SENDO MARCO DE HONRADEZ E DIGNIDADE.
    INFELIZMENTE, A CABEÇA (STF), ESTÁ CANCEROSA E PODRE, DANDO PÉSSIMO EXEMPLO DE SERVIDÃO ÀS TREVAS,MAS SEUS MEMBROS, CONFORME TODOS NÓS, PRESTARÃO CONTAS A JUSTIÇA DIVINA, ALÉM TÚMULO, NO TRIBUNAL DE DEUS: A CONSCIÊNCIA. “A CADA UM SEGUNDO SUAS OBRAS” E “PAGARÁS ATÉ O ÚLTIMO CEITIL” JESUS, O CRISTO, A 2 MIL ANOS, LEIS CÓSMICAS, ACREDITEM OU NÃO.
    QUE OS FALSOS PROFETAS, CONDUTORES DE ALMAS, COM O PODER DA RELIGIÃO OU POLÍTICA, SE CUIDEM, O FOGO DO INFERNO ARDERÁ NA CONSCIÊNCIA.

  2. -AMÉM!!!!
    -Mas é difícil acreditar no futuro de um país que, em pleno Século XXI, ainda discute se é JUSTO ou não aposentar BANDIDO com o salário integral, pago com suor da população, e onde os RATOS escolhem os GATOS de confiança para os principais cargos de FISCALIZAÇÃO do Estado.

    • É por isso que eu digo: Tem é que fazer uma “expulsória” aos 60 anos do Supremo Tribunal Federal e tirar esse bando de juristas, todos com a boca torta pelo uso do imoral “cachimbo do fisiologismo político”.

  3. Caro Antônio,

    Sem mudar as regras eleitorais atuais, até Jesus, caso seja eleito presidente, terá que fazer negociatas com as prostitutas do Congresso!

  4. Meu caro CN, precisamos de mais uns trinta/cinquenta Doutores Sergios Moros para começar a tentar acreditar nesta justiça corrupta que ai esta.

    ” Agora, não. Ainda resta uma esperança de que o Judiciário brasileiro possa se recuperar. Para que isso ocorra, porém, os magistrados terão de trabalhar incansavelmente, no mesmo ritmo da força-tarefa da Lava Jato, fazendo com que os julgamentos ocorram a tempo e a hora, evitando que os processo se prolonguem indefinidamente e os crimes prescrevam, com sempre ocorre, em benefício de figuras execráveis como Jader Barbalho e Luiz Estevão, só para citar alguns desses criminosos privilegiados.”

    E la nave va,não é mesmo?

  5. Bravo!! Bravíssimo!! Carlos Newton. Com talento e arte, que muitos poucos jornalistas têm, você disse tudo, tudo disse e nada faltou dizer. Seu texto é para ser lido em rede nacional de rádio e televisao, todas as noites, no chamado “horário nobre”, um dia sim e noutro também, pois retrata o sentimento do povo brasileiro.
    Jorge Béja

  6. Caro CN,

    O juiz Sergio Moro está sendo um GIGANTE.
    Assim como foi o juiz Joaquim Barbosa no STF.
    Mas, infelizmente, “uma andorinha só não faz verão”
    e precisamos de mais, muito mais, pessoas íntegras,
    bem intencionadas e patriotas para que as mudanças
    necessárias sejam implementadas. No judiciário para
    cada Sergio Moro ou Joaquim Barbosa existem centenas
    de $#@&)$$ sugando a população e a pátria.

    • Vou adiantar aqui o resultado final da LAVA JATO:
      A grande maioria dos indiciados serão ABSOLVIDOS
      no essetêfê e 4 ou 5 bagres serão condenados e
      ficarão alguns meses em prisão domiciliar e TUDO,
      EU DISSE TUDO, CONTINUARÁ COMO SEMPRE FOI.
      ROUBALHEIRA, ROUBALHEIRA, ROUBALHEIRA NOS
      3 PODRES PODERES.

      #prontofalei

  7. ” Enquanto não tivermos uma reforma do sistema recursal teremos períodos (para recuperação de dinheiro desviado) tão grandes como esse.” – Deltan Dallagnol, Dr. Procurador da República

    Há recursos demais e justiça de menos. Afinal de contas,quem sai ganhando com esses infindáveis recursos?

  8. Carlos Newton, sou leitor do site há muitos anos. E sempre leio os seus artigos e os achei excelentes. Este no caso nos mostra o quanto ainda podemos ter uma chance de sucesso como pessoas do nível deste juiz. No outro extremo temos nossos politicos que em quase sua totalidade nos envergonham. Que este juiz tenha força e continue em sua luta para moralizar em definitivo este país.

  9. Como sempre, Carlos Newton nos tem brindado com artigos inteligentes e bem redigidos.
    Quanto à sua coluna de hoje, sinto pena que o juiz Sérgio Moro seja “uma andorinha solitária” neste verão brasileiro orquestrado por bandidos encastelados no planalto central.
    Seriam necessários inúmeros jóvens juizes como esse para levar o “molusco e seus asseclas” aos tribunais.

  10. Carlos Newton, no nosso “centro cultural” gostamos muito de teu artigo, menos na parte que chamas dona Dilma de “governanta”, pois, considerando o inesgotável poço de mentiras que ela possui e usa rotineiramente, pensamos que a palavra adequada seria – em vez de “governanta” – SACRIPANTA.

  11. Aos 43 anos, casado, dois filhos, o magistrado não tem carro oficial e dirige um Fiat Idea de vários anos atrás.

    ACHO ACONSELHÁVEL O JUIZ TROCAR DE CARR0., NO CASO, PASSAR A TER UM CARRO BLINDADO! O SEGURO MORREU DE VELHO!

  12. “No Prêmio “Faz Diferença” do jornal O Globo, foi eleito a “Personalidade do Ano” de 2014 por seu trabalho na operação da Lava Jato, conduzida pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal.”
    Para mim, qualquer prêmio vindo da rede grobo, e aceito, não soma, subtrai. A dita vênus pratinada, é mais suja do que pau de galinheiro, ou, puleiro de pato.
    No mais assino em baixo.

  13. Prezado Carlos Newton,
    Você como jornalista veterano e detentor da maturidade que a idade deve lhe ter proporcionado não tem mais o direito de acreditar em salvadores da Pátria. Nosso problema é educacional e cultural e passa inexoravelmente pelo processo de desenvolvimento social, o qual é lento e pode levar gerações. Poderia até ser abreviado se contasse com a virtude da classe política dirigente que, como sabemos, representa uma das mais atrasadas e egoístas elites dominantes que, por certo é a grande beneficiária do desacerto institucional a que somos prisioneiros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *