Jus sperniandi

Sylo Costa

Todo condenado, com ou sem razão, tem direito de espernear. Por isso, quando vi o mensaleiro José Genoino, com o braço levantado – gesto que poderia indicar uma furunculose no sovaco, mas que era apenas uma saudação à la Hitler –, entendi a provocação. Enrolado numa toalha suja de mesa de boteco, caminhando para a prisão, imaginei sua frustração, e não só a dele, mas também a dos outros mensaleiros condenados por um tribunal cujos membros, em sua maioria, atenderiam, presumivelmente, as conveniências da seita que os indicou. Podem ter imaginado que estaria tudo dominado. Engano, ledo engano. Também se presume que os ministros são cidadãos de reputação ilibada e de notável saber jurídico.

Acho os acontecimentos desse tempo até interessantes: parecem uma nova versão da história da revolta de Canudos, chefiada por Antônio Conselheiro, guerrilheiro e líder fanático que arrebanhou para seu bando terrorista um mundo de gente, entre ex-escravos, índios, desocupados e desorientados pela seca no sertão nordestino. Já naquele tempo (1830) se falava, como agora e sempre, “daselites”. Conselheiro e seus fanáticos asseclas foram derrotados pelo exército.

Antônio começou sua revolta quando flagrou sua esposa em traição conjugal com um sargento de polícia. Brasilina Laurentina era um tipo brejeiro, precursora das amantes e mulheres modernas que gostam de acompanhar seus maridos e amantes em suas inúmeras viagens ao exterior. Brasilina viajava pelas caatingas e pelos sertões bravios, uma vez que ainda não existia Brasília, e tinha parecença com Iracema, aquela cearense dos lábios de mel, de que fala o canto das sereias das praias de Fortaleza. Era amante à moda antiga, diferente das amantes dos líderes modernos, que também lideram os fanáticos para lutar contra “aselites” e detestam sertões, poeiras e pobres, além de usarem uma estrela vermelha no peito.

MOLE E DURO

Genoino, homem de coração mole e duro ao mesmo tempo, foi condenado, acho, porque caçava passarinhos no Araguaia com a um bando de desocupados que, à moda de Conselheiro, queriam a implantação de um sistema de governo que fosse fidelíssimo ao comunismo russo ou coreano do Norte. Um seu irmão, que hoje é deputado, líder do PT na Câmara, certa vez se rebelou contra o sistema bancário do país e passou a fazer suas transações financeiras por meio de um seu assessor que tinha a estranha mania de transportar dinheiro na cueca. Mas como? Cem mil reais na cueca? É… cada malandro tem suas tretas.

Genoino também é estranho, pois, apesar de sofrer de graves problemas cardíacos, superados graças aos recursos modernos da medicina, sobreviveu forte, pronto para gozar uma cadeia que pode ser no sistema meio aberto, igual ao do amigo de temporada Zé Dirceu, um dos maiores gerentes de hotéis da atualidade, também terrorista de bons costumes, que viveu casado 11 anos com uma mesma mulher sem que ela nem de longe soubesse que ele não era ele.

Bem, aquele amigo, amicíssimo, de Rosemary também…

8 thoughts on “Jus sperniandi

  1. Já está na hora de se parar de falar nos ditos mensaleiros presos – interessante que só se fala no Dirceu e Genuino – e passar a cobrar e falar no escandalosa caso das propinas durante os vários governos na Prefeitura de S.Paulo e pelo que parece nao foram pratricados por pessoas do PT. É triste tentar ser oposição e não conseguir pois nossos partidos politicos são todos iguais,farinha do mesmo saco.

  2. Claro que era terrorista! Era um agente infiltrado que estava a serviço de Moscou, que à época ainda não existia, mas já era comunista e pretendia implantar esse sistema no mundo inteiro. Sabe como é, os camaradas estavam querendo adiantar o serviço aqui na América Latina…Conselheiro recebeu doutrinação marxista e pregava a luta de classes aos seus caboclos lá em Canudos. Leu “O Capital” (deve ter sido o primeiro a fazê-lo em Pindorama) inteirinho, mesmo sendo semi-letrado. Além disso, praticava assaltos à bancos, explodia bombas e praticava sequestros contra alvos civis. Enfim, um indivíduo perigosíssimo, que sonhava ser o que foram mais tarde Mao Zedong, Pol Pot e Stalin. Por isso o governo tupiniquim (com o apoio secreto dos EUA) resolveu esmagar Canudos, para evitar a implantação de uma ditadura comunista por aqui. Mas como estávamos (e estamos) em Pindorama, algo saiu errado e tivemos mesmo duas ditaduras de direita : Estado Novo e Regime Militar(ambas assassinas e torturadoras).

    PS: É interessante o articulista tenha “escolhido” o Conselheiro para comparar seu caso com o dos mensaleiros, sejá lá o que os dois casos tenham em comum. Parece que há algum problema sério da direitalha com os homens hirsutos: Conselheiro, Marx, Guevara, Lula… Não custa lembrar que genocidas como Mao Zedong, Pol Pot e Idi Amin tinham a cara rapada…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *