Justiça Eleitoral de São Paulo desaprova contas de Alckmin

Camila Maciel
Agência Brasil

O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) desaprovou a prestação de contas do governador reeleito, Geraldo Alckmin Filho (PSDB), e de seu vice, Márcio Luiz França Gomes (PSB). No julgamento de ontem (10), foi apontado que Alckmin não informou a totalidade das doações recebidas nas duas prestações de contas parciais. Cabe recurso da decisão no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A rejeição das contas não impede a diplomação dos eleitos.

Embora os valores doados tenham sido incluídos posteriormente, cinco dos seis juízes entenderam que a omissão é uma infração grave e, por isso, é passível de desaprovação das contas. De acordo com o TRE-SP, a defesa alegou que os valores não declarados foram recebidos na véspera da entrega das prestações de contas. Na primeira parcial, não foi informada a doação de R$ 900 mil e, na segunda, de R$ 8 milhões.

O juiz relator André Lemos Jorge e os magistrados Cauduro Padin, Diva Malerbi, Roberto Maia e Silmar Fernandes desaprovaram as contas. O juiz Alberto Toron votou pela aprovação com ressalvas, além do desembargador Mário Devienne, que presidiu a sessão.

Em nota, o PSDB estadual diz que “nenhuma despesa ou receita deixou de ser contabilizada ou declarada. E nenhum dado foi omitido, segundo atesta a própria assessoria técnica do Tribunal Regional Eleitoral”. “Trata-se de mera questão formal que já foi justificada, que será mais uma vez esclarecida em embargos de declaração a serem apresentados nos próximos dias.”

6 thoughts on “Justiça Eleitoral de São Paulo desaprova contas de Alckmin

  1. E O TRE de Minas reprovou a do Pimentel….
    ” O Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) desaprovou nesta quinta-feira (11) a prestação de contas de campanha do governador eleito no estado, Fernando Pimentel (PT). A assessoria da Coligação Minas Pra Você – composta por PT, PMDB, PCdoB, PROS e PRB – informou que vai recorrer da decisão, tomada por quatro votos a dois. A desaprovação de contas não impede a diplomação dos eleitos.

    A principal irregularidade é referente à extrapolação em mais de R$10,1 milhões do limite de gastos de campanha, definido por Pimentel em R$ 42 milhões, no pedido de registro de candidatura. Segundo o TRE-MG, Pimentel fez transferências de valores ao comitê do PT. A defesa do petista alegou, ainda de acordo com a Justiça Eleitoral, que o montante não poderia representar uma nova despesa relativa ao limite por ter sido utilizado, pelo comitê, em propagandas para o então candidato ao governo.
    ( Fonta G1 ).

    • Virgilio
      Já reparou a diferença: quando não mexiam com grana, as contas dos petistas eram limpas, fáceis de apresentar. Quando chegaram ao poder, tudo mudou. Viraram farinha do mesmo saco e meteram as duas mãos e os dois pés na cabeça.
      É o mundo!

  2. Os petistas, sem poder explicar o tamanho do rombo (ou será roubo) da petrolama, de outras estatais e em todos os lugares por onde estão, praticados ao longo dos p 12 anos, tem momentos de “glória” quando algum político de outro partido é denunciado.
    Quem te viu e quem te vê!
    É como diz o ditado: o ladrão faz a ocasião!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *