Lava Jato aponta que Secretário de Transportes de SP recebeu propinas de empresários até março de 2019

Baldy recebeu propinas custeadas pelos cofres públicos do Rio

Paulo Roberto Netto, Pepita Ortega e Fausto Macedo
Estadão

A Lava Jato apontou que o ex-ministro das Cidades e atual Secretário de Transportes Metropolitanos de São Paulo, Alexandre Baldy, recebeu propinas de empresários investigados até março do ano passado. Os repasses eram relacionados a acordo fechado em 2016 pela Junta Comercial de Goiás (Juceg) com a empresa Vertude, de Ricardo Brasil, Manoel Brasil e Edson Giorno, delatores que antes trabalhavam na Pró-Saúde, investigada por desvios no Rio.

A Vertude teria sido beneficiada por uma licitação direcionada para prestação de serviços de informática para a Juceg, à época presidida por Rafael Lousa, ligado a Baldy. Em troca do acordo, Baldy recebeu 15% do valor do contrato.

PAGAMENTOS – “Com a celebração do pacto, iniciaram-se os pagamentos ao ex-ministro Alexandre Baldy, que até março de 2019 seriam devidos e efetivados pessoalmente por Edson Giorno em Brasília, em razão de o contrato ainda estar vigente”, apontaram os procuradores da Lava Jato Rio. O grupo pediu a prisão preventiva do secretário de Doria.

Segundo o Portal da Transparência, a Juceg pagou R$ 4,2 milhões à Vertude entre 2016 e 2018. A licitação, contudo, teria sido direcionada para beneficiar a empresa, que também pagou 5% de propina ao presidente da Junta Comercial, Rafael Lousa. A Vertude ainda pagou propina de R$ 5 mil a dois funcionários da Juceg para garantir o andamento da licitação. Lousa e os servidores foram presos temporariamente na Operação Dardanários, deflagrada nesta quinta-feira, dia 6, pela Polícia Federal.

DIRECIONAMENTO – O acordo firmado pela Vertude com a Juceg teria sido possível por meio de Alexandre Baldy, que pediu à Rafael Lousa para ajudar a empresa dos colaboradores. Inicialmente, a Juceg iria contratar diretamente a Vertude, mas no fim, foi obrigada a fazer uma licitação. Mensagens obtidas pela força-tarefa da Lava Jato Rio apontam que Lousa orientou Edson Giorno, da Vertude, a incluir serviços que seriam prestados no contrato da empresa com a Juceg para facilitar a justificativa da contratação.

“Até mesmo a forma de contratação, com valores variáveis conforme a quantidade de usos dos serviços, foi uma indicação de Rafael Lousa”, apontaram os procuradores. Em um ‘afã para aumentar seus ganhos’, segundo apontou a Lava Jato, Lousa também teria cobrado um aumento da propina que receberia pelo contrato com a Vertude. Ao invés de 5%, o presidente da Juceg cobrou 10% do contrato.

“Com o novo percentual, foi necessário um aumento considerável na demanda do contrato e, por conseguinte, um aumento nos valores recebidos pela Vertude e por todos aqueles que recebiam um percentual de propina”, apontou a Lava Jato.

PROPINAS MENSAIS – O esquema contou, ainda, com a participação de dois servidores de Lousa, identificados pelos empresários como ‘Guto’ e ‘Izídio’. Ambos abordaram um funcionário da Vertude e solicitaram propinas mensais ‘para não atrapalharem o andamento do contrato’. Guto, identificado pelos procuradores como Carlos Augusto Brandão, e Izídio Ferreira dos Santos Júnior passaram a receber, cada um, R$ 5 mil da Vertude.

Os dois funcionários, junto de Rafael Lousa, foram presos temporariamente na Dardanários. A operação foi deflagrada para ‘desarticular conluio’ entre empresários e agentes públicos, que tinham por finalidade contratações dirigidas, especialmente na área da Saúde. Também foi decretado o bloqueio de mais de R$ 12 milhões de todos os investigados.

###
COM A PALAVRA, O CRIMINALISTA PIERPAOLO CRUZ BOTINI, DEFENSOR DE BALDY

Alexandre Baldy tem sua vida – particular e pública – pautada pelo trabalho, correção e retidão. Ao estar em cargos públicos, fica sujeito a questionamentos. Foi desnecessário e exagerado determinar uma prisão por fatos de 2013, ocorridos em Goiás, dos quais Alexandre não participou. Alexandre sempre esteve à disposição para esclarecer qualquer questão, jamais havendo sido questionado ou interrogado, com todos os seus bens declarados, inclusive os que são mencionados nesta situação. A medida é descabida e as providências para a sua revogação serão tomadas.

COM A PALAVRA, A SECRETARIA DE TRANSPORTES METROPOLITANOS

Na manhã de hoje (6), a Polícia Federal esteve na sede da Secretaria dos Transportes Metropolitanos, em São Paulo, cumprindo mandado de busca e apreensão da Operação Dardanários, que foi expedido pela 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro. Importante ressaltar que tal operação não tem relação com a atual gestão do Governo de São Paulo. A STM colaborou junto à PF enquanto estiveram no prédio. Após as buscas, nenhum documento ou equipamento foi levado pela Polícia Federal.

COM A PALAVRA, O GOVERNADOR JOÃO DORIA

 Os fatos que levaram as acusações contra Alexandre Baldy não têm relação com a atual gestão no Governo de São Paulo. Portanto, não há nenhuma implicação na sua atuação na Secretaria de Transportes Metropolitanos. Na condição de Governador de São Paulo, tenho convicção de que Baldy saberá esclarecer os acontecimentos e colaborar com a Justiça.

COM A PALAVRA, A PRÓ-SAUDE

A Pró-Saúde informa que, desde 2017, tem colaborado de forma irrestrita com as investigações e vem adotando ações para o fortalecimento de sua integridade institucional.

4 thoughts on “Lava Jato aponta que Secretário de Transportes de SP recebeu propinas de empresários até março de 2019

  1. Escrevi anteriormente que a corrupção tomou conta dos poderes constituídos.

    Do jeito que os corruptos são “punidos”, a impunidade alia-se à corrupção de tal forma, que se transformam numa simbiose com força destruidora sobre qualquer tentativa de se diminuir a desonestidade e ilicitudes.

    Certamente acredito que, se quiséssemos mesmo combater essa chaga aberta, haveria a necessidade de penas absolutas, extremadas, para esse tipo de crime, a corrupção.

    Por exemplo:
    Os casos de roubos de secretários da saúde na compra de aparelhos para combater a pandemia é qualquer coisa de hediondo, de crime contra a humanidade!
    Alguma punição especial?
    Nada.

    Sei que será impossível aprovar qualquer lei que castigue severamente esse tipo de ladrão, o pior de todos.
    Mas, bem que viria a calhar, a pena de morte.
    No entanto, diante do aspecto moral, filosófico e religioso, de se tirar a vida de uma pessoa, então o congresso poderia criar uma lei que, em casos de guerra – como nos encontramos porque assim foi decretado pelo presidente -, a prisão perpétua!

    Não podemos mais, aceitar passiva e covardemente, que roubem dinheiro que era destinado especificamente à saúde pública, e de modo a amenizar as mortes ocasionadas pelo COVID-19.
    Nessas alturas, os ladrões mereceriam medalhas de honra ao mérito e o povo uma figa, por ser tão benevolente com seus inimigos!

    Mas, isso é o Brasil:
    um paraíso para corruptos, ladrões, estelionatários, e um inferno para honestos, trabalhadores e aposentados!

  2. Para complementar, permito-me reproduzir comentário meu:
    F.Moreno7 de agosto de 2020, 13:27 at 13:27
    Corrupção, Senhores! Corrupção, causa e efeito das crises política, econômica, fiscal, social e moral nacionais.
    Corrupção! Não aquela corrupção primária do Ademar de Barros, com seu popular bordão “Rouba, mas Faz”, mas a corrupção sistêmica, assassina. organizada e impune que promove a miséria e o atraso do país.
    Corrupção, que se incorporou sorrateira e gradualmente à realidade brasileira, talvez facilitado pela falsa imagem de inocente malandragem do “Rouba, mas Faz”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *