Justiça, liberdade e desenvolvimento são vítimas da sociedade igualitária

Imagem relacionada

“Os operários”, tela de Tarsila do Amaral, pintada em 1933

Percival Puggina

Recentemente (eu continuo impressionado com o fato) uma turma de ministros do Supremo, argumentando em defesa do direito de abortar, alinhou o princípio da igualdade, que seria ferido gravemente pelo fato de que só a mulher engravida… A igualdade (justiça, para aqueles que impropriamente assemelham os dois conceitos) exigiria, em favor da mulher, o direito de abortar. A ideia do igualitarismo, da sociedade igualitária, está produzindo loucuras. É como se todas as diferenças, inclusive as determinadas pela natureza, devessem ser corrigidas, declaradas fora da lei, inconstitucionais, com vistas ao império final de um determinado conceito de Justiça.

Outro dia, lendo uma dessas revistas que se debruçam sobre as exuberantes prodigalidades do beautiful people, me vi diante da instransponível desigualdade entre o meu padrão de vida e o daqueles personagens. Dei-me conta, simultaneamente, de que bilhões de pessoas, se tivessem a possibilidade de olhar para mim – para mim! – experimentariam a mesma sensação. Armei-me de coragem e fui adiante nas divagações.

CAPACIDADES – Pensei em tantas habilidades notáveis, como as reveladas nas piruetas de um atleta olímpico, no escrutínio dos sentimentos humanos por um bom poeta, no arrebatador desempenho de um bom ator, na virtuosidade de um pianista consagrado (e fico por aqui porque a lista é inesgotável). Em todos sobram capacidades que não só me faltam como me fazem falta. Eu gostaria de tê-las!

No entanto eu, o atleta, o ator, o bilionário, o virtuose e o poeta, somos iguais. “Iguais em quê?”, perguntaria – carteiro de minhas próprias mensagens – ao Eterno Poeta. Iguais naquilo que mais conta e não nessas coisas de pouca monta, responderia Ele, porque os poetas, às vezes, dizem frases assim, irônicas, metafísicas, de pé-quebrado com a cadência mundana. Sim, muitos se desconcertam com a disparidade entre o deserto e a várzea, quer estejam na natureza ou nas habilidades do corpo e do espírito.

QUALIDADE HUMANA – Ao criar com tão caprichosa variedade, Deus expressa desígnios que relutamos em aceitar. Diante da desigualdade, é comum, por exemplo, cairmos em uma ou outra de duas tentações. Na primeira, incorrem aqueles que sonham com essa ISO 9001 da qualidade humana, onde todos seriam perfeitos e haveria, pela engenharia genética e pela engenharia social, equânime provimento dos atributos que valorizamos, como beleza, saúde, inteligência, força.

Várias utopias foram construídas sob essa inspiração, confundindo a igualdade de direitos e a igualdade perante a lei, com igualdade por força de lei. Levadas às vias de fato, redundaram em povos privados de seus bens e de sua liberdade, sob cruentos totalitarismos que beneficiaram suas elites políticas com os confortos da vida fácil. Na segunda tentação, incorrem aqueles que, revogando por conta própria o Mandamento do Amor, desconhecem a igual dignidade de todos os filhos de Deus, a solidariedade como virtude, e se deixam conduzir pelo egoísmo.

Uma ordem social justa nada tem a ver com sociedade igualitária. A justiça, ao lado da liberdade e do desenvolvimento socioeconômico, são as principais vítimas do igualitarismo. Embora seja apresentado como suposta virtude estatal, ele é mera arrogância política que afronta a Criação e o Plano de Deus.

9 thoughts on “Justiça, liberdade e desenvolvimento são vítimas da sociedade igualitária

    • Virgílio, . . . desculpe a ‘ignorância’ desse interlocutor, . . . mas qual é exatamente o ‘recado’ com que pretende contribuir no artigo do Puggina, através do seu “Se moderniza um pouco…” seguido de um link de notícia forjada por uma vítima dos patéticos conceitos do “Politicamente Correto” ?

  1. O lugar: Brasil
    O nome: a mentira institucionalizada.
    A vitima: 200 milhões de cidadãos Brasileiros.
    O jogo: Amanhã, amanhã… O Brasil é o pais do futuro…..

    “Mega-Sena, concurso 1.887: ninguém acerta e prêmio vai a R$ 40 milhões”
    (crente, crente… jingle bells ‘crap’… )

    E o brasileiro entra na fila, mais uma vez, para ser roubado (jogar loteria).

    Quando foi que uma loteria no fim de ano deixou de acumular?? NUNCA!!!

    Da Loteria Esportiva, que era mais difícil de manipular, sobrou a ZEBRA….

    Essa ZEBRA que nos assola, e nada dá certo no Brasil….

    Amanhã, amanhã….

    O Brasil é o país da mentira.
    E, o pior, mentira importada…..

    Não se educa no Brasil, apenas se engana….

    Êh, e amanhã tem mais…

  2. O bom Analista Social, Jornalista, Sr. PERCIVAL PUGGINA, neste instigante artigo critica os Partidários a todo custo da IGUALDADE na Organização da Sociedade. Se levada a efeito como prioridade, conduz a Sociedade a menos JUSTIÇA, LIBERDADE INDIVIDUAL e CRESCIMENTO ECONÔMICO. Está certo.

    Por outro lado, se temos uma Sociedade onde a DESIGUALDADE vai aumentado constantemente, então vamos em direção a CRISE. Uma Sociedade sadia é aquela que não amplia as DESIGUALDADES e vai eliminando, primeiro a Miséria ( Renda Mensal Individual até US$ 30; e depois a Pobreza US$ 1.000 ), tornando-se a maioria em Classe Média.

    Para isso é necessário que a Economia cresça a média estável de 5%aa, ( A Riqueza produzida dobra a cada 14 anos), a População cresça a média estável de 1%aa, e LEIS sábias incentivem ao máximo a PRODUÇÃO com Salários Dignos.

    O Sistema Social mais JUSTO até hoje implantado na prática foi o do grande MOISÉS em Israel, há +- 3.250 anos atrás. Deu uma PROPRIEDADE a cada Chefe de Família sem exceção. LEIS SÁBIAS completavam todo o resto.

    Uma Sociedade moderna INDUSTRIAL, que também dê possibilidade de TODO Operário acumular PROPRIEDADE, para que na sua Velhice viva de Aposentadoria + Dividendos, é o que de mais Justo se poderia conseguir.

    Há um ano atrás, encontrava-me em uma fila de espera de uma Universidade Particular e comecei como é meu costume a conversar com dois senhores +- da minha idade recém-Aposentados. A história de ambos era +- semelhante, e eles me disseram que eram Nordestinos que vieram para S. Paulo, que depois de algumas peripécias, começaram a trabalhar para a FORD SA e lá fizeram a carreira. Por acaso haviam casado com senhoras aqui de Santa Catarina que também tinham ido para S. Paulo em busca de melhores condições de Trabalho. Tiveram 2 Filhos, o mais velho Engº Mecânico trabalhando em São Paulo e a filha mais nova ainda na Universidade, curso de Direito.
    Que lá possuíam a casa em que moravam e com esforço construíram outra para alugar, mais 2 Lotes de Terra… além de uma média Poupança em Dinheiro. Na Aposentadoria optaram por vir para a grande Florianópolis-SC terra de suas Esposas, e como aqui tem muitos imóveis de Praia, na época a bom Mercado, com as Indenizações, FGTS, Poupança, etc, compraram 3 Apartamentos, foram morar em um, alugaram os outros dois, mais os aluguéis de Sâo Paulo, mais as Aposentadorias e estavam contentes. Além do que, o Custo de Vida aqui era +- 30% mais barato que em São Paulo, e tinham a companhia dos Parentes das Esposas que sempre visitavam. Um deles ainda trabalhava em uma grande Oficina Mecânica dando assistência meio expediente.
    Isso que aconteceu com eles, pode acontecer com a maioria dos Operários Brasileiros em uma Economia Forte como podemos construir. Basta SABEDORIA e ORGANIZAÇÃO.

    • Esta é a história de minha família e das famílias de grande parte dos meus amigos. Trabalhadores que vieram do interior do estado, batalharam, compraram imóveis, se aposentaram, sem enriquecer, vivem bem!
      (Hoje somos chamados de coxinhas).
      Não tiveram cotas nem auxílios, sabiam que o futuro dependia única e exclusivamente deles.
      É claro que seu ponto, a economia forte, é fundamental, mas se continuarmos a tratar o povo com todo esse paternalismo, se nossas crianças se acharem coitadinhas, a exemplo dos pais, nem uma economia forte resolverá.
      No dia em que pais e filhos batalharem por educação melhor, forem a luta e pararem de esperar pelas esmolas do governo, aí sim estaremos no caminho certo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *