Katia Abreu avisa o Planalto que não aceita “sangrar em público” na disputa por vaga no TCU

A senadora Kátia Abreu

Kátia Abreu se acertou com Bolsonaro e não quer conversa

Mariana Carneiro
O Globo

O Senado ainda nem resolveu o impasse em torno da indicação de André Mendonça ao Supremo Tribunal Federal e já existe uma nova queda de braço ardendo nos bastidores. É a disputa pela vaga aberta no Tribunal de Contas da União com a ida de Raimundo Carreiro para a embaixada do Brasil em Lisboa, que deve ser aprovada nesta quinta-feira.

A senadora Kátia Abreu (PP-TO), que se credenciou para a corrida com o apoio de Jair Bolsonaro ainda em julho, está incomodada com a movimentação do líder do governo, Fernando Bezerra (MDB-PE), que também quer a vaga. E já mandou avisar interlocutores em comum com o presidente da República: não vai admitir sangrar em público.

BRIGA DE FOICE – Segundo aliados de Kátia no Senado, a senadora está convencida de que Bezerra entrou na campanha pela vaga no TCU para esvaziar a sua candidatura e dar vantagem a Antonio Anastasia (PSD-MG). O mineiro, que conta com o apoio do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, também quer submeter seu nome ao plenário.

Por lei, a vaga de Carreiro é de preenchimento do Senado. Para ser escolhido, o candidato tem que ter a maioria dos votos em plenário, entre 81 senadores. Pelas contas de Kátia, Bezerra não tem apoio para ser aprovado, mas lhe tira ao menos 10 votos na disputa.

Ela está tão convicta de que é vítima de uma ofensiva que só chama Bezerra de “Arthur Virgílio do Anastasia”, em referência ao amazonense que disputa as prévias do PSDB com poucos votos, mas atua em consonância com João Doria contra Eduardo Leite. Segundo os relatos de aliados, seu recado a Pacheco e a Davi Alcolumbre (DEM-AP) foi direto: que não atuassem nessa disputa.

ALTA PRESSÃO – Com a confirmação de Carreiro para a embaixada em Portugal, a temperatura da briga deve subir. Kátia vinha competindo há meses pela vaga com Anastasia (PSD-MG). Em julho, a senadora foi recebida por Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto, numa conversa da qual saiu com um acordo para seguir na disputa com apoio do governo.

A ideia de lançá-la foi de Renan Calheiros (MDB-AL), em abril, assim que Bolsonaro sinalizou que indicaria Carreiro para a embaixada e Pacheco começou a trabalhar pela indicação de Anastasia. Renan então reivindicou o posto alegando, entre outras razões, que Carreiro foi indicado pelo próprio MDB há 14 anos – Renan e José Sarney apresentaram o nome dele em 2007.

Embora seja filiada ao PP, Kátia é muito próxima de Renan, que lhe garantiu o apoio de parte do partido, o mais numeroso do Senado. O filho dela, o também senador Irajá Abreu (PSD-TO), ajudou a aproximá-la de Flávio Bolsonaro – os dois são amigos. E os caciques do PP, Ciro Nogueira e Arthur Lira, confirmaram o apoio de Bolsonaro.

ENTRA BEZERRA – Em agosto, Bezerra decidiu se candidatar também, embolando a corrida. Segundo alguns senadores próximos, ele teria se lançado em razão da preocupação com o futuro político – ele teme não conseguir a reeleição no ano que vem, e a vaga no tribunal de contas é vitalícia.

Nas conversas em que pede votos aos colegas senadores, Bezerra menciona o fato de ser líder do governo como credencial. Ele não fala sobre o que quer fazer no TCU. Diz apenas que é uma alternativa aos outros dois – uma espécie de terceira via, por assim dizer.

A campanha tardia e avançando sobre eleitores coincidentes provocou a ira de Kátia Abreu. Nas conversas que vem tendo nos últimos dias com os caciques governistas, ela já avisou que, se a disputa se acirrar, ela não embarcará numa briga pública que pode resultar em desgastes eleitorais. Noutras palavras, que escolham um dos dois lados.

NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGKátia Abreu e Antonio Anastasia disputam um emprego de alto salário, mordomia total e aposentadoria garantida, enquanto Fernando Bezerra luta para continuar a ter foro privilegiado, para retardar investigações, inquéritos e processos judiciais. Como dizia Ibrahim Sued, em sociedade tudo se sabe. (C.N.)

6 thoughts on “Katia Abreu avisa o Planalto que não aceita “sangrar em público” na disputa por vaga no TCU

  1. Como é mesmo o nome daquela espécie de peixe carnívoro de água doce?? Lembrei; PIRANHA!!! E daquele animal quadrúpede da família dos cervídeos??? Ah!! Veado . E o nome daquele jogo … Resta um! Lembrei; Resta apenas o taratatataraneto do capitão do donatário. “Pra frente Sucupira”!!!!!!

  2. Newton, para deleitar-se com todos esses benefícios, a senadora não precisa deixar o senado. lá desfruta de tudo isso. com plano de saúde para ela e familiares, cotas passagens, carros, viagens ao exterior, para passear e trazer relatórios fajutos, elaborados por assessores, claro. etc, etc.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *