Justiça Eleitoral indefere recurso de Arruda e Gilmar Mendes ataca duramente a “vagabundagem” do PT

José Carlos Werneck

Por seis votos a um, o Tribunal Superior Eleitoral  rejeitou, nesta quinta-feira, recurso  do candidato do PR ao governo do Distrito Federal, José Roberto Arruda. Foi confirmada a decisão que o considerou incurso na chamada “Lei da Ficha Limpa”. O ex-governador permanece com o registro de sua candidatura indeferido pela Justiça Eleitoral.

O TSE ainda não julgou se Arruda pode continuar fazendo campanha. Isso só acontecerá depois que Ministério Público ingressar com um pedido nesse sentido. A sessão  foi marcada pelos exaltados ataques do ministro Gilmar Mendes contra pessoas com cargos no governo que, segundo ele, estariam colocando sob suspeição sua atuação no julgamento do ex-governador.

Em 9 de julho, Arruda foi condenado pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal  e Territórios, por improbidade administrativa, dano ao patrimônio público e enriquecimento ilícito. A decisão levou o Tribunal Regional Eleitoral do DF a barrar sua candidatura  com base na Lei da Ficha Limpa. O TSE manteve a decisão do TRE.Os advogados do candidato ingressaram com recurso, que começou a ser julgado na última terça-feira. Na sessão, os ministros Henrique Neves, relator do processo, e Admar Gonzaga votaram pela  inelegibilidade. O ministro Gilmar Mendes pediu vista, adiando o julgamento. Na sessão de hoje, retomou seu voto, mantendo a candidatura.

GILMAR EXALTADO

Gilmar Mendes fez um discurso exaltado contra os militantes políticos que ocupam cargos no Governo que o acusam de estar devolvendo um favor a Arruda. Gilmar contou que mais cedo foi procurado por uma jornalista dizendo ter informações seguras de que ele pedira vista para atender um pleito do candidato. O  motivo: Arruda teria evitado a demissão de uma enteada sua no governo do DF. Então, sem citar o PT, Gilmar fez ataques a filiados e simpatizantes do partido, de onde surgiu a informação.

“Essa gente que tem a militância de sindicatos ou da rua e que trazem essas práticas para secretarias, ministérios, governos, que utiliza Twitter, que utiliza blogs, que falseia  perfis  na Wikipedia, por que está atuando de maneira tão desassombrada?” declarou , acrescentando:

“Que gente desclassificada, que tipo de prática política introduziu nesse país? É preciso denunciar isso. E com dinheiro público financiam-se esses bandidos para fazer esse tipo de ataque baixo, vil. Como se assumir uma posição, alguém que já denunciou ação ex-presidente da República, enfrentou a Polícia Federal num momento em que o governo  não tinha nenhum controle porque estava envolvido com corrupção, e alguém vem a ser atacado por um pedido de vista no TSE! Quanta vagabundagem!”

“Se essa gente é capaz de fazer isso com um ministro do Supremo, inventar uma história, que nós vivemos no submundo que eles vivem, porque eles são capazes disso, realmente criaram um modelo de cleptocracia, de roubalheira! Isso precisa ser denunciado. E claro  eles têm muito a perder. Para nós outros que temos uma vida normal, ganhar ou perder eleição é uma vicissitude da vida. Mas para quem hoje vive nas tetas do estado, não pode perder. Por isso eles são soldados perigosos. Por isso vivem atirando dessa forma, porque até no mínimo existencial eles dependem dessas benesses do Estado. Essa gente não passaria em concursos, não ocuparia cargo DAS não fossem as vinculações políticas.”

“Eles imaginam que um juiz pede vista dos autos para recompensar um falso benefício que ele teria recebido. Porque eles operam com essa medida. E se perdem a eleição voltam ao nada, de onde não deveriam ter saído!”, concluiu Gilmar Mendes.

Pelos mesmos motivos, o TSE rejeitou um recurso da deputada federal Jaqueline Roriz do PMN do Distrito Federal,candidata à reeleição. Jacqueline foi condenada pelo TJDFT por improbidade administrativa no mesmo processo de Arruda. Somente o ministro Gilmar Mendes votou a favor da candidata, respeitando a jurisprudência eleitoral.

15 thoughts on “Justiça Eleitoral indefere recurso de Arruda e Gilmar Mendes ataca duramente a “vagabundagem” do PT

  1. Desembargador condenado pelo CNJ assumirá presidência do TJ em janeiro

    Entre 2004 e 2005, Washington Luiz Damasceno recebeu mais de R$ 1 milhão de forma irregular

    CNJ mandou Washington Luiz devolver mais de R$ 350 mil aos cofres do tribunal

    Eleito na última terça-feira (9) para seu segundo mandato como presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas, o desembargador Washington Luiz Damasceno Freitas ainda tem contas a acertar com a própria justiça. Em abril de 2009 ele foi condenado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) a devolver mais de R$ 350 mil de um montante superior a R$ 1 milhão que teria recebido de forma irregular em pagamentos por ele mesmo autorizados quando no exercício da presidência, cargo que ocupou entre 4 de setembro de 2004 e ao longo de 2005.

    O caso está no Supremo Tribunal Federal (STF) ao qual ele recorreu em junho de 2009 contra a decisão do CNJ mediante um mandado de segurança (MS) que há mais de um ano aguarda por uma definição da relatora, a ministra Rosa Weber.

    FONTE:
    http://www.extralagoas.com.br/noticia/14827/esta-semana-nas-bancas/2014/09/11/desembargador-condenado-pelo-cnj–assumira-presidencia-do-tj-em-janeiro.html

  2. A vagabundagem que é pega filmada gravada ROUBANDO dinheiro público tornou-se roubinho ético para os 20% de corruptos! que viveram dilapidando os cofres públicos até 2002, foram varridos da administração federal, e não se conformam, já estão histéricos, com mais esses quatro anis de desterro que se cristaliza.

    • Sabendo das coisas ou mentindo sobre as coisas. Como todo o MAV, desvia do assunto e não comenta o artigo. Isto é típico dos analfabetos funcionais da Escola do Lulla. Mas, se sabes tanto das coisas, podes comentar sobre um ex-presidente, chefe de uma máfia bandida, com alcunha de Barba. Sim, aquele mesmo que usava o avião presidencial para carregar a amante e dinheiro público roubado da população brasileira. E também, para de patrulhar na Tribuna que aqui as pessoas têm conhecimento político e tipinhos como tu causa apenas repugnância. O teu tipo de comentário pode ser usado para enganar os bolsa-família que estudaram e aprenderam nas escolas do PT, ou seja, nada.

  3. Eu acho muita história para essas duas figuras nefastas da republica que são .Gilmar e Arruda.O Gilmar tinha que ficar com raiva era do Joaquim Barbosa que disse na sua cara ,não sou um de seus jagunços da sua fazenda,quando tomou decisões esdruxulas no supremo na calada da noite.

  4. Então o Aecio entrou na justiça contra 66 twiteiros, para que eles fossem censurados, mas pediu sigilo sobre seu intento. Mas o juiz que não se chama Gilmar, mandou-o plantar batatas

  5. Quanta verdade dita por este ministro sobre os boçais petistas que estão no poder.

    O Brasil terá de ser lavado e desinfetado depois da saída da dilma bucéfalo – o poste do mula.

    Lixo comunista. Escória da sociedade brasileira.

    Odeiam a classe média.

    Mas, é esta classe média que os retirará a ponta-pés do executivo.

    Lixo!

    • Democratas tiram democratas pelo voto.
      Democratas tiram “lixo” com pazinha e saco plástico. Lixo vai para o lixo!
      Façamos a campanha: doe um litro de detergente para limpar o Brasil.
      Wagner, o discurso do “alkohol” querendo transformar todo o brasileiro em “doto”, estava repleto de fluidos.
      Teremos de virar e revirar o estômago deste país

  6. O artigo de José Carlos Werneck, a meu ver, muito bom.
    Retratou com isenção mas não deixando escapar detalhes importantes para o leitor, a sua leitura dos acontecimentos que no momento envolvem a candidatura Arruda, no Distrito Federal.
    Em relação ao dito pelo ministro Gilmar Mendes, em seu desabafo, mesmo sem citar o PT, fico com o comentário do senhor Wagner Pires, na íntegra.
    Grande abraço.

    • A Justiça brasileira está apodrecida, meu amigo Andrade. Pouco se importa com os interesses públicos e com as indenizações a quem foi perseguido pela ditadura.

      Abs.

      CN

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *