Kid Morengueira e as “polacas” que foram trazidas ao Brasil pela máfia judaica

Moreira Da Silva - O Último Malandro | Edições | DiscogsJacques Gruman
A Voz da Esquerda Judaica

Calhava de ser na hora do almoço. Entrava no ar uma seleção musical e os ouvintes ligavam para escolher suas prediletas. Era o Peça bis pelo telefone, programa da rádio Mayrink Veiga. Imaginem vocês o engarrafamento telefônico numa época em que conseguir linha era mais difícil do que arrancar verba federal para a educação. O sucesso ganhava destaque nos Mexericos da Candinha.

Pois foi ali, pelas ondas do rádio a válvula, chiados em penca, que ouvi Moreira da Silva pela primeira vez. Eu ainda não sabia, mas aquele era o samba de breque em seu não raro esplendor.

REI DO GATILHO – Kid Morengueira invadia o velho oeste como Rei do gatilho, numa sátira engraçadíssima. O Menino, fascinado, decorou a letra quilométrica, simulando duelos improváveis e soprando o cano fumegante de pistolas invisíveis. Até hoje lembro do início da história: Começa o filme com um garoto me entregando/um telegrama lá do Arizona onde um bandido de lascar/um bandoleiro transviado que era o bamba lá da zona/e não deixava nem defunto descansar. E por aí a coisa ia, até o final, que era meio impróprio…

Pesquisando a trajetória do Moreira, descobri uma história de paixão que durou 18 anos e se confunde com a história do Rio. Em 1964, ele gravou Judia rara. No começo, fala em ídish: Minha linda menina, sou louco por você. Durma, minha criança. Imaginem um malandro frequentador da Lapa, terno branco e chapéu panamá, gingado até no gogó, falando na mame loshn! Intrigado com aquilo, corri atrás da dita cuja. Quem era? Como se conheceram?  Eis que surgem as polacas.

MÁFIA JUDAICA – Negócio Na segunda metade do século XIX, a organização Zwi Migdal, uma espécie de máfia judaica com sede em Varsóvia, conduzia um negócio lucrativo. Rufiões muito bem apessoados percorriam aldeias e povoados da Europa profunda, oferecendo casamento a mocinhas judias.

Vítimas de pobreza secular, virgens das malícias do mundo, as famílias consentiam que as moças viajassem com os charlatães. No navio, eram estupradas e, ao chegarem no destino, que podia ser o porto de Santos ou do Rio de Janeiro, acabavam em bordéis.

Embora viessem de vários países, foram apelidadas de polacas. A paixão de Moreira da Silva, Estera Gladkovicer, era cafetina num daqueles bordéis.

JACOB DO BANDOLIM– Pequena pausa com patrocínio do Colírio Moura Brasil. Jacob do Bandolim, na verdade Jacob Pick Bittencourt, era filho de polaca. Sara Raquel Pick gerenciava uma pensão na rua Joaquim Silva, usada por prostitutas.

Criança, Jacob ouvia um francês cego, sobrevivente da I Guerra Mundial, que, no térreo, tocava violino. Gostava daquilo e, sabendo disso, Sara lhe deu um de presente. Decepção. O arco do violino cansava demais o pequeno Jacob, que acabou dedilhando, melhor seria dizer pinicando, as cordas do instrumento com um grampo da mãe.

Sofia, inquilina da pensão e com bom ouvido musical, percebeu a semelhança do novo timbre com o bandolim. Resultado: Jacob ganhou este instrumento aos 13 anos. Funcionou tão bem que, aos 15, estreava na rádio Guanabara. O resto, bem, o resto é a carreira de um dos maiores músicos que já pisaram nessa terra.

SINAGOGA PRÓPRIA – Voltamos à nossa programação normal. Para manter sua identidade, as polacas, perseguidas pela polícia e discriminadas pela comunidade judaica (que temia ser associada a uma atividade condenada pela moral da época e, com isso, abastecer o antissemitismo), criaram sinagoga e cemitério próprios, administrados por uma sociedade de ajuda mútua. O cemitério, inaugurado em 1916 e desativado desde a década de 1970, fica em Inhaúma.

É interessante lembrar que os cafetões do Zwi Migdal patrocinaram peças do teatro ídish, encenadas nas décadas de 1910 e 1920 em teatros do Rio de Janeiro. Sob protesto de lideranças comunitárias judaicas, as polacas adquiriam os melhores lugares dos teatros e para lá iam, paramentadas comme Il faut.

ASSUNTO TABU – Embora estudos acadêmicos já tenham lançado luz na trajetória destas mulheres, ainda hoje o assunto é uma espécie de tabu. Muitos judeus gostariam que a história permanecesse clandestina, não querem “manchar” a versão oficial, idealizada, da formação da comunidade judaica no Brasil.

Não percebem, como lembrou o Millôr, que o passado não passa. E é melhor que não passe mesmo. Maquiá-lo ou apresentá-lo apenas como sucessão virtuosa de “superações” e “sacrifícios” significa legar às novas gerações uma farsa.

As polacas morreram duas vezes. Primeiro, enganadas por exploradores, que lhes roubaram juventude e sonhos. Depois, por uma comunidade que não compreendeu seu drama. Censurou ao invés de dialogar ou simplesmente compreender e acolher. Não merecem a terceira morte: a do olvido, como se não tivessem sequer existido.

Abraço. E coragem.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
– Sensacional o artigo enviado por Mário Assis Causanilhas. Considero Jacques Gruman um dos melhores cronista do país. Não entendo porque ainda não é famosíssimo, como João do Rio, Rubem Braga, Fernando Sabino, Elsie Lessa, Mário Prata, José Carlos Oliveira ou Ruy Castro. Ao texto maravilhoso, acrescento que a música “Rei do Gatilho”, foi composta por Miguel Gustavo, meu vizinho no Edifício Zacatecas, casado com a famosa vereadora Sagramor de Scuvero. Como todos sabem, recordar é viver, uma marchinha inesquecível, de Aldacir Louro e Aluísio Martins. (C.N.)
 

6 thoughts on “Kid Morengueira e as “polacas” que foram trazidas ao Brasil pela máfia judaica

  1. Desculpa pelo minha ignorância,mas esse provinciano nunca viu ou ouviu falar de Jacques Grumam.

    Diria o nosso saudoso Bendl, só esse blog incomparável dissemina cultura e conhecimento.

    De outra banda,o texto é um primor. Sem militância, sem paixão, mas om uma sensibilidade aguçada…

    Parabéns…

  2. Crônica maravilhosa.
    Passou as informações com espírito e galhardia.
    Mesmo não conhecendo o cronista e sendo da velha guarda, vivi no rio lá nos idos de 64, lia o JB e Correio da Manhã. Os outros conhecia pelas leituras de jornais e sou fã do conterrâneo Rubem Braga e que foi considerado o cronista do século.
    CN, foi muito boa essa postagem, saiu um pouco do cotidiano com muita leveza.
    Clap Clap.

  3. Uma história linda. Os Rufioes exploradores de mulheres enganaram as polacas e suas famílias como enganam aquelas que desejam cafetizar, tudo visando o dinheiro. Usam a lábia, mentem descaradamente e destroem o sonho alheio.
    Kid Morengueira foi uma figura realmente. Jards Macalé é o seu sucessor, porém, a mídia não dá espaço para esse excepcional músico.
    Alguém podia escrever essa historia?

    • Vim ao mundo muito depois destes tempos incríveis de figuras espetaculares, no auge da fama,como Kid Morengueira.
      Meus saudosos pais, me “aplicavam” na magia destes tempos, acionando uma velha radiola…
      Linda e ilustrativa matéria…
      Parabéns a todos que ajudaram no acesso à esta leitura encantadora…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *