Justiça cega não enxerga a crise do país

Bernardo Mello Franco
Folha

Na Roma antiga, a Justiça era retratada como uma deusa de olhos cobertos, que não enxergava para ser imparcial ao decidir. No Brasil de hoje, a Justiça também se diz cega, mas parece usar a venda para não ver a crise no país.

Enquanto os trabalhadores comuns sofrem com demissões e cortes de direitos, o Judiciário quer aumentar o salário de seus servidores em 31,4% neste ano. O plano prevê reajustes até 2017. Em quatro anos, custará R$ 25,7 bilhões ao Tesouro, calcula o Ministério do Planejamento.

A bomba ameaça implodir o ajuste fiscal, mas ganhou o apoio militante do presidente do STF, Ricardo Lewandowski. “Nós precisamos sempre [de reajuste]. Quem é que não precisa pagar o supermercado, já que houve um aumento do preço dos produtos?”, disse, nesta segunda.

AUXÍLIO-MORADIA

Para azar do contribuinte, o ministro não está sozinho na cruzada corporativista. Em setembro passado, seu colega Luiz Fux determinou o pagamento de auxílio-moradia de R$ 4.300 a todos os juízes do país.

A benesse foi aplaudida pelo presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, José Renato Nalini. “Não dá para ir toda hora a Miami comprar terno”, afirmou. “O auxílio foi um disfarce para aumentar um pouquinho. E até para fazer com que o juiz fique um pouquinho mais animado, não tenha tanta depressão, tanta síndrome de pânico, tanto AVC.”

Na terça-feira, a Assembleia Legislativa do Rio começou a discutir mais um benefício para os magistrados fluminenses: um “auxílio-educação” de até R$ 2.860 ao mês. Com o sinal verde de Lewandowski, está aberta uma nova corrida por privilégios.

###
PS
Além das mordomias para os juízes, a única coisa que cresce no país é a coleção de gafes presidenciais. Na segunda-feira, Dilma Rousseff chamou o ministro Edinho Araújo (Portos) de Edinho dos Santos. O prefeito de Niterói (RJ), Rodrigo Neves, foi rebatizado de Rodrigues.

 

11 thoughts on “Justiça cega não enxerga a crise do país

  1. Queria ver o estado de saúde de um magistrado, se tivesse um processo trabalhista que já tem 22 anos tramitando, acho que teria um infarto, não é nenhum benefício, é dinheiro de trabalho suado.
    Até quando veremos este corporativismo no judiciário, o cidadão/contribuinte/trabalhador quer uma justiça mais célere e mais trabalho deste poder público.

  2. A matéria não é excomungada, ném sem-vergonha e muito menos é uma invencionice. Estão por serem criados (e serão) mais treis benefícios: auxílio-educação, auxílio-greche e auxílio-livros.
    Trabalho em um TJ brasileiro, nós servidores estamos indignados.

    • Voces estão indignados mas continuam puxando o saco dos ptralhas,enquanto nos estamos estarrecidos com o tamanho da corrupção gerada pelos ptralhas e com isso estamos pagando o pato.

  3. Caro Jornalista,

    Ora, a melhor maneira do Executivo ficar de bem com a “legalidade” é COMPRANDO O JUDICIÁRIO. Dessa forma, fica mais fácil para um MAGISTRADO QUE RECEBEU AUMENTO de salário considerar ILEGAL quem faz GREVE PARA TER A METADE DO AUMENTO que ele teve!

    Os senhores não se lembram do Governo FHC?
    Depois de aprovarem o plano de cargos e salários para o Judiciário, deixaram os servidores do Executivo anos sem aumento, esperando alguma posição do Judiciário, e este enrolando, enrolando… depois de OITO ANOS, quando decidiram que eles também teriam o direito a um aumento, não disseram de quanto, por isso o FHC deu só UM POR CENTO…

  4. É por estes comentários ridículos que continua a impunidade e as mordomias, todo trabalhador da iniciativa privada paga do próprio salário suas despesas, não a nenhuma lei garantindo auxílio moradia, creche, etc…, ah! que se dando o povo que acha que eles estão certos.

  5. É por estes comentários ridículos que continua a impunidade e as mordomias, todo trabalhador da iniciativa privada paga do seu próprio salário suas despesas, não a nenhuma lei garantindo auxílio moradia, creche, etc…, ah! que se dane povo que acha que eles estão certos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *